1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Northern Lights - Philip Pullman] A Bússola Dourada - 1995

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Marco, 25 Nov 2007.

  1. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Eu terminei de ler semana passada, me preparando para o filme, e me surpreendi com o livro.
    Esperava uma fantasia Infantil, tipo Harry Potter, mas Pullman é muito mais criativo e descritivo do que a Rowling(Não desmeredendo harry Potter antes que alguém me jogue uma maldição imperdoável)

    Em a Bússola Dourada Pullman recria nosso mundo totalmente e transfroma numa coisa próxima e diferente ao mesmo tempo. É interessante ver como a Igreja é influente nesse novo mundo, uma organização política(na verdade não tão diferente).

    A surpresa pra mim já começa no prefácio com acitação de paraíso Perdido de Milton. E depois conforme a leitura foi engrenando, o que é realmente fácil nas descrições preciosas do Pullman, é prazeiroso acompanhar as aventuras e agruras da jovem Lyra.

    É interesaante como o autor trata temas polêmicos nessa obra, Igreja, crianças bebendo e fumando, etc... Até fiquei surpreso por não ver o sexo mencionado diretamente no livro.

    Mas acho que o conceito mais interessante apresentado nesse livro são os daemons. Nossa alma(ou um pedaço dela) separada do corpo e com forma animal, sempre nos acompanhando e os tabus que envolvem esta alma.

    Recomendo a leitura! :joinha:
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    Eu tenho esse aqui em casa, mas nunca cheguei a conferir, porque o tosco do Deriel me influenciou dizendo "Muito ruim" e aí eu sempre tenho outras coisas "Muito boas" para ler antes de conferir algo que alguém disse ser "Muito ruim" :disgust:

    Mas parece que saiu uma edição nova, né? Pelo menos foi o que eu vi lá nos lançamentos do Submarino. Aparentemente embarcaram na onda do filme, fizeram capa baseada e tudo mais. Queria saber se tem alguma diferença além disso ô.O
     
  3. Marco

    Marco may the force be with... wait

    A edição que eu li é da Objetiva, de 2002. Deve ser a mesma que vc tem Joy!
    Dentro da premissa dele o livro é legalzinho... eu acho que ele parece uma mistura de HP com as Cronicas de Narnia.
     
  4. Anica

    Anica Usuário

    Tem todo aquele lance religioso de Nárnia?
     
  5. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Não tem igual a Nárnia não, aquela alegoria toda. Na verdade tem uma descrição da igreja bem diferente do que estamos acostumados a ver. O livro foi alvo de críticas no lançamento, justamente pela maneira polêmica que apresenta a Igreja.
     
  6. imported_Arien

    imported_Arien Usuário

    Eu li este livro já faz um tempo, e uma coisa que justamente me chamou a atenção foi o lance da igreja. No geral eu gostei do livro, não é uma obra-prima mas dá para se divertir com ele.

    Também li a edição da Objetiva de 2002. Acho que além da capa e do título (na edição nova virou A Bússola de Ouro) não deve haver diferenças entre as duas edições.
     
  7. Scoresby

    Scoresby Usuário

    No sentido contrário sim. Esse livro é o anti-Nárnia na verdade, tanto na abordagem religiosa quanto na qualidade.

    O terceiro volume é meu livro favorito de fantasia.
     
  8. Talvez o que mais me encanta na trilogia é a naturalidade com que os personagens amadurecem ao longo da história. Como pessoas reais, todos estão sujeitos a influências externas - suas ideologias não são imutáveis, e é aí que Fronteiras do Universo se diferencia de muitos livros de fantasia. Não há vilões intrinsicamente ruins e mocinhos puros. E, com isso, todos os personagens são fascinantes, identificáveis, merecedores de compaixão e repulsa.

    Outra coisa: histórias que atacam Igreja geralmente me deixam com um pé atrás porque caio no preconceito de que querem levantar poêmica por si só. Mas, aqui, a questão ganha outra dimensão porque reflete na alma dos personagens. Suas crenças os levam a um ponto tal em que precisam reconsiderar o que é certo ou errado e fazer uma releitura dos seus princípios morais. Claro, tudo isso num ritmo natural e plausível.

    Pullman começa Bússola Dourada como uma história de fantasia relativamente medíocre, embora divertida, e, nos dois livros seguintes, vai acrescentando elementos sombrios e questões complexas, e os personagens as enfrentam não como heróis clássicos, mas como pessoas comuns.
     
  9. Pips

    Pips Old School.

    Comprei a trilogia para o meu irmão afim de, talvez, inserir ele na literatura fora do eixo Harry Potter. Porque apesar de eu aprovar que ele leia os livros, ele fica apenas nos livros que ainda não foram lançados no cinema, mas sabe que vão ser, ou seja, começou a ler a partir do 4º e lentamente.

    Com o lançamento do filme espero que ele se empolgue e comece a ler. Mas se ele não gostar eu pego os livros para mim. :D

    E tem uma promoção na Nobel que os três juntos tem desconto.
     
  10. Angélica

    Angélica Visitante

    Meus queridos, tenho a edição de 2007 desse livro cujo título é idêntico ao do filme "A Bússola de Ouro", eu consigo entender que quando há uma nova edição às vezes faz-se necessário alguma alteração no texto do livro, mas, no título?

    Há alguma explicação plausível ou um critério específico que leve a isso?

    Uma vez resenhei A Zona Morta do S. King e alguém comentou que o título correto seria apenas "Zona Morta" (ou vice-versa)ficou uma confusãosinha por um tempo até que alguém apurou e esclareceu - não me lembro do motivo mas vou checar e conto depois - que a editora resolveu alterá-lo.

    Não tenho nada contra não, apenas acho algo desnecessário e que às vezes atrapalha, a mim pelo menos, que sou atrapalhadinha da silva e vivo fazendo confusão não apenas com títulos de livros e filmes mas até com o nome de pessoas então, digamos, eu dispensaria a alteração dos títulos literários...

    bj da angel
    ;)
     

Compartilhar