1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Reflexões acerca de O Senhor dos Anéis

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Jorge Leberg, 16 Mai 2008.

  1. Jorge Leberg

    Jorge Leberg Palavras valem por mil imagens

    A partir de hoje, postarei todos os tópicos concernentes à literatura, de minha autoria, que também constam no
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Vale ressaltar que são os tópicos criados desde o meu registro aqui, e não os antecessores. Esse é o primeiro:

    Reflexões acerca de O Senhor dos Anéis

    Estava eu hoje imerso em várias das minhas divagações e elucubrações artístico-filosóficas, que me acometem diariamente, e comecei a sair de um universo para me adentrar em outro: o universo de J. R. R. Tolkien, uma viagem pelas alegorias e cogitações propostas pela obra O Senhor dos Anéis – lembrando que assisti aos filmes, porem não li a trilogia literária. Resolvi postá-las para não perdê-las em qualquer região inóspita do meu cérebro e, claro, para iniciar um possível e acalorado debate.

    Tolkien construía a natureza humana de seus personagens de forma maniqueísta, o que é compreensível visto que ele era um católico fervoroso; muitos indivíduos, por forte influência religiosa, concebem o "Bem" e o "Mal" como essências postadas acima do homem. Isso se deve à relação das noções de bem e mal com, respectivamente, Deus e o Diabo. Essa concepção é perceptível em O Senhor dos Anéis. A guerra entre os povos civilizados da Terra-Média contra as criaturas e bárbaros asseclas de Sauron não só simbolizam uma aparente contraposição entre civilização e barbárie, mas também entre os tementes a Deus – povos católicos fiéis, portanto do "Bem" – e os infiéis, seguidores das "falsas" religiões e considerados cruéis e inumanos. Vai ver ele esqueceu de um termo chamado imperialismo, ou as próprias hordas de Sauron são os EUA subjugando as nações menos desenvolvidas – e tentando submeter também outras que são desenvolvidas, para afirmar seu poder bélico e econômico. Entretanto, essa é uma interpretação limitada, com cerceios. Sabe-se que Tolkien diabolizava a máquina e, portanto, a tecnologia avançada. Essa idéia dele é visível em sua obra pelo modo como ele retratava as máquinas, destruidoras graduais do meio ambiente e da civilização como a conhecemos, conduzindo-nos rumo ao caos. Obviamente, Tolkien edificou suas criticas e predições observando e julgando o mundo que se definia em sua época: com o poderio bélico de nações como EUA e URSS, dentre outras, crescendo exponencialmente devido aos avanços tecnocientíficos, poderio este exibido largamente em guerras e conflitos, exterminando pessoas muito mais numerosamente que as lutas armadas de antigamente; através da degradação ambiental, incluindo a destruição de florestas para ampliar cidades, edificar indústrias armamentistas – mais uma vez a presença da guerra –, dentre fábricas de outros setores, ainda por cima gerando poluição atmosférica e fluvial – fumaça e dejetos químicos/orgânicos. Extremamente atual.

    Isaac Asimov criticava duramente Tolkien pela visão provavelmente arcaica e maniqueísta que este tinha da ciência e da tecnologia. Asimov acreditava, mesmo não olvidando os impactos negativos da ciência moderna, que esta também traria consideráveis benefícios e avanços, como mais conhecimento, menos alienação; mais melhorias e eficiência, menos trabalhos árduos; mais justiça. Se não me engano, também foi Asimov que interpretou mordazmente os hobbits como uma representação ideal dos ingleses pacatos, habitantes estáveis e rechonchudos dos campos e lugares idílicos do Reino Unido, distantes da tecnologia em voga, porém alienados em relação à pobreza e aos conflitos violentos, desatentos do resto do mundo.

    Voltando à natureza humana em O Senhor dos Anéis, é imprescindível afirmar que a falta de densidade psicológica, sem complexidade e zonas morais cinzentas, não esfacela a riqueza dos personagens. Os "mocinhos" da obra também possuem seus defeitos, angústias, medos, alguns detentores de um temperamento instável, irascíveis e/ou inseguros. Os próprios hobbits são quase ant-herois: glutões, de natureza alheia e sossegada, meio que indolentes e medrosos. Mas uma coisa é ter defeitos; outra coisa é balouçar-se entre o bem e o mal, possuir complexidade de ações e sentimentos que o tornem categoricamente humanos, acima de simplesmente heróis ou vilões, meros arquétipos. E aí entra o Um Anel, uma alegoria tanto do poder sobrenatural/demoníaco quanto do poder tecnológico. Atemo-nos à primeira interpretação, e daí surge o questionamento de cunho moral e existencial, com uma pontinha no metafísico: o Anel seduz utilizando-se das ambições e desejos recônditos das criaturas, para assim preservar sua existência. Como uma influencia diabólica, da qual o homem não é imune. Porém, alguns são na sua essência, de mente mais fraca, débil e facilmente suscetível ao erro que outros. Estes são mais propensos à corrupção do Um. Então, isso os situaria numa zona cinzenta? Ou, levando em conta o maniqueísmo de praxe tolkieniano, estes já eram em seu âmago maus? Haveria um pendor, por parte do escritor da saga do Anel, a um desvelo mais agudo da alma humana, que infelizmente não foi aperfeiçoado?

    Outros comentários pertinentes a esse tema, de minha autoria e sem edição, situados em tópicos de outros fóruns:

    VALINOR:
    "Não há dúvidas de que Smeágol foi o ser mais destruído pelo Anel. Smeágol foi um pobre hobbit seduzido pelo Anel e que acabou tendo sua personalidade e sua aparência corrompidas por ele. Acabou transformando-se num ser solitário e repulsivo, vivendo até o fim da vida atormentado e obcecado pelo Anel. Ele não é um personagem bom ou mau. Talvez seja o únco ser criado por Tolkien com um perfil psicológico complexo, situado numa zona cinzenta. Por um lado, a obsessão pelo Anel e, por outro, as frágeis esperanças de redenção da alma causadas pela repentina "amizade" de Frodo. Uma pena que o Gollum, o lado psicopata da sua personalidade dupla, o vence. As atribulações de Frodo não chegam ao nível do sofrimento intenso ao qual Smeágol foi condenado."

    GRIMMAULD PLACE:
    "Espetacular a sua coluna, Luis Nakajo! Há realmente uma ligação literária entre o Um Anel e as Horcruxes. São objetos de poder usados por grandes vilões, e que os situaram numa espécie de Limbo terreno após a morte córporea, em formas espirituais, impedindo suas completas entradas no "outro mundo" enquanto intactas. Mas gostaria de postar algumas explanações.

    Há realmente alegorias e referências na obra de Tolkien acerca da destruição do meio ambiente e da implantação agressiva da era tecnoindustrial, sobrepondo-se a uma era dita atrasada, onde persiste a veneração pela natureza. Mas interpreto o Um Anel primordialmente de outra forma: é a representação alegórica da influência sobrenatural do Diabo, algo que transcende o simples pecado - visto que o Senhor dos Anéis é uma obra maniqueísta, sem personagens situados em zonas cinzentas da natureza humana, exceto talvez Gollum -, na psique humana, alimentada por nossos íntimos desejos e ambições, e difícil de ser repudiada. Tendo em mente que Tolkien era um católico fervoroso.

    Tolkien não foi tão cego ou insensível assim ao diabolizar a máquina. De um lado as revoluções tecno-científicas trouxeram e continuam trazendo promessas e realizações concretas como: avanços benéficos; medicina avançada, capaz de sanar ou controlar doenças antes incuráveis; livrar o homem de trabalhos pesados; a culminância na atual era da Internet e da Informática, quebrando barreiras culturais e espaciais, etc. Contudo, por outra margem, a máquina nas indústrias gera desemprego; nem todos podem ter acesso às maravilhas da globalização, gerando a desigualdade tecnológica; o poderio bélico de nações - incluindo as armas químicas e biológicas - é exponencialmente intensificado, gerando destruições em massa nas guerras; a Internet não só incorpora mas também segrega culturas; avanços genéticos levam a complexos problemas de ordem moral/religiosa - mas sou racional, a favor de avanços que possam curar doenças e sanar a problemática da fome, por exemplo. A globalização e o capitalismo, ainda mais calcados na tecnologia, geram pobreza, desigualdades e segregação cultural."
     

Compartilhar