• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Amazon-dependência, Lei Cortez e o preço do livro

DiegoMP

Usuário
Sei que eu vou arriscar chover no molhado, mas como o assunto voltou à tona no meio dos quadrinhos achei que valia o espaço por aqui também.

Saiu na Folha agora no dia 19 que a tal lei, lá de 2015 - agora de nome Lei Cortez, que visava limitar o desconto do livro em até 10% no primeiro ano após o lançamento está de novo em pauta, e ao que aparece com alguma concordância sobre sua aprovação. A matéria tá aqui ó.

Por outro lado, a Amazon deu um primeiro oi em terras-tupininquins no ano de 2012 vendendo apenas e-book, e 2 anos após iniciou com a venda de livros físicos, isto é 2014, então estamos cá fazendo 10 anos de Amazon por essas paragens, e aí que o cenário já mudou bastante desde então.

O pessoal dos quadrinhos andou se reunindo recentemente pra discutir o cenário, e tentar enxergar um pouco melhor sobre pra onde estamos indo nessa novela. Daí que essa semana o assunto anda forte em alguns canais de quadrinho e na tal "gibisfera" como um todo.

Sobre a Amazon, a gente sempre soube que a solução de hoje seria o problema de amanhã, né. Não sei se esse amanhã já chegou. Mas tá osso a situação, olhando de relance só na pré-venda da Cia das Letras temos um título a preço de capa de 300 conto e outro a 170, coisa impensável uns tempos atrás, vai lá... pro livro custar isso como preço de capa teria que vir embalado a ouro. Sei que o aumento não é de hoje, tem o dólar, tem a alta do preço do papel, tem pandemia, tem demanda... enfim, todo um alfabeto de variáveis que anda deixando a conta toda bastante salgada. E também nem tudo se resume a Amazon, ainda que ela tenha um peso considerável na questão.

Deixo aqui 2 vídeos recentes sobre o tema e uma análise breve. O que cês pensam sobre isso tudo?

1. Do canal Fora do Plástico, bem interessante a abordagem, analisando a questão ponto a ponto, no sentido de frete, capacidade de desconto, distribuição e afins.

2. Canal 2 quadrinho faz uma análise bacana também da questão. Começa ali pelo minuto 8 e vai até o 16, mais ou menos. Dá uma destrinchada breve em como se distribui o custo de produção do quadrinho.

3. E por fim, o Érico Assis fez um sequência de tweets (ou xizes, como preferir) sobre a questão, que eu tomo a liberdade de reunir aqui. mas dá um confere lá no twitter que tá rendendo o assunto:

Amazon x livrarias e comic shops. O tema voltou a ficar muito sério pq (1) papel tá estourando de caro, (2) poder de compra do brasileiro tá em queda e (3) só Bezos do bolso infinito consegue desconto que faz livro caber no bolso.Eu tenho a solução mágica: bibliotecas.
Foi assunto do @2quadrinhos News de ontem - eu participei na redação. E também foi assunto do Giro do @foradoplastico de ontem. É difícil tirar da minha cabeça que o problema do livro no Brasil é DEMANDA.Sim, o Brasil tem leitores, mas poucos entre os 215 milhões. E desses poucos, poucos conseguem COMPRAR livros.O problema do livro (e do quadrinho) é que livro (e quadrinho) vende MUITO POUCO.
Livro (e quadrinho) têm problema de distribuição? Tem, porque vende pouco. Se vendesse bem, chegaria fácil a qualquer parte do "país de dimensões continentais" como Coca-Cola, Boticário, Elma Chips e seus equivalentes chegam. Falta demanda.
Livro é caro? É, porque vende pouco_O quadrinho capa dura a R$ 150 se paga com mil vendas. O mesmo quadrinho poderia custar R$ 50 em edição mais simples, mas precisaria ter dez mil vendas - e não consegue. Não tem demanda. Por isso, capa dura a R$ 150, para poucos.
Livro caro não forma leitor. Aí você tem menos leitores e livros mais caros. Mais livros mais caros, menos leitores ainda. Sim, tem um círculo vicioso.
Aí megaempresa estrangeira vem ao Brasil com estratégia predatória e monopoliza o mercado porque não precisa de margem de lucro com livro. Vem mesmo, por causa de tudo acima.
Se o problema é o preço, o passo inicial é eliminar o preço. Botar livro na mão das pessoas.Bibliotecas. Gratuitas, abertas no fim de semana, bem abastecidas.
Biblioteca com uma cacetada de livro infantil. Biblioteca com coleção inteira de Dragon Ball. Biblioteca com os lançamentos do ano e os clássicos. Biblioteca com todas as capas duras da Darkside. Biblioteca com contação de histórias, com visita de autor, com sessão de cinema e com wifi. Biblioteca com um funcionário que saiba responder pra uma criança de 8 anos "por onde eu começo?".
Biblioteca que seja o espaço pra criança descansar de telas, pra dona de casa fugir de casa, pra atendente da loja gastar meia hora do almoço.E pra tudo que ler faz bem, não faz bem, serve ou não tem que servir. Com livros bons e ruins. Biblioteca pra ler e ponto.
O que falta no Brasil é estímulo à leitura. Então: bibliotecas. Formando leitores vai ter demanda de livros. Com demanda de livros, vai ter demanda de papel, de gráfica, de distribuição, de livrarias. E de livros mais baratos.
Quem vai pagar por isso? Não é o governo. Sei que vai irritar muita gente, mas quem deveria pagar por essas bibliotecas é uma certa empresa predatória multinacional que também vende livros.Vai custar quinze minutos do faturamento que ela tem por ano. E vai dar retorno.
E, pelamor, não bibliotecas pra São Paulo, Curitiba e Recife. Que comece por bibliotecas em cidades do interior, com IDH mais perto do zero. Colada na escola ou no centro do município. Cidades a 50, 100, 200km da livraria mais próxima. Depois se chega nas outras.
Repito: nada me tira da cabeça que todas essas discussões sobre preço do livro, lei do preço e desconto predatório têm a origem no mesmo problema: falta estímulo à leitura no Brasil. O que tem é uma soma de desestímulos.
E dói quando as pessoas vêm dizer "vamos fazer como na França" ou "vamos fazer como na Argentina", países que já tinham apreço pelos livros anos antes de o Brasil ter um índice decente de ALFABETIZAÇÃO. (E que ainda é fraco, aliás.)
Livros na mão das pessoas. Biblioteca gratuita. Vai levar uma geração ou duas, mas é isso q vai resolver o problema do preço do livro e da concorrência desleal entre livrarias no Brasil.E, já que a minha solução é mágica, também digo: vai resolver vários outros problemas.

Pra quem interessou, twitter do Erico aqui.
 
Mas tá osso a situação, olhando de relance só na pré-venda da Cia das Letras temos um título a preço de capa de 300 conto e outro a 170, coisa impensável uns tempos atrás, vai lá... pro livro custar isso como preço de capa teria que vir embalado a ouro.
Isso virou um angu de caroço e eu realmente não faço a mínima ideia de como minimizar isso. Não lembro quem foi que comentou em tópicos passados, mas acho que perdemos o timing e as chances disso passar são praticamente nulas.

De todo modo, já ouvi, há um bom tempo, que parte do que explica esses preços lá nas alturas é justamente essa dinâmica doida dos descontos. Ou seja, a editora já publica com um preço mais alto pensando, justamente, não em vender menos com o preço de capa e sim com o preço já com desconto. Sei lá se isso procede, mas explica porque algumas tantas editoras vivendo aparecendo com descontos de 50%, 60% em seus sites...
 
Como bacharel em Biblioteconomia, sou suspeito pra falar, mas também acho que boa parte do problema do Brasil começa a se resolver com muito mais bibliotecas, bibliotecários bem pagos e orçamento para desenvolvimento de coleções sempre atualizadas. :dente:
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.494,79
Termina em:
Back
Topo