1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Parlamentarismo no Brasil

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Haran Alkarin, 12 Dez 2015.

?

Qual é o sistema de governo que daria melhores resultados no Brasil contemporâneo?

  1. República presidencialista

  2. República parlamentarista

  3. Parlamentarismo monárquico

  4. Outro

O resultado é visível apenas após você votar.
  1. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Temer defende novo modelo democrático contra pedaladas
    Em evento em SP, vice adota tom conciliatório, elogiando Dilma e FH

    por Mariana Sanches
    11/12/2015 11:56 / Atualizado 11/12/2015 23:30
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    -
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O vice-presidente Michel Temer e o ministro do STF, Gilmar Mendes, durante evento em São Paulo / Agencia O globo - Pedro Kirilos / O Globo

    SÃO PAULO — Em meio ao debate sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) defendeu na sexta-feira, em São Paulo, que a democracia brasileira seja reformada para funcionar como um “semiparlamentarismo”. Sem dar detalhes de sua proposta, Temer afirmou que o ideal seria um sistema em que o Legislativo acompanhasse a formulação e a execução do Orçamento da União junto com o Executivo. Hoje, o Legislativo apenas aprova ou rejeita o Orçamento enviado pelo presidente.

    O vice advogou também pelo aprofundamento do federalismo, com um repasse maior de verbas para estados e municípios, e a desvinculação de recursos do orçamento de pastas como Saúde e Educação, tópicos que agradam a governadores e prefeitos.

    — Atrevo-me a dizer que a ideia é um “semiparlamentarismo”. O Congresso passaria a atuar efetivamente junto ao governo, e não teríamos os problemas que vivemos hoje: “Ah não tinha verba, tirou verba não sei de onde”. E seria facilmente explicável ao povo a falta de recursos — afirmou Temer, em referência às “pedaladas fiscais” que teriam justificado a abertura do processo de impeachment contra Dilma.

    “SEMIPRESIDENCIALISMO”

    A proposta de Temer, feita durante uma conferência do Instituto Brasiliense de Direito Público, chega depois de a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ter sugerido a mudança de regime político para o “semipresidencialismo”,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    Segundo o presidente da OAB, Marcus Vinícius Furtado Coêlho, no novo sistema o presidente indicaria um primeiro-ministro, que ficaria responsável por nomear todo o gabinete ministerial, pela condução da economia e pelas questões orçamentárias. O modelo é semelhante ao adotado na França e permite que o Congresso derrube o primeiro-ministro escolhido pelo presidente. Críticos afirmam que, caso o presidente não tenha maioria no Parlamento, o sistema tende à paralisia.

    — O presidente passaria a ser apenas o garantidor da estabilidade — disse Coêlho.

    O fato de que a discussão seja colocada pela OAB e por Temer agora, no início do processo de impedimento, causou estranhamento a cientistas políticos ouvidos pelo GLOBO:

    — O ideal seria melhorar o nosso sistema presidencialista, já que o Brasil tem longa História com esse modelo. Mas essa possibilidade foi enterrada pelo Congresso, inclusive com a ajuda de aliados de Temer. A sugestão feita por ele agora é esdrúxula, algo fora da agenda política. O vice tenta se cacifar como alternativa de poder, articular a sucessão quando deveria estar neutro e distanciado — afirmou o cientista político Fernando Antônio de Azevedo, da Ufscar.

    “ESTABILIDADE INSTITUCIONAL”

    Na sexta, em São Paulo, o vice fez um discurso conciliatório e de transição, com acenos a diversos setores sociais e reafirmando a estabilidade do país diante de uma plateia repleta de juristas e políticos, entre eles secretários do governo tucano de Geraldo Alckmin, como Alexandre de Moraes, da Segurança Pública, e da gestão petista de Fernando Haddad, como Luciana Temer, titular da Assistência Social e filha do vice-presidente.

    — Por mais crise econômica e política que se possa ter , não há crise institucional (no Brasil) — afirmou Temer durante a palestra, cujo tema era “Democracia e Constituição”. — Vivemos, de 1988 para cá, uma estabilidade institucional extraordinária. Vivemos uma coincidência entre a Constituição formal e aquilo que se passa na vida do Estado.

    Depois da deflagração do processo de impeachment contra a presidente, Temer e Dilma protagonizaram cenas de ruptura de aliança, com direito a carta, reações emotivas e vazamentos de informação de parte a parte. Aliados do governo acusam o vice de conspirar pela cadeira da titular. Aliados de Temer acusam o governo de tentar enfraquecê-lo e dividir o PMDB.

    “TERCEIRA FASE DA DEMOCRACIA”

    Em sua explanação sobre a democracia, Temer elogiou as políticas sociais do governo Lula e Dilma, mencionando as 3 milhões de casas já entregues pelo programa Minha Casa Minha Vida, e a abertura da economia feita pelo governo Fernando Henrique, referindo-se à privatização da telefonia.

    Temer defendeu, quase como um herdeiro do processo político, que o país precisa agora entrar na “terceira fase da democracia brasileira, a democracia da eficiência”, cujo foco deve ser fomentar o empreendedorismo privado, algo que ele já havia defendido no programa de governo recentemente lançado pelo PMDB.

    — Toda iniciativa governamental tem que prestigiar a atividade privada. E assim você promoverá a estabilidade do país — afirmou o vice.

    Temer assegurou ainda que os Poderes funcionam em harmonia, salientando que não houve qualquer protesto no Legislativo em relação à suspensão do rito do impeachment pelo STF:

    — Não somos donos do poder, somos meros episódicos e transitórios exercentes do poder.

    GILMAR MENDES: 'SERIA ÓTIMO PRESIDENTE'

    Depois de desfiar elogios a Michel Temer durante uma conferência do Instituto Brasiliense de Direito Público, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes afirmou que o vice “seria um ótimo presidente”.

    — Ele tem um excelente nome para as funções que exerce, seria um ótimo presidente, mas não vou falar em “se” — disse Gilmar, que participará na próxima quarta-feira do julgamento do colegiado da Corte sobre o rito do impeachment.

    Em São Paulo, na manhã de sexta, Gilmar Mendes disse achar que os ministros do Supremo não devem estabelecer um rito para o processo de impedimento da presidente Dilma, diferentemente do que defendera o ministro Edson Fachin. O questionamento ao STF foi feito pelo PCdoB.

    — Não é competência do Supremo Tribunal Federal editar normas sobre essa temática. O STF já disse que a lei 1.079 (que trata do impeachment) foi recepcionada, em determinadas partes, pela Constituição de 1988. Já tivemos o impeachment do presidente Collor calcado nessa lei — afirmou.

    Gilmar Mendes disse que, desta vez, o julgamento não deverá ser interrompido e adiado por pedidos de vista dos ministros, expediente comum na Corte. O próprio Gilmar Mendes já pediu vista e parou processos com julgamento em aberto por mais de um ano.

    — A vista é regimental, mas não acredito que haja essa possibilidade. O tribunal está consciente do momento político pelo qual estamos passando, e não acredito que haverá pedido de vista, porque todos percebem que há a necessidade de que esse processo seja encaminhado, em um ou em outro sentido.

    Embora tenha dito que o julgamento da presidente cabe ao Congresso, Gilmar afirmou que há indicativos de crime de responsabilidade de Dilma:

    — Isso tem que ser visto no contexto político em que está inserido. A Constituição prevê o crime contra a Lei Orçamentária. Cabe ao Congresso fazer esse exame. Nós vimos que o Tribunal de Contas (da União) considerou que houve infração da Lei de Responsabilidade Fiscal e, portanto, caracterizaria pelo menos indício de crime contra a Lei Orçamentária.










    No parlamentarismo, governos que não governam acabam caindo

    Por
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Em 09 de dezembro de 2015
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    -
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    A insatisfação de todo o Brasil com o Governo é visível e indiscutível. A esquerda que hoje ainda tenta defender o Governo Dilma do impeachment, através do frame político “impeachment é golpe”, não está interessado em outra coisa senão em cargos, comissões e negócios. Dentro da visão esquerdista pragmática, mas ética, o PT também não os representa, afinal, não faz gestão participativa, cria corporocracia, faz negócios obscuros e se interessa pouco por gestão microeconômica (nesse caso, graças a Deus). Em suma, ninguém sério, seja de que espectro político for, defende essa gangue.

    No entanto, cada vez mais os principais apaniguados do Governo continuam reverberando com certo sucesso o frame político supra citado. Primeiro porque a classe artística e esportiva brasileira é abastecida por recursos da população, e depois porque o PT realmente possui uma militância muito aguerrida.

    Não creio que esse discurso vai colar, mas a resistência à queda do Governo petista está realmente atrasando o trabalho de recuperação do país. Essa resistência é economicamente irracional.

    O plano de governo do Vice-Presidente, apresentado pela Fundação Ulisses Guimarães, chamado “Ponte para o Futuro”, de cunho liberal, já é um sucesso entre o empresariado nacional. Cada vez que qualquer movimentação pró-impeachment é bem sucedida, a bolsa sobe, o dólar desce e os mercados se estabilizam. Não há mais freio para a gastança pública, com projeção de déficit nominal, apenas em 2015, de meio trilhão de reais. Inflação em dois dígitos. Aumentos da carga tributária para além de 40% do PIB. Exportações estagnadas mesmo com desvalorização cambial extrema. Economia deixando o patamar da recessão e entrando em depressão. Se fôssemos listar os problemas econômicos, faltaria espaço no blog.

    Sobre a ótica jurídica, a Operação Lava-Jato já enviou ao TSE provas de que dinheiro público sustentou a campanha presidencial da Dilma em 2014. O TCU já declarou que a presidente, com as pedaladas fiscais, cometeu crime de responsabilidade.

    Do ponto de vista político, resta claro que não existe mais sustentação no Congresso. O Governo perde votações simples, e o Dep. Ricardo Berzoini, quando da questão da votação das chapas que conduziriam o processo de impeachment, declarou que se o Governo não conseguisse aprovar a sua chapa, era sinal de que, mesmo que não ocorresse o impeachment, não haveria mais clima institucional de continuação do Governo.

    Então por que a demora para se resolver, de uma vez por todas, essa questão que tem implicações políticas, econômicas e jurídicas que lastreiam uma decisão pró-impeachment?

    Porque as instituições políticas brasileiras tem uma lógica burocrática, fruto da escolha do presidencialismo como sistema de governo.

    O presidencialismo é um sistema de governo onde o Presidente exerce o poder executivo e o parlamento o poder legislativo, de maneira separada (o grau de separação depende do país). Nesse tipo de sistema, um Presidente possui, em regra, um grande poder administrativo, e há uma clara escolha pela estabilidade dos processos políticos, só havendo a possibilidade de destituição do Presidente em casos extremos.

    No parlamentarismo, o poder executivo também é exercido pelo parlamento, através de um gabinete liderado pelo Primeiro-Ministro. Como ele é intrinsecamente ligado à sua base política, caso o gabinete já não seja mais apto a exercer a liderança nacional, vota-se uma moção de desconfiança simples, e o gabinete é afastado. Convoca-se novas eleições e o povo escolhe novos representantes. O processo político é mais instável, no entanto, os maus governos podem ser destituídos com maior rapidez e eficiência, quando já não mais traduzem a vontade popular.

    Ironia das ironias, em um país como o Brasil, onde quase 90% da população já deixou claro em pesquisa que não quer mais ver Dilma Presidente do Brasil, continuamos aturando a nossa estocadora de ventos particular, fazendo com que o presidencialismo, que é um sistema que supostamente traz mais estabilidade política, se torne o causador direto da manutenção dessa intolerável instabilidade.

    Precisamos, após essa tempestade e a queda do PT, refletir se o sistema presidencialista de coalizão do Brasil, sustentado por mensalões, petrolões e jetons, deve ser mantido, ou se poderemos finalmente mudar para o sistema político que efetivamente funciona em mais de 90% do mundo civilizado. E que não venham falar que, nesse modelo, Cunha seria o chefe da nação, pois é justamente em presidencialismos de coalizão, que figuras que negociam com cargos e influência chegam a esse nível de poder.















    O parlamentarismo presidencialista à brasileira
    Um parlamentarismo de verdade ensejaria crises constantes. Talvez seja disso que o País precise​

    por Fábio Terra — publicado 11/12/2015 05h37
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    -
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    Embora com diversas especificidades de país para país, o parlamentarismo é um regime de governo em que do parlamento, em última instância, emerge o chefe de governo, popularmente chamado de primeiro-ministro. Neste modelo de regime político, os partidos têm maior destaque eleitoral do que seus líderes, uma vez que o primeiro ministro vem ou do partido eleito com efetiva maioria parlamentar ou de alguma coalizão de partidos que garanta tal maioria.

    Não, mas não é no âmbito acima que parece haver um parlamentarismo presidencialista no Brasil. É em outro aspecto do parlamentarismo, qual seja, a possibilidade de dissoluções de governos sempre que (1) a maioria antes conquistada não é ampla o suficiente para garantir condições de governabilidade, (2) quando as coalizões se desfazem, ou (3) se o parlamento entende que o governo perdeu a confiança parlamentar e popular.

    Quando estes casos se apresentam, de três, uma: ou o partido com maioria indica novo primeiro ministro, ou o parlamento concede o chamado voto de confiança ao primeiro ministro que, então, permanece no cargo, ou se convocam novas eleições.

    O presidencialismo, diferentemente do parlamentarismo, institui o presidente como chefe do governo e do Estado e não pressupõe a dissolução do governo caso não haja construção de maioria parlamentar. Sua lógica é que se tenha um mandato, isto é, algo que decorra por um período de tempo, e este período define quando haverá fins de governos empossados.

    A não ser que haja crime por parte do presidente – e não sua incapacidade política – o governo não deve ser dissolvido antes do mandato.

    Assim, pode-se perceber que o Brasil parece ter estatuído um aspecto do parlamentarismo em seu regime presidencialista: a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Desde a primeira eleição pós-redemocratização, em 1989, dos quatro presidentes eleitos, Collor, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff (Itamar Franco não foi eleito presidente), todos sofreram proposta de impeachment sendo que Collor foi, de fato, impedido, e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    O mais interessante é notar como este parlamentarismo presidencialista à brasileira serve à cultura política do País. Por não ser passível de dissolução antes do fim do mandato, em tese, o presidente não precisa se preocupar com a construção de amplas maiorias. Contudo, na prática, para que consiga realizar seu plano de governo, é necessário governabilidade.

    Para isso, o presidente precisa barganhar e conceder benesses ao Parlamento; na oferenda, servem cargos, ministérios, emendas ao orçamento, espaço na articulação política, etc...

    Como o presidente e seu governo, resultado das barganhas e concessões, precisam de governabilidade pelo tempo do mandato, estas trocas políticas se estabilizam ao longo dele. No caso brasileiro, elas politicamente visam a garantir permeabilidade dos partidos da situação no nível das eleições municipais, pois é com abrangência no nível municipal que se conseguem arregimentar votos para as eleições majoritárias. Cumpridas estas etapas a cada mandato presidencial, perpetua-se o ciclo político do País.

    Contudo, quando o espaço de governabilidade se rompe, seja pela diminuta representatividade do partido do presidente no Congresso, caso do Collor e seu PRN (que depois se confirmou também envolvido em crimes de campanha), ou pela dificuldade de articulação política do presidente, caso de Dilma Rousseff, as relações entre parlamento e Executivo azedam e passa a valer no país o parlamentarismo à brasileira.

    Coloca-se o impeachment em pauta, expõem-se possíveis irregularidades, antes de julgadas, que justifiquem o processo de cassação e parte-se à dissolução do governo e à queda do presidente. Neste sentido, o presidencialismo recorre a exercícios típicos de parlamentarismo.

    Não precisava ser o caso, mas talvez seja hora, tanto pela conjuntura politicamente complicada, quanto pela cultura política brasileira, de o regime político do País se tornar parlamentarista. Sem dúvidas, haverá quedas sucessivas de governo por algum período de tempo, expressão clara da falta de orientação programática de âmbito nacional dos principais partidos políticos.

    Porém, o excesso de crises pode ser a única solução para que se tenha uma mudança estrutural de fundo na conduta política no Brasil.

    A paralisia do País cada vez que um governo se dissolvesse implicaria eleições mais constantes e, então, maior observância social sobre os atos parlamentares. Em síntese, as crises constantes seriam o chamariz para a estabilidade algo que é o oposto da norma atual, em que é a estabilidade do jogo político que constrói crises de governabilidade constantes. Estas, por fim, trazem consigo barganhas, cedências e muita corrupção.

    *Fábio Terra é pós-doutor em Economia pela Universidade de Cambridge e professor do Instituto de Economia da Universidade Federal de Uberlândia








    Tópico com enquete para discutirmos essas ideias.
     
  2. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    A princípio, sou a favor de uma república parlamentarista, tanto que eu marquei essa opção. Mas acho uma discussão muito teórica, porque não se pode deixar que os próprios interessados no poder, como deputados, senadores ou a própria Presidência, mudem o sistema político a seu bel-prazer. Desta forma a democracia representativa perderia toda a sua legitimidade. Vide o Erdogan, querendo mudar a Turquia para o presidencialismo, e o semipresidencialismo russo, que serve para perpetuar o Putin no poder.

    Enfim, mesmo achando que o parlamentarismo republicano faça mais sentido, também torço para que qualquer proposta de reforma que venha de algum político atual seja derrotada.

    Um outro ponto de dificuldade que eu vejo é convencer o povo brasileiro a mudar para um modelo político no qual ele mesmo não elege diretamente o chefe de governo, o que suscitaria enormes desconfianças. Até explicar que o primeiro-ministro refletiria a média da bancada governista do Parlamento, agradando dinamicamente a parcelas maiores do eleitorado e gerando uma sintonia entre Executivo e Legislativo, a galera já cansa de entender e prefere continuar do jeito que está.

    Mudar hierarquias em nome da eficiência é sempre algo sensível, pois até aquele que tem a ganhar com a reforma muitas vezes tem que perder primeiro, e a maioria das pessoas é muito mais aferroada a preservar o que tem do que a correr riscos para obter ganhos maiores, se estas forem as opções.
     
  3. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Pois é, toda história das Diretas Já embutiu no imaginário popular que eleger diretamente o chefe de governo ou de estado é condição sine qua non para a democracia...

    Mas vejo um possível projeto sobre parlamentarismo como algo esperado e até bem-vindo. O modelo de governo atual mostra-se já um tanto quanto saturado - se dentro da democracia e da constituição podemos superá-lo, e se isso passar eventualmente pelo parlamentarismo, então que seja.
     
    Última edição: 13 Dez 2015
  4. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Acontece que "presidencialismo" e "parlamentarismo" são dois rótulos por demais grosseiros para descrever de maneira suficientemente detalhada um modelo político, já que há bastante diversidade dentro de cada um desses modelos. Há a questão do sistema eleitoral, da divisão de competencias entre Executivo, Legislativo e Judiciário, quais poderes residuais o presidente ainda terá e mesmo como ele será escolhido, já que a influência de um chefe de Estado num regime parlamentar é sutil, mas importante. Um projeto de lei no Congresso para mudar a a coisa amanhã será ao mesmo tempo mal feito e redigido de acordo com os interesses do autor e de seu grupo político.

    É preferível que isso seja feito ou de forma paralela, através de uma assembleia exclusiva ou plebiscito ou então pelos próprios parlamentares, mas para entrar em vigor daqui a uns 20 anos e mediante referendo. O que não pode é deixar os jogadores escreverem as regras do jogo enquanto estão jogando.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  5. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Ué, tudo bem, decerto ninguém quer que a coisa seja feita as pressas e mude o sistema amanhã, ou que a discussão se reduza aos meros termos presidencialismo e parlamentarismo e deixe de abordar os pontos que você falou, pelo contrário, é evidente que qualquer projeto de parlamentarismo teria que rediscutir sim os papéis dos poderes Legislativo e Executivo. Então não vejo qual é o ponto dessas suas objeções aí à mera ideia de propor o parlamentarismo hoje... "Parlamentarismo às pressas e pra amanhã" ou "parlamentarismo sem maiores discussões" todo mundo vai ser obviamente contra...

    Qualquer reforma política, hoje e sempre, passará pelos interesses do autor e de seu grupo político-ideológico, não vejo grande problemática em relação a isso; o PSDB por exemplo tem interesse no parlamentarismo (decerto porque se sairia melhor num cenário parlamentarista do que seus principais adversários, como o PT), isso não é motivo para um parlamentarista torcer o nariz a priori para qualquer proposta de parlamentarismo que venha de lá. Se fôssemos levar isso as ultimas consequências qualquer reforma seria impossível. Daí vai da avaliação do povo (indiretamente via representantes ou mais provavelmente diretamente via plebiscito) ver se a proposta é interessante a despeito dos interesses particulares e contingentes dos autores.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Uma coisa é por que esse discurso de mudar o sistema está rodando agora, outra são as digressões racionais, que precisam sempre de tempo para serem feitas - quanto mais pela população inteira. Não acho que seja o caso agora, pois um Temer, Aécio ou Serra da vida não tem a capacidade de encantar o povo e empurrar-lhe seus próprios interesses, mas líderes carismáticos como o Chávez e vários outros conseguem usar o calor do momento, o desejo da população por mudança e melhoria de vida e um certo messianismo político para fabricarem reformas autoritárias que aparelham o governo através das regras de rodapé, os "detalhes bobos" que são ignorados.

    Grupos políticos são danados para jogarem para a população propostas "menos ruins" - boas o suficiente apenas para serem melhores, naquele momento, dos que a que estão em vigor em certo instante, mas que com o tempo revelarão seu caráter deletério. O poder do povo é limitado, na prática, pelo fato de que coletividades muito grandes são péssimas para se ater a detalhes, por mais importantes que eles sejam.

    Não disse que tem jeito de remover todos os interesses políticos em jogo de qualquer proposta de lei sobre qualquer assunto passível de discussão que exista na face da Terra - estou bem longe desse idealismo. Mas se não tiver um mecanismo para prevenir ao menos as causas particulares mais imediatas de prevalecerem, deixo de crer que possa sair algo bom disso. No mínimo algo como "não vale para 2018, mas só para 2022".
     
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Já tivemos uma extensa discussão sobre isso
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e na enquete feita na época o resultado foi bem apertado

    Mantenho a mesma opinião em favor da república parlamentarista.
     
  8. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Quem será que votou na monarquia? :think:
     
  9. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Como Paganus e Calion estão fora do fórum, a bancada monarquista radicalista deu uma significativa encolhida!
     
  10. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Aff que chato até a enquete tá parecida tirou a graça do meu tópico deselegante isso apaga o post mano valeu flw.

    Ia falar que meu tópico pelo menos tem a vantagem de não ter Calion e Paganus, mas muito provavelmente teremos Grimnir, então sei lá.

    Essa informação está disponível na enquete.
     
  11. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Foi brincadeira minha com a monarquice do @Calib. Ele se pudesse se chamaria Luis Fernando Bonifácio III, O Cristo.
     
    Última edição: 14 Dez 2015
    • LOL LOL x 1
  12. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Tenho a impressão que ninguém no Brasil defende o regime presidencialista com unhas e dentes, ou ninguém defende ele enquanto um sistema, a coisa meramente se dá no continuísmo ou na indiferença quanto a questão, e possivelmente se tivéssemos por 20 anos um regime parlamentarista, penso que dificilmente pensariam em retroceder ao presidencialismo. A coisa parece ter dado certo só nos Estados Unidos, e só deu certo, entre outras coisas, por estar imbuída em uma certa 'religião civil' que lá existe, a figura do presidente da República está atrelada à fundação do país mesmo, à própria identidade nacional (na figura dos Pais Fundadores, da Constituição, nos eventos que envolveram a independência, etc).

    Tínhamos esse mesmo tipo de disposição (em menor grau, que seja) na época do Império. Um estadista da época disse "jurei a Constituição, mas ainda que não a jurasse, seria ela para mim uma segunda religião". Quem diria tal frase hoje a respeito da atual constituição? A frase hoje soaria exagerada até na boca do presidente da República. Houve aqui uma espécie de rompimento com os Pais Fundadores, o Brasil apostasiou de sua religião civil nascente para apostar em um sistema estrangeiro (o presidencialismo) que nunca deu verdadeiramente certo e tampouco reproduziu a exuberância política da época do Império.

    Não que defenda a volta da monarquia hoje em dia, pois sem aquele tipo de "religiosidade" civil seria como ter a cereja sem o bolo (e, a propósito, a própria Família Imperial parece ter se afastado dela, assumindo um conservadorismo religioso e radical mesmo se comparado à mentalidade do Brasil Imperial). A alternativa seria mesmo uma república parlamentarista. Uma frase sobre a república de Weimar cai razoavelmente bem para o Brasil republicano: "o negativo de uma monarquia, que só não o é porque o monarca fugiu".
     
    Última edição: 14 Dez 2015
    • Gostei! Gostei! x 2
  13. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário


    Não sei se você está equivalendo o parlamentarismo de Weimar ao da Alemanha moderna, mas são dois sistemas muito diferentes, já que a Bundesrepublik redesenhou profundamente suas instituições a partir do fim da 2a Guerra.

    Querer voltar à monarquia hoje em dia é quase que uma síndrome de Policarpo Quaresma, com outro objeto de amor. Na boa, chuto que uns 15% ou mais da população brasileira nem sabe que isso aqui foi uma monarquia durante o século XIX. E mais ou menos 50% tem como única imagem desse período aquele quadro do Grito do Ipiranga e a data de 7 de setembro, sem contexto nenhum. Essa noção simplesmente desapareceu do consciente coletivo, e - aí mais do que a república parlamentarista - o povo brasileiro, e isso me inclui, achará um absurdo bancar o luxo de um chefe de Estado hereditário e, portanto, arbitrário em espírito, só por uma fantasia de "encarnar a nação".

    A propósito, um dos membros da própria família até se diz republicano hoje em dia.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  14. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu só seria a favor da monarquia se morasse em países bem pequenos com bom padrão de vida nanicos como Luxemburgo, Liechtenstein, Andorra, Mônaco onde ter a figura de um monarca e sua família real vivendo num palácio até acaba sendo direta ou indiretamente um fator positivo na promoção do turismo local.
     
    Última edição: 14 Dez 2015
  15. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Quem votou em "outro" justifique sua resposta. :lol:

    Não estou equivalendo, as expressões meramente ficaram próximas no texto. Mesmo porque o que estava abordando dizia mais sobre um aspecto da mentalidade republicana do que sobre o desenho das instituições em si. De qualquer forma apaguei uma das referências para desfazer essa confusão.

    Sei lá, do mesmo jeito que a monarquia sumiu de repente, poderia a princípio aparecer e ganhar popularidade de repente, não vejo nesses (suponhamos) 50% que pouco conhecem a monarquia um obstáculo para ela, porque essa mesma porcentagem dos brasileiros pouco conhecem sobre quase tudo envolvendo história e formas de governo. Eu acho que o brasileiro típico, passada essa estranheza inicial, veria um monarca com bons olhos sim, assim como se apega a figuras carismáticas em geral. Isso poderia ser bom talvez porque deixaria um certo aspecto personalista que o Brasil tem em relação aos chefes de Estado longe dos assuntos governamentais.

    Quanto a bancar o luxo, sei lá, a família imperial nunca foi luxuosa como as monarquias europeias, poderíamos ter um imperador que, no que diz respeito a luxos, equivalesse a um ministro do STF atual ou até menos. Sustentar um chefe de Estado assim não seria problema, e (viajando um pouco) acho que até muitos se voluntariariam para fazê-lo em um cenário onde a monarquia fosse uma possibilidade, e o imperador poderia até abdicar de seus salário. Enfim, acho que sobre hereditariedade e luxo os ingleses, holandeses, noruegueses, etc. tem as mesmas restrições que a gente, o brasileiro não é especialmente mais crítico dessas questões, isso não cria forte objeção à monarquia.

    Mas pelo que eu sabia é descendente de um príncipe que renunciou, então sei lá né.
     
    Última edição: 14 Dez 2015
  16. fcm

    fcm Visitante

    eu votei em outros porquê queria dizer que nenhum daria certo no Brasil.
     
    • Bobo Bobo x 1
  17. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Mas aí é interessante dizer então qual é a outra alternativa que é melhor do que as citadas na enquete.
     
  18. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Faltou "Ditadura Bolivariana Socialista Comunista Petista".
     
    • LOL LOL x 2
  19. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Só que o monarca nem sempre é carismático, vai da loteria. Isso seria mais garantido por uma república parlamentarista, onde o presidente, eleito pelo método que fosse, teria que ser alguém aclamado socialmente por alguma razão. É claro, a família real como um conjunto pode ser uma instituição carismática independente de quem estiver no poder.

    Por outro lado, a arbitrariedade da monarquia pode ter uma vantagem, é bem verdade: o fato de não ser alvo de escolha popular torna o sistema mais difícil de ser subvertido por interesses políticos de momento, já que é muito mais difícil legitimar a conferência de amplos poderes a governantes hereditários.

    Mas sei lá, no mundo pós-Revolução Francesa, depois da turbulência inicial, restaurações de monarquias foram extremamente raras. Eu só me lembro do caso do Camboja, onde a totalidade do período sem rei foi um imenso filme de terror, sem 5 minutos de exceção. E foram duas décadas com a família real deposta, e não duzentos anos.

    De todo jeito, a "energia de ativação" para a superação dessa barreira aí parece-me superlativa. O discurso anti-Imperador tem muito mais facilidade para se vender, e a restauração de uma tradição bela e moral se provaria um imenso exercício de "arqueologia especulativa". Ainda mais sem exemplos ocidentais contemporâneos.
     
  20. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    @Calib, favor rebater as objeções contra a monarquia.
     

Compartilhar