1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Numerologia? O que dizem os números na Obra de Tolkien?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Gil-galad Æ, 24 Ago 2003.

  1. Gil-galad Æ

    Gil-galad Æ Usuário

    Carta 131

    Por razões que não elaborei, isso me parece fatal. Mitos e contos de fadas, como toda arte, precisam refletir e conter em solução elementos de verdade (ou erro) moral e religiosa, mas não explicitamente, não na forma conhecida do mundo primário e "real".(Refiro-me, é claro, à nosa situação presente, não aos antigos dias pagãos, pré-cristãos.




    Concidência? Estudo?
    Erú Iluvatar = 1!
    Os Valar = 7!
    O Comitiva do Anel = 9! ??

    Vejam o que dizem os números abaixo e encontrem na obra números que coincidem ou divergem sobre essa teoria de que a obra de Tolkien também se complementa nos números!

    1 O Pai, o masculino. A essência de Deus. A Potência Geradora Suprema, da qual emana a Sabedoria. O ser. A revelação aos homens da essência espiritual. A Luz Universal, o elemento unificador de tudo. O Pênis Cósmico. O bastão dos magos, a vara de condão das fadas. O Bem. A esterilidade.


    2 A Mãe, o feminino. A Vagina Cósmica (Magna Mater). A faculdade geradora e reprodutora, a expansão visível de Deus no espaço e no tempo. A natureza em oposição ao Criador. O elo que une o mortal ao imortal, o mutável ao imutável, o céu e a terra. O eco, o reflexo, a sombra, o conflito, a contraposição. A bruxa (feição dupla da feminilidade). O lado tenebroso do dualismo fundamental do ser. A passagem do tempo. O número do diabo. O Mal. A ignorância.


    3 A Criação. A natureza tríplice de Deus (criação-conservação-destruição). Símbolo sexual masculino completo (pênis mais testículos). O sexo em função procriativa. O desenvolvimento ordenado e harmonioso do Universo. A síntese espiritual. A solução do dualismo. A fórmula da criação de cada um dos mundos. Os três ciclos de vida: nascimento, apogeu, morte. O conhecimento (Música, Geometria, Astronomia), segundo Pitágoras. A composição do homem (corpo, alma, espírito). As três esferas concêntricas do Universo: natural, humano e divino.


    4 A raiz de todas as coisas. A Terra em sentido cósmico - o espaço terrestre. Os quatro elementos fundamentais (terra-fogo-água e ar). As quatro qualidades essenciais (seco-úmico-frio-quente). Os quatro pontos cardeais (sentido espacial) e as quatro estações do ano (sentido temporal). Os limites humanos impostos à totalidade do Ser. A cruz. A esfinge. Os quatro mundos da Cabala: Emanação-Criação-Formação-Ação. O caminho da realização espiritual. A Natureza.


    5 O homem natural. O símbolo da Luz, da saúde e da vitalidade. O ato de amor. O coito, o sexo como prazer. A quintessência que age sobre a matéria, transformando-a. Os cinco aspectos do ser humano: físico-emocional-mental-anímico-consciente. Os quatro membros do corpo mais a cabeça que os controla. Os quatro dedos da mão mais o polegar que os torna funcionais. O número da mutação e transformação de tudo. O pentagrama - união do microcosmo ao macrocosmo, do humano ao divino. A estrela de David.


    6 A união do espírito e da matéria, do yang ao yin. A união dos quatro elementos. A ambivalência e o equilíbrio. O Selo de Salomão - a tríade material e a tríade espiritual. Os seis dias da Criação. A satisfação depois do esforço. O fim do dinamismo. O hermafrodita, segundo a simbologia grega. A perfeição, a harmonia. O 6º sentido: a intuição, como síntese dos cinco sentidos físicos e a porta dos sentidos metafísicos).


    7 O número da vida - a união do ternário (espírito) com o quaternário (matéria). Os 7 espíritos ante o trono de Deus. Os 7 sacerdotes da Lei Cósmica. Os 7 Senhores do Carma. Os 7 ciclos da terra (4 ciclos lunares com duração de 7 dias). A origem do calendário atual. A renovação celular do corpo humano (7 em 7 anos). Os 7 orifícios do rosto humano. A plenitude, a ordem perfeita. A medida reguladora da coesão universal: 7 planetas, 7 divindades, 7 metais, 7 notas musicais, 7 cores, 7 dias da semana, 7 chakras, 7 pecados capitais e 7 virtudes que lhe são contrapostas. A lei da evolução. A cifra dos adeptos e dos grandes iniciados.


    8 O número da matéria. O Logos, o poder criativo do Universo. O equilíbrio dinâmico entre o masculino e o feminino. O portal através da qual uma vida entra no mundo. A existência depois da morte. O infinito. A regeneração. A passagem do que é contingente (encarnado) ao que tem validade eterna.


    9 A humanidade. O número raiz do presente estado de evolução humana. O número de Adão. O número da iniciação: assinala o fim de uma fase de desenvolvimento espiritual e o início de outra fase superior. As 9 esferas celestes e os 9 espíritos elevados que as governam. O ilimitado. Os 9 orifícios do corpo humano. Os 9 meses da gravidez. O número dos ciclos humanos temporais na Terra.


    10 O mundo, a totalidade do Universo (sentido material e meta-físico). O retorno à unidade. O número perfeito por excelência, pois representa todos os princípios da divindade evoluindo e reunindo-se numa nova unidade. Representa a idade, o poder, a fé, a necessidade, a memória, a infatigabilidade.


    11 O número das revelações. O plano de conhecimentos mais elevados. O ideal. A junção de Deus (1) com o mundo (10): é o sinal do início do conhecimento de Deus, isto é, da admissão à vida superior dos céus. Símbolo da transição, excesso e perigo. Número da fragmentação, sendo por isso também considerado diabólico.


    22 O segredo da Criação do Universo por Deus. Os 22 livros do Velho Testamento. As 22 coisas que Deus gerou nos 6 dias de Criação: 1º dia-matéria informe, anjos, luz, céus superiores, a terra, á agua, o ar; 2º dia- o firmamento; 3º dia-mares, sementes, ervas e árvores; 4º dia- o Sol, a Lua, os planetas; 5º dia- peixes, répteis aquáticos e terrestres e os pássaros; 6º dia- animais selvagens, animais domésticos e o homem.
     
  2. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Tem um esqueminha de números bem interessante na obra do Tolkien.. olha só: o Tolkien morreu em 1973. Invertendo esse número, temos 3791, certo? Então temos 3 anéis para os reis elfos sob este céu, 7 anéis para os senhores anões em seus corredores de pedra, 9 anéis para os homens mortais fadados ao escuro sono e 1 anel para o senhor do escuro em seu escuro trono.. legal, né?
     
  3. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu não entendi muito bem a relação entre o trecho da carta e de que forma Tolkien poderia ter relacionado sua obra com Numerologia. Na verdade eu acho essa relação muito improvável, já que Tolkien era católico e bem católico.

    Só se a relação for com o "erro" de moral ou religião. Tolkien poderia chamar isso de "erro" moral, já que não fazia parte da crença dele.
     
  4. LHRagone

    LHRagone Usuário

    E oque que esse tanto de números tem a ver com as obras de Tolkien ???
     
  5. Riff

    Riff Usuário

    Eu não vejo problema algum Tolkien usar os significados dos numeros pra das consistencia a obra. Então vamos brincar de procurar pelo no ovo:
    Eru né :roll: , e de certa forma o Anel
    Hmm, levando em conta q os 3 são os aneis élficos, não encaixa com a afirmativa de q o numero representa nascimento, apogeu e morte, já q essa não era natural aos elfos, porém encaixa-se na parte de conhecimento
    Alguem explica como isso se encaixa aos anões :eek:
    Nove aneis foram dados aos homens, ok, sem contar os 9 valar mais poderosos, só q um foi expulso e ficaram 8.
    Os aratar, seres superiores de Arda :clap:
    Gil Galad, poderia nos informar de onde vem esse estudo sobre numeros pra checar as informações e pesquisar mais :wink:
     
  6. Gildor

    Gildor Usuário

    :|

    Já houve um tópico exatamente como esse aqui, há nem muito tempo atrás. E lembro que ele não acabou bem.

    Do tópico inteiro, uma coisa ficou na minha cabeça, um raciocínio do Deriel: se você acredita mesmo em numerologia, você tende a vê-la por todos os lugares. Inclusive na obra de Tolkien. Mas isso não quer dizer nada, a não ser que você tem uma mente criativa o bastante. :mrgreen:
     
  7. Olwë

    Olwë Usuário

    Houve sim.

    E eu acrescentaria outra coisa: É exatamente a mesma coisa com o enfoque "científico" que às vezes se pretende dar a aspectos da Obra de Tolkien.

    É preciso usar de bom senso nesses terrenos.

    Os fatos, as coincidências e a própria lógica das coisas dentro das histórias de Tolkien devem ser interpretados com os elementos fornecidos por Tolkien, dentro da própria Obra.

    Por mais verossímil e interessante que seja, gente, é só uma (excelente) obra de literatura. :wink:
     
  8. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Tá mais pra três anéis para Santíssima trindade, 1 anel para representar Deus, 7 anões e a Branca de neve a ver navios, e 9 anéis porque... :mrgreen:
     
  9. Goba

    Goba luszt

    Apontem-me esses... :eek:
     
  10. LHRagone

    LHRagone Usuário

    Eu acho que quem fez esse estudo fumou muita maconha antes de escrever isso. :lol: :lol: :lol:
     
  11. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu realmente não sugiro que você fale assim publicamente de outras pessoas. Elas podem não gostar.

    E o texto no primeiro post não é propriamente um estudo. É uma proposta de discussão, comparando aspectos da obra de Tolkien ao significado dos números na numerologia.
     
  12. LHRagone

    LHRagone Usuário

    Mas convenhamos... não tem nada a ver.
     
  13. Riff

    Riff Usuário

    Bah, alguns até q tem
     
  14. Swanhild

    Swanhild Usuário

    Eu prefiro ver essas observações sobre numerologia no Tolkien como curiosidade. A observação do Skywalker sobre a data de falecimento do Tolkien, por exemplo, não deixa de ser interessante. Mas não se pode perder de vista que não há evidências de que o Tolkien tenha usado estas coisas conscientemente na elaboração da mitologia. Por outro lado, as evidências de que ele era um católico "bem católico" são abundantes.

    Quanto ao trecho da carta 131 citado pelo Gil-galad, creio que o Tolkien teve uma intenção, quando escreveu isso, diversa daquela com que o Gil-galad a citou. Pessoalmente, eu não acredito que o Tolkien se referisse a coisas como numerologia quando falava de "elementos de verdade moral e religiosa".
     
  15. Gil-galad Æ

    Gil-galad Æ Usuário

    Olá Riff!!

    Bem, só pra brincar um pouco...!!

    Aulë fez os anões, da materia que ele mesmo trabalhava...!! Eram 7 pais de anões... Aulë os criou antes dos primogênitos virem... Eru depois de uma "leve" bronca... abençoou!! Então estava criada a vida!! Da Materia!! Se encaixa aqui, ó -> 7 O número da vida - a união do ternário (espírito) com o quaternário (matéria).
     
  16. Eru- o Ilúvatar

    Eru- o Ilúvatar Usuário


    Me atreveria a fazer uma possível comparação sim. Os anões são tremendamente apegados as coisas da matéria e da Terra, caras a Aulë, que lhes deu a vida. 7 divindades (as 7 Casas dos anões), 7 metais (bom, metais são algo bem apreciado pelos anões :mrgreen: ).
    De qualquer forma não deixa de ser uma conjectura interessante.

    Não duvido nada que, mesmo que se expecule muito para além dos fatos, Tolkien tenha se valido desses números, com forte carga e atribuição simbólica, para construir a sua própria mitologia.

    E bom, Tolkien era católico, mas criou uma mitologia com Poderes de Arda aludindo a um politeísmo apesar do Um (Eru). Não considero uma transgressão se valer de números expressivos para reforçar a carga simbólica da sua obra literária. Até a Bíblia fez isso (fez se o mundo em 7 dias, 7 é o número da perfeição, a Santíssima Trindade, etc.)
     
  17. Gil-galad Æ

    Gil-galad Æ Usuário

    Não gostar não... fico é triste de ler essas coisa...isso sim!! Uma pena!! :roll:
     
  18. Gil-galad Æ

    Gil-galad Æ Usuário


    Haaaaaaaaaa... até que enfim... só vc mesmo...Senhor de Elebereth... obrigado!! Depois da sua...até agora... somente o Slicer fez um post explendoroso sobre o tema!!
    Sobre a coincidência... não existe coincidência... são os designios de Eru Iluvatar mesmo! Ou talvez Sintonia... sintonia pura!

    (Ei, e sem ser numerologo ou qualquer coisa, vendo a obra mesmo tá... analisando...com respeito...se tiver respeito... isso aqui não vai acabar mal como o outro não tá??!!)
     
  19. Metz

    Metz ...

    Skywalker
    Eu até que achei massa essa comparação mas pra mim esse negócio de numerologia é a maior besteira. :doido: :eek:
     
  20. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu também acho possível que haja algum simbolismo nesses números, mas é impossível não pensar em alguns fatores que podem ser contra essa possibilidade.

    Tolkien procurou analisar e explicar sua própria obra, de certa forma, mais de uma vez em suas cartas. Ao que consta, nenhuma tem nem mesmo um vislumbre de que possa haver alguma influência da cabala numérica nela. O trecho que o Gil-Galad destacou, ao meu ver, pode no máximo sugerir alguma coisa nesse sentido quando fala em "erro moral". Os anéis foram feitos pelos elfos, e não raro eles erravam em suas atitudes (a própria forja de anéis de poder pode ser considerada um erro).

    Acho altamente improvável que Tolkien tenha relacionado sua obra à cabala da forma "esotérica" como se ouve falar hoje em dia. Da mesma forma que ele não deve ter pensando em números quando batizou seus personagens (já imaginaram a cena bizarra de pessoas analizando os nomes de Fëanor para explicar o comportamento alterado dele? :lol: ), dificilmente escolheu quantos seriam os anéis ou os Aratar com algum sentido que pendam para esse lado.

    E existe um problema que eu reconheço ser, em boa parte, pessoal meu. Eu costumo ser bastante cético, por isso não confio muito nesse tipo de análise. Aqueles significados, eles são suficientemente respaldados por estudos de teólogos para se dizer que existe uma "cabala bíblica". Mas ainda sim, isso é cuidado e estudado com minúcias. Não é tão simples assim; se fosse, qualquer obra que contiver números de alguma forma pode ser associada com a cabala. E as descrições parecem bastante vagas, como se muitas coisas pudessem se encaixar naqueles "significados"; tanto é que dão mais exemplos como possíveis "provas" do que realmente o que os números representam.

    Mas vou procurar dar uma olhada na Carta 113 novamente. No contexto, pode ser que eu encontre algum sentido novo, ou alguma coisa esclarecedora de fato ali.
     

Compartilhar