• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

K-POP

Darkness

To live forever
Depois de um leve flood no tópico "Que música estão ouvindo agora?", enfim um cantinho para falar de K-POP nesse fórum!
Talvez depois eu faça uma introdução melhor, mais elaborada...

Mas em resumo, K-POP simplesmente é POP, mas com "origem" na Coreia do Sul.

Percebe-se claramente, que tudo o que envolve a cultura coreana está muito em alta no momento, a culinária, as roupas, cosméticos, programas televisivos e claro, a música. Embora muitas pessoas acreditem que a popularização do estilo é coisa do excesso de adolescentes na rede, o buraco é mais embaixo!

Na década de 90, ocorreu a chamada Crise do Tigres Asiáticos, e alguns países chegaram ao fundo poço, a Coreia do Sul foi um deles, e como uma forma de tentar se recuperar economicamente, inspirando-se no modelo patriota estadunidense, o Ministério da Cultura passou a investir na indústria do entretenimento, criando a Hallyu (Onda Coreana).

Quanto as origens do K-Pop em si, não é tão fácil determinar, afinal o estilo é basicamente uma mistura de rock, hip-hop, eletrônico e muito mais. Ainda nos anos 90 diversos grupos foram responsáveis por "moldar" o conceito.

E apesar dos esforços, e de algumas aparições na mídia global, o "boom" é bem recente, e você certamente deve lembrar do Psy e do seu Gangnam Style!

Mas nem tudo são flores, e quem vê atos colossais como BTS e Blackpink, mal imagina que por trás de MV's e stages perfeitos existe uma podridão capaz de deixar com inveja até mesmo Morgoth!

Enfim, eis o tópico!
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Não sei se conta como k-pop; é uma que me fizeram ouvir e ficou no meu histórico do YouTube rs:



De qualquer modo, é um gênero musical que não me desce.
Mas também não me desce o pop americano atual. Então... whatever.
Desconsiderem minha opinião neste tópico ¯\_(ツ)_/¯
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Sim, parece o mesmo som enlatado dos americanos em muitos aspectos. Mas também me incomoda o apelo exagerado a recursos visuais, ou seja, extramusicais, em detrimento da música propriamente dita: daí essa ênfase toda em coreografias, visual megaproduzido, efeito especial à beça, uma edição de imagens alucinada pra dar ataque epiléptico em todo mundo... Eu até acho legalzinho que uma música tenha videoclipe, mas isso deve ser só um "plus a mais", e ainda assim... Às vezes me parece que é a música o elemento supérfluo ali, e o que se está vendendo mesmo é o videoclipe (ou o show ao vivo, pela coreografia). E essa ênfase no visual também está presente nos americanos, claro, e até nos funks brasileiros — nestes dois casos não raro com apelo à sexualização, que ao menos nos coreanos acho que não está presente até onde conheço.
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
O Psy até que é divertido e engraçado, mas no geral como já postei em outro tópico recente não curto muito quando o oriental as vezes busca uma ocidentalização meio que forçada só pra ser mais comercial.
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Bem, mas eu não quero jogar balde d'água fria no tópico da Darkness 🤗

Vou deixar o espaço pra quem quiser falar bem do assunto. A Darkness pode ir botando aí os vídeos com as suas preferidas. De repente tem alguma coisa que vale a pena.
 

Turgon

ワンピース
Com esta onda de manhawa sendo adaptado em animação no Japão, a tendência é aumentar mais e mais as bandas sul coreanas fazendo sucesso por lá. Bastar ver a abertura de Tower of God que fez bastante sucesso recentemente.
 

Darkness

To live forever
E essa ênfase no visual também está presente nos americanos, claro, e até nos funks brasileiros — nestes dois casos não raro com apelo à sexualização, que ao menos nos coreanos acho que não está presente até onde conheço.
Muito pelo contrário, existe muita sexualização dentro do K-Pop, inclusive é um tema bem polêmico, claro que não chega a ser tão escrachado quanto aqui no ocidente, mas está lá, nos figurinos dos artistas, alguns dos quais mal conseguem performar direito por conta de ajustes, comprimento e etc... Muita coisa é censurada, especialmente na televisão, mas as referências estão lá, seja na coreografia, seja na letra, seja no MV (clipe), eu particularmente acho o próprio conceito "school" um tanto quando repugnante, apesar de esteticamente agradável, pois de certa forma revela os desejos obscuros de uma sociedade machista e bem preconceituosa!
quando o oriental as vezes busca uma ocidentalização meio que forçada só pra ser mais comercial.
É exatamente isso que está acontecendo, BTS é grande exemplo disso, inclusive os eventos do Grammy mostram que os americanos ainda enxergam o K-Pop como uma "cópia inferior", pelo menos na minha visão...
 

Vela- o Rousoku

Sirius Black
Eu acho bem tenso o lado desumano da coisa. Empresários forçam os moleques a não terem vida, são as vacas leiteiras deles. Quase escravos, no sentido de que eles não podem fazer o que quiser, porque precisam se encaixar no padrão, inclusive passando por uma boa dose de cirurgias pra ficar com a cara padronizada de cantor k-pop "for export" (não, eles não tem aquela cara normalmente. Eles nasceram gente normal). É algo exatamente no mesmo nível de vida de modelo (que na prática é quase anorexia por contrato).

Eu gosto bastante do PSY justamente por ele ter um jeitão debochado de alfinetar estereótipos (é o próprio chefe, então ele pode :lol: ), ta cagando pra coisa toda. Não conheço tão bem a história dele e óbvio que deve ter um lado comercial forte como em qualquer pessoa no showbiz, mas quando colocado lado a lado com o resto da Coréia, ele passa a vibe de "foda-se, me obrigue. E se reclamar vai ter dois"

PSY.jpg

O motivo do clip de Gangnam Style ser tão "WTF" é justamente pq ele não tá enfiando o dedo na ferida, ele tá enfiando um cigarro aceso na ferida dos estereótipos de lá.
 

Turgon

ワンピース
Eu acho bem tenso o lado desumano da coisa. Empresários forçam os moleques a não terem vida, são as vacas leiteiras deles. Quase escravos, no sentido de que eles não podem fazer o que quiser, porque precisam se encaixar no padrão, inclusive passando por uma boa dose de cirurgias pra ficar com a cara padronizada de cantor k-pop "for export" (não, eles não tem aquela cara normalmente. Eles nasceram gente normal). É algo exatamente no mesmo nível de vida de modelo (que na prática é quase anorexia por contrato).
Eu não sei como é no caso do K-pop, mas no Japão, as Idols, por exemplo, são proibidas de praticar o ato sexual. Elas todas precisam ser virgens e puras. Além do estereótipo do cabelo longo liso. Teve uma que descobriram que fez sexo e teve reação negativa até mesmo dos vulgos fãs.

Tem vários animes sobre Idols. Muitos mostram que isto começa já no colégio e vai seguindo.
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Eu jamais vou julgar a verdadeira música popular coreana que com certeza existe a sua versão local e que ainda não conheço o suficiente pra poder opinar baseado apenas no que vejo pra "exportação comercial" que é o vemos facilmente. Senão seria a mesma coisa de eu ser um gringo usando como referencial apenas a Anitta.
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Mas música popular não é a mesma coisa que pop music. Sim, eles devem ter algo próximo à moda caipira por lá, ao folk, etc. que seriam formas legitimamente populares (não sei como isso se manifestaria na Coreia); já o pop sempre foi um bagulho artificial que irradia de grandes centros urbanos. É até por isso que a gente mantém o termo inglês — pop —, não por modismo ou anglicismo gratuito, mas pra não haver confusão mesmo entre duas coisas tão diversas.


Sobre as idols — já ouvi falar que, mais até do não poder fazer sexo, elas não podem nem mesmo assumir namoros publicamente, que é pra não acabar com a ilusão dos fãs de que estejam disponíveis pra eles etc. É um bagulho muito doido, mas, se você pensar que ali ninguém é criança e todo mundo sabe as regras antes de entrar nessa vida, não dá pra falar como se fosse escravidão. Sem dúvida é uma maluquice que se retroalimenta porque são os próprios fãs que impõem "cancelamentos", digamos assim, aos ídolos que pisam na bola.
 

Darkness

To live forever
Eu gosto bastante do PSY justamente por ele ter um jeitão debochado de alfinetar estereótipos (é o próprio chefe, então ele pode :lol: ), ta cagando pra coisa toda.
Psy teve muita "sorte" apesar da duvidosa pareceria com o YG, deu tudo certo, ela já tinha algumas conquistas, a música dele já chamava atenção, especialmente pelas letras...
Ele criou a própria empresa, e eu gosto de alguns artistas agenciados por ele, e segundo uma galera, ela é diferente das demais empresas, muitos defendem que ele apoia a liberdade criativa dos seus artistas.
Choca zero pessoas, que todos os cantores da P Nation passem a mesma vibe do Psy:


Eu não sei como é no caso do K-pop, mas no Japão, as Idols, por exemplo, são proibidas de praticar o ato sexual.
Teve uma que descobriram que fez sexo e teve reação negativa até mesmo dos vulgos fãs.
Eu acho bem bizarras essas coisas, mas não é muito diferente, os idols, tanto masculinos quanto femininos, sofrem uma grande pressão da sociedade, tanto a estética quando na sua conduta. Existem toneladas de vídeos no Youtube falando a respeito disso, dos contratos restritivos que determinam como aquela pessoa vai se vestir, o que ela pode falar, seus hábitos alimentares, sua rotina, até mesmo o contato com a família.
Eles realmente são vistos e tratados como um produto, precisando estar perfeitos.

Eu não conheço a realidade de todos os grupos, só sei um pouco sobre aqueles que eu acompanho mais ativamente... Mas existe o dating ban (que é basicamente uma proibição de namoro, especialmente no período de trainee, ou rookie), existem as dietas mirabolantes, restrições ridículas tipo dirigir, postar fotos com os amigos, além do básico (não beber, não fumar, não usar drogas, não fazer tatuagens e etc...), e claro não poderia ficar de fora, temas relacionados a causas como feminismo e LGBTQIA+.

Esse documentário do Youtube mostra um pouco do que há por debaixo dos panos, inclusive de um grupo que chegou a entrar no mercado americano, mas precisou recuar!

Eu jamais vou julgar a verdadeira música popular coreana que com certeza existe a sua versão local e que ainda não conheço o suficiente pra poder opinar
Realmente, não faz o menor sentido, acho que a melhor forma de conhecer é ouvir as rádios locais mesmo!

É um bagulho muito doido, mas, se você pensar que ali ninguém é criança e todo mundo sabe as regras antes de entrar nessa vida, não dá pra falar como se fosse escravidão.
O único problema, é que grande parte desses contratos são assinados por adolescentes, jovens que estão "atrás de um sonho" e no desespero para debutar, para ser parte de algo, não questionam nada!
Na Coreia, por exemplo, os trainees são meio que tutelados pela empresa, alguns vem de outros países inclusive, e todos os custos com alimentação, moradia, educação e tal, é descontado deles depois do debut, e eles vão ali alguns bons anos trabalhando para pagar essa "dívida", então sim, é uma forma de escravidão.

_____________

O K-pop é o maior exemplo que não existe bônus sem ônus.
 

Darkness

To live forever
A gente falando sobre o Psy, e recentemente ele e os artistas da sua empresa deram um entrevista para Rolling Stone Korea, e falaram um pouco sobre como é o trabalho na P. Nation.

Eu não achei a entrevista, mas o Fefo Caires comentou, vou deixar aqui o vídeo dele:


Achei pertinente trazer aqui, é interessante ter um vislumbre de como o Psy é como"chefe"!
 

Calion Alcarinollon

Cristão Católico
Minha irmã é fascinada pela cultura popular coreana, e graças a ela tenho-lhes profundo respeito; digo - aos artistas, em reconhecimento de seu talento, e não tanto à indústria em si, que parece às vezes desumana. A Coréia hoje é também um bastião da Cristandade no Extremo Oriente, depois de milhares de mártires, e nesse aspecto rezo que a participação deles ainda aumente no futuro.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$200,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo