1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Liurom] [Crônica: Impressões do Vampiro]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Liurom, 30 Abr 2003.

  1. Liurom

    Liurom Usuário

    [Liurom] [Crônica: Impressões do Vampiro]

    Estou criando esse tópico para postar algumas crônicas que eu escrevi. Os temas devem ser, na maior parte, ligados à literatura, mas não descarto falar sobre outros assuntos ou mesmo trazer textos ficcionais pequenos. É isso.

    Eu escrevi essa crônica quando terminei de ler recentemente dois livros de Dalton Trevisan, o famoso contista paranaense. São os livros "O Vampiro de Curitiba" e "O Grande Deflorador". O texto comenta minhas impressões a respeito dos livros e faz uma análise despretensiosa da visão de mundo que nasce a partir deles. Aí vai:


    Primeira crônica
    Impressões do Vampiro

    “O mundo é um inferno, povoado por espíritos atormentados e demônios”
    Arthur Schopenhauer

    Um pico na veia, um tapa no rosto, um soco no estômago. Um grande deserto, estéril e fumegante, vasto e terrível, povoado por seres atormentados, alguns, outros sórdidos e cruéis, seres sem escrúpulos, escravizados por suas próprias obsessões. Uma terra arrasada, terra de ninguém, onde os fracos servem como presa e a inocência é devorada. Um lugar onde a mentira toma ares de verdade e a injustiça recebe o nome de justiça. Siga o conselho de Dante. Deixe para trás toda a esperança e seja bem-vindo... ao inferno? Não! Mil vezes não! Bem-vindo ao mundo — de Dalton Trevisan.

    Nelsinho é um escravo de seus instintos. Ele é um vampiro. Não chupa sangue, mas devora almas. Sua conduta é perfeitamente aceitável, afinal, os outros tentam fazer o mesmo com ele. A mentira é parte importante de sua vida e serva de suas obsessões. Por seu caráter é recompensado, embora não esteja livre da dor. O sofrimento vem não só da escravidão, da ânsia pela próxima vítima, mas também do fato de ele próprio ser vítima de suas presas. “Sou inocente, meu pai”, reclama Nelsinho na última linha do último conto. De fato, ele é. Age apenas de acordo com sua natureza e de acordo com o que o mundo exige dele. É trágico e cômico (uma comédia sinistra). Mas nada o redime, pois não há lugar para misericórdia ou esperança. Resta ao vampiro cumprir o seu papel até o fim.

    Um personagem sem nome ouve vozes que o impelem a matar seu vizinho e a família dele, acaba sucumbindo a essas vontades e mata a todos (vizinho, mulher e duas crianças), sem qualquer piedade ou remorso. Um outro, também sem remorso algum, expulsa de casa o seu gato já velho, que ama o dono, mas perdeu o amor da família. Um terceiro anônimo escreve uma carta desesperada para a namorada, que não o quer mais, onde se misturam a ternura e um ódio cada vez mais intenso nascido do amor-próprio ferido, da rejeição. Enquanto isso, um pastor evangélico explora a fé sincera dos ignorantes, incentivando-os a pagar seus dízimos, prometendo, em troca, todos os milagres. Um certo João definha em sua cadeira (o braço imobilizado em virtude de um derrame), enquanto é assaltado pela forte repulsa que sente por sua mulher. Outro João torna-se viúvo, dá os sete filhos, casa-se de novo, espanca a nova mulher como fazia com a antiga, embebeda-se e faz mais filhos. Onde está Deus em tudo isso? Dalton nos responde: ele é quem chancela as crueldades e as desgraças, quem permite, insensível, todo o sofrimento. “Deus, ó grande deflorador das criancinhas”, conclui o autor.

    O desconforto criado por esse mundo é por demais evidente. A pergunta que se impõe é igualmente desconfortável: é esse mesmo o nosso mundo? Alguns diriam que não, que no máximo trata-se de uma parcela pequena e depravada da realidade. A esses otimistas talvez Dalton respondesse que se iludem, pois vêem o mundo através do véu da hipocrisia. É contra esse conveniente véu, mais do que contra o mal que ele oculta, que o autor se insurge. Como Nelson Rodrigues, ele despe a realidade desse traje asqueroso de mentiras e mostra a vida como ela é. Como Nelson, Dalton parece ser um moralista. No espírito do texto (embora nunca se encontre nada expressamente dito nesse sentido), parece ser perceptível uma condenação da hipocrisia, um desejo não manifesto de que os personagens sejam verdadeiros para com o mundo e para consigo mesmos. Nesse desejo — oblíquo, rarefeito, mas onipresente — talvez se encontre uma faísca de esperança, sempre pronta a inflamar-se. É o oásis que nasce no deserto.


    Outros textos meus aqui no clube:

    Conto: "O último dos Arqui-magos":
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Thrain...

    Thrain... Usuário

    Comentário SdL


    Realmente o tamanho da fonte da uma boa diferença, mas não sei se esse tamanho ficaria tão bom em um texto maior ( como o do Vince ou o do Melkor) como ficou com o seu.
    O texto em si está muito bom. É sempre bom ver comentários/análizes/resenhas de livros.Fiquei com vontade de ler os dois.
    Só posso pedir que escreva mais. :clap:
     
  3. fico da hr o texto....no começo eu fiquei meio perdido, mas depois li com mais atençao e ta bem massa....
    concordo com o thrain....
     
  4. Liurom

    Liurom Usuário

    Puxa, muito obrigado aos dois. :mrgreen: No começo pode parecer confuso mesmo, especialmente se você pensar que é uma história de vampiro (aliás devia escrever uma :think:). Mas quando você entende que é uma crônica sobre dois livros do Dalton, aí dá pra acompanhar.

    De novo. Muito obrigado.
     
  5. Vinci

    Vinci Usuário

    Comentário SdL

    Um texto interessante, sim. Mas não entendi nada... :roll: Nunca li nada do Dalton, então... :mrgreen:
     
  6. Liurom

    Liurom Usuário

    Vinci, vou explicar um pouco o texto então.
    Ele não exige que você tenha lido Dalton, mas tem muitas metáforas, que podem parecer obscuras para algumas pessoas.

    O esencial é entender o seguinte: o texto trata de minhas impressões sobre dois livros do Dalton: o Vampiro de Curitiba e O Grande Deflorador.
    Na introdução, eu dou uma noção da impressão que tive a respeito do mundo em que os personagens do livro parecem viver, um mundo muito ruim quase infernal.
    No primeiro parágrafo o tema é o livro O Vampiro de Curitiba e seu personagem principal (Nelsinho).
    O sengundo parágrafo trata de "O Grande Deflorador" que é um conjunto de várias histórias. Eu cito algumas delas nesse parágrafo.
    Na conclusão, tendo analisar se existe algum fio de esperança em histórias tão pessimistas.
    É isso. :wink:
     

Compartilhar