• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Tengwar Quenya vs Tengwar Sindarin

davizovisque

Usuário
Boa dia e boa noite a todos, gostaria de saber as principais diferenças do tengwar quenya para o sindarin. A principal diferença que eu vejo (me corrijam), é a localização das vogais, por exemplo: ''ni'' escrito em quenya (primeira imagem), tem a vogal ''i'' em cima da consoante ''n'', já o tengwar em sindarin (segunda imagem) é sempre colocado a vogal após a consoante.

Tecendil screenshot (6).png Tecendil screenshot (7).png
 

Slicer

Careca rebuscado
Usuário Premium
O nome dos modos são:
  • Modo Clássico: usado pelo Quenya
  • Modo Geral: usado pelo Sindarin
  • Modo de Beleriand: usado pelo Sindarin
Você pode aprender sobre os três no site irmão da Valinor, Amanye Tenceli: https://www.valinor.com.br/amanyetenceli/teng_modes.htm

A dúvida básica que você tem é que o Modo Clássico prevê que as palavras vão terminar em vogais. Por causa disso, o que você escreveu em Quenya (ni) é desse jeito: consoante com a vogal que a segue em cima.

No Modo Geral, é presumido que as palavras dessa língua terminam em uma consoante. Por isso, a vogal é escrita em cima da consoante que a sucede. No seu exemplo de Sindarin (ni), não existe uma consoante que suceda o i, por isso é usado um suporte.

No Modo de Beleriand, é presumido que todo fonema tem uma representação em um mesmo nível, por isso, não haveria o ponto para indicar o i. Nesse modo, o suporte que você usou representa o i, e outros caracteres que normalmente são usados para suporte de ditongos são usados para as outras vogais.
 

davizovisque

Usuário
Obrigado por tirar essa dúvida. Quando você escreve tengwar em portguês, é preciso passar por uma adaptação fonética para depois ser escrito? Exemplo: portugues -> adptar -> tengwar / cabo -> kabu -> tengwar. Já que eu não compreendo as regras dessa adaptação eu escrevo normalmente (cabo).
 

Slicer

Careca rebuscado
Usuário Premium
Obrigado por tirar essa dúvida. Quando você escreve tengwar em portguês, é preciso passar por uma adaptação fonética para depois ser escrito? Exemplo: portugues -> adptar -> tengwar / cabo -> kabu -> tengwar. Já que eu não compreendo as regras dessa adaptação eu escrevo normalmente (cabo).
Sim, segundo o que foi convencionado no Modo Tengwar Português que você encontra aqui na Valinor. As convenções de pronúncia são explicadas de forma bem prolongada no próprio documento do MTP e eu sugiro que você tire dúvidas sobre as regras lá e tente reproduzí-las.

A lógica por trás das regras é que o Tengwar é um alfabeto fonético, não um alfabeto ortográfico. A ortografia portuguesa presume que nós vamos convencionar uma forma de escrever que vai ser mais ou menos igual para os 9 países lusófonos, independente de sotaques. Os sotaques vão se adaptar em torno dessa grafia, ao invés da grafia se adaptar ao que é falado em Moçambique, Portugal, Macau etc.

Essa questão dos sotaques não ocorre entre os elfos do mundo de Tolkien.

Segundo Tolkien, os elfos alteravam livremente a sua língua ao longo dos anos e se uma alteração feita por algum deles "colava", eles abandonavam não apenas a pronúncia anterior, como também a grafia anterior. Então, por exemplo, quando o fonema z foi substituído por r no Quenya, os elfos não se prenderam a uma grafia antiga. Eles começaram a escrever as palavras que usavam o caractere áze (que representava o z) com o caractere óre (que representa o r no meio da palavra), e acharam um novo propósito para o caractere áze, transformando-o em esse (que serve para representar um "s" longo ao invés de curto).

O que o MTP está tentando fazer é criar uma norma de ortografia que seja baseada na fonética, trabalhando dentro do espírito onde existe uma fonética "padrão" no Brasil e a gente segue ela para escrever, de forma que o brasileiro consiga se comunicar em Tengwar entre si.

Para fazer isso, o primeiro passo é padronizar que o som de consoantes que cumprem a mesma função (todos os casos onde c, s e ç cumprem a função de sibilantes aveolar surdas, por exemplo) e usar o mesmo caractere para todas (nesse exemplo, o tengwa essë). O segundo passo é analisar padrões fonéticos comuns nas vogais (como, por exemplo, a redução do o final na nossa ortografia para u átono).
 

davizovisque

Usuário
Então pra escrever sem se preocupar com adaptações fonológicas, eu teria que escrever em quenya ou sindarin; qual seria a língua mais facil para aprender? Eu tenho livros explicando como falar cada língua, dando uma breve olhada eu percebi que o sindarin é mais facil, mas na sua opinião qual é a ideal?

Livros:

Curso de Sindarin - Pedin Edhellen (Thorsten Renk)

Curso De Quenya - A Mais Bela Lingua Dos Elfos (Gabriel Brum)
 
Última edição:

Slicer

Careca rebuscado
Usuário Premium
Então pra escrever sem se preocupar com adaptações fonológicas, eu teria que escrever em quenya ou sindarin; qual seria a língua mais facil para aprender? Eu tenho livros explicando como falar cada língua, dando uma breve olhada eu percebi que o sindarin é mais facil, mas na sua opinião qual é a ideal?

Livros:

Curso de Sindarin - Pedin Edhellen (Thorsten Renk)

Curso De Quenya - A Mais Bela Lingua Dos Elfos (Gabriel Brum)
Pra escrever sem te preocupar com as adaptações fonológicas, você poderia escrever em português, mas usando um modo ortográfico ao invés de fonético. Só que, hoje, seria o modo de uma pessoa só. Por isso que eu sugeri que você aprendesse o que o MTP3 fez, porque depois você pode moldar ele para o que você quer com propriedade nos argumentos.

Tipo, não é você o único que fez a crítica. Tem este post aqui que é de um linguista criticando essa abordagem e deixando claro por que ele não concorda. Mas você pode ver também que ele prometeu fazer um MTP ortográfico em 2018. É 2020 e ele não entregou a promessa. É um trabalho do cão, não é pouca coisa.
 

davizovisque

Usuário
Já peguei a pdf dessa apostila para estudar, mas só pra tirar a dúvida das línguas , qual você acha mais facil de aprender em relação aos livros que eu citei? (Se você conhecer, óbvio).
 

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
Já peguei a pdf dessa apostila para estudar, mas só pra tirar a dúvida das línguas , qual você acha mais facil de aprender em relação aos livros que eu citei? (Se você conhecer, óbvio).
Acho que há um consenso de que o Quenya é melhor para começar, tanto por ser considerado menos complexo (especialmente para os nativos de idiomas latinos), quanto por ser uma língua mais antiga dentro do legendarium, quanto pelo curso do Helge Fauskanger (dessa tradução do Gabriel Brum, nosso Tilion) ser mais completo e didático que o de Sindarin.
 

Slicer

Careca rebuscado
Usuário Premium
Acho que a principal vantagem do Quenya é a quantidade de vocabulário já disponível para uso imediato. A outra vantagem é que quando você se encontrar na inevitável situação onde uma palavra ainda não existe, é mais fácil criá-la em Quenya do que em Sindarin. Existe um artigo chamado The Evolution from Primitive Elvish to Quenya na Ardalambion que te ensina todo o processo, enquanto no Sindarin não há um estudo análogo.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo