1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Um Lugar Qualquer (Somewhere, 2010)

Tópico em 'Cinema' iniciado por imported_Shiryu, 15 Jan 2011.

  1. imported_Shiryu

    imported_Shiryu Yippie-ki-yay...

    Um Lugar Qualquer (2010)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sinopse: Johnny Marco (Stephen Dorff) é um bem sucedido ator de Hollywood que não possui uma reputação das melhores. Hospedado no lendário hotel Chateau Marmont para recuperar-se de um acidente no set de filmagens, ele passa os dias em festas com strippers ou dirigindo sua Ferrari por puro prazer. Porém, o ator tem sua rotina subitamente alterada pela presença de Cleo (Elle Fanning), sua filha de 11 anos, que passa a visitá-lo com certa frequência. Embora a princípio seja incapaz de dar à menina a atenção que precisa, a progressiva aproximação leva Johnny a reavaliar sua vida.

    Comentário: Sinceramente, eu esperava muito mais deste filme. Acho que ficou extremamente pessoal, já que era o que provavelmente acontecia com a Sofia Coppola. Apesar de eu adorar a interpretação do Dorff e da Fanning (especialmente desta daqui, que logo logo supera a irmã), a melhor parte deles é justamente o que eles faziam quando não falavam nada, porque os diálogos em si são muito vazios. Além disso, os takes abertos para mostrar o vazio do protagonista enchem o saco rapidamente.

    Coisa bizarra desse filme é que ele me enganou quando ia acabar, o movimento da câmera na cena da piscina me fez ir levantando para desligar, mas acaba que nem é o fim do filme.

    Outra coisa, parece que em todos os filmes da Sofia Coppola os protagonistas buscam uma espécie de redenção, bem que ela poderia fazer algo diferente. Mas mesmo comparando Somewhere com Lost in Translation, Somewhere perde feio.

    Quanto ao final:
    Ridículo. Tá bom, entendi que o cara quer se recuperar, dar mais atenção à filha e tal, mas porque parar uma Ferrari no meio do deserto e sair andando que nem um retardado?
     

Compartilhar