1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias fazem mal

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Calib, 21 Mai 2013.

  1. Calib

    Calib Visitante

    Não sei se pode pôr notícia em inglês (imagino que sim).
    Infelizmente nem todos poderão ler, mas né.
    Aos que puderem recomendo.


    [h=1]News is bad for you – and giving up reading it will make you happier[/h]News is bad for your health. It leads to fear and aggression, and hinders your creativity and ability to think deeply. The solution? Stop consuming it altogether

    In the past few decades, the fortunate among us have recognised the hazards of living with an overabundance of food (obesity, diabetes) and have started to change our diets. But most of us do not yet understand that news is to the mind what sugar is to the body. News is easy to digest. The media feeds us small bites of trivial matter, tidbits that don't really concern our lives and don't require thinking. That's why we experience almost no saturation. Unlike reading books and long magazine articles (which require thinking), we can swallow limitless quantities of news flashes, which are bright-coloured candies for the mind. Today, we have reached the same point in relation to information that we faced 20 years ago in regard to food. We are beginning to recognise how toxic news can be.

    News misleads. Take the following event (borrowed from Nassim Taleb). A car drives over a bridge, and the bridge collapses. What does the news media focus on? The car. The person in the car. Where he came from. Where he planned to go. How he experienced the crash (if he survived). But that is all irrelevant. What's relevant? The structural stability of the bridge. That's the underlying risk that has been lurking, and could lurk in other bridges. But the car is flashy, it's dramatic, it's a person (non-abstract), and it's news that's cheap to produce. News leads us to walk around with the completely wrong risk map in our heads. So terrorism is over-rated. Chronic stress is under-rated. The collapse of Lehman Brothers is overrated. Fiscal irresponsibility is under-rated. Astronauts are over-rated. Nurses are under-rated.

    We are not rational enough to be exposed to the press. Watching an airplane crash on television is going to change your attitude toward that risk, regardless of its real probability. If you think you can compensate with the strength of your own inner contemplation, you are wrong. Bankers and economists – who have powerful incentives to compensate for news-borne hazards – have shown that they cannot. The only solution: cut yourself off from news consumption entirely.

    News is irrelevant. Out of the approximately 10,000 news stories you have read in the last 12 months, name one that – because you consumed it – allowed you to make a better decision about a serious matter affecting your life, your career or your business. The point is: the consumption of news is irrelevant to you. But people find it very difficult to recognise what's relevant. It's much easier to recognise what's new. The relevant versus the new is the fundamental battle of the current age. Media organisations want you to believe that news offers you some sort of a competitive advantage. Many fall for that. We get anxious when we're cut off from the flow of news. In reality, news consumption is a competitive disadvantage. The less news you consume, the bigger the advantage you have.

    News has no explanatory power. News items are bubbles popping on the surface of a deeper world. Will accumulating facts help you understand the world? Sadly, no. The relationship is inverted. The important stories are non-stories: slow, powerful movements that develop below journalists' radar but have a transforming effect. The more "news factoids" you digest, the less of the big picture you will understand. If more information leads to higher economic success, we'd expect journalists to be at the top of the pyramid. That's not the case.

    News is toxic to your body. It constantly triggers the
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Panicky stories spur the release of cascades of glucocorticoid (cortisol). This deregulates your immune system and inhibits the release of growth hormones. In other words, your body finds itself in a state of chronic stress. High glucocorticoid levels cause impaired digestion, lack of growth (cell, hair, bone), nervousness and susceptibility to infections. The other potential side-effects include fear, aggression, tunnel-vision and desensitisation.

    News increases cognitive errors. News feeds the mother of all cognitive errors: confirmation bias. In the words of Warren Buffett: "What the human being is best at doing is interpreting all new information so that their prior conclusions remain intact." News exacerbates this flaw. We become prone to overconfidence, take stupid risks and misjudge opportunities. It also exacerbates another cognitive error: the story bias. Our brains crave stories that "make sense" – even if they don't correspond to reality. Any journalist who writes, "The market moved because of X" or "the company went bankrupt because of Y" is an idiot. I am fed up with this cheap way of "explaining" the world.

    News inhibits thinking. Thinking requires concentration. Concentration requires uninterrupted time. News pieces are specifically engineered to interrupt you. They are like viruses that steal attention for their own purposes. News makes us shallow thinkers. But it's worse than that. News severely affects memory. There are two types of memory. Long-range memory's capacity is nearly infinite, but working memory is limited to a certain amount of slippery data. The path from short-term to long-term memory is a choke-point in the brain, but anything you want to understand must pass through it. If this passageway is disrupted, nothing gets through. Because news disrupts concentration, it weakens comprehension. Online news has an even worse impact.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    showed that comprehension declines as the number of hyperlinks in a document increases. Why? Because whenever a link appears, your brain has to at least make the choice not to click, which in itself is distracting. News is an intentional interruption system.

    News works like a drug. As stories develop, we want to know how they continue. With hundreds of arbitrary storylines in our heads, this craving is increasingly compelling and hard to ignore. Scientists used to think that the dense connections formed among the 100 billion neurons inside our skulls were largely fixed by the time we reached adulthood. Today we know that this is not the case. Nerve cells routinely break old connections and form new ones. The more news we consume, the more we exercise the neural circuits devoted to skimming and multitasking while ignoring those used for reading deeply and thinking with profound focus. Most news consumers – even if they used to be avid book readers – have lost the ability to absorb lengthy articles or books. After four, five pages they get tired, their concentration vanishes, they become restless. It's not because they got older or their schedules became more onerous. It's because the physical structure of their brains has changed.

    News wastes time. If you read the newspaper for 15 minutes each morning, then check the news for 15 minutes during lunch and 15 minutes before you go to bed, then add five minutes here and there when you're at work, then count distraction and refocusing time, you will lose at least half a day every week. Information is no longer a scarce commodity. But attention is. You are not that irresponsible with your money, reputation or health. Why give away your mind?

    News makes us passive. News stories are overwhelmingly about things you cannot influence. The daily repetition of news about things we can't act upon makes us passive. It grinds us down until we adopt a worldview that is pessimistic, desensitised, sarcastic and fatalistic. The scientific term is "learned helplessness". It's a bit of a stretch, but I would not be surprised if news consumption, at least partially contributes to the widespread disease of depression.

    News kills creativity. Finally, things we already know limit our creativity. This is one reason that mathematicians, novelists, composers and entrepreneurs often produce their most creative works at a young age. Their brains enjoy a wide, uninhabited space that emboldens them to come up with and pursue novel ideas. I don't know a single truly creative mind who is a news junkie – not a writer, not a composer, mathematician, physician, scientist, musician, designer, architect or painter. On the other hand, I know a bunch of viciously uncreative minds who consume news like drugs. If you want to come up with old solutions, read news. If you are looking for new solutions, don't.

    Society needs journalism – but in a different way. Investigative journalism is always relevant. We need reporting that polices our institutions and uncovers truth. But important findings don't have to arrive in the form of news. Long journal articles and in-depth books are good, too.
    I have now gone without news for four years, so I can see, feel and report the effects of this freedom first-hand: less disruption, less anxiety, deeper thinking, more time, more insights. It's not easy, but it's worth it.


    This is an edited extract from an essay first published at
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . The Art of Thinking Clearly: Better Thinking, Better Decisions by Rolf Dobelli is published by Sceptre, £9.99. Buy it for £7.99 at
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição por um moderador: 21 Mai 2013
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Re: News is bad for you – and giving up reading it will make you happier

    Arruma a formatação pq não dá pra ler fonte escura no template escuro. É só selecionar todo o texto e clicar no primeiro botão da caixa de texto (dois A's com um x) =]
     
  3. Calib

    Calib Visitante

    Re: News is bad for you – and giving up reading it will make you happier

    Ok (?).
    Vê se deu.

    Nem sabia que o fórum tinha template escuro.
    Por essas e outras gosto da ideia de template único. Hehe.
     
  4. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Re: News is bad for you – and giving up reading it will make you happier

    Sim, funcionou \o/
     
  5. Lobelia SB

    Lobelia SB His name was Robert Paulson

    Nossa... vou imprimir esse artigo e mostrar pro meu marido... Ele adora assistir coisas trites.. desgraças... Quando está em casa de folga, o programa do dia para ele é ver o Datena... credo!
    Já eu não posso ver.... fico muito mal...fico nervosa, impaciente e irritada...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    A digestão das notícias e da informação na atualidade está cada vez mais nas mãos do equilíbrio e maturidade das pessoas.

    O comportamento de manada e da massa, que trabalha fundo com os instintos de um grupo, é baseado no impacto psicológico e hipnótico que a informação e as palavras possuem no indivíduo.

    Entretanto sabe-se que a hipnose pode tanto ser usada na medicina (fins benéficos) quanto em táticas de guerra (fins de ataque e até de terror) em que essas últimas são típicas de sistemas econômicos (seja de esquerda ou de direita).

    E observa-se que não é evidente mas a velocidade de amadurecimento do indivíduo na sociedade deu uma diminuída na medida em que a população tem aumentado a expectativa de vida igual os filhos que ficam morando com os pais até os 30 ou 40 anos por causa do momento econômico. De modo que notícias difíceis de um mundo indigesto tendem a fazer com que as gerações fiquem por mais tempo dependendo dos pais ou de terceiros.

    Para se ter uma idéia do efeito que algo assim pode alcançar podemos traçar um cenário em que a expectativa e as condições de vida sejam extrapoladas em uma projeção e imaginar um futuro em que pessoas vivam 150-200 anos de idade e passem a obter a maioridade legal com 23, 25 ou até 30 anos, devido a necessidade de amadurecer melhor um cidadão longevo diante do fluxo de informações com uma melhor consciência de voto em sistemas democráticos.

    Em um modelo assim as pessoas precisam de mais tempo na formação e permanecem mais tempo ativos na cadeia produtiva antes de se aposentar. O que seria o cenário de uma vintolescência Hobbit, adolescência dos anões de Tolkien ou uma juventude procrastinada dos homens de Númenor.

    Infelizmente vivemos em um modelo despreparado que caminha no sentido oposto na tentativa de transformar crianças em mini-adultos oferecendo um modelo precoce demais e gerando aberrações que não seguem o ritmo de vida da espécie humana.

    Em outro aspecto da indigestão do fluxo ocorre de aparecer cada vez mais pessoas com 20 ou 30 que não possuam base para ver conteúdos adultos de TV e internet porque foram precocemente lançados num fluxo caótico. Por exemplo, o canal fechado HBO é um dos canais com maior número de personagens por série com problemas mentais de toda TV e que é direcionado para pessoas adultas na programação, mas que não é qualquer adulto que tem condições de vê-lo antes de saber que o negócio do entretenimento do canal é a fantasia do exagero da degradação igual ao que acontece com bandas de metal com arranjos complexos e desagradáveis que só podem ser assimilados com uma boa bagagem e um filtro.

    Quer dizer, para que a sociedade tenha tempo ela precisa permitir a si mesma esse tempo.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  7. Seiko-chan

    Seiko-chan Retardada

    Excelente artigo, Calib. E creio que o post do Neoghoster sintetiza o que penso sobre isso.

    Já faz um tempo que resolvi ir contra tudo o que aprendi durante os cursos/trabalhos na área administrativa: ler jornal todos os dias e assinar/ler ao menos uma revista informativa. Com o tempo, fui pesando prós e contras, e vi que são mais contras do que qualquer coisa. A necessidade de se manter informado realmente age como uma droga, e o raciocínio encadeado pelos hiperlinks fazem com que cliquemos mais e mais: no final das contas, vemos notícias sem nenhuma relevância, e nos perguntamos, depois de perder um tempo considerável lendo notícias, como fomos parar ali. :tsc:

    O mundo se tornou caótico. São desgraças e desastres, assassinatos, despautérios. Não é uma necessidade de alienação propriamente dita, mas há notícias que não nos tornam melhores como indivíduos, nem mais informados.
    Creio que a melhor saída é se manter informado o suficiente para não cair na alienação total, e ignorar todo o resto - e isso inclui Datena, Marcelo Resende e todo o seu sensacionalismo irritante e barulhento.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  8. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Agora to sem tempo (tenho que ir dormir agora pq senão não consigo acordar cedo amanhã ¬¬), mas só de ler o título já me identifiquei: sempre odiei ver notícias ruins na tv quando criança, ainda odeio e acho que sempre vou odiar... Acho horrível, e sem sentido, as coisas que aparecem... sempre fujo da sala quando os pais tão assistinso o jornal, hehe
    Enfim, depois leio =P
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Cabe a cada um de nós o chamado live arbítrio. Em noticiários sensacionalistas como o do Datena, o cara parece torcer pra que tenha incêndio, enchente, assassinato ou as Marginais Tietê/Pinheiros completamente entupidas e paradas pra audiência do seu programa ir lá pra cima senão até a bilionésima reprise do Chaves no SBT o derrota!

    É claro que existem fatos que não dá pra ser ignorados, mas hoje pelo menos a Internet nos dá a possibilidade de nós escolhermos como num restaurante de comida por quilo somente as notícias que queremos ler e saber na quantidade e variedade desejada e não ficar engolindo um pacote enlatado de notícias. Fiz uma analogia com alimentação de comida nesse caso, pois o "fazer mal" está justamente aí, a forma como nos alimentamos de informação.
     
  10. amon_amarth

    amon_amarth Usuário

    Por acaso já tinha lido essa notícia, achei bem interessante. No entanto, não concordo com tudo e acho que estão a generalizar em demasia.
     
  11. adrieldantas

    adrieldantas Relax and have some winey

    A fase mais estressante da minha vida foi quando comecei a ouvir CBN o dia inteiro! Nao so isso, assistia todos os jornais possiveis, assim como lia tambem. Mas parei, parei porque como eu disse, andava muito estressado, nao aceitava as coisas que aconteciam no mundo, etc... Entao parei e desde entao nao assisto nem escuto jornal. As noticias que me interessam estao filtradas no meu G+ e pronto.

    P.S - Muito boa a materia, irei mandar por e-mail para varias pessoas. heh
     
    • Gostei! Gostei! x 2

Compartilhar