• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Nas profundezas (J.-K. Huysmans)

Béla van Tesma

Nhom nhom nhom
Colaborador
nasprofundezas_acervo_0_temporaria-min.jpg
Inédito no Brasil, romance de escritor decadentista francês aborda um assunto que desafiava a racionalidade científica e vinha despertando interesse entre alguns setores da sociedade francesa no final do século XIX: o satanismo.

Descrição​

Nas profundezas (de 1891), foi o romance escrito por J.-K. Huysmans (1848-1907) depois de Às avessas (1884), obra que o tornou o escritor máximo do decadentismo francês, o movimento de reação ao naturalismo e à sociedade tecnológica de massas que se anunciava no final do século XIX. Nesse livro, traduzido pela primeira vez no Brasil, por Mauro Pinheiro, o escritor voltou-se para um assunto que desafiava a racionalidade científica e vinha despertando interesse entre alguns setores da sociedade francesa: o satanismo. “Que época estranha!”, observa um personagem. “Justamente no momento em que o positivismo atinge seu auge, o misticismo desperta e têm início as loucuras do oculto!”

Em um dos capítulos, Nas profundezas traz a descrição de uma missa negra (satânica), feita, segundo o autor, de acordo com uma experiência verídica. Foi um dos motivos da notoriedade do livro. A par de suas qualidades como literatura e documento, Nas profundezas provocou escândalo pela descrição das atrocidades cometidas por um padre satanista da Idade Média e pela dubiedade moral de seus personagens contemporâneos. Leitores pressionaram para que fosse suspensa sua publicação serializada no jornal L’Écho de Paris, o que não aconteceu. Ao ser lançado em livro, a venda do romance chegou a ser proibida nas livrarias de estações ferroviárias.

O escândalo não era estranho a Huysmans desde a publicação de Às avessas, cujo personagem principal, Jean Floressas Des Esseintes, é um dândi excêntrico que, entediado com a realidade de seu tempo, se cerca de objetos de arte, livros raros e produz experiências sensoriais bizarras. Livro e personagem teriam provocado grande impacto em Oscar Wilde, inspirando a criação de O retrato de Dorian Gray. O romance foi levado ao tribunal pelo promotor do julgamento de Wilde por homossexualidade, como suposta prova de perversão do réu. Do campo literário, a reprovação veio do ex-padrinho artístico de Huysmans, Émile Zola, que reconheceu no romance a intenção do autor de romper com a escola naturalista.

No entanto, um procedimento típico do naturalismo, o embasamento quase científico dos fatos narrados ficcionalmente, é uma das razões do vigor de Nas profundezas. Nele, Durtal, um escritor individualista, alter ego do próprio Huysmans, se encontra em meio a pesquisas para uma biografia do satanista medieval Gilles de Rais, acusado de estuprar e degolar centenas de crianças. O romance é feito em boa parte de conversas sobre cristianismo, ocultismo, alquimia e práticas de magia. Entre os interlocutores, estão um médico desiludido com o estado da ciência em sua época, o devoto sineiro da igreja de Saint Sulpice, em Paris, um astrólogo e um historiador, cuja mulher se torna amante de Durtal e o conduz até a missa negra ministrada pelo cônego Docre, que tem uma cruz tatuada na sola do pé para pisar o tempo todo no símbolo principal do cristianismo. A inspiração para esse personagem seria um religioso belga. O abade Joseph Boullan, amigo de Huysmans e também acusado por alguns de satanismo, inspirou o personagem dr. Johannès, retratado como um padre que pratica a magia para derrotar Satã. Durtal voltaria como personagem principal dos três romances seguintes de Huysmans, que acompanham a conversão do autor ao catolicismo, religião que havia abandonado quando muito jovem.

O autor​

Nascido em Paris em 1848, e batizado como Charles-Marie-Georges Huysmans, o escritor era filho único de um litógrafo e miniaturista holandês e de uma professora francesa. Aos 20 anos, iniciou uma carreira de três décadas no Ministério do Interior francês, que lhe deu sustento para atuar na literatura. Ao lançar, às próprias expensas, seu primeiro livro, uma reunião de poemas, adotou, em homenagem à família do pai, o nome holandês Joris-Karl Huysmans.

Seus livros seguintes usariam as abreviaturas J.K. ou J.-K. Os primeiros romances de Huysmans se filiavam ao naturalismo, e uma novela baseada em sua experiência na Guerra Franco-Prussiana foi publicada numa coletânea de escritores vinculados à escola, tendo à frente Émile Zola e Guy de Maupassant. A ruptura viria logo depois, em 1882, com a série de romances decadentistas que inclui Às avessas e Nas profundezas. A essa fase se seguiu aquela relacionada à conversão do autor ao catolicismo, incluindo a passagem por um monastério trapista e seu retiro como oblato (monge leigo) na Irmandade dos Beneditinos em Ligugé, no noroeste da França, onde ficou até 1901. Com o fim da irmandade, voltou a Paris, onde morreu seis anos depois, de um câncer na boca.

Toda a obra de Huysmans pode ser lida como uma odisseia espiritual em tempos dominados pelo materialismo. Paralelamente à sua obra literária, ele foi também um influente crítico de arte, defensor do impressionismo e do simbolismo contra a arte acadêmica e conformista.

Saiu na imprensa​

"Influenciado pelo ocultismo, romance que criticou a escola de Zola é boa porta de entrada para o singular universo ficcional de Huysmans" — Antonio Xerxenesky, Revista 451, 01/12/2018.

"'Nas Profundezas', embora claramente enraizado no contexto do final do século 19, não deixa de pressagiar também o Zeitgeist deste nosso juvenil século 21. Entre outras coisas, através da pedofilia, da medicina alternativa, da filosofia esotérica New Age e da sexualidade feminina." — Paulo Nogueira, Estadão, 17/11/2018.

"'Nas Profundezas' merece ser lido. Para além das atrocidades narradas, há passagens de inegável beleza literária. Há, também, monólogos interiores e diálogos repletos de referências filosóficas, religiosas e artísticas. Por fim, o livro se transformou no registro do trânsito espiritual do autor, que logo depois se tornou um católico impetuoso." — Oscar Nestarez, Revista Galileu, 08/11/2018.

FONTE: EDITORA CARAMBAIA
 
Última edição:

Joris-Karl Huysmans.jpg
Joris-Karl Huysmans
(Paris, 5 de fevereiro de 1848 – Paris, 12 de maio de 1907)

Joris-Karl Huysmans, nome artístico de Charles-Marie-Georges Huysmans, foi um escritor e crítico de arte, cujos principais romances sintetizam fases sucessivas da vida estética, espiritual e intelectual da França do final do século XIX.

Ao longo de sua carreira, praticou diversos gêneros, tais como a poesia, o poema em prosa, o romance, o conto, a novela, a hagiografia, a pantomima, a crítica artística, entre outros. Colaborou com uma série de revistas e de periódicos, tanto na França quanto na Bélgica, nas quais publicou, majoritariamente, avaliações sobre artes visuais.

Amigo e discípulo de Zola e de Maupassant, cedo ultrapassará a escola naturalista, pelo seu estilo e singularidade. Caracteriza-se por uma expressão vigorosa e uma contínua devoção a temas artísticos, que impregnam a sua obra.


Os seus primeiros trabalhos foram influenciados por romancistas naturalistas contemporâneos, mas ele logo rompeu com o grupo, publicando uma série de romances decadentes em conteúdo e violentos demais no estilo para serem considerados exemplos de naturalismo. Alguns elementos associados ao insólito ficcional podem ser observados já nas primeiras narrativas do escritor, marcadas por técnicas realistas, em que há diversas passagens voltadas para a produção de repulsa como efeito de recepção, além de descrições grotescas de personagens. Essa tendência se intensifica em sua obra mais conhecida, o romance Às Avessas (À Rebours, 1884).

Dois outros romances do autor também dialogam com tradições literárias negativas e com procedimentos típicos do insólito. Em En rade (1897), grande parte da história se desenvolve em um castelo em ruínas, com uma ambientação bastante próxima à do gótico setecentista, que funciona como um locus horribilis.

Em Nas profundezas (Là-bas, 1891), Huysmans tematiza o satanismo e o ocultismo. Durtal, personagem principal do romance, decide escrever a biografia do marechal Gilles de Rais (1404-1440). Figura real da história francesa, esse militar e aristocrata promovia, durante a Idade Média, diversos rituais em honra a Satã, durante os quais estuprava e assassinava crianças. Enquanto investiga o satanismo medieval, Durtal investiga as missas negras parisienses do final do século XIX, descritas como grandes orgias de mulheres histéricas.

Antes de morrer, em 12 de maio de 1907, foi o primeiro presidente da Academia Goncourt, instituição célebre até os nossos dias por premiar os melhores romances publicados na França.
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo