1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Tópico dos Dinossauros e Outros Animais Extintos

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Clara, 7 Jul 2015.

  1. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Estranhamente parece que não existe mesmo, aqui no Valinor, nenhum tópico especifico sobre dinos, répteis, seres marinhos, mamíferos e aves que caminharam (nadaram, voaram) em nosso planeta e agora (in)felizmente não existem mais, seja porque foram extintos ou porque evoluíram.

    Então, aqui está um tópico para discutir e trocar informações sobre esses seres fascinantes: como eram sua vida e aparência; os motivos de terem desaparecido; além de notícias sobre novas descobertas, detalhes, curiosidades e, se possível, fotos (de fósseis ou do animal quando ainda vivia) ou ilustrações das criaturas.

    =========================================

    Começo com um exemplar do período
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (cerca de 24 milhões de anos atrás) ancestral do elefante, o Platybelodon.
    Fósseis desse mamífero foram encontrados na América do Norte, Europa Oriental, África e noroeste da China.
    O Platybelodon media cerca de 6 metros de comprimento e 2,8 de altura, pesava em torno de 4,5 toneladas e possuía uma estranha mandíbula com dentes chatos nas pontas, provavelmente usados como uma "draga" em terrenos pantanosos e aquáticos e/ou para cortar vegetais mais resistentes.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 6
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Calib

    Calib Visitante

    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Eu já tinha visto vários trabalhos desse ilustrador no Tumblr e sabia que ele tem livros publicados, mas não sabia que ele tinha um site próprio tão bacana, que é formado em ciências biológicas e faz trabalhos de ilustração para livros e museus de ciência.
    E, já que trabalha com cientistas e é um deles, as ilustrações não são produtos de sua imaginação, mas de estudos e diretrizes científicas. :yep:
    Tem um livro dele que está na minha "Lista de Desejos" na Amazon, faz um tempão:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Mas no site dele tem muitas ilustrações, de várias eras.
    Que maravilha de trabalho, um mais lindo que o outro. :amor:

    Olha esse aqui, um pterossauro do período Cretáceo (Dsungaripterus weii):
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    E o fóssil no museu paleontológico da China:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Algum vestígio (mesmo que mínimo, mesmo que uma reles possibilidade remota) de penas, nos fósseis encontrados?
     
  5. Calib

    Calib Visitante

    Especificamente do tiranossauro? Ou de dinossauros em geral?
    Sei que teve vários já confirmados com penas; inclusive parentes próximos do t-rex, o que leva alguns cientistas a concluir que ele muito provavelmente também tivesse.

    "While there is no direct evidence for Tyrannosaurus rex having had feathers, many scientists now consider it likely that T. rex had feathers on at least parts of its body,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    due to their presence in related species of similar size. Mark Norell of the
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    summarized the balance of evidence by stating that: "we have as much evidence that T. rex was feathered, at least during some stage of its life, as we do that
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    like
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    had hair." (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    hehe)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  6. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Uma notícia recente de descoberta de fóssil aqui do Brasil (acho que o tópico pode servir pra isso também, né?)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Imagino que o dono da empreiteira não tenha ficado muito feliz com isso... Não sei como não esconderam e passaram por cima. (juridicamente o fóssil será da empresa também ou pertence à União?)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Calib

    Calib Visitante

    Fóssil é da União, se bem me lembro.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Junior Lago/UOL
    Nossa percepção e nosso entendimento sobre os dinossauros mudaram significativamente desde que os primeiros fósseis foram encontrados -- e continuam a mudar, à medida que surgem novas descobertas.
    A seguir, veja dez equívocos comuns sobre os dinossauros que foram sendo corrigidos pelos avanços da ciência:

    1. Penas da discórdia

    Ainda bem que o Tyrannosaurus rex não está por aí para testemunhar o abalo em sua fama após descobrirem que ele tinha penas quando jovem.
    Até então se pensava que os dinossauros tivessem apenas escamas, mas nos últimos 20 anos cientistas se convenceram de que muitos carnívoros tinham pelugem ou penas.
    "Muitos -- se não todos -- os dinossauros tinham penas", disse à BBC Radio 4 o professor Mike Benton, da Escola de Ciências da Terra da Universidade de Bristol.

    2. Esquentando

    No passado, pesquisadores apostavam que os dinossauros deveriam ter sido animais de sangue frio, como lagartos e cobras. Para além de alguma divergência no século 19, essa visão permaneceu até os anos 1970, quando novas pesquisas apontaram que os dinossauros eram bichos de sangue quente e sedentos por energia, como os mamíferos.
    Em 2014, cientistas sugeriram que eles tenham sido mesotérmicos -- algo entre sangue quente e frio.

    3. Pinça com dedão

    Investigações sobre os dinossauros do Crystal Palace -- uma série de esculturas em tamanho real em um parque no sul de Londres, reveladas ao público em 1854 -- causaram certa confusão após a descoberta de um fóssil pequeno e pontudo.
    Pensou-se que era um chifre, e uma réplica foi colocada na ponta do nariz de um Iguanodon.
    Mais tarde, quando espécimes mais completos foram achados, a conclusão mudou: tratava-se na verdade um osso de dedo polegar, responsável pelo movimento de pinça.

    4. A polêmica sobre o fim dos dinossauros

    Há inúmeras hipóteses sobre o fim dos dinossauros.
    A teoria mais aceita -- e que circula desde as últimas décadas -- é de que um enorme meteorito atingiu a Terra e exterminou a maioria deles. Mas isso não explica por que o choque não acabou com outros bichos, como pássaros, crocodilos e mamíferos.
    Hipóteses mais antigas focavam em mudanças climáticas e formação de montanhas, enquanto alguns pesquisadores do século 20 defendiam que os dinossauros perderam fôlego como espécie e desistiram da luta.

    5. Não tão velhos assim

    Você deve imaginar que levava um bom tempo até que os dinossauros maiores atingissem o tamanho de adulto.
    Isso, ao lado da hipótese de eram répteis de sangue frio e crescimento lento, levou cientistas a estimar o tempo médio de vida deles em mais de cem anos. Mas hoje sabemos que essas feras cresciam muito rápido, e que poucos dinossauros superavam os 40 ou 50 anos.

    6. Falha nossa

    O filme Jurassic Park - Parque dos Dinossauros, de Steven Spielberg, lançado em 1993, lotou os cinemas e atiçou a imaginação do público com descrições -- imprecisas -- dos dinossauros.
    Para a maioria dos cientistas, os velociraptors do filme, por exemplo, eram grandes, rápidos e espertos em excesso, distanciando-os da realidade. Mas os animais caçavam em grupos, como o filme mostra.
    E desde quando Hollywood deixa os fatos entrarem no caminho de uma boa história?

    7. Teoria à prova d'água?

    Uma década atrás, especialistas diziam que os maiores dinossauros existentes circulavam apenas em ambientes aquáticos.
    O peso monstruoso e a cauda gigante do Diplodocus, por exemplo, não teriam favorecido o trânsito em terra, afirmavam cientistas, sugerindo que eles devem ter vivido em pântanos ou lagos.
    Uma década depois, essa teoria naufragou. Cientistas hoje concordam que os herbívoros gigantes viveram em terra firme.

    8. Voo da discórdia

    Eles dividiram o planeta com o T.Rex e cia., mas os pterossauros não eram dinossauros como todos pensavam.
    Esses répteis voadores dos períodos Triássico e Cretáceo -- primeiros vertebrados a voar -- eram um grupo diferente de animais, assim como os répteis marinhos da época, como os ictiossauros e os plesiossauros.

    9. Marcha lenta

    No final do século 19, a maioria pensava que o T.Rex era um exímio corredor, alimentando os piores pesadelos. Mas essa visão ficou ultrapassada por volta da metade do século 20, quando o monstro passou a ser considerado como lento e vagaroso.
    Hoje, modelos biomecânicos indicam que um meio termo deve ter sido o cenário mais provável.
    Enquanto dinossauros do tamanho de galinhas poderiam até assumir o lugar dos cachorros nas corridas atuais, os T.Rex tinham velocidade média estimada em cerca de 29 km/h.

    10. Beco sem saída

    Por muito tempo consideramos os dinossauros como criaturas que não tinham o padrão evolutivo necessário para sobreviver em meio a mudanças no ambiente.
    Nos últimos 20 a 30 anos, contudo, um novo consenso surgiu, apontando que eles foram espécies fantasticamente diversas e resistentes, e que podem se gabar de ter tido milhares de descendentes na forma dos pássaros atuais.

    Três coisas que ainda não sabemos sobre dinossauros...

    Não se sabe muito sobre os ruídos que os dinossauros faziam, embora haja provas que sustentam uma noção dos anos 1970 de que o Parassaurolofo usava seu peito como uma câmara de ressonância, permitindo a comunicação em longas distâncias.

    Não sabemos as cores dos dinossauros, mas pesquisas recentes identificaram a cor das penas em dinossauros como o Sinosauroptreyx, que tinha anéis laranjas e brancos na cauda.

    Não sabemos o quão inteligentes eram os dinossauros, porém seus cérebros pequenos em relação à massa corporal sugerem uma capacidade intelectual reduzida.
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 2
  9. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Nesse caso, a história nem ao menos foi boa.
     
  10. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Marching Dinosaurs - Animated Size Comparison
    Alguns caracterizados com penas e nas mais diversas cores.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Shuvuuia
    Sinosauropteryx
    Compsognathus
    Microraptor
    Caudipteryx
    Microceratus
    Hypsilophodon
    Ornitholestes
    Masiakasaurus
    Psittacosaurus
    Velociraptor
    Laeallynasaura
    Stegoceras
    Troodon
    Oviraptor
    Protoceratops
    Dromaeosaurus
    Stygimoloch
    Coelophysis
    Dracorex
    Dryosaurus
    Deinonychus
    Scelidosaurus
    Herrerasaurus
    Ornithomimus
    Kentrosaurus
    Gigantspinosaurus
    Pachycephalosaurus
    Dilophosaurus
    Gastonia
    Concavenator
    Utahraptor
    Euoplocephalus
    Sauropelta
    Miragaia
    Chasmosaurus
    Magyarosaurus
    Einiosaurus
    Camptosaurus
    Diabloceratops
    Styracosaurus
    Cryolophosaurus
    Tuojiangosaurus
    Ceratosaurus
    Edmontonia
    Plateosaurus
    Ankylosaurus
    Baryonyx
    Wuerhosaurus
    Gallimimus
    Neovenator
    Pachyrhinosaurus
    Carnotaurus
    Ichthyovenator
    Maiasaura
    Iguanodon
    Dacentrurus
    Gigantoraptor
    Gorgosaurus
    Melanorosaurus
    Majungasaurus
    Ouranosaurus
    Stegosaurus
    Olorotitan
    Triceratops
    Deinocheirus
    Corythosaurus
    Amargasaurus
    Allosaurus
    Parasaurolophus
    Therizinosaurus
    Albertosaurus
    Suchomimus
    Edmontosaurus
    Saurophaganax
    Acrocanthosaurus
    Lambeosaurus
    Tyrannosaurus
    Carcharodontosaurus
    Giganotosaurus
    Shantungosaurus
    Spinosaurus
    Cetiosaurus
    Diplodocus
    Camarasaurus
    Apatosaurus
    Giraffatitan
    Alamosaurus
    Dreadnoughtus
    Brachiosaurus
    Sauroposeidon
    Mamenchisaurus
    Puertasaurus
    Argentinosaurus
     
    • Gostei! Gostei! x 3
    • Ótimo Ótimo x 2
  11. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Fan-tás-ti-co!
    As crianças têm que assistir isso!
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  12. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Já adorei ver isso adulta, imagine se fosse criança, principalmente após o tempo 4:20. =]
     
  13. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Um estudo feito por cientistas das universidades de Reading e de Bristol, ambas na Inglaterra, e publicado na revista científica da Academia Americana de Ciências (PNAS), sugere que a extinção dos dinossauros começou 40 milhões de anos antes do impacto do asteroide Chicxulub, no México.

    Apesar de inúmeros cientistas argumentarem que os dinossauros se extinguiram devido ao impacto de um grande asteroide sobre a Terra há 66 milhões de anos, o novo estudo afirma que os dinossauros sofreram um declínio gradual.
    Analisando três grandes conjuntos de dados de dinossauros, o cientista Chris Venditti e colegas estudaram o comportamento desses animais antes do impacto do asteroide.

    Segundo os cientistas, os dinossauros perderam gradualmente a capacidade de substituir espécies extintas por novas, o que pode ter favorecido o surgimento de outros animais.

    Mais extintos que novos


    Os dados revelaram que as taxas de extinção de espécies de dinossauros superavam as de criação de novos animais. Segundo o estudo, esse fenômeno começou quase 24 milhões de anos antes do impacto do asteroide.

    O que provou a dificuldade da espécie formar outra ou se dividir em duas ainda é um mistério, mas os especialistas acreditam que fenômenos ecológicos como a erupção de vulcões e a separação dos continentes possam ter influenciado nessa mudança.
    O estudo também revelou um aumento no nível do mar durante este período, reforçando a hipótese de que isso poderia provocar uma fragmentação do habitat, deixando alguns animais isolados e reduzindo a capacidade de reprodução.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    As fascinantes novas espécies de dinossauros descobertas recentemente

    O paleontólogo Steven Jasinski, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, descreveu a nova espécie Saurornitholestes sullivani, em 12 de maio. Ele teria vivido há aproximadamente 75 milhões de anos, na região do Novo México, nos EUA. O nome da nova espécie homenageia o paleontólogo Robert Sullivan, que encontrou parte do crânio do dinossauro, em 1999. A nova espécie, acredita-se, tinha um faro muito bom, o que a levava a ser uma boa caçadora. O Saurornitholestes sullivani é considerado um parente do velociraptor Imagem: Divulgação
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  14. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Museu de Ciências da Terra/Divulgação

    Cientistas anunciaram na manhã desta quarta-feira (5), no Museu de Ciências da Terra, no Rio de Janeiro (RJ), a descoberta do que anunciaram ser o maior dinossauro já encontrado no Brasil, com 25 metros de comprimento. O público poderá ver a partir desta quinta-feira (6) a reconstrução do braço do dinossauro em tamanho natural no museu.

    Fósseis do dinossauro batizado de Austroposeidon magnificus foram encontrados em Presidente Prudente (SP), ainda na década de 1950, pelo paleontólogo Llewellyn Ivor Price (1905-1980) e depois reencaminhados para o museu onde foi foram estudados por todo este tempo.

    Museu de Ciências da Terra/Divulgação
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Fósseis de vértebras do pescoço e da coluna vertebral foram encontrados

    A conclusão foi feita depois de analisarem os fósseis encontrados do animal: vértebras do pescoço, da coluna vertebral e do braço.

    Com base nas características anatômicas, o Austroposeidon magnificus pode ser classificado no grupo dos titanossauros, herbívoros de corpo bem desenvolvido, pescoço e cauda longos e um crânio comparativamente pequeno.


    Os titanossauros tiveram bastante sucesso durante o período Cretáceo, sobretudo no supercontinente do Gondwana, que no passado reunia América do Sul, África, Índia, Antártica e Austrália.

    Museu de Ciências da Terra/Divulgação
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Fóssil da região do pescoço foi encontrado

    No Brasil, já foram descobertas nove espécies de titanossauros. Até agora, o maior destes era o Maxakalisaurus topai, com mais de 13 metros de comprimento. As suas características são muito semelhantes às espécies argentinas também gigantes, como Mendozasaurus e Futalognkosaurus.
    Parte do material da nova espécie foi analisada com auxílio de um tomógrafo, visando acessar a parte interna dos ossos. Esse estudo revelou a presença de características completamente novas para os titanossauros, tais como anéis de crescimento intercalados com um tecido ósseo mais denso, cujo significado ainda não é bem compreendido.

    A descoberta de Austroposeidon não apenas contribui com novas informações anatômicas e evolutivas para os dinossauros, mas também mostra que espécies gigantes também habitavam a região onde hoje é o Brasil, há milhões de anos.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  15. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Capricharam no nome.
     
  16. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    No Brasil aos poucos, mesmo com a atual crise, as pesquisas sobre dinossauros estão avançando. Acredito que ainda virão muitas descobertas boas.
     
  17. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    • Tiranossauro rex seria mais parente dos quadrúpedes com chifres do que dos pescoçudos, segundo novo estudo

    Estudo publicado na revista Nature nesta quarta-feira (22) pretende revolucionar o que se sabe sobre a divisão das famílias e os parentescos entre os dinossauros.

    Matthew Baron e seus colegas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, analisaram 457 características anatômicas de 74 espécies observando diferenças e similaridade de esqueletos, tamanhos e proporções de ossos e dentes, etc.

    Eles chegaram à conclusão de que a família dos terápodes (bípedes carnívoros) não seria um grupo dentro da família dos saurísquios, como está classificada atualmente, mas sim um grupo independente. Além disso, os terápodes seriam mais próximos dos ornitísquios (herbívoros) do que dos saurísquios (quadrúpedes pescoçudos).

    Ou seja, atualmente, considera-se que tiranossauros rex e velociraptors são mais parentes dos quadrúpedes pescoçudos. O novo estudo diz que, em vez disso, eles são primos mais próximos dos quadrúpedes chifrudos e dos bicos-de -pato.

    "O que esse pessoal está fazendo é uma completa revolução. Se for confirmada, mudará não só todos livros técnicos como todos os livros infantis. Classicamente os dinossauros são divididos em dois grandes grupos. Isso é assim há mais de 150 anos", diz Max Langer, pesquisador dos dinossauros brasileiros e professor da USP (Universidade de São Paulo).

    "O que eles propõem é que os saurísquios na verdade não existem como um grupo 'natural'", diz Langer. Atualmente, os saurísquios são compostos por dois outros grupos, os terópodes (bípedes carnívoros como t-rex e velociraptor) e os sauropodomorfos (quadrúpedes pescoçudos).

    E como fizeram isso?


    Essa nova classificação tem por base em 21 características de ornitísquios e terápodes herdadas de um antepassado comum, como cristas afiadas nos maxilares. "Nada muda em relação à anatomia deles, é apenas em relação ao parentesco", explica Juan Carlos Cisneros, professor da Universidade Federal do Piauí. "Eles usaram uma grande amostragem, com dinossauros da África do Sul, da China, da Argentina etc."

    Para Cisneros, o estudo destaca a importância de quatro dinossauros brasileiros na base da árvore (ou seja, estão entre os mais antigos): o estaurikossauro, o pampadromeus, o guaibassauro e o saturnalia.

    O Brasil tem um papel importante para ajudar a esclarecer a origem dos dinossauros devido ao potencial dos sítios paleontológicos na região sul, onde foram encontradas várias das espécies mais antigas do mundo."

    Necessidade de confirmação


    Os dois especialistas lembram que a hipótese precisará ser confirmada por estudos posteriores. Pesquisas como essa são feitas há mais de 30 anos e nenhuma delas encontrou esses resultados, explica Langer.

    Langer também aponta falhas no estudo. "Mais da metade dos fósseis não foi analisada diretamente. Não sentaram com o fóssil diante deles analisando as características anatômicas. Eles se basearam em artigos científicos. É uma falha grave", diz.

    Rodolfo Nogueira
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O dinossauro brasileiro Pampadromaeus barberenai

    Nada muda com dinossauros brasileiros


    Pode-se dizer que, entre dinossauros mais antigos do mundo, metade está no sul do Brasil (Rio Grande do Sul) e outra metade está no noroeste da Argentina. Nesse rearranjo, os bichos brasileiros são posicionados mais ou menos como sempre foram, dentro da família dos saurísquios.

    O modelo também aponta novidades em relação à evolução dos dinossauros. Por exemplo, sugere que os primeiros dinossauros eram onívoros, pequenos, andavam sobre dois pés e tinham mãos capazes de pegar -- isto é, se alimentavam em posição bípede puxando folhas com as mãos.
    A análise sugere que os dinossauros tiveram origem no hemisfério Norte em vez de Gondwana. Os autores avaliam que o período em que viveram e a disposição geográfica dos dinossauros também podem necessitar de uma revisão.

    "Essa última hipótese é um tanto controversa, pois os dinossauros mais primitivos do mundo são brasileiros e argentinos", avalia Cisneros. "Teremos que aguardar se ela é corroborada ou não por futuras pesquisas. Mas valorizo que os autores estejam questionando os modelos "clássicos", é importante estarmos sempre abertos a novas explicações."
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  18. Indu

    Indu In sacanagi we trust

  19. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Agora é oficial: fóssil de dinossauro superpreservado é uma nova espécie
    Um novo estudo sobre o fóssil também sugere que o dino encouraçado possuía camuflagem anti-predadores.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Durante a vida, o nodossauro tinha mais de 5 metros de comprimento e pesava 1300 quilos. Pesquisadores suspeitavam que ele tinha sido fossilizado por inteiro, mas quando foi descoberto em 2011, apenas a parte da frente estava intacta para ser recuperada.


    Há cerca de 110 milhões de anos, onde agora é Alberta, no Canadá, um dinossauro parecido com um abacaxi de 1,2 tonelada acabou morto num rio.
    Hoje, esse dinossauro é um dos melhores fósseis do gênero já encontrados – e ele acaba de ganhar um nome.
    Eis o Borealopelta markmitchelli, um devorador de plantas também conhecido como nodossauro, que viveu durante o período Cretáceo. Depois de morrer, sua carcaça terminou envolta em lama de uma antiga via marítima, e a parte da frente ficou preservada em 3D com detalhes extraordinários.
    Descoberto por acidente em 2011 e revelado no Museu Royal Tyrrell de Alberta em maio deste ano, o fóssil imediatamente ofereceu ao mundo um vislumbre sem precedentes sobre a anatomia e a vida de dinossauros encouraçados.
    "É um belíssimo espécime", diz Victoria Arbor, pesquisadora pós-doutora do Museu Real de Ontário que estuda outro dinossauro encouraçado e bem preservado chamado Zuul crurivastator. "É muito bom ter exemplares como esse e Zuul que realmente nos dão uma ideia de como esses dinossauros se pareciam quando estavam vivos".
    (...)
    Tem sido um longo caminho para o Borealopelta. O isolamento subterrâneo da criatura chegou ao fim em 21 de março de 2011, quando o operador de equipamentos pesados Shawn Funk tropeçou no fóssil em uma mina de areias petrolíferas no norte de Alberta, operada pela empresa de energia Suncor.
    O fóssil então viajou ao laboratório de preparação do Museu Royal Tyrrell, onde o técnico Mark Mitchell pulverizou minuciosamente a rocha em volta – uma façanha que levou mais de 7 mil horas, em quase seis anos. Apenas o crânio levou cerca de oito meses para sair.
    "Não fosse por seu comprometimento, [Borealopelta] provavelmente nunca teria saído à luz", diz Caleb Brown, pesquisador pós-doutor do Museu Royal Tyrrell e principal autor do novo estudo. "É um esforço gigantesco... os preparadores são muitas vezes os heróis desconhecidos."
    Todo o trabalho foi realizado com um orgulho extraordinário. O novo estudo confirma que o dinossauro representa um novo gênero e uma nova espécie, e seu nome formal se traduz em "escudo do norte de Mark Mitchell" – uma homenagem para o libertador do fóssil, sua armadura impecável e a localização onde foi sepultado.

    O lado direito da cabeça do nodossauro ainda mantém curiosas placas em formato de azulejo e uma camada de pele fossilizada.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    As placas que são marcas registradas dos dinossauros encouraçados costumam ser as primeiras a cair na decomposição, mas não foi o que aconteceu com este nodossauro. A armadura extremamente bem preservada vai aprofundar o entendimento dos cientistas, revelando melhor como eles eram e como se locomoviam.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A cabeça e o pescoço do nodossauro se curvam gentilmente para a esquerda. A boca e os dentes sugerem que ele tinha uma mordida fraca e não mastigava os alimentos muito bem.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)





    Reportagem completa no site da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  20. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Olhem essa fofurinha que vi no World Museum aqui de Liverpool:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Daqui uns dias vou pra Londres e vou dar uma passada no Natural History Museum pra tirar fotos dos dinos de lá :D
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 2

Compartilhar