1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Melhor Filme de Ação [11º Combate]

Tópico em 'Cinema' iniciado por Vëon, 8 Jan 2013.

?

Qual é o melhor?

Enquete fechada 14 Jan 2013.
  1. V de Vingança (V for Vendetta, 2005)

    39,1%
  2. Missão Impossível (Mission Impossible 1996)

    60,9%
  1. Vëon

    Vëon Do you know what time it is?

    QUAL É O MELHOR?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    - Morfindel
    ou
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    - Furia de la ciudad
     

    Arquivos Anexados:

  2. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    V, sem dúvida. Mas Missão Impossível é bom também.
     
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    V de Vingança (e nem é porque fui eu quem indicou, já que nem lembrava disso e não tinha reparado nisso também), mas é muito bom. Mas se o Missão Impossível ganhar também foi uma boa escolha.
     
  4. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Sabem, eu quero muito ler a HQ para ver se ao menos ela justifica toda essa vibe em cima de V for Vendetta. Ok, o filme até que é bom, tem "ideias", mas é pra tanto?

    Apesar de ser menos filme, Missão Impossível é mais ação. Meu voto.
     
  5. V de Vingança é um bom filme, mas é decepcionante quando se leva em conta a HQ. Missão: Impossível não tem esse problema, por isso, voto nele.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Guilbor

    Guilbor Old Man

    Não da pra comparar filme com HQ Kainof. O filme tem "ideias" a HQ trabalha sobre essas "ideias" o tempo todo e a ação é secundaria precisa e cirúrgica, tudo tem um fundamento e motivo pra ser. Resumindo a HQ é fantástica e o filme é bom (até melhor do que eu esperava).
    O filme é bom mas em quesito de ação eu ainda fico com o Missão Impossível.
     
  7. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Pelo contrário, quando conhecer a HQ, você vai gostar ainda menos do filme. Eu, por exemplo, detesto o filme (tá, não detesto, só não consigo me conectar a ele porque, cara...). E V de Vingança é minha HQ preferida. Eu até diria que vou te emprestar a HQ para você ser rabugento quanto ao filme com mais propriedade, mas lembrei que você mora do outro lado do mundo.

    Sobre o filme, não, não é para tanto. Sobre a HQ, NADA PODE SER TÃO ESPETACULAR.

    Sei que você não lê os meus posts gigantescos (sinta uma pontinha de tristeza, aqui), mas, leia este. Sério, leia. Vou colocar em spoiler e coisa e tal.

    Melhor coisa do filme: o nome do Alan Moore não aparece nos créditos.

    O grande problema de V de Vingança não é o que ele é, mas o que poderia ter sido. Ao invés de ser uma revolução anarquista sem sentido, V de Vingança é mais pura manifestação política-subversiva, se enchendo de argumentos libertários que vão enchendo as páginas até culminarem no fim da trama pessoal do personagem para tornar-se algo maior: uma revolução, o grito de um país oprimido, etc.

    Eu discordo que V seja uma história difícil de se traduzir para o cinema. Mesmo tendo que, ocasionalmente, cortar certas linhas narrativas, várias delas podem ser abandonadas pelo bem maior (TAMO JUNTO, DUMBLEDORE!). O grande problema aqui não é a dificuldade intelectual da história, mas a maluquice em busca de um blockbuster com conteúdo [e é exatamente por esse ser o local mirado que ele falha brilhantemente] quando isso é impedir que o povo pense por si só e, ironicamente, totalmente contra tudo que o V prega.

    Os irmãos Wachowsky estavam divinamente inspirados ao fazer as mudanças, tão interessados em tornar o trabalho do Alan Moore mais completo e inteligente que simplesmente não perceberam como mudanças mínimas destruiriam parte do clima e um subtexto muito mais completo.

    A tentativa de levar a história para a atualidade tem seus problemas, talvez porque a mídia dominante escolhida tenha sido a errada: o mais próximo do rádio dos novos tempos é a internet e não a TV. A morte do Prothero que era antes uma desestruturação do governo vigente se tornou apenas um mero incômodo já que Prothero era um Homem e não a Voz do Destino - o controle feito por ele se baseia exatamente em sua falta de humanidade e, consequentemente, falta de falhas: a Voz do rádio não é de um homem, mas a de um Computador infalível que busca o melhor para seu povo; da mesma forma, as palavras lidas em um computador podem ter o mesmo resultado, mas a imagem de um homem não.

    Da mesma forma, fazer com que a Evey trabalhe para o governo faz com que o filme perca grande parte do clima da história: Evey saía a noite para visitar seu chefe que é um homossexual, mantendo as aparências e não para se prostituir e ganhar a vida. O conceito mais básico de V de Vingança, os problemas pelos quais ele luta por liberdade se desfazem no filme. A HQ era totalmente mergulhada no sentimento dos início dos anos 80 e o presságio da década que ficaria conhecida como "a década perdida". Os anos 80 foram escuros e tenebrosos, tempos de mudança e tempos em que quase tudo acabou sendo estranhamente cruel e sombrio [ironicamente, foi o início do cinema pipoca e fim da dominância do cinema-arte, sendo que os filmes que se destacam hoje são assustadores e estranhos - mesmo os mais simplistas deles, como Os Goonies, são consideravelmente perigosos em sua inocência] e enchê-los de uma ditadura que era real no Brasil e iminente na Inglaterra fazia um grande sentido.

    No filme, por sua vez, tudo me parece liberto demais. O povo não é tão oprimido, tão forçado aos extremos [novamente, algo perdido ao mudar o background da Evey] - é simplesmente absurdo um filme como O Conde de Monte Cristo ser liberado para passar na TV quando ele é tão parelelo aos ideais de "vença o sistema por meio da violência" que o V prega, mas apenas se encontra em uma situação pouco agradável, ao invés de estarem no meio do maldito inferno na terra. Mesmo sendo citados pequenos momentos que dão a entender que coisas como músicas podem ser proibidas, elas não parecem ser proibidas.

    A cena do exército de V's marchantes, por mais que seja simbolicamente justificada, ainda é um exagero. Um exagero quase errado, aliás. Ao vestir as roupas de V, o povo torna-se um exército sem face e, assim, perde sua finalidade - o povo deveria ser vozes e não números; ao perder sua característica de povo, as mortes são apenas mais uma na batalha e não a destruição de uma vida.

    A única máscara aceitável é a do V, já que ela serve de contra-ponto ao domínio cego da Voz do Destino. V nasceu para ser um mártir. Tudo na concepção do personagem é desumanizado [ele não tem expressão; ele pode ser negro, judeu, homossexual; ele provavelmente é deformado por queimaduras e assim por diante] fazendo com que ele seja apenas uma ideia e - assim como a Voz do Destino - mesmo que o homem por trás da máscara morra, outros possam seguir com seu trabalho [no caso, a Evey]. Dessa forma, V não é uma pessoa, algum tipo de herói humano, mas o despositivo que explode o povo e o faz clamar por sua liberdade, seus direitos ou o que for.

    Ironicamente, a única pessoa que não veste a máscara é aquela que deveria vestir - a Evey libera o trem e causa a explosão, mas não é mais o símbolo que faz com que a revolução se inicie. V se banaliza e se torna o povo, mas... sinceramente, não existe problema nenhum em nada disso. A cena consegue se encaixar no contexto e no filme de uma forma que eu definitivamente não esperaria, sendo até poética em sua própria forma.

    Finch sofreu mudanças desagradáveis também, passando longe da obsessão louca da HQ. No filme, V é tão procurado pelo governo que Finch não parece estar perdendo a cabeça e levando aos extremos a sua busca - especialmente por ele não usar drogas aqui, que era um toque interessante para a áurea Punk da HQ, o que o tornava decadente e assustador em seus motivos. Concordando ou não com a visão de V, ele era seu foco, sua Moby Dick, seu Santo Graal - e tirar a morte de V de suas mãos foi tornar o personagem quase vazio dentro da história.

    E agora, V. O grande cara. A máscara não foi, nem de longe, o problema que tinha lido que foi. Mesmo sendo levemente angustiante, não é mais do que a impassividade de V na HQ, onde ele também mata homens com aquele sorriso e se mantém sorrindo nos durante as mais estranhas situações. Ele perdeu muito sua existência como um Super-Herói [como quando matava os homens do metrô com os dedos ou como criou napalm com produtos de jardinagem] e ganhou uma existência humana que destrói muito do que o personagem realmente é. O close na libertação dele com o rosto sendo dilacerado, o momento em que ele tira a máscara e é quase possível ver o rosto queimado e até mesmo o momento em que suas mãos são vistas sem luvas são, no mínimo, inapropriados.

    Suas palavras também se tornaram exageradas e foram perdidas. O grande discurso que ele fazia à liberdade se foi em duas frases, assim como o último pedido que ele faz a Evey de se tornar um mártir desconhecido

    E eu ignorarei totalmente o romance imbecil entre V e Evey. E eu nem sinto muito.

    Anyway, o assassinato de Delia Surridge ainda é incrivelmente poderoso; a história da Valerie é perfeita e o momento da libertação da Evey ficou incrivelmente foda. Eu nem tinha reperado na dualidade fogo-água como forma de marcar a mudança e a aproximar os personagens, embora o V tentar proteger a Evey foi quase contraditório - e ela deveria ter ficado nua, seria ainda mais correto ao que a cena se propõe.

    Falemos mais ou menos tecnicamente:

    O filme não foi dirigido. A direção é tão banal, tão nula e vazia em sua existência que eu não sei nem o porquê de se ter um diretor no filme. Totalmente sem imaginação e chata, sem tentar fazer absolutamente nada para manter o filme tecnicamente interessante.

    O sotaque da Natalie Portman é, simplesmente, inadequado. Alguns momentos ela parece estar se esforçando tanto para falar de um jeito britâncio que se esquece de atuar. Ridículo.

    A cena em que V mata os comparsas de Creedy foi assustadoramente bela, mesmo sendo criado no efeito bullet-time. O sangue voando foi tão incrivelmente lindo que tornou o exagero de Kill Bill quase patético - foi exagerado com classe e isso é foda.

    Só Deus sabe o porquê de mudarem a introdução para um voice over estúpido que apresenta o Guy Fawkes.

    E, btw, espero que todo mundo tenha entendido a constante piada do Creedy falando Bullocks porque ela foi o detalhe mais divertido da coisa toda. [Pra quem não pescou: don't mind the bullocks, here are the sex pistols].

    Obs.: comentários feitos por um amigo, com alguns ajustes meus.

    Putz, agora fiquei com saudade de falar sobre quadrinhos.

    Enfim, meu voto é para Missão Impossível que, dentro do que se propõe a fazer, é um bom filme.
     
    Última edição: 11 Jan 2013
    • Ótimo Ótimo x 4
  8. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Eu sinceramente não entendo esse amor de muitos pelo filme V.
    Não é ruim, mas é comum. As cenas de ação propriamente ditas são bem mal dirigidas. Muito pouca tensão construída, inclusive naquela sequencia (que acho talvez a melhor do filme) com a faca.

    Missão Impossível é Brian de Palma em um bom dia.
     
  9. Lakshmi

    Lakshmi Everyone loves a big fat lie.

    V de Vingança, sem maiores dúvidas para mim.
    Talvez pq não tenha lido a HQ.
     
  10. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Go, Missão Impossível, go!
     

Compartilhar