1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

POR QUE OS LIVROS ESCRITOS ENTRE 1920-1990 ESTÃO SUMINDO?

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Ana Lovejoy, 16 Fev 2015.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Dá uma olhada nesse gráfico, que mostra novas edições de livros disponíveis na Amazon, distribuídos por década.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O que é esse buracão entre 1910 e 2000?

    Direitos autorais.

    Os direitos autorais surgiram em 1923.

    Todas as obras anteriores a esta data são de domínio público e portanto são frequentemente republicadas.

    De 1923 para frente, as editoras precisam pagar pelos direitos autorais e acabam optando por investir em títulos mais recentes, porque vendem mais.

    O resultado é um total desaparecimento da maioria dos livros do século passado das prateleiras das livrarias, sejam elas online ou offline.

    Isaac Asimov, Ray Bradbury, Kurt Vonnegut, Jack Kerouac e tantos outros, cada vez menos disponíveis. E apesar do gráfico e da fonte dessa pesquisa serem americanos, acredito que o fenômeno se repita em outros países, inclusive por aqui (Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, João Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Cecília Meireles etc).

    Isso tudo sem mencionar a música, que sofre do mesmo mal.

    O objetivo dos Direitos Autorais, segundo os advogados que frequentemente os defendem, é “assegurar aos detentores um lucro pela propriedade intelectual, além de viabilizar a disponibilidade e a adequada distribuição da obra”.

    Não é o que o gráfico mostra.

    No lugar de barrinhas amarelas bem altas entre 1920 e 1990, nos resta 50 tons de cinza.

    Fonte da pesquisa:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    by Paul J. Heald at the University of Illinois
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    img by
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    /
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    ************

    a ideia inicial levantada pelo texto é boa e acho que procede sim. a não ser em casos quando subitamente há um interesse do público em geral sobre determinado autor, as obras vão se esgotando (lembro aqui mais especificamente do caso do paris é uma festa do hemingway, logo após o lançamento de meia noite em paris). aliás, assim que saiu a notícia do livro novo da harper lee, aqui na valinor estávamos nos questionando sobre pq diabos to kill a mockingbird tinha sumido das livrarias brasileiras se o livro é um clássico.
    tá aí a resposta, né.

    por outro lado, que conclusão mais preconceituosa. concordo com a parte da disponibilidade e distribuição, mas a última frase dá quase a entender que tudo o que é feito atualmente é ruim, quando nem precisa cavocar muito para encontrar um livro de qualidade que tenha sido publicado de 2000 até atualmente.
     
    • Ótimo Ótimo x 5
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Tilion

    Tilion Administrador

    A barra alta nos anos 2000 pode ser explicada também pelo surgimento e consolidação da autopublicação, tanto por ebooks como por meios impressos, o que já corta o intermédio de um terceiro que seria o responsável pela aquisição dos direitos autorais e publicação da obra, garantindo que essas obras estejam sempre em catálogo.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Nunca tinha parado pra pensar nisso... É um argumento forte.
     
  4. Deriel

    Deriel Administrador

    Outra coisa, não citada no artigo (muito bom, por sinal) mas que faz muita diferença é que, uma vez sendo a (re)publicação paga, os editores e o mercado são bem mais seletivos na escolha de títulos. Não sei se o gráfico engloba ebooks, mas acredito que sim, pois justificaria em muito os números pré 1923, uma vez que o custo de publicação é virtualmente ZERO, sendo possível republicar qualquer coisa, mesmo a porcaria mais ignóbil do início do século pois se não vender, dá nada.

    Depois disso há um custo e pra cobrir este custo é necessário um mercado consumidor e portanto há uma seletividade natural do mercado. Livros simplesmente ruins ou medíocres encontrarão uma barreira natural de republicação. Ou seja, além dos direitos autorais formarem um dificultador pelo custo, tornam o mercado mais seletivo pela qualidade (ou "qualidade" pois é mais no sentido de "vendabilidade") da obra. Por um lado é até bom, pois tira muita porcaria do mercado, por outro, limita a escolha do leitor.

    Aquele pico de 1990 e 2000 eu acredito que seja por causa da "aposta das editoras", aquele livro que "pode bombar", as primeiras edições, a maioria absoluta das quais não verá uma republicação (pq não vendeu bem e tem custos envolvidos). Além, claro, da autopublicação, principalmente de ebooks (custo praticamente zero).
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Isso vale pra qualquer livraria online. Tem autor que você não acha, não que não haja republicação, mas não interessa pra eles terem em estoque.
     

Compartilhar