1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

RENAISSANCE – Emoção em forma de música

Tópico em 'Música' iniciado por Progger58, 14 Jul 2005.

  1. Progger58

    Progger58 Usuário

    Embora não tão famoso quanto Genesis, Yes e Pink Floyd, o Renaissance foi outro grupo seminal do rock progressivo inglês. Sua trajetória se inicia em 1969, quando Keith Relf e Jim McCarthy, ex-membros do Yardbirds, decidem formar uma banda com uma sonoridade mais acústica e influências do folk e do erudito. Após a gravação de dois álbuns, Renaissance (1969) e Illusion (1970), o grupo se dissolve. Em 1972, um novo Renaissance, totalmente reformulado e contando apenas com Michael Dunford da formação original (ele participara da gravação do disco Illusion), lança o álbum Prologue, contando com os vocais de Annie Haslam, que passariam a ser a característica mais marcante na música do Renaissance a partir de então, uma voz doce, linda, absolutamente perfeita ( ), juntamente com os arranjos orquestrais elaborados que também caracterizam a música do Renaissance. Prologue marca, portanto, o início da formação clássica da banda, sendo na prática considerado como o sendo efetivamente 1º disco do grupo, e não o 3º como seria de se supor.

    O Renaissance pode ser descrito como um autêntico representante do chamado rock sinfônico. Não se espere, por exemplo, solos virtuosos de guitarra no som típico do Renaissance, pois o que prepondera, aqui, são arranjos orquestrais belíssimos, muito bem elaborados, e a farta utilização, também, de piano e guitarra acústica.

    De Prologue a Azure D’Or, eu pessoalmente considero todos os discos do Renaissance excelentes, mas se tivesse que escolher os "melhores entre os melhores", eu indicaria os seguintes (em ordem cronológica):

    Ashes Are Burning (1973)
    Turn of the Cards (1974)
    Scheherazade & Other Stories (1975)
    Novella (1977)
    A Song for All Seasons (1978)

    Na minha opinião, todos essenciais.

    Saudações progressivas,
    Demétrio.
     
  2. ?

    ? Banned

    Minha mãe tem aqui em casa o Ashes are Burning e o Song for all Seasons. O Ashes é maravilhoso mesmo, o Song eu nunca ouvi porque não faço a menor idéia de onde tá. Qualquer dia desses eu encontro e escuto.

    Can You Understand é uma das melhores coisas que já ouvi na vida
     
  3. Progger58

    Progger58 Usuário

    Renaissance

    Poxa, legal ver isso: boa música passando de pai (ou mãe) para filho. =]

    Saudações,
    Demétrio.
     
  4. igorduff

    igorduff Usuário

    Que legal ver que tem bastante progers neste forum.
    Eu nao conhesso muito o Renassance. Eu so ouvi o disco Ashes are Burning. Nao gostei muito nao. Mas acho que a banda deve ter disco melhores. Me disseram que o A Song for All Seasons e muito bom. Mas nunca tive oportunidade de ouvir
     
  5. Progger58

    Progger58 Usuário

    Renaissance

    Igor,

    Se você não gostou tanto assim do Ashes are Burning, talvez não vá gostar tanto assim do restante da discografia da banda não. Acho que entre Ashes e Song for All Seasons, por exemplo, a sonoridade da banda não mudou tanto assim. Em todo caso, sugiro a você escutar esse Ashes outras vezes, ou quem sabe o Turn of the Cards, o Novella, o Song for All Seasons, todos excelentes... Enfim, dar uma outra chance ao Renaissance, pois como você deve saber bem, progressivo é assim mesmo, às vezes não gostamos de início mas depois passamos a apreciar enormemente.

    Saudações progressivas,
    Demétrio.
     

Compartilhar