1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ex-oficial da Marinha Real diz ter resolvido o mistério do Santo Graal

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Roderick, 29 Jun 2010.

  1. Roderick

    Roderick Banned

    Um oficial reformado da Marinha Real Britânica, que passou anos estudando textos antigos, acredita que finalmente resolveu o mistério do desaparecimento do Santo Graal.


    Para milhões de fiéis, o Santo Graal é o objeto mais precioso da terra. É o cálice, que de acordo com a tradição, Cristo bebeu na Última Ceia e foi usado mais tarde para recolher parte do seu sangue durante a crucificação, uma inestimável relíquia cristã.


    Muitos fiéis têm procurado em vão encontrá-lo. Mas finalmente teria sido descoberto, ignorado e não reconhecido, no canto de uma catedral, no coração da Inglaterra.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Coleman em frente a Catedral de Lincoln


    "Eu nunca pretendi começar uma busca para encontrar o Santo Graal. Eu estava interessado inicialmente em pesquisar as relações entre os cruzados, Inglaterra e os santos medievais", disse EC Coleman ao Sunday Express. Coleman acredita que o artefato é o Santo Graal.


    "Mas quanto mais eu lia mais eu era conduzido pela trilha que explica a extraordinária trajetória que esta relíquia perdida tomou".


    Historiadores e acadêmicos ficarão surpreendidos com a revelação de que o objeto histórico mais valioso da cristandade está embaixo de seus narizes por décadas.


    Em 1889, a Catedral de Lincoln estava passando por reparos. Um grupo de operários levantou uma grande laje de mármore Portland e revelou o túmulo do Bispo Oliver Sutton, que morreu em 1299.


    Dentro do túmulo, os arqueólogos encontraram um cálice ao lado do esqueleto, que ainda estava onde tinha sido colocado quase 600 anos antes. Ele era feito de prata, com quatro e meia polegadas de altura e sem qualquer decoração.


    "Este era o Santo Graal, mas ninguém o reconheceu. Posteriormente, passou a ser exibido em uma prateleira da tesouraria da Catedral, onde você pode vê-lo hoje, mas não há nada lá para dizer o que ele é realmente", diz Coleman, que acaba de publicar The Grail Chronicles descrevendo sua busca.


    "Encontrar esses artefatos no túmulo de um bispo não era de todo incomum e colocá-los lá pode muito bem ter sido uma prática normal na Idade Média, mas este cálice era diferente", diz Coleman.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Para EC Coleman esse é o verdadeiro Santo Graal

    Coleman diz ainda: "Exemplos previamente descobertos eram ricamente decorados, mas este tinha uma elegância simples, ligeiramente caseira, com o uso de rebites claramente visíveis para juntar as diferentes partes da peça.

    Eu nunca o toquei, mas é muito bom ficar perto dele. Na minha própria mente e com toda a boa fé estou confiante de que o cálice recuperado no túmulo do Bispo Sutton é o Santo Graal. "

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Eu anda acho q se existe um santo graal pela lógica das histórias mais malucas, ele seria o cálice da santa ceia... se é assim, ele não seria de prata ou ouro, e sim o mais rudimentar possível, o mais simples possível... de barro como os dos carpinteiros ou mais pobres de condição material.

    Acredito que a magia da história está na natureza de onde ele foi usado, de onde ele surgiu, e não na aparência bela ou qualquer coisa. Então por mais simples que este seja, ele ainda é de prata, e não acho que se enquadra nas minhas crenças rs

    Se provarem ótimo, mas prefiro ficar nas minhas piras.... (ou vai que o santo graal era mesmo maria madalena rs)
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  3. Roderick

    Roderick Banned

    Também acho, Jesus e seus apóstulos não eram ricos, pelo contrario eram humildes pessoas que nem casa tinham e não eram ligados aos bens materiais, mas claro que esse possa ser sim o Santo Gaal, mas eu acho meio difícil de se provar isso...
     
  4. Acho esse cálice é muito bem feito para ser do tempo do Messias, ou não???
     
    Última edição: 29 Jun 2010
  5. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Que babaquice, todo aquele rico simbolismo e o Graal é um cálice? Puta que pariu, quantos livros li à toa...
     
  6. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Concordo plenamente. Foi a 1ª coisa que pensei: é de prata, seja simples ou não!
    Como aparece no filme Indy e a Última Cruzada... Era o mais simplisinho de todos - feito de barro e bem comum -, no qual ninguém nem tinha reparado.

    Mas eu ainda tenho minhas dúvidas sobre ser, de fato, um objeto literalmente. Acho que o simbolismo é mais forte que isso.

    Mas o que eu acho mesmo é que esse povo adora perder tempo. Espera o fim do mundo que aparecem todos os objetos perdidos: cálices, arcas, etc... Até lá, é pura perda de tempo e suor!
     
  7. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Concordo... mas que eu amo essas (e)histórias eu amo rsss

    Acho muito interessante até aonde a mente humana chega.
     
  8. Musidora

    Musidora Visitante

    Concordo com todos em relação ao material que o cálice foi feito. E Indiana Jones também concorda, em A Última Cruzada:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Enfim. O objeto não terá nenhum tratamento empírico? :think:
    Evidências! :disgusti:


    Pois é, Elriowiel. Como em As Brumas de Avalon, para cada um (ou cada religião), tal objeto tem uma forma e significado.
     
    Última edição por um moderador: 29 Jun 2010
  9. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Simbolismo é questão de interpretação. Eu não posso discutir de igual pra igual, pois a única teoria simbólica que conheço vem de O Código Da Vinci, então...

    Mas ainda assim não deixo de dizer que não passa de interpretação. Para alguns, a palavra cálice será sempre levada ao pé da letra. Para outros, o cálice simboliza o Sagrado Feminino etc e tal.

    Quais dos dois tem razão, sendo que historiadores diferentes divulgam as duas teorias paralelamente?

    Mas eu também não acredito nessa descoberta não. Não entendi o motivo desse cara achar que esse cálice em específico seja o Santo Graal. Só porque é simples e estava enterrado junto a um bispo? Porque ele chegou a essa conclusão???

    Pra mim ele está apenas buscando seus 15 minutos de fama!
     
  10. Excluído045

    Excluído045 Banned

    O simbolismo do cálice, não de qualquer cálice, como o caldeirão celta, mas o cálice do Graal parece indicar não o sagrado feminino, mas um feminino específico, não específico como Madalena, mas é ele que faz a ligação de uma perdida nobreza judaica com a perdida família merovíngea e podemos encontrar esse simbolismo permeando a história subterrânea dos motivos e aspirações políticas de várias famílias nobres europeias.
     
  11. eowathiel

    eowathiel dançando lambada com um

    :roll: eu cada vez mais estou confusa quando a esta questão... Santo Graal = Maria Madalena ou Santo Graal = Cálice?

    Como eu gostava de saber verdadeiramente a verdade...
     
  12. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Eu não entendo de estilos, mas essa peça aí tem jeito de ser coisa medieval mesmo.
     
  13. Excluído045

    Excluído045 Banned

    O cálice que foi usado por Jesus nada tem de especial, exceto a sobrevivência da lenda de que ele era miraculoso, a mais preciosa da relíquias. Essa lenda inspirou os chamados 'romances do cálice', romances medievais que contam as aventuras de um cavaleiro que busca o santo cálice, o santo Graal. Esses romances estão cheios de referências a aspectos obscuros dos ensinamentos de Jesus, especialmente com relação aos hereges gnósticos e seus sucessores, os cátaros, que tinham uma visão mística, dualista, zoroástrica do cristianismo.

    Os gnósticos saíram da moda intelectual com o fim do Império Romano, os cátaros foram massacrados pelos cruzados. Isso sabemos. O que nem sempre fica claro é como o simbolismo do cálice, aparentado ao do caldeirão celta, que até ressuscitava os mortos, se liga, além dessa questão da salvação, ligada ao próprio Cristo, mesmo este ligado aos mitos de Dioniso, Orfeu, Osíris, é como esse cálice sobreviveu como tema ocultista da renascença até os dias de hoje. Foi o despertar da mentalidade clássica adormecida da época que ressuscitou esse tema? Não.

    A lenda do Graal passou pelos gnósticos, manteve-se com os cátaros e os romances do cálice, se amalgamou ao ocultismo seiscentista, integrou-se à maçonaria e na Rosa Cruz, e sobrevive por causa de Dan Brown. Isso aconteceu por motivos políticos: segundo certos pesquisadores, inspiradores do autor do Código, o motivo simbólico do Graal se cristalizou no pensamento ocultista não por questões culturais, mas por uma manipulação filosófica do ocultismo, através de uma suposta ordem milenar que preserva o segredo do cálice e quer revelá-lo aos poucos, pois sabe que isso abalaria, destruiria os alicerces do cristianismo, talvez destruísse a Igreja.

    Tal ordem passou a existir quando seus fundadores perderam suas terras, perderam a posse da Palestina aos infieis de Saladino. A ordem tentou construir um sentimento de segredo, de conspiração na cultura ocidental como única forma de preservar o segredo de uma família nobre mas sem terras, que só se preservou e voltou a um poder fragmentário, através de casamentos e associações diversas a várias importantes família europeias. Com a Revolução Francesa e a consequente queda do absolutismo, só sobrou o ocultismo para revelar aos poucos esse mistério, mistificá-lo cada vez mais, para atrair cada vez mais interesse. Inimigos de Roma, hostis aos protestantes, a tal Ordem do Sion, detentora do segredo, não tem interesse em uma Europa não-cristã, laica. Querem uma teocracia, sempre quiseram, desde sempre, mas tiveram sempre que se contentar com os farrapos de uma ordem feudal, até poderem se aventurar em teorias sobre uma monarquia socialista que unisse todos os reinos da Europa. Sonhos...

    A importância do ocultismo na mistificação é enorme, como é grande seu poder, oculto, dentro da economia e da política do globo. Com o fim da Segunda Guerra Mundial e a democrático-mania começando, os planos políticos do Sion malograram. Mas cresceram em importância intelectual com muitos escandalizadores, polemistas etc... Perderam a esperança na política. Talvez só por enquanto...
     
  14. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Nunca vão provar, por acaso se Jesus existiu ele escreveu: "Esse é o Santo Graal, acreditem eu usei mesmo ele".
     
    Última edição: 30 Jun 2010
    • Gostei! Gostei! x 2
  15. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Mas a 'ocultização' do segredo do Graal só se deu porque as famílias ligadas a ele perderam poder. Na Idade Média, tanto o poder gigantesco dos templários quanto o poder do sacro estado da Terra Santa dos Cruzados cresciam, e o respeito, ou medo, do papado com relação a eles conforme. A destruição dos templários foi o golpe de misericórdia que o papado e Filipe, o Belo, deram contra as enfraquecidas famílias, já acabadas depois do fracasso da Cruzada. A solução foi o começo, o fermentar do ocultismo, um fenômeno que deve ter mais a ver com o poder de uma certa ordem, fundada em 1108, na Palestina por membros dessa família, como uma confraria secreta. O ocultismo não foi usado por Sion, talvez tenha sido formado por eles para esconderem, para protegerem o segredo. E tem sido assim até hoje, não importa quantas máscaras tenha usado Sion para tomar o poder repetidas vezes (Companhia do Santo Sacramento, na França, que fazia de tudo, como a Fronda, para afrontar o cardeal Mazarin, que controlava a rainha-mãe e o jovem Luís XIV; os Habsburgos tentando deter o poder na Europa inteira; o oculto poder maçom etc).

    Mas afinal, o que havia de especial nessas famílias? Algo as ligava à extinta e fraca família merovíngea, fundadora da França e primeiro baluarte católico no começo do medievo. Segundo os historiadores dessa linha, os merovíngeos eram descendentes de francos e judeus, judeus esses talvez ligados a uma descendência de Jesus. Daí temos o simbolismo do sanguem do Graal, explicado.

    Agora, até que ponto há romance e exagero aí, nessa hipótese, não sabemos. Mas é extremamente intrigante a constante presença da lenda do Graal na cultura ocidental, assim como sua ligação com a mitologia pagã, com Jesus e Madalena, com os merovíngeos, com o ocultismo, comn o islamismo... Como coisas tão díspares, até aliens, podem se entrelaçar?
    Esses historiadores nos deram uma resposta, uma hipótese, até plausível.. mas polêmica.

    Agora se vc naum é cristão, ou simplesmente não se importa com Jesus, tanto faz, certo?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  16. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    O mais provável é que, como todas as lendas, esta apenas foi evoluindo conforme passava de cultura para cultura.
    SdA mesmo está recheado de lendas com diferentes significados e que aparecem sob formas semelhantes ou completamente diferentes em culturas que, muitas vezes, nem sequer tiveram contato.
    O mais interessante de todos é o caso do dragão. Ele simplesmente aparece em TODAS as culturas, em continentes diferentes, com simbolismos, formas, significados e personalidades diferentes... Mas sempre um réptil enorme, alado e que cospe fogo. Às vezes bom, às vezes mal... Às vezes inteligente, às vezes um simples animal.

    O natal mesmo é uma data 'aproveitada' de um feriado / festejo pagão [não me lembro qual agora]. O objetivo era tornar a conversão menos traumática usando datas que já constavam no calendário como importantes ou especiais.

    Assim sendo, duvido que o Cálice seja, digamos 'original'. Como disse o Caio, já existiam antes lendas de caldeirões e cálices milagrosos... Assim, se Jesus usou um cálice na sua última ceia, foi um pulo para dizer que o dele também era fantástico, milagroso e etc...
    Mas vamos parar pra pensar: se o simples fato de ter sido usado por Jesus é motivo para tornar este cálice sagrado... e todos os outros que ele usou durante a vida???
    Muita coisa [lendas, histórias e etc] se criou pelo próprio falatório popular e cada um que contava a história acrescentava algo. Muitas outras foram boatos e histórias espalhados pela própria Igreja, pois era o que a fortalecia.

    Na situação em que Cristo e os apóstolos estavam não creio que, ao fim da ceia, alguém pensou "devo guardar este cálice pois será uma relíquia no futuro" e nem sequer que tenha lembrado de fazê-lo.

    Quanto ao simbolismo associado à uma linhagem familiar, parece fazer mais sentido, porém ainda assim não passa de uma teoria de conspiração. É claro que eu acredito que tem muita coisa escondida que faria a Igreja E a cristandade toda desmoronar... Mas sem enfeitar demais o pavão.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  17. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Queria que meus copos durassem tanto assim.

    By Raphael Silvério
    Saturday Nights
     
  18. marktl82

    marktl82 Usuário

    Li e reli a matéria, mas ainda não consegui descobrir a conexão que fez com que o cara pensasse ser o Santo Graal. Estar enterrado junto a um Bispo e ser simples é vago demais.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  19. Thatá Rose

    Thatá Rose Engel

    Exatamente o que penso, caso todas essas histórias sejam reais.



    A história toda é muito vaga, são suposições, como todas as outras. Não existem provas concretas, nada que realmente justifique essa notícia como o "mistério do Santo Graal".
     
  20. Excluído045

    Excluído045 Banned

    A lenda do Graal, isto é, todo o conjunto de lendas, tradições e simbolismos, é muito maior que um cálice.

    Mas talvez seja ainda menor, visto haver muita fantasia envolvida. E best-sellers, geralmente, são feitos para vender...
     

Compartilhar