1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Maria Adelaide Amaral

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Lethaargic, 20 Jul 2008.

  1. Lethaargic

    Lethaargic Usuário

    Ela escreve magnificamente, tem uma capacidade de produção invejável, é corajosa, leal, amiga, bom caráter... “Uma guerreira”, como definiu a atriz Tuna Dwek na recente biografia Maria Adelaide Amaral – A emoção libertária. Discreta, a premiada escritora e dramaturga declarou que se sente constrangida quando é alvo de elogios. Mas como não expressar admiração por sua rara sensibilidade ao retratar emoções e conflitos, situações e relações humanas?

    De peças como A resistência, Bodas de papel, De braços abertos, Para tão longo amor, Intensa magia, Tarsila e Mademoiselle Chanel, entre outras que mereceram o aplauso do público e da crítica, às prestigiadas minisséries de tevê – A muralha (baseada na obra de Dinah Silveira de Queiroz), Os Maias (Eça de Queiroz), A casa das sete mulheres (Letícia Wierzchowski), Um só coração –, todos os seus trabalhos se tornaram marcantes, seja pela força dos diálogos e das seqüências, seja pela fantástica precisão e reconstituição de época. Sem esquecer os romances publicados, entre eles Luísa – Quase uma história de amor (Prêmio Jabuti), O bruxo, Aos meus amigos, Querida mamãe, Ó abre alas, Estrela nua.

    Maria Adelaide se encantou pela literatura ainda menina. Portuguesa de nascimento, paulistana de coração, ela se acostumou, desde cedo, a buscar refúgio nos livros de história. “Minha realidade era tão complicada e sofrida que eu precisava inventar um mundo melhor para mim. Quer um mundo melhor do que o da ficção? Eu embarcava nas narrativas sobre fadas e princesas e passava a viver o que lia num exercício de pura evasão. Era algo compulsivo – eu adorava, sorvia, vivia emocionalmente de leitura. Meus pais estavam muito ocupados com a questão da sobrevivência, então, aprendi a viver com os livros. Foram eles que me ensinaram a pensar, a discernir, me deram princípios, formaram meu caráter. E foi graças a eles que me desenvolvi profissionalmente. Com certeza, esse conhecimento é o que faz a diferença nos meus trabalhos.”

    Foram as dificuldades também que a impeliram a escrever: “Quem nunca enfrentou problemas não tem motivação para fazer ficção e poesia. Fazer ficção é um mecanismo de compensação extraordinário. Agradeço todos os dias a Deus e aos meus santos por esse dom. Escrever, para mim, é uma necessidade vital. Escrevo para dizer o que não consigo de outra maneira, para saber como sou e o que penso. Escrevo para ser amada, para não enlouquecer, para resgatar e transmutar através da ficção o que não foi possível transmutar na vida real.”

    Seu percurso no universo da leitura começou de forma caótica, como diz. “No início, o que me atraía era apenas um bom enredo. No fim da adolescência, passei a exigir também qualidade de linguagem e de estilo. Muitos autores conseguem essa junção perfeita. Machado de Assis e José Saramago, por exemplo. Mas eu lia de tudo, com sofreguidão, desordenadamente. De J. Cronin a Jorge Amado, passando por Eça de Queiroz, Pitigrilli e Maria José Dupré (Sra. Leandro Dupré).”

    “Houve uma fase em que meu amigo Décio Bar, um intelectual brilhante, resolveu me orientar e fez uma lista dos autores fundamentais, incluindo Sartre, Simone de Beauvoir, Fernando Pessoa, Erich Fromm e muitos mais”, conta. “Adorei Com a morte na alma e Sursis, de Sartre. Simone de Beauvoir sempre me fascinou. Sua biografia, Memórias de uma moça bem comportada, é um livro essencial, que me abriu os olhos e a cabeça. Eu sentia um prazer imenso também em escolher um tema, época ou autor e mergulhar fundo. Fazia até roteiros sentimentais literários nas minhas viagens, visitando as casas onde os escritores haviam morado e os lugares que freqüentavam. Assim foi com Proust, Flaubert, Balzac, Shakespeare...”

    Quando alguém lhe pergunta o que é preciso para se tornar um autor, Maria Adelaide responde: “Leia muito”. E, seguindo a iniciativa de Décio Bar, faz uma lista dos escritores que contribuíram para a sua formação, entre os quais Dostoiévski, Machado de Assis, Thomas Mann, Tolstói, James Joyce, Joseph Conrad, Fernando Pessoa, Clarice Lispector, Virginia Woolf, Stendhal, Gustave Flaubert, Marcel Proust, Lawrence Durrell.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    ~
    Eu ia abrir um tópico para falar só sobre o livro 'Tarsila', mas como
    tenho certeza que muitos aqui conhecem e/ou gostam da Maria
    Adelaide Amaral, resolvi abrir um tópico para discutirmos a sua obra.
    Quero a opinião daqueles que já leram outros livros dela. Gostei
    bastante de Tarsila, fiquei curiosa para ler um livro dela em prosa.

    Sobre Tarsila:


    É teatro, logo, uma leitura rápida - e agradável.
    É uma forma diferente de conhecer um pouco mais sobre a pintora,
    sua história, o relacionamento com Oswald de Andrade, a amizade
    com Mário de Andrade e os problemas que enfrentou com a crise de 1929. Recomendo que leiam com o computador ligado, para pesquisar as
    telas e entender melhor o contexto.
    Alguém já leu? (:
     
  2. Liv

    Liv Visitante

    Não li. =(

    Mas sou fã dela! Sempre assisto as mini séries :grinlove:
     
  3. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Também não li! Mas sou um fã e tanto de suas minisséries, principalmente aquela última que teve, a "Queridos Amigos" que foi muito boa, essa mulher escreve que é uma beleza, eu imagino como deve ser esse livro dela né, ainda mais que envolve mais um "tubarão" nessa história toda, nada menos que Mário de Andrade! Deve ser muito bom mesmo!
     
  4. Liv

    Liv Visitante

    Se bem que "Queridos Amigos" não é a melhor obra adaptada dela (pelo menos foi o que eu li aqui no Meia), o negócio é procurar os livros dela :)
     

Compartilhar