1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Genesis

Tópico em 'Música' iniciado por Faram¡r, 27 Ago 2003.

  1. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Eu gosto de falar sobre o Genesis. Claro, se trata de uma banda com um material vasto e muita história para ser contada; certamente uma história de sucesso, poucos artistas conseguiram manter-se durante tanto tempo no topo, sem soarem repetitivos. É divertido discutir a trajetória da banda, porque podemos tomar vários pontos de vista diferentes. Eu estou acostumado a escutar opiniões sobre como o Genesis era genial nos anos setenta, enquanto eram progressivos e tinham Peter Gabriel e como lentamente foram corrompidos pelo comercialismo, se tornando pop sob a batuta do abominável Phil Collins. Partilhei dessa opinião durante um bocado de tempo, mas percebo hoje que ela esta equivocada. Claro, a saída de Peter Gabriel após o The Lambs Lies Down on Brodway foi um marco na sonoridade da banda e certamente eles nunca mais fizeram nenhum álbum com a qualidade artística dos anteriores, mas é um tremendo desperdício não observar a carreira deles após a saída de Peter Gabriel. Em primeiro lugar, porque os álbuns que se seguiram, Trick of the Tail e Wind and Wuthering são progressivos e de excelente qualidade. Tão técnicos como os anteriores, embora não alcancem a qualidade aos álbuns clássicos. É costume apontar a saída de Peter Gabriel como a maior perda da banda. A saída de Steve Hacket significou mais na aproximação ao pop, após o álbum Wind and Wuthering. Embora o álbum seguinte, And Then There Was Three, mantivesse consideravelmente as características dos anteriores (o Trick of the Tail foi uma mudança mais brusca), foi nesse que a banda começou de fato sua guinada pop. Não chega a ser correto definir o começo da fase pop no And Then Were Three, porque esse trabalho ainda é bem progressivo, mas a mudança fica visível. Em seguida eles lançaram Duke, que durante muito tempo eu considerei o primeiro álbum totalmente pop da banda, mais uma vez equivocadamente. Não é totalmente pop. É certamente um trabalho bem mais acessível que o antecessor, mas de novo ainda guarda algumas características progressivas. Foi com o Abacab que a banda mudou de vez. Nesse ponto o Gênesis é uma banda totalmente pop, estilo anos oitenta, e assim os álbuns que o sucederam.

    Pode parecer, pela forma que eu escrevi, que essas mudanças representaram a ruína do Genesis, quando na verdade foi o caminho para o sucesso comercial da banda. Não apenas o sucesso comercial, mas o status de banda mais proeminente dos anos oitenta, talvez a mais bem sucedida comercialmente desde os Beatles. Seus álbuns sempre estavam entre os primeiros mais vendidos nos EUA e na Inglaterra, suas músicas nas rádios e na MTV. Do Invisible Touch, mais da metade do álbum tocava regularmente nas rádios. Qualquer pessoa de qualquer lugar conhece várias músicas do Genesis sem saber, tamanha a profusão que a banda tinha. Ok, mas e a qualidade?
    Se o interesse for arte, música de qualidade soberba, é melhor ficar com os álbuns dos anos setenta, principalmente os de Peter Gabriel. Técnica apurada e sentimento, boa parte graças às interpretações de Peter Gabriel. O resto (que esta longe de ser resto, muito pelo contrário) fica por conta composições maravilhosas da banda. Os primeiros álbuns com Phil Collins no vocal podem ser incluídos nesse grupo, pela qualidade artística, mas ainda sobra o resto? É difícil admitir, mas o Genesis fez música pop de excelente qualidade também, como poucas bandas conseguiram fazer, e não adianta culpar apenas Phil Collins, porque o principal compositor ainda era Tony Banks, seus teclados tomavam conta da música. A música era "produto", mas produto de excelente qualidade.

    Vou partir agora para pequenas resenhas dos álbuns de estúdio.


    From Genesis to Revelation

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Conheço apenas algumas músicas desse álbum, mas somando isso ao que eu li, da para fazer uma avaliação geral dele. A banda aqui ainda esta bastante imatura, não mostrando todo o seu potencial. As músicas eram curtas, um pouco distante do rock progressivo que os consagraram, podendo ser consideradas um tipo de rock pastoral, bastante suave e acústico. Embora esteja longe de se comparar aos melhores trabalhos deles, já tem os indícios da qualidade que a banda mostrará nos álbuns seguintes.


    Trespass

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Esse é o primeiro trabalho da banda que merece destaque e pode ser incluído no rol dos melhores álbuns deles. Ainda guarda resquícios de passagens acústicas e pastorais do álbum anterior, misturadas com as características que o Genesis mostrou nos álbuns seguintes: música dramática, teclados mais evidentes, guitarras (as vezes com peso), cozinha mais complexa e os vocais bem mais expressivos. The Knife é a música mais conhecida do álbum e, talvez, a mais pesada da carreira deles. As outras músicas também são dignas de nota. Looking for Someone e White Mountain tem ótimos trabalhos do Tony Banks; Dusk é uma música suave que lembra o primeiro álbum, só que de qualidade bem superior. Na minha opinião, os dois grandes destaques do álbum são Visions of Angels e Stagnation, músicas injustamente relegadas ao segundo plano. A melodia do piano que da inicio a Visions of Angels é inesquecível, seguido pela voz emocionada de Peter Gabriel. Bela música dramática, com ótima poesia. Stagnation é uma música bem marcada pelo estilo de Anthony Phillips, suave, mas com sessões instrumentais que remetem aos trabalhos posteriores do Genesis.
    Esse álbum é uma ótima amostra do que eles podiam fazer mantendo as características originais da banda com o estilo progressivo. Eu pessoalmente não apenas o incluo dentro da discografia clássica da banda como o acho superior ao álbum seguinte, o também excelente Nursery Crime.


    Nursery Crime

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Considerado por muitos o primeiro grande álbum do Genesis, embora seja também um álbum de transição. Duas grandes mudanças enriquecedoras ocorreram na banda: a entrada de Steve Hacket como guitarrista e Phil Collins na bateria. A mudança pode ser vista claramente em Return of The Giant Hoggweed e Fountain of Salmacis, que são músicas pesadas e bastante complexas. A faixa inicial, The Musical Box também carrega essas características. Mescla passagens suaves com outras sombrias, onde Steve Hacket mostra sua habilidade em solos fantásticos e Phil Collins destrói na bateria. Os vocais de Peter Gabriel estão ainda mais dramáticos e teatrais, especialmente na primeira faixa e na música Harold the Barrel. Seven Stones é uma música linda, geralmente incluída pelos fãs como uma das melhores da banda, Harlequin e For Absent Friends são músicas bem suaves, lembrando o estilo dos primeiros álbuns. Como um todo o álbum é excelente, mas o melhor ainda estava por vir.


    Foxtrot

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Embora todos os álbuns anteriores sejam excelentes, com a possível exceção do primeiro, foi nesse que o Genesis pode mostrar ao mundo tudo o que eles podiam fazer. Não é um simples álbum, é um marco no Rock e na música em geral. Art Rock é uma definição simples e eficiente para trabalhos como esse. Música complexa, melódica, personalizada e emocional – é o que esse álbum oferece. Aqui Peter Gabriel não apenas é teatral, ele interpreta em suas músicas vários personagens diferentes, varias emoções diferentes, de forma sublime. O álbum começa inspirado com o teclado de Tony Banks em Watcher of The Skies, a música esbanja harmonias complexas entre o teclado e o baixo. Supper’s Ready é o ponto principal do álbum, em seus quase vinte e três minutos, mas todas as músicas são perfeitas nesse álbum – tão perfeitas como poderiam ser. Tanto em Supper’s Ready como em Get’em Out By Friday Peter Gabriel interpreta mais de um personagem, em músicas complexas e coerentes. Em Get’em Out By Friday eles mostram um futuro não tão distante, amargo, mas remetendo (em minha opinião) a expulsão dos camponeses de suas terras, como ocorreu no cercamento dos campos. As músicas do Genesis eram muitas vezes fantasiosas, mas como recurso poético. Eles não perdiam a conexão com questões sociais. Can-Utility and the Coastliners é para mim a música paradigmática do Genesis. Pode não ser a melhor, mas inclui tudo o que se pode esperar do Genesis clássico: passagens complexas intercaladas com outras calmas, interpretação emocional de Peter Gabriel, teclados marcantes de Tony Banks, solos discretos de baixo e solos criativos de Steve Hacket. Time Table é belíssima e Horizons é um instrumental de violão inspirado em Bach. Esse álbum é considerado por alguns o melhor deles e, embora não concorde, posso compreender tal opinião.


    Selling England by the Pound

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Eu sou suspeito para falar desse álbum. Não o considero apenas o melhor do Genesis. De acordo com o meu gosto, esse é o melhor trabalho de Rock/Pop existente. O álbum não poderia ser tão perfeito se não tivesse uma poesia contundente que acompanhasse a música. Na verdade, se tratando de Genesis clássico, a interpretação musical segue a lógica da poesia, como deveria ocorrer sempre. Alguns álbuns conceituais contam uma história que transmite uma ou várias mensagens. Aqui, cada música conta uma história individual, mas que segue o mesmo tema: A destruição dos valores tradicionais ingleses na mão de forças industriais e corporativistas. Esse tema pode ser percebido sutilmente na letra das músicas, das mais variadas formas; dramática em Firth of Fifth, satírica em The Battle of Epping Forest, por exemplo. Mas o impacto das letras vem depois do impacto da música. Quando Peter Gabriel canta sem acompanhamento algum o começo de Dancing With the Moonlite Knight, da para perceber que se trata de uma música fora de série. Em seguida, O piano e a guitarra passam a acompanhar a melodia vocal gentilmente, ate o momento em que a música se torna densa e dramática. O refrão é acompanhado por acordes pesados de guitarra e solos virtuosos. A música mantêm o nível de tensão ate o final tranquilo. I know What I Like vem em seguida mantendo a qualidade no topo. É uma música bem mais suave e se tornou o primeiro grande hit da banda, sendo ate hoje uma de suas músicas mais conhecidas. A tensão se forma novamente em Firth of Fifth, que começa com o, talvez, melhor solo de piano da discografia da banda. Essa música traz também um solo memorável de Steve Hacket, que acompanha o tema iniciado pelo órgão. Mais uma vez a tensão é suavizada na balada More Fool Me, a primeira música cantada por Phil Collins no Genesis. The Battle Of Epping Forest é a música mais longa e pretensiosa (não em um sentido pejorativo) do álbum. É uma amostra de como se pode ser complexo sem em nenhum momento ferir a melodia da música. A bateria tem ritmo quebrado, mas nunca soa feia, todos os instrumentos estão em seu devido lugar e coerentes entre si. After the Ordeal é um belo instrumental. Alias, da para perceber que as músicas mais dramáticas e pomposas são intercaladas por outras mais calmas ou de menor amplitude. É um ótimo recurso, que faz a audição do álbum um prazer ainda maior. Cinema Show é a última "grande música" do CD, e é A música. Não é apenas a minha opinião, muitas outras pessoas consideram essa a melhor música do Genesis. No meu caso eu a considero a melhor música de Rock existente! Não vou comenta-la, porque não consigo expressar em palavras o que sinto ao ouvi-la. Dizer o que? A qualidade é inegável, mas o fato de eu considera-la a melhor de todas é puro gosto pessoal, é parte da subjetividade que conta muito na hora de avaliar uma obra de arte. E aqui estou tratando de uma obra de arte.


    The Lamb Lies Down On Brodaway

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    É o trabalho mais grandioso da banda, uma Rock Opera, a minha preferida. Esse (junto aos dois álbuns anteriores) é o ponto alto da carreira do Genesis, onde eles apresentavam os trabalhos mais criativos. A história contada é no mínimo insólita. As transformações místicas de um rapaz chamado Rael, em sua vida numa grande cidade. É bastante perturbadora em músicas como The Colony Of Slippermen. O estilo da banda mudou de uma forma que eu não sei definir bem. É tão progressivo quanto os álbuns anteriores, mas engloba uma diversidade maior, é mais eclético. Algumas músicas são "normais" como The Lamb Lies Down on Brodway, The Cage, It, the Carpet Crowlers (talvez a mais famosa do álbum). O estilo de músicas como Cuckoo Cocoon e The Grand Parade Of Lifeless Packaging lembram os pedaços mais extravagantes de composições antigas da banda, so que aqui como músicas independentes. Acho que essa mudança na estrutura é natural, afinal, estamos falando de uma Opera Rock. E considerado o melhor álbum da banda pela maioria dos fãs e foi um dos últimos deles (sem contar os pops) que eu ouvi. Pode não ter as músicas mais complexas deles, mas é o trabalho mais difícil de digerir, o mais pretencioso, e indispensável para quem quer conhecer a banda, ou quer conhecer Rock Progressivo, ou Rock em geral. Um dos álbuns mais influentes de todos os tempos.


    Trick of the Tail

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A mídia em geral considerou a saída de Peter Gabriel como a morte da banda. Claro, eles o consideravam o integrante mais importante, o principal compositor do grupo. Embora Peter Gabriel sempre tenha sido importante, ele não tomava parte na composição das músicas. E em Trick of the Tail, mais de um ano após o lançamento do último álbum eles deram o troco em todos que duvidaram que a banda poderia continuar, demonstrando qualidade e obtendo sucesso. A banda mudou o estilo e esse álbum não alcançou a qualidade de seus antecessores, mas ainda continua sendo um álbum importante na discografia da banda. O estilo continua progressivo, embora tenha se suavizado, e algumas músicas mostram a virtuosidade dos membros como poucas outras; Dance on a Volcano é uma música complexa e com solos magistrais de Hacket. Robbery, Assault & Battery também é bastante complexa durante a segunda parte da música, enquanto outras como Squonk e Mad Man Moon mostram o novo estilo da banda, que se tornara evidente nos álbuns seguintes. Entangled e Ripples são músicas mais lentas, dotadas de grande beleza enquanto a faixa final é uma reprise dos temas das músicas anteriores, orientado de forma jazzística.


    Wind & Wuthering

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Esse é o ponto que muitos fãs marcam como o último grande álbum do Genesis. É um trabalho que se equipara a qualidade do anterior, embora de um passo adiante no comercialismo da banda. A transição para o pop não se fez de um álbum para o outro, foi uma transição lenta que durou vários anos. Your Own Special Way é uma música bastante suave e se tornou o maior Hit da banda nos EUA ate o momento, o primeiro de muitos porvir. Essa foi a última participação de Hacket no Genesis, e ele fez muito nesse álbum. Blood on the Rooftops, Eleventh Earl of Mar, ‘Unquiet Slumber for the Sleepers... e ...In That Quiet Earth’ tem sua marca na composição, solos memoraveis em estruturas complexas. Talvez o grande momento do álbum seja One For The Vine. Por sinal é a composição mais longa da banda desde a saída de Peter Gabriel, e mistura partes acústicas com uma complexa sessão instrumental na metade da música, onde Tony Banks brilha.


    ... And Then There Were Three

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Para muitos fãs esse álbum é o primeiro de muitos que podem ser descartados. Steve Hacket saiu da banda e as músicas se tornaram bem mais acessíveis. A saída de Hacket foi menos traumática do que de Peter Gabriel, significou mais um indicio dos rumos do Genesis. O estilo mais pop de músicas como Your Own Special Way se tornaram regra, que pode ser observada em Snowbound e em Follow You, Follow Me, um dos maiores sucessos deles. As raízes progressivas se mantem em músicas como Down and Out, The Lady Lies, Burning Rope e Deep in the Motherlode. Rutheford ocupou a função de tocar guitarra e a sonoridade delas se tornaram mais limpas, como na música Scenes From a Night’s Dream, uma das melhores do álbum. Esse é um trabalho de transição, ainda pendendo para o progressivo, enquanto no próximo álbum, Duke, a banda se voltara para o pop, mantendo poucas características progressivas.

    Eu fiquei com preguiça de fazer a resenha dos álbuns Duke, Abacab, Genesis e Invisible Touch, que eu havia pensado. Deles o Duke ainda mantem resquícios progressivos e carrega o estilo dos anos 70, mesmo sendo pop. O Abacab é uma mudança é tanto, logo na primeira faixa (Abacab): música minimalista, dançante, típica dos anos 80. Esses álbuns são repletos de composições curtas e sonoridade límpida. Uma das melhores coisas que se pode ter no Pop, todos esses álbuns são recomendáveis.

    Eu acho complicado falar de música, porque não conheço o suficiente de teoria musical, sequer toco algum instrumento. Geralmente uso o meu senso estético e meus sentimentos para poder escrever em relação à música da melhor forma que posso, ainda assim encontro dificuldades. Mas como se trata de uma banda que eu amo tanto, não me importo com isso. Espero que esse tópico possa render.
     
  2. Thico

    Thico The Passenger

    Genesis - parte I

    Perfeição, é a palavra que define da melhor maneira essa banda. Minha favorita, jamais existirá uma banda tão boa quanto essa. Música cheia de melodia, ritmo, beleza e muita emoção. O Faramir já disse muito sobre a banda tudo que um grande fã da banda poderia dizer e um pouco mais. Mas eu vou me arriscar a fazer uma review dos discos progressivos da banda, farei em partes, por enquanto do From Genesis To Revelation até o Selling England By The Pound. Depois eu continuo, até porque eu por enquanto só tenho esses cinco primeiros cds da bandas, tenho algumas músicas do Lamb Lies Down The Broadway e do ...And Then There Were Three. O Trick Of The Tail e Wind & Wuthering inteiros, mas não em mãos. Daí frente eu não tenho nada, por dois motivos: Não ter vontade de conhecer e medo.
    Eu diria que os cinco discos(do Trespass ao Lamb Lies Down The Broadway) é a melhor serie de disco seguidos que uma banda já lançou.
    Bom, vou começar minha revisão dos cinco primeiros discos da banda, aí vai:


    From Genesis To Revelation – 1969
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A capa do meu cd é diferente dessa, é uma pintura do Bosher. Peter Gabriel(vocal), Tony Banks(teclado), Mike Rutherford(Baixo), Anthony Phillips(guitarra) e John Silver(Bateria, que entrou para substituir Chris Stewart), esse era o Genesis, todos na faixa de 15, 16 quando gravaram tal disco. A banda inicialmente atingiu a marca de 650 cópias vendidas ao ser lançado. Não tenho muito o que falar, afinal as músicas eram pequena até parecidas. Peter Gabriel aparecia com uma voz calma e leve, algumas músicas poderiam soar algumas vezes como canção de ninar. Não pode ser chamado de progressivo ao meu ver, não como nos outros discos, mas não deixa de ser um ótimo disco. Eu destaco músicas como: The Silent Sun, Fireside Song, Am I Very Wrong?, In The Wildness, One Day, Windows, In Limbo e One Eyes Hound.


    Trespass – 1970
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A partir do Trespass as músicas da banda começam a ficar progressiva, mas ainda com grande influencia do primeiro álbum. Agora com John Mayhew assumindo a bateria o Genesis consegue produzir um disco melhor que o primeiro, com suítes instrumentais, músicas mais longas e dá pra perceber uma evolução tanto instrumental quanto na maturidade dos membros do grupo. Looking For Someone é a música que abre o álbum, eu acho que ela é um meio termo entre o Genesis do primeiro disco para o Genesis que está por vir. O álbum segue com White Montain que lembra muito o primeiro disco, tem uma levada muito linda. Visions Of Angels começa com um piano, com certeza está é a melhor ou uma das melhor música do Trespass, o refrão continua tendo parentesco com From Genesis to Revelation. Stagnation é juntamente com The Knife minha música prefirida do disco, a voz de Peter Gabriel é suave assim como a música, digamos que é a primeira música que você pode sentir um toque do que virá nos discos seguintes. A próxima musica é Dusk tem um “coro” que remete ao primeiro álbum e uma parte instrumental muito bonita também é uma ótima música. The Knife é a música que fecha o álbum, a voz de Peter Gabriel está mais “agressiva” e assim como os instrumentos, a música tem um solo de guitarra muito bom, alias eu acho que essa é a primeira música que mostra mais a parte instrumental da banda.


    Nursery Cryme – 1971
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Pra começar, acho a capa desse álbum uma das mais legais e a primeira que eu curto. O grupo finalmente atinge a estagio de banda de Rock Progressivo, com a entrada de Phil Colins na bateria. The Musical Box alem de ser minha música favorita no álbum juntamente com The Fountain Of Salmacis é umas das minhas favoritas do Genesis, muito linda. A segunda música é apenas uma passagem com menos de duas minutos, For Absent Friends. The Return Of The Giant Hogweed, acho uma música muito divertida, principalmente pela letra. O disco segue com a música Seven Stones, que pelo menos para mim me lembra algo nostálgico, é uma das melhores música do cd, a passagem mais linda da música é no momento que Peter Gabriel canta “nowhere...”. Com certeza Harold the Barrel é a música mais divertida do disco, alem de Peter Gabriel provar que alem de ser um cantor é um ótimo ator, por interpretar as músicas de forma impressionante. Harlequin é mais uma pequena música no disco, que mais parece uma canção de ninar que serve como introdução para a última música do álbum, The Fountain Of Salmacis é uma música simplesmente linda, perfeita, pra mim tem uma letras maravilhosa, uma linha de baixo impressionante, passagens de guitarra e o melhor ritmo do Nursery Cryme.


    Foxtrot – 1972
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Ao som de um órgão que vai cada vez mais convidando os outros instrumentos começarem a tocar junto ele assim começa Watcher Of The Skies a primeira música do álbum Foxtrot, mas uma vez o Genesis supera o disco anterior. Voltando a comentar Watcher Of The Skies, já começa com uma introdução muito boa e segue com uma música relativamente rápida. Time Table faz me lembra da Inglaterra, uma letra muito linda com um refrão marcante, dá uma acalmada nos animados. Get’Em Out By Friday relembra muito a música Harold the Barrel por Peter Gabriel novamente interpretar vários personagens, assim como todo o disco é uma das melhores músicas. Can-Utility And Coastliners é a segunda melhor música do Foxtrot na minha opinião, o instrumental dessa muito é perfeito, une tudo que uma música precisa pra ser linda, a receita perfeita. Horizon’s é uma passagem instrumental de violão muito linda que serve de introdução para a grande música do álbum: Supper’s Ready é a maior música do Genesis em relação ao tempo, são exatamente 22:58 minutos de música, é considerada por muitos a melhor música do grupo e realmente é uma música que atinge o nível máximo de perfeição. Tem uma infinidade de passagens musicais, onde Peter Gabriel interpreta vários personagens modificando sua voz e seus sentimentos e tem longas passagens instrumentais, assim o Foxtrot é finalizado, de maneira fantástica, o melhor álbum do Genesis até então, mas isso iria mudar.


    Selling England By The Pound – 1973
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Selling England By The Pound é o maior álbum de todos os tempos. Me arrisco a dizer isso e não é por menos, do inicio ao fim perfeito, a banda conseguirá atingir o ponto máximo da perfeição, onde ninguém jamais até hoje conseguiu ultrapassar. Com uma capa que se parece um quadro, uma das minhas capas de disco favoritas.
    Dance With The Moonlit Knight consegui abrir o álbum de uma forma mais bonita que Watcher Of The Skies é para o Foxtrot, ao invéz de um órgão a voz de Peter Gabriel começa sozinha logo acompanhada pela sonoridade dos instrumentos, tanto letra quanto a música em si são lindas. I Know What I Like(In Your Wardrobe) é a música famosa do disco, que começa com vários barulhos estranho enquanto Peter Gabriel começa a cantar. First Of Fifth foi uma música que eu demorei a gostar, mas atualmente é uma das minhas favoritas da banda, começa com um lindíssimo piano e então Peter começa: ’The path is clear... though no eyes can see...’, além de um solo de piano maravilhoso que marca uma longa suíte progressiva. More Fool Me é iniciação de Phil Collins nos vocais, uma balada onde ele mostra pela primeira vez até então sua voz. O disco segue com uma marcha, sim, Battle Of Epping Forest, a maior música do cd começa, ela satiriza a disputa entre duas gangues do East End londrino pela venda de proteção comercial, mais uma vez Peter Gabriel demonstra de forma fantástica sua interpretação, como vários atores em apenas um, é com certeza uma das melhores música do Genesis. A instrumental After The Ordeal é um dos mais lindos que eu já escutei, quem sabe o mais. É emocionante.
    Enfim a melhor música de todos os tempos, A grande música, The Cinema Show é a melhor música de todos os tempos com certeza, está acima de tudo e todos, acima da perfeição. Simplesmente não posso comenta-la, a partir do momento que não é uma música que você ouve, e sim sente.


    Assim eu fecho a primeira parte do review da maior banda de todos os tempos, Genesis. Chegando ao número de 6000 posts! :)
     
  3. Waters

    Waters Usuário

    Genesis é muito bom! Apesar de considerar que eles se destrambelharam demais nos anos 80 virando praticamente outro grupo. Mas os anos 70 foram incríveis, da música pop refinada ao progressivo extremo, com uma atitude poética e cênica muito original, graças em grande parte ao Peter Gabriel.

    Dos albuns deles sou completamente chapado pelo Nursery Crime, acho The Musical Box uma obra-prima tanto no som como na letra incrivelmente bem escrita.
     
  4. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Nos anos 80 o Genesis mudou completamente seu estilo, especialmente a partir do álbum Abacab.

    Mas falando do melhor, a letra e melodia de The Musical Box é demais, é minha música preferida do Nursery Crime. A história da mulher que corta a cabeça do cara jogando cricket. Embora a história na letra da música é centrada mais na parte posterior, quando o espirito do cara fica guardado na caixinha de música. E a música ... meu deus, é uma das coisas mais lindas que ouvi. Daquelas que transmite todo o sentimento da história, das partes mais suaves as mais trágicas.
     
  5. Thico

    Thico The Passenger

    Finalmente com o A Trick Of The Tail em mãos,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ...gostaria de comentar que é um disco formidável, na minha opinião é consegue superar o Trespass e empatar com Nursery Cryme na minha opinião, mas nota-se que é bem diferente da fase Peter Gabriel. A única música que eu ainda não conhecia do cd era Mad Man Moon, que atualmente é minha música favorita do cd. :)
    Por falar nisso se fizesse um top dos cds progressivos do Genesis(com exceção do Lamb Lies que eu não conheço todas músicas) seria assim, ordem:
    -Selling England By The Pound
    -Foxtrot
    -Nursery Cryme e A Trick Of The Tail
    -Trespass
    -Wind & Wuthering
    -From Genesis To Revelation

    Bom, é isso! Bem que poderiam dar uma animada nesse tópico, afinal, fala da melhor banda de todos os tempos! :mrgreen:
     
  6. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Eu atualmente colocaria assim:

    Selling England By The Pound
    The Lamb Lies Down On Brodway
    Foxtrot
    Trick of the Tail
    Trespass
    Wind and Wuthering e Nursery Crime
    And Then There Were Three
    Duke
    Abacab e Genesis
    Invisible Touch
    We Can't Dance

    Eu não escutei todo o From Genesis no Revelations nem o Calling All Stations. O From Genesis eu devo no final das contas colocar no nível do Abacab e do Genesis, talvez um pouco melhor. O Calling All Stations não me parece mesmo ser bom.
     
  7. Thico

    Thico The Passenger

    O Calling All Station é o que exatamente? Eu vi nas lojas mais não prestei muita atenção pra falar a verdade! Ainda preciso ouvir o Lamb Lies inteiro, o que eu ouvi eu achei muito bom! Pra variar! hehe!
     
  8. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    É o último álbum do Genesis, nos anos 90. Sem o Phil Collins (já tava na hora), mas o que eu escutei não curti muito não. É pop, so que menos legal do que eles faziam nos anos 80.
     
  9. Thico

    Thico The Passenger

    Nossa... esse deve feder, ou quase! :?
     
  10. Thico

    Thico The Passenger

    Revivendo... depois de mais um ano.

    então, alguém gosta da banda aí? Tem algo a acrescentar. Aliás preciso fazer a resenha dos outros discos! hehehe
     
  11. Fosco Cachopardo

    Fosco Cachopardo Ghost of Perdition

    Eu gosto. Mas já gostava qdo o topico foi feito. Apenas não postei pq como postar depois daquele post do Faramir? :? hehehe

    Enfim, gosto bastante da banda, apesar de fazer mto tempo q não escuto nada. Conheço os albuns Foxtrot, Selling England e o A Trick of the Tail. Todos excelentes, especialmente o segundo.

    Ele é simplesmente fantástico e The Cinema Show é uma das melhores músicas que conheço. Linda.
     
  12. .plück.

    .plück. Usuário

    Até hoje eu só ouvi uma música deles: a Mama. E acho ela perfeita. Na verdade, quando eu ouvia lá com 7/8 anos, era minha música preferida.
    Tem outras deles parecidas com essa?
     
  13. Thico

    Thico The Passenger

    Tem, a fase pop da banda(do qual eu desconheço em 90%) tem muitas músicas do gênero. Mas aconselharia você ouvir a fase Prog que está dita aí em cima. :wink:
     
  14. Krebain

    Krebain Banned

    Putz...Estou numa fase de lembrar os clássicos e descobrir outros. Então eu esbarro em Genesis. Examinando a coleção de cds do meu pai, vejo um tal de Foxtrot, e resolvo conferir.

    Nossa, vocês não tem idéia. Já está entre os melhores álbum de Progressivo que eu já ouvi, é espetacular. TODAS as músicas merecem nota 10. Supper´s Ready é um absurdo, sinceramente. Quando a música acabou, eu fiquei naquele estado, tipo um pós orgasmo. Não consigo nem falar sobre as músicas, pois sinto que ainda não sou capacitado (escutei o álbum inteiro 3 vezes).

    Vou fazer um top:

    1- Supper´s Ready
    2- Get ´em out by Friday
    3- Can-Utility and the Coastliners
    4- Time Table
    5- Watcher of the Skies (que poderia muito bem estar em 2º)

    Desesperado atrás do Selling England by the Pound e o The Lamb Lies Down On Brodaway. Descobri que também tenho o Live, mas só ouvi The Knife (que também é maravilhosa).
     
  15. Thico

    Thico The Passenger

    Vamos tentar aqui...

    Dusk
    Robbery, Assault and Battery
    White Mountain
    Afterglow
    Cuckoo Cocoon
    Get'Em Out By Friday
    Fly On A Windshield
    Anyway
    Looking For Someone
    More Fool Me
    The Colony of Slippermen
    All In a Mouse’s Night
    Mad Man Moon
    The Return of the Giant Hogweed
    Time Table
    A Trick of The Tail
    After The Ordeal
    The Fountain of Salmacis
    Your Own Special Way
    Counting Out Time
    First of Fifth
    Horizon's
    Harold The Barrel
    Entangled
    It.


    Como nos outros jogos, tirem a que consideram a pior e comentem o porquê.

    Procurei pôr as menos conhecidas, as clássicas ficam para a continuação, se houver.
     
    Última edição: 11 Mar 2006
  16. Cildraemoth

    Cildraemoth Usuário

    Dusk
    Robbery, Assault and Battery
    White Mountain
    Afterglow
    Cuckoo Cocoon
    Get'Em Out By Friday
    Fly On A Windshield
    Anyway
    Looking For Someone
    The Colony of Slippermen
    All In a Mouse’s Night
    Mad Man Moon
    The Return of the Giant Hogweed
    Time Table
    A Trick of The Tail
    After The Ordeal
    The Fountain of Salmacis
    Your Own Special Way
    Counting Out Time
    First of Fifth
    Horizon's
    Harold The Barrel
    Entangled
    It.

    Vou tirar More Fool Me pois é o Phil Collins que canta. :twisted:
     
  17. Thico

    Thico The Passenger

    Dusk
    Robbery, Assault and Battery
    White Mountain
    Cuckoo Cocoon
    Get'Em Out By Friday
    Fly On A Windshield
    Anyway
    Looking For Someone
    The Colony of Slippermen
    All In a Mouse’s Night
    Mad Man Moon
    The Return of the Giant Hogweed
    Time Table
    A Trick of The Tail
    After The Ordeal
    The Fountain of Salmacis
    Your Own Special Way
    Counting Out Time
    First of Fifth
    Horizon's
    Harold The Barrel
    Entangled
    It.


    Afterglow: É o Phil que canta também, mas não vou tirar por esse motivo, e sim por ter um andamento que cansa depois de ouvi-la mais de 5 vezes, além disso é a última faixa do último álbum foda do Genesis. É bonitinha, mas saí.
     
  18. Cildraemoth

    Cildraemoth Usuário

    Dusk
    Robbery, Assault and Battery
    White Mountain
    Cuckoo Cocoon
    Get'Em Out By Friday
    Fly On A Windshield
    Anyway
    Looking For Someone
    The Colony of Slippermen
    All In a Mouse’s Night
    Mad Man Moon
    The Return of the Giant Hogweed
    Time Table
    A Trick of The Tail
    After The Ordeal
    The Fountain of Salmacis
    Counting Out Time
    First of Fifth
    Horizon's
    Harold The Barrel
    Entangled
    It.


    Tirei Your Own Special Way: Eu até gosto dela, é uma música bonita, e tal, mas foge um pouco do estilo da maioria das outras ali.
     
  19. Nandes

    Nandes Usuário

    Eba.
     
    Última edição: 24 Mar 2008
  20. Gabriel Souza

    Gabriel Souza Usuário

    Gosto muito de Genesis. Mas só conheço o Foxtrot, Selling England... e o Lamb Lies...
    Além, é claro, de algumas músicas mais famosas da fase com O Phil Collins no vocal.

    O disco que eu mais gostei foi o Lamb Lies Down on Broadway. Além da unidade conceitual, que é muito bacana, tem músicas fantásticas, como In the Cage e Back in NYC que são totalmente diferentes e fortes (no sentido de emoção mesmo, vc sente a música de forma muito diferente).
    Dos outros discos eu gosto muito de Supper's Ready, Time Table (muito linda), Dancing Out With the Moonlit Knight e Firth of Fifth (tem a parte instrumental mais bem feita de todas as músicas do progressivo). Pra mim esses 3 discos estão com certeza no meu top10 de rock.
     

Compartilhar