1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Mulher americana ganha sotaque europeu após passar por cirurgia nos dentes

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 6 Jun 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Mesmo sem ter ido à Europa, Karen continua com o sotaque após 18 meses

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Karen Buutler, de 56 anos, tem a Síndrome do Sotaque Estrangeiro

    Em novembro de 2009 a norte-americana Karen Butler, de 56 anos, precisou fazer uma cirurgia dentária e acabou saindo do consultório com sotaque europeu.

    Além de ter ficado com a fala diferente, a mulher ainda carrega uma dentadura. As informações são do jornal britânico The Telegraph.

    Karen tinha todos os dentes superiores e precisou remover os inferiores por causa de uma gengivite.

    Uma semana depois, o inchaço tinha ido embora, mas ela ainda estava falando estranho. Seu dentista disse que ela só tinha que se acostumar com os dentes novos.

    Como percebeu que algo estava estranho, resolveu pesquisar na internet e se diagnosticou com a Síndrome do Sotaque Estrangeiro, uma condição médica com apenas algumas dezenas de casos documentados.

    A síndrome é muitas vezes o resultado de lesão cerebral, embora seja rara. A maioria dos neurologistas vai ver pelo menos um caso em sua carreira, disse Helmi Lutsep, professor do Departamento de Neurologia da Universidade de Oregon, que afirmou ser um fenômeno normal.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar