1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Vinci] [O Acampamento de Karl]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vinci, 9 Jul 2002.

  1. Vinci

    Vinci Usuário

    [Vinci] [O Acampamento de Karl]

    Estava fazendo as coisas exatamente como a rotina de férias fala para eu fazer: estava sentado durante horas no computador, e só saia dele quando pegava pipoca e guaraná pra ver um filme doido na HBO... Não era uma rotina muito emocionante, mas é melhor do que acordar todo santo dia de manhã para ir pra escola e perder várias horas de vida sem fazer praticamente nada, eu por exemplo só gosto de exatas e biológicas, detesto português, história e geografia, e a imagem da minha nota em história aparece apenas em meus piores pesadelos...
    Até que meu pai veio enquanto eu estava vendo Witchblade na T.V, ele chegou e disse:
    - Filho, tenho uma coisa para lhe falar... Você pode ir se aprontando, vou mandar você para um acampamento de verão!!
    - Acampamento de verão???- gritei - Isso é horrível!!!
    - Você é quem sabe, lembra que você perdeu uma aula de história e precisa repor, mesmo que ainda tenha tido nota 7 na matéria? - disse ele
    - Bom... sabe que derrepente eu lembrei que eu adoro acampamentos de verão? - respondi
    - O.k , vai arrumando sua mala que amanhã eu ja te despacho pra lá... - disse ele - Pode se despedir do computador também...
    - Ta bom, vai ser uma despedida dolorosa, só que a aula de história que eu perdi é pior... - falei
    E fui andando em passos lentos até o escritório (Witchblade ja tinha terminado) , e me despedi do computador, ele era totalmente branco com caixinhas de som e uma caixinha negra do lado, que é o Speedy... Então fui até meu quarto e separei algumas roupas, a mala era grande, então depois de colocar as roupas coloquei algumas coisas uteís, como chicletes, uma lanterna, vara de pescar,cantil e uma corda (daquelas de brincar de pular corda, que se compra em lojas de brinquedos).
    E fui dormir, arrumei a cama, que no momento estava com um lençol azul do Homem-Aranha, apaguei a luz e deitei, então dormi.
    Infelizmente estava num pesadelo horrível, via minha nota de história correndo pela sala e a professora me dava atividades extras, realmente pavoroso, e num momento horrível meu pai me acordou...
    Levantei, tomei um café da manhã rápido, coloquei a mochila nas costas e fui andando para o carro, entrei e fiquei observando o caminho, e dormi no meio da viagem.

    Quando chegamos na primeira parada (uma pastelaria/lanchonete) eu finalmente desci do carro, animado, desci já pensando no que comeria lá, estava pensando no meu favorito: "Cachorro Quente e Sprite", a melhor coisa que alguém pode comer numa lanchonete...
    Fui andando em longos passos rumo a alimentação , e notei que por entre os vidros que me separavam da comida estava uma outra delícia alimentar : a coxinha!
    Estava numa dúvida tremenda! Mas acabei por escolher a coxinha, que com catchup é uma delícia, andei até o balcão que era daqueles de madeira bem clarinha, e falei para a moça que estava ali:
    - Aí, vê uma coxinha e uma lata de Sprite!
    E ela me respondeu:
    - São dois reais e cinquenta...
    Eu corri até o meu pai (Jorge) e pedi dois e cinquenta, ele me deu em moedas de vinte e cinco centavos, eu peguei e corri para o balcão, então entreguei o dinheiro para a moça.
    Peguei a coxinha e dei a primeira mordida para colocar o catchup, assim sucessivamente dei mais mordidas comi ela inteira.
    Meu pai pediu um pastel de carne, que foi devorado em poucos segundos, sendo que ele não usou catchup.
    Então pagamos a conta e voltamos para o carro, que estava um pouco abafado por dentro, mesmo o dia estando num clima relativamente agradável...
    O resto da viagem eu não vi, dormi novamente no carro...
    Por grandes horas aquela viagem durou, mas eu dormi durante quase toda ela, tirando uma parada que foi feita numa pastelaria.
    Eu dormia profundamente, quando meu pai gritou:
    - Finalmente! Olhe ali naquela placa!!! Acampamento Peixe Ancestral!
    - Put... Esse é o nome do acampamento?- disse -Que brega!!!
    - Não é brega... É que existiam lendas sobre o local, então como eles são bem criativos para inventar um nome (falando de um modo um pouco sarcástico) eles deram o nome do assunto principal das lendas...
    - Ah! Desculpa estarrapada número 45!Deixa eu melhorar esse nome... Acampamento P.A , bem melhor!
    E o resto da viagem foi assim, eu já não tinha mais sono, e estavamos nos aproximando cada vez mais no rumo, foi uma viagem um pouco chata, embora fosse melhor do que repor as aulas que eu matei em história... Foi assim até que chegamos no acampamento e eu perguntei:
    - Pai, nós esquecemos de trazer os suprimentos básicos...
    E ele me respondeu:
    - Não... Já estava na reserva do acampamento que eu fiz um kit com todos eles...
    E eu falei:
    - O.K então...

    Desci do carro carregando a mochila que enchi em casa, e fui andando até um cara que tinha um ar de vitorioso, parecia ser um dos monitores do acampamento, e perguntei:
    - Ei, onde eu despacho minhas coisas?
    E ele que estava mascando chiclete respondeu com aquela voz interrompida por mascadas:
    - Tem que se alistar em um dos grupos...
    Eu perguntei meio que boiando na situação:
    - Grupos? Que grupos?
    - Ande um pouco por aquelas terras e verá... Os grupos são as turmas, que estão em barracas diferentes... - respondeu ele
    - Não ajudou muito, mas obrigado! - disse, seguindo o rumo até as barracas.
    Estava andando rapidamente com o peso da mochila nas costas até que veio um muleque estranho, que falou pra mim:
    - Ei cara, você quer ser do nosso grupo?
    E eu falei:
    - Quero, já que que ainda não tenho um...
    - Legal, o capitão do nosso grupo vai decidir teu apelido então... Siga-me, vou te levar até a nossa barraca que fica ali nas colinas! - disse ele já andando me guiando até a barraca do grupo dele.

    Ele me guiou até as colinas, um processo bem cansativo quando se está com metade do guarda-roupa nas costas, mas relaxei um pouco quando finalmente avistei uma grande barraca que ficava do lado de um mastro, que levantava imponentemente uma bandeira escrito : "Grifos Vermelhos", e nessa bandeira estava a gravura de um grifo voando rumo ao norte.
    Parei um pouco pra respirar e continuei andando, a colina era totalmente gramada com um terreno acidentado, e ela se erguia como um calombo na terra.
    Estava convencido de que iria chegar lá facilmente agora e comecei a andar mais rápido, e ao me aproximar notei que algumas luzes estranhas saiam da grande barraca... Então o garoto que estava me guiando disse:
    - Eu sou Gustavo, mas meu apelido é Guga, e essa é a sede dos Grifos Vermelhos! Vou apresentá-lo ao nosso capitão!
    Andamos pela descida da colina e chegamos a barraca, onde parecia que os integrantes que ali estavam ja esperavam por nós...
    Ao entrar na barraca percebi que uma espécie de túnel rústico com o chão acolchoado com alguns lençois sobre a terra, que de algum jeito estava sem gramado, estava ligando vários comodos. O túnel era escuro, e a barraca era realmente grande, fomos andando reto pelo túnel e viramos a direita, mais ou menos no fim dele, e chegamos numa sala cheia de almofadas , de tonalidade vermelha principalmente, onde todos os membros do grupo estavam numa roda, e um deles estava com uma lanterna na mão, e papéis celofane no chão, assim deixando óbvio para mim como as luzes misteriosas saiam da barraca.
    A roda abriu um pouco e o que estava com a lanterna na mão disse:
    - Sentem-se por favor!
    Sentamos, e ele disse:
    - O monitor do acampamento disse-nos que haviam três membros chegando, e deixou o kit de acampamento deles nas barracas em que faltam um dos membros. Então, você foi o escolhido do nosso grupo! Qual é seu nome?
    E eu disse:
    - Meu nome é Carlos, mas meu apelido é Cacá...
    - Cacá? Interessante - disse ele -, mas eu também tenho o mesmo nome e o mesmo apelido, então temos que adaptar um dos apelidos...Podemos chama-lo de Karl?
    - Ok... É um apelido razoável, se permite-me dizer...- respondeu Karl a ele - Porém eu ainda não sei os seus nomes, quais são seus nomes e apelidos?
    Então cada membro levantou-se, e um de altura média e com cabelos longos (coloração preta-azulada),falou:
    - Meu nome é Guilherme, porém meu apelido é Guille... Ando jogando muito Street Fighter, sabe?
    Um outro que era baixinho,magrelo e que tinha o cabelo muito curto, mas usava um boné pra tapar a quase careca disse:
    - Eu sou o Vinícius, e meu apelido e Vinci, que seria mais apropriado pra Vincente,mas esses engraçadinhos queriam colocar ele de Vivi, então cortamos o "í" e o "us" do nome e assim o apelido ficou Vinci.
    E o Cacá disse:
    - Meu nome e apelido você já conhece...
    E por fim uma menina de altura média e cabelos longos e loiros disse:
    - Sou Francine, e meu apelido é Francis...
    E terminamos a apresentação, fui conversar um pouco com o Vinci, mas no meio da conversa (sobre videogames e séries na televisão) soou alto um apito, e uma voz que estava claramente amplificada por um alto-falante gritou:
    - Todos os grupos! Compareçam a área de provas!!
    Então eu que tinha chegado a pouco no acampamento perguntei pro Vinci:
    - Ai Vinci, onde é essa área de provas?
    E ele me respondeu:
    - É no centro do acampamento, hoje a prova se eu não me engano é o recorde de pular corda, onde cada equipe escolhe o integrante mais ágil e com mais prática em pular corda para realizar a prova, e quem pular mais vezes sem errar vence a prova, que vale cinco pontos acho...
    Eu agora um pouco mais informado fiz outra pergunta:
    - E para que servem esses pontos?
    Ele respondeu:
    - Apenas uma gincana, o grupo vencedor sempre ganha um troféu coletivamente, e uma medalha pra cada um, apenas futilidades, embora toda a festa e alegria que cercam o grupo vencedor sempre são muito maneiras...
    Então apressamos o passo até a área de provas, já que os Grifos Vermelhos eram os mais afastados da área de provas e dos outros locais coletivos, porém mais próximos de um lago.
    Enquanto subiamos as colinas Cacá comentava entre todos quem eles escolheriam para fazer a prova, ele disse:
    - Guille, ele é rápido mas não tem prática nas manobras de colocar a mão no chão e essas outras manobras esquisitas... Karl, você deve ser mais habilidoso na prova de pesca, pois como vi em sua mala carrega uma vara de pescar... Eu não sei pular corda nem um pouco, sou um desastre nessa brincadeira... Vinci é bom, mas devemos usá-lo na prova de queimada, pois é o melhor capitão de time de queimada que já existiu, e acho que como Guille também não tem prática em fazer aquelas manobrinhas chatas... Francis!!! Você é nossa salvação! Meninas nascem sabendo pular corda como brasileiro nasce gostando de futebol! Quer fazer a prova Francis?
    E ela respondeu:
    - O.k,eu faço, sou muito boa nessas "manobrinhas bestas" como vocês as chamam...
    A partir daí fomos mais rápidos e confiantes, já que tinhamos uma menina no grupo e ela já tinha prática em pular corda, mas acho que isso serviu apenas para a confiança, pois encarávamos agora uma descida até a prova, ao contrário da subida, que dificulta muito nossa caminhada.
    Todos os outros grupos estavam lá, menos nós e os Alces do Himalaia, que também ficavam um pouco longe da área de provas, e pelo visto apenas nós tinhamos selecionado uma menina para pular corda, já que os meninos dos outros grupos que estavam se aquecendo, e os campos verdes do acampamento agora eram tomados pela tensão para ganhar míseros cinco pontos, futilidades até a hora do grande prêmio como dizia o Vinci (putz, já estava pensando como os "veteranos" do acampamento")...
    A caminhada se esgotou, após um tempo de descida chegávamos finalmente a área de provas, onde estava (em cima de uma mesinha) a corda dos Grifos Vermelhos, não a que seria usada por Francis na hora da prova, mas a de aquecimento, que era uma daquelas cordas pequenas, em que se bate sozinho, ao mesmo tempo que se pula.
    A voz amplificada pelo auto-falante estava novamente soando alto pelos campos, e dizia agora:
    - Atenção competidores!!! A prova ira começar agora! As manobras que serão feitas vão ser ditas na hora! Boa sorte para todos!
    Nós como a torcida faziamos o que podíamos fazer: apoíavamos Francis para ir melhor que Diego do grupo Folhas Azuis, Miguel dos Alces do Himalaia e do que Carver do Alpinistas do K-2.
    Quatro duplas de batedores de corda vieram com as cordas e os competidores se posicionavam para começarem a pular, quando aquela voz altíssima de estourar os tímpanos gritou mais forte que nunca:
    - COMECEM!!!!
    O único participante dali que parecia ameaçar Francis e seus graciosos saltos era Diego, que pulava como um brutamontes, só que era extremamente ágil.
    As manobras foram dadas, e na manobra colocar a mão no chão caiu Miguel, que saiu da prova, então a manobra de pular com um só pé foi completada por todos os competidores, já que era extremamente fácil... Passou um pouco de tempo e Carver já cansado não conseguiu continuar e caiu, num pulo normal, enquanto Francis e Miguel aparentavam cansaço, e a voz amplificada gritou:
    - Pulem girando!!
    Francis e Miguel pularam, e ambos conseguiram, então para a surpresa de todos a voz disse:
    - PAREM!!! As equipes Grifos Vermelhos e Alces do Himalaia ganharam cinco pontos!!!
    Festa foi tudo que Francis e Miguel viram em seus respectivos grupos! A alegria de estarem disparados na frente tomava conta de seus corações, e os pontos agora não eram mais vistos como futilidades, e sim como a alegria da vitória, porém essa era uma das provas mais faceís, coisas mais difíceis iriam vir, e muito brevemente...
    Guille dizia que precisavamos fazer alguma coisa útil, já que como a prova do dia ja foi feita tinhamos o resto do dia livre, e de repente uma idéia tomou conta da cabeça recheada de combos de video-game dele, e ele falou:
    - Caramba, por que não vamos a biblioteca ver o por quê desse nome tão rídiculo no acampamento? Lendas são faceís de se achar e rápidas de ler, dá pra gente descobrir isso até um pouco antes do jantar...
    Cacá, que estava tomado pela alegria da vitória na primeira prova disse:
    - É, ainda mais porque a biblioteca fica do lado do lago, próxima a nossa barraca... Pelo menos eu não tenho saco de andar mais do que isso... Acho que ando um pouco preguiçoso, mas como todo humano estou com uma daquelas preguiças passageiras de férias...
    E assim andávamos até a biblioteca, já que estávamos descendo a colina, que era totalmente gramada e com flores e um formigueiro de tamanho razoável do lado direito da trilha.
    O tempo não era muito quente, pra falar a verdade estava até um pouco frio, mesmo para Francis que pulou pra caramba na prova, e o sol não ajudava em nada, o dia estava perfeitamente nublado, dia perfeito para se ler alguma coisa, assim como disse Guille, mas também um dia perfeito para ficar com preguiça e não fazer nada, como dizia Cacá.
    Andavámos rumo a biblioteca, quando derrepente tomou conta de mim uma dúvida:
    - Onde foi parar o Guga?
    Guille respondeu:
    - Ele não existe, era o Vínicius fantasiado de marmanjo...
    - Ah... - respondi feito bobo - então, vamos para a biblioteca, assim vamos ver que raio de lenda fez o nome desse acampamento...
    Andamos um pouco mais e chegamos a biblioteca, então Vinci foi até o guia de livros e procurou por "Lenda do Grande Peixe, de Hatur Vanaluer" , o principal livro sobre a lenda.
    Ele ficou feito bobo lendo coluna por coluna e derrepente ele disse em voz alta:
    - Número 527!
    Todos andavam rapidamente ali dentro para achar o bendito livro, até que Francis foi numa das prateleiras e achou, ela disse conquistando uma outra vitória:
    - Achei!!! - só que em voz baixa, a bibliotecária dali, a senhora Viviane, que quase todos conheciam era chata e cobrava muito o silêncio.
    Então nós, ouvimos, pois ela tinha falado baixo, porém, a biblioteca era pacata e sem nenhum barulho adicional, a não ser de vez em quando o computador, mas raras eram as vezes que aquilo acontecia.
    Nos direcionamos até a mesa e lemos um trecho que falava sobre o Lago Crista da Lua, no qual localizava-se segundo o escritor um peixe ancestral descendente de dinossauros:
    O trecho era mais ou menos assim:
    "Então fui andando até o lago, tinha acabado de comer um lanche, e vi de relance um grande peixe pulando, haviam vários boatos sobre coisa parecida, mas eu julgava como outra das histórias de colocar boi para dormir, mas depois desse momento estava decidido de que ia fazer um livro sobre ele.
    Curioso é o fato de que uns sete anos depois eu estava pesquisando sobre peixes ancestrais numa biblioteca, e achei um peixe-dinossauro exatamente como minha memória quase fotográfica gravou. É um fato muito estranho, e seria um passo enorme para a Ciência estuda-lo, mas como já tentaram encontrar o peixe várias vezes e não conseguiram, consideraram estes fatos apenas lendas, e um boato a experiência que eu tive com o magnífico peixe.
    Se após todos esses anos minha memória continua alta, eu não sei, mas me lembro perfeitamente de como era o peixe:
    Ele era de coloração azul acizentada, com escamas grandes, e uma cabeça estranha, um pouco achatada, o corpo parecia de uma baleia gigante, e lembro-me perfeitamente que as suas gigantescas escamas reluziam sob o sol naquele pulo realmente colossal, pois além de ser muito grande o peixe também era muito belo, brilhante, em seus dois principais sentidos."
    Descrição chocante, mas nada de mesma qualidade aconteceu até uma das últimas provas, a prova da pesca...
    Lembro me perfeitamente!
    Lá estava eu, Marcos dos Alces, Caio dos Alpinistas e Alex das Folhas com as varas na mão quando deu o sinal de começo, Marcos jogou na água sua vara e derrepente uma grande força a empurrou para baixo!
    Extremamente intrigante, mas aconteceu pior, a vara dele quebrou, e vimos novamente o peixe pulando no lago...
    Perguntamos aos adultos, mas eles não viram nada, apenas a vara de Marcos quebrando, nada de peixe...
    Acho que este é um dos mistérios que a gente nunca descobre o sentido, mas aí talvez more toda a mágica deles...

    FIM
     
  2. V

    V Saloon Keeper

    Falando sério, você está fazendo isso pra aumentar o seu número de mensagens?

    Não precisa colocar tantos posts assim. Como você pode ver, cabia tudo em dois (na verdade cabia em um só). Acostume-se a editar seus posts.
     
  3. Vinci

    Vinci Usuário

    Ok V , eu começo a editar...
    Sempre que eu edito ele cita no lugar de editar, mas acho que é só erro de click, mas valeu pelo toque...
    Mas se você notar a diferença de horário em que os trechos são postados são grandes, eu fiz isso pq eu to desenvolvendo ela pouco a pouco!
    O V... eu coloquei tudo num só post... dá pra vc deletar o outro?
     
  4. Vinci

    Vinci Usuário

    Lembrei porque eu ficava o tempo todo fazendo isso, toda vez que alguém comentava um outro texto eu colocava outra parte para ressucitar o tópico..
     
  5. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Legal! Competições! Vai ter peixe??? (primula modo pescador fanático amador on)
     
  6. Vinci

    Vinci Usuário

    Vai sim Primula, e peixes gigantescos , que vão aparecer no... é segredo!!!
    Como eu sou mau!!!!
    Hahahahahhahahahahah!!!
    Mas vai ter prova de pescaria e peixes gigantes!
     
  7. Vinci

    Vinci Usuário

    Pronto!
    Acabou!!!
    E essa eu fiz especialmente para aqueles que disseram que nunca termino um texto (leiam sinceros e verdadeiros) , mas terminei este!!!
    Comentem!
     

Compartilhar