1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ontem à noite sonhei contigo

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Jacques Austerlitz, 31 Mar 2012.

  1. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    Ontem à noite sonhei contigo. Eu não sonho contigo desde o tempo em que nós estivemos separados, uns anos atrás. Sonho enlouquecidamente, mas tu nunca aparece. De certa forma, e eu sei que tu entende, na realidade do sonho tu faz parte da minha vida, mas não faz parte da vida que eu vejo. No sonho de ontem eu estava perdido, era de noite, eu seguia por uma rua abandonada, abobadada por árvores, até chegar em uma avenida que era um pouco a Ipiranga e outro pouco a Assis Brasil. Em algum ponto, a avenida já não era nenhuma das duas, era mais como um parque. Eu andava pela avenida, sem saber onde eu estava e sem saber para onde ia. Quando a avenida foi se alargando, tornando parque, eu percebi que eu estava, ali, sim, fundamentalmente perdido. Não havia caminhos, era tudo um espaço aberto, indistinto. Não fazia sentido caminhar, porque não havia para onde ir. Mas eu andava porque eu precisava sair dali. Em um ponto adiante, sob a luz de um poste, eu vi um banco, uma mulher sentada nesse banco. Fui até ela, ela sentada com os ombros curvados, as pernas lado a lado, recatadas, as mãos espalmadas entre os joelhos. Eu perguntava para ela onde nós estávamos, como sair dali. Ela não me respondia, não se mexia, ela sequer piscava, como um manequim. Eu tocava nela, no rosto dela, e eu sentia a pele quente dela, mas ela não se mexia, sequer respirava. Eu lembro dessa sensação, do quão real era tocar na pele dela. Talvez eu estivesse na cama com o braço esticado, tocando o teu rosto, enquanto tu dormia, ou talvez tivesse te acordado, e tu evitasse te mexer, sem saber se o carinho que eu te fazia era consciente ou sonâmbulo. Talvez eu não tenha te tocado, na cama, talvez aquela sensação fosse só algum acesso do meu cérebro a uma lembrança física muito, muito forte, ou antiga, perdida. A mulher do sonho não era tu. Era alguém que eu conhecia, mas não conseguia lembrar. O banco de praça era esverdeado, não sei se de madeira ou de ferro, acho que de madeira. A luz que vinha do poste era baixa, amarela, mas o sonho parecia em preto-e-branco. Sob a luz eu via insetos num ar umidecido de sereno. Não parecia um sonho. A mulher do banco continuava firme, como uma estátua. Eventualmente eu me sentei ao lado dela, e copiei a posição em que ela estava. E foi então que tu apareceu. Tu apareceu antes que eu pudesse te ver no sonho. Tu apareceu quando eu prendi a respiração, mimetizando a postura dela, olhando firme para frente. Tu passou aflita pela minha frente e não me percebeu ali, nem percebeu ela. Eu me forçava a prender a respiração e a não mexer nenhum músculo do meu corpo, não até que tu passasse e sumisse. E tu sumiu. E quando eu percebi, a urgência que tomou conta de mim foi de berrar por ti e de correr atrás de ti. Mas aí eu já não conseguia me mexer, eu já não conseguia piscar, eu já não conseguia respirar. Eventualmente ela, que estava do meu lado, já não estava mais. Eu não a vi saindo, não a vi sumindo. Ela, enquanto eu olhava firme para frente era um vulto periférico, uma impressão, mais uma sensação, e não um corpo, e depois não era mais nada. E eu ali, inerte, eventualmente soube que só me restava esperar, e que se esperar não adiantasse, não me restava mais nada. Mas eu então não tinha mais nenhuma urgência, eu me sentia estranhamente aliviado por estar sentado ali, sozinho, por tu ter passado, ter sumido.
     
  2. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Lindo, Rodrigo! Bastante emocionante!

    Se me permite só fazer uma pequena observação: por que não tenta dividir o texto em parágrafos? Desculpe a intromissão assim, mas acredito que ajudaria a deixá-lo mais interessante!
     
  3. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    Oi, Lu, bom que tu gostou.

    Sobre dividir em parágrafos, não cheguei a pensar a respeito. Não sei se eu ia querer quebrar o texto em algum ponto. E ele ficou tão curtinho, acho que dá pra me permitir essa afetação de escrever à Thomas Bernhard.
     
  4. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    ñ acho q os parágrafos sejam um problema estético neste caso. mas talvez para a leitura no monitor fique cansativa. acontece.

    vc é do sul? pergunto por causa do uso dos tus, os quais ñ estou acostumado a ñ ser nos escritos gauchescos.

    outro detalhe, percebi o contraste no tom informal (uma conversa entre pessoas íntimas) com algumas palavras ñ exatamente formais, mas q ñ costumam aparecer nesse tipo d contexto (enlouquecidamente, abobadada, fundamentalmente, espalmadas). isso p mim costuma ser 1 d 2 sintomas: ou o autor tentou fazer 1 texto + simples q o seu vocabulário próprio ou quis passar a impressão dq o narrador é alguém formal ou intelectual, mesmo em sua intimidade. mas só vc sabe (ou percebe agora) qual dos 2 é o correto.

    qto ao sonho, freud ou jung?
     
  5. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    JLM, sou gaúcho, sim, por isso os tus.

    Quanto ao contraste formal/informal... não sei, reli agora e não chegou a me incomodar (a única palavra que me incomoda ali é manequim, mas mantive). Não é uma confissão que eu imagino alguém fazendo em voz alta, e, fora os tus, achei razoavelmente formal. Algumas repetições foram razoavelmente conscientes (frases seguidas começando com tu, frase terminando com "ela" e frase seguinte começando com "ela"), e o "abobadada" casa com o "abandonada"...

    Quanto ao sonho, nem Freud, nem Jung: Bolaño, mesmo.
     
  6. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    outro estado q costuma usar bastante o tu é o maranhão, mas lá o povo conjuga o verbo acompanhando: tu vais, tu nunca apareces, tu entendes. é uma diferença mínima, mas q p 1 leitor atento às nuances regionais, ñ passa despercebida.

    engraçado q a impressão q me passou foi justamente a d alguém contando o sonho a outro. but, são coisas da escrita, mtas vezes oq o escritor quer dizer é diferente do resultado final q acaba saindo e ainda vem o leitor e entende d 1 3º jeito. & eu amo mto tudo isso, heheheh.
     

Compartilhar