1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Quarto de despejo (Carolina Maria de Jesus)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por -Jorge-, 4 Out 2011.

  1. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Quarto de despejo: diário de uma favelada é um livro publicado em 1960 de Carolina Maria de Jesus moradora da favela do Canindé em São Paulo. O livro é formado por trechos selecionados de seu diário anotado em 20 cadernos entre os anos de 1955 e 1959. O título do livro se explica pela teoria da autora de que a cidade seria formada pela "sala de visitas", o palácio de governo, a "sala de jantar", a prefeitura, o "jardim", os bairros ricos com suas mulheres e crianças bem vestidas, casas coloridas e com flores, e a favela, o quarto de despejo ou quintal, onde jogam o lixo.

    A fome. A fome é o que mais vemos durante o segundo ano do diário de Carolina Maria de Jesus. Quase todos os dias, as mesmas dificuldades para conseguir um mínimo de comida para si e para os três filhos. Hoje, sopa de macarrão com cenoura, depois, feijão com arroz (conseguido com uma vizinha), depois, polenta. Mas assim sempre, uma refeição diária. Carne? Um sonho, como os que a autora descreve de vez em quando. Quando Carolina engorda é por estar usando três casacos por causa do frio. Como é possível que catando papel o dia todo e lavando roupas para dois clientes ainda esteja em falta (e passe fome)?

    Mas a fome não é o único personagem dessas histórias. Há também os vizinhos de Carolina com suas infernais brigas diárias por qualquer motivo, alimentadas pelo álcool. Como anota a autora: "A única coisa que não existe na favela é solidariedade" e que "[...] aqui não há consideração mútua". Ao mesmo tempo ela contradiz isso quando mostra consideração pela menina de 15 anos que come salsichas do lixo ou pelo catador de papel de 24 anos que já "cansou da vida"; ou é contrariada por outros vizinhos ou pessoas que lhe dão comida ou dinheiro.

    O retrato não é muito bonito. Ele inclui também os comentários sobre pequenos desgraças diárias, a constante falta de calçados dos filhos, a maledicência das mulheres na torneira da água, os políticos que só aparecem na época da eleição, prostituição, pedofilia, incesto. Carolina critica os políticos da época nominalmente, mas critica também o Estado de maneira indireta ao narrar seu encontro com dois jovens fugidos de uma instituição de cuidados para menores que narram os "cuidados" que recebiam; ou as visitas do serviço de saúde, por exemplo, que passa vídeos sobre a esquistossomose e diz para os moradores não usarem a água do rio, mas não lhes dá nenhuma outra opção no lugar.

    Essas imagens só se tornam mais leves de vez em quando graças a certo humor da autora ou a alguma beleza que ela tenta acrescentar no relato narrando seus sonhos ou uma conversa que teve com a mãe ou falando da natureza. Infelizmente ela não fala muito sobre si mesma: como chegou ali, se sempre levou essa vida, quem foram seus pais... Apesar de não caber exatamente em um diário, a falta disso é um pouco frustrante.

    Nos seus últimos dias o diário acompanha algumas mudanças que se deram com a publicação para Carolina: na verdade a situação dela na favela não ficou muito boa por alguns comentários sobre os vizinhos, ao mesmo tempo em que não mudou muito imediatamente, se ela esperava fama e fortuna. A fama viria depois, para desaparecer logo em seguida. A fortuna nunca veio.

    Alguém foi obrigado a ler na escola ou para o vestibular ou conheceu de outra forma?
     
  2. Marcileia

    Marcileia Usuário

    Minha tia tem esse livro, por duas vezes que estive de férias na casa dela comecei a ler.
    Mas é uma história tão pesada para umas férias que abandonei sem ter terminado, às vezes penso no livro e que gostaria de lê-lo inteiro, justamente para verificar se ocorre alguma mudança positiva na vida da autora....
     
  3. Ashe

    Ashe Usuário

    Mas que eu me lembre não ocorre não viu. A vida dela é uma tristeza só! Me recordo até de uma passagem em que ela diz que só é feliz em sonhos... Sonhos que ela tem a noite quando consegue dormir, sonhos que Deus dá a ela como um gesto de misericórdia.
    O livro é bem pesado mesmo, mas é a mais pura realidade. Não sei como há pessoas que ainda discordam disso.
    Livro pra refletir e aprender a valorizar o que temos.
     
  4. Nadz

    Nadz Usuário

    Para falar a verdade nunca tinha ouvido falar, nem na escola. Parece interessante,mas eu tenho um olhar meio.. ressabido para com livros em forma de diário ou vindos de diário... mas gostaria de le-lo sim!
     
  5. Marcileia

    Marcileia Usuário

    Sim, é a mais pura realidade e que está ao nosso lado.

    Moro numa cidade pequena (e sim, tem pobres que passam fome, crianças que não tem roupa/calçado para vestir no inverno frio...), mas tenho a impressão de que fechamos os olhos a esses acontecimentos, como se isso só existisse em outras cidades/países.
    Quando li Cidade de Deus tive a mesma impressão "isso não pode acontecer no Brasil", mas aí parei para pensar racionalmente e cheguei a conclusão de que talvez muitas das coisas que acontecem no livro podem estar acontecendo na minha cidade... só que é mais fácil ignorar e fazer de conta que só o mundo belo e bom existe...
     
  6. Ashe

    Ashe Usuário

    Com certeza, é inevitável pensar de inicio que essa realidade aí é distante, mas não é. Tem passagens que são tão cruéis que duvidei que o ser humano realmente seria capaz de fazer algo do tipo.
     
  7. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

Compartilhar