1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Copa 2014 Padrão Fifa" ameaça liberdade a palavrões em estádios brasileiros

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 19 Ago 2013.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Se você frequenta estádios de futebol, é melhor pensar em um jeito mais criativo de reclamar com juízes e adversários. Um dos alvos do "padrão Fifa" das novas arenas do Brasil é a linguagem. Nesses equipamentos, os palavrões estão com os dias contados. Antes da Copa das Confederações deste ano, realizada no Brasil, a Fifa divulgou um manual de conduta para os estádios da competição. A lista tinha 50 normas, e os vetos incluíam gritos e palavrões.

    Durante o evento, ao menos três pessoas relataram ao UOL Esporte que foram repreendidas por orientadores e por outros espectadores por causa da linguagem nos estádios. Em todos os casos, o argumento que esses torcedores ouviram é que "havia famílias presentes". "A paixão exacerba e acentua tudo, levando o indivíduo a ter reações que não tem normalmente. O ambiente favorece também por ser mais permissivo. Ele acaba extravasando vários problemas, como se fosse uma catarse coletiva. É um padrão até civilizacional das grandes festas, como o futebol e o Carnaval. Mas se eu ultrapassar e transgredir a lei, ferir o limite da liberdade ou confundir adversário com inimigo, aí é outra coisa", explicou Mauricio Murad, professor titular do mestrado de sociologia do esporte na instituição de ensino Universo (Universidade Salgado Oliveira).

    O psicólogo Florival Scheroki também cita a importância do ambiente para determinar os limites da linguagem: "Basicamente, os palavrões são formas de expressão que você aprende culturalmente. A importância que eles têm é expressar uma emoção. Muitas vezes, essas pessoas não usariam esse comportamento em outro contexto. O cara que é executivo tem problemas no trabalho, mas não pode reagir daquela maneira". Scheroki, no entanto, não vê o futebol como forma de compensar a opressão que os torcedores passam em outros âmbitos. "Não acho que você leve para um campo de futebol as mágoas anteriores e afogue tudo ali. Acho que a emoção tem mais a ver com aquele contexto, mesmo", avaliou o psicólogo da USP (Universidade de São Paulo).

    As regras de conduta em estádios não são exclusividade da Fifa. Na MLS, a liga profissional de futebol dos Estados Unidos, o New York Red Bulls ofereceu US$ 500 por jogo para o público que ficar sem falar palavrões. A medida do time de Nova York é uma reação a um movimento crescente na MLS, conhecido pela sigla YSA ("You suck asshole"). Basicamente, a ideia é gritar essas três palavras antes dos goleiros cobrarem tiros de meta, cópia de um movimento muito tradicional nos estádios mexicanos.

    Em e-mail para os torcedores, a diretoria do New York Red Bulls mostrou preocupação com essa onda. A mensagem apresenta a oferta financeira, que é válida apenas para grupos de adeptos. "Não sei se a cultura brasileira conseguiria erradicar os palavrões. Por que as pessoas deixariam uma forma de expressão adquirida? Será que eles venderiam isso? Eu não acredito", comparou Scheroki.

    Regras de comportamento em estádios de futebol, aliás, são comuns nos Estados Unidos. Existem até alguns casos extremos, como o do Los Angeles Dodgers. Na arena da equipe de beisebol, pessoas são proibidas de entrar descalças ou de chinelo. O San Francisco 49ers (futebol americano) também tem normas de conduta para o estádio. Nos jogos da franquia, torcedores não podem beber de forma irresponsável ou usar roupas ofensivas.

    Na Itália, o Milan estipula limites para evitar que torcedores façam propaganda, por exemplo. Na maioria dos casos, porém, o maior foco das regras de conduta em estádios é o comportamento preconceituoso. "Essa é uma coisa interessante: civilizar os estádios passa pela volta da família. Quando um cara tem um comportamento exagerado ou exibicionista, a família reclama. A reeducação do público passa pelo próprio público. Você não muda a cultura de cima para baixo, mas de baixo para cima", explicou Murad.

    As medidas relacionadas a padrões de conduta em estádios geram duas preocupações em Murad: a criação de um modelo de comportamento e o foco. No primeiro caso, o problema é a organização dos eventos considerar que todo o público tem reações similares.

    "O padrão, por princípio, de forma única e monolítica, não pode existir. Futebol é a maior paixão popular brasileira, e por isso leva ao estádio variados segmentos sociais. Você não pode chegar com uma camisa de força e determinar que o padrão é esse", ponderou o sociólogo. Quanto ao foco, o que preocupa Murad é a preocupação excessiva com a parte interna dos estádios: "O maior problema está do lado de fora. Estamos trocando medidas essenciais, como o controle do público e a segurança pública, por paliativos factuais". E, se as determinações da Fifa virarem regra geral, ninguém vai poder xingar por isso.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    -----------------------------------------------------------------------------
     
  2. Ranza

    Ranza Macaco

    Detesto esse mundo politicamente correto.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Valinor, desculpe a frase a seguir.
    FIFA, pega o manual de conduta, dobra em três, enfia no ** e roda.
     
    • LOL LOL x 4
  4. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Penso que é uma questão que trata de vários aspectos. Desde as normas da entidade até o interesse do governo em realizar o evento. Nesse ponto o que precisa ser reforçado é a preocupação com atritos entre as pessoas (fiscalizar as ofensas sonoras que podem ser reais tipo vuvuzela).

    Da mesma forma que existe o direito de expressão precisa haver também direito de convivência em um espaço seguro.

    Deveria ser uma norma limitada a cobrar o corpo profissional técnico (narradores, apresentadores, jogadores) uma postura padrão digna esportiva (em que palavrões não foram criados para estimular dignidade mas para fomentar o oposto). Para clientes (eu me incluo neles) é desagradável ouvir profissionais "com boca de esgoto" alugando a orelha dos outros pensando que é penico...

    Ao público só viria a sugestão de que palavrões não devem chegar as raias do abuso verbal. Aquele tipo que urra ofensas com olhos injetados de ódio vai afastar famílias e elas vão fugir com razão já que pode ser uma manifestação verdadeira de raiva. Na cabeça dele o berro e os olhos cravados nos outros são um desabafo e um desafios gratuito de quem procura estourar com o primeiro que aparece. É o mesmo caso do cara que só consegue pegar mulher se tiver música ruim e birita (e acaba abusando da garota) e que pra piada ser engraçada só consegue tirar efeito cômico se tiver uma enxurrada de lixo.
     
  5. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Há um canal no Youtube chamado "Canal do Otário" onde o sujeito é bastante boca suja e fala sobre propaganda enganosa, impostos, taxas bancárias absurdas e etc.

    Quando falam mal dos palavrões dele, ele diz: "E esse monte de absurdo que eu critico nos vídeos, não é pior?"

    Falam de palavrão, falam de "detalhes", apenas para ocultar o que realmente fere e acaba com a sociedade. É quase como uma forma de distrair as pessoas dos verdadeiros problemas, pra que elas esqueçam que eles existem.
     
  6. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Meucu que isso será seguido e feio.

    A mãe do juiz, os cariocas e qualquer jogador judas (tipo Kléber) sempre serão lembrados por torcedores. Fato.
     
    • LOL LOL x 3
  7. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    É só seguir o comercial da Fiat.

    "CACILDA! Esse drible foi DO PIRU!!!!"




    PS: Eu acho que a Fiat tem uma vidente na sua equipe de marketing, putz grila.
    Primeiro o comercial do "vem pra rua" casando certinho com as manifestações.
    Agora um comercial de palavrõezinhos para nos educar de como nos comportar nos estádios.
     
    • LOL LOL x 1
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Quando penso que o estoque de motivos pra eu não querer a Copa aqui no Brasil já tinha terminado, o tema desse tópico consegue exigir que eu amplie ainda mais.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Fingolfin

    Fingolfin Feitiço de Áquila

    Gente. É um manual de conduta. Ele ensina o comportamento... ele não obriga esse comportamento
     
  10. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Não dobra não. Enfia inteiriço, no talo, e fundo. E bem rápido, que é para as quinas irem rasgando as pregas.
     
    • LOL LOL x 2
  11. O brasileiro é muito criativo. Certeza que vai encontrar maneiras educadas de fazer críticas construtivas ao trabalho jornalístico do Galvão Bueno.
     

Compartilhar