1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Teria Varda consagrado pedras malditas?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Elring, 10 Ago 2007.

  1. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Outra questão que levanto ao passar os olhos no Silma para outro estudo.

    Voltando à época da bem-aventurança de Valinor, veremos Fëanor ruminando em pensamentos uma forma de capturar e fundir as luzes das Duas Árvores: Laurelin e Telperion. O resultado todos sabemos, as Silmarills. E, como é de conhecimento geral, parte do poder do criador é repassado para sua criação. Uma façanha tão extraordinária que só pode ser executada uma vez dentro dos Círculos de Arda, como Yavanna lembrou. Ora, se o poder transferido reflete o espírito de seu dono, como os Anéis, então, as Silamrills adquiriram seu desejo incansável de obter mais e mais, a cobiça que teve pelos cabelos de Galadriel e o rancor que sentiu por seu pai ter se casado novamente. Criada as Gemas, o efeito não foi outro, seu orgulho chegou aos Palácios de Eru e o ciúme que sentia só em mostrá-las só não era maior que o ódio de Melkor por ele.

    E todo este caldo foi consagrado por Varda. Talvez esteja viajando, mas as desgraças que as tais pedras geraram em Morgoth, nos Filhos de Fëanor e em Thingol levantam algumas sobre o efeito potencializado que Elbereth deu às Silmarills. E então?
     
  2. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Eu creio que, o fato de Varda e Manwë as consagrarem não foi o fator principal (embora possa sim ter seus efeitos). O grande problema, foi sem dúvida nenhum Melkor. TOdos os problemas srgiram daí: O Juramente, o Exílio, a maldição, etc...
     
  3. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Pra mim o grande problema sempre foram as mentiras de Morgoth Bauglir.
    Pedras consagradas, por Manwë e Varda, não podem, por esse motivo, serem malditas ou terem conseqüências ruins.
    As mentiras de Melkor foram amaldiçoando as Silmarils, até chegar ao ponto de que elas não mais refletiam a luz de Telperion e Laurelin, mas sim refletiam a cobiça e desavença entre os povos da TM.
     
  4. Tuor

    Tuor Usuário

    Não creio que possa haver culpa de Varda, até porque elas foram consagradas! Alcarecco disse basicamente tudo: foi Morgoth que trouxe os problemas. Eu acho que não tinha como os Valar saberem que Morgoth seria capaz do que fez. Além de Morgoth tê-las "desconsagrado", o temperamento explosivo de Fëanor também contribuiu bastante para a cobiça e as brigas que aconteceram em conseqüência disso.
     
  5. César

    César Usuário

    Por que Varda consagrou as pedras? Porque elas não eram malditas, apesar de terem sido criadas por um Elfo traidor e traiçoeiro. Sim, o poder veio de Fëanor, mas isso não é um pré-requesito para que as pedras sejam malditas. Tolkien disse na Carta #155:

    "Mas suponho que, para os propósitos da história, alguns diriam que há uma distinção latente tal como certa vez foi chamada a distinção entre magia e goeteia. Galadriel fala dos “artifícios do Inimigo”. De fato, mas a magia podia ser, era, considerada boa (per se), e a goeteia má. Nenhuma das duas, nesta história, é boa ou má (per se), mas apenas pelo motivo, propósito ou uso. Os dois lados usam ambas, mas com motivos diferentes."

    Isto é, por mais traiçoeiro que Fëanor possa ser, ele pode produzir coisas "puras" se quiser. E parece que o único objetivo das Gemas era aprisionar e misturar a luz das Àrvores, o que não é uma coisa má.
     

Compartilhar