1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Itaú compra Livraria Cultura e faz demissões em massa

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por JLM, 24 Mai 2013.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Livraria Cultura realiza demissões em massa. Funcionários reclamam das condições de trabalho dentro da empresa e criam uma página no Facebook para manifestar seu descontentamento

    Uma série de demissões em massa tem acontecido na Livraria Cultura durante os últimos meses. Só em São Paulo foram 43 funcionários dispensados de uma só vez, sob a alegação de que está realizando uma reestruturação em sua rede, após a aquisição da livraria pelo Banco Itaú. Há duas semanas, a ação se repetiu em Curitiba.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Livraria Cultura realiza demissões em massa; funcionários protestam (Foto: Livraria Cultura)

    No dia oito de abril, uma funcionária da sede da capital paranaense, Elisa Carvalho, enviou um e-mail interno endereçado ao presidente da empresa e a todos os colaboradores da rede, com reclamações recorrentes dos funcionários em relação às condições de emprego. Elisa explica que o intuito era expor o que estava acontecendo naquela loja e apontar para esses problemas de maneira que eles não pudessem mais ser ignorados. “Todas as reivindicações eram legítimas, um direito nosso”. No mesmo dia, algumas horas depois, Elisa foi desligada da empresa.

    Segundo o ex-vendedor André Lima, que também foi dispensado, o ocorrido foi o estopim para tudo que aconteceu depois. A demissão de Elisa causou mais revolta entre os colaboradores que, assim como ela, também começaram a compartilhar seus pensamentos através de e-mails para toda a rede. A partir de então, ocorreu um efeito dominó e quase todos que se manifestaram foram demitidos. “No início o clima era muito agradável, apesar dos problemas que existem em qualquer empresa. A equipe em sua grande maioria se ajudava, se dava bem, e trabalhar no meio de tantos livros, CDs e DVDs, convivendo com tanta gente bacana e inteligente era muito prazeroso. Fiz amizades que acredito que levarei até o fim da vida”, conta André.¨Mas nesses últimos meses o clima estava horrível, me sentia em plena ditadura militar¨, completa.

    A carta escrita por Elisa manifestava as principais revindicações feitas pelos funcionários da Livraria e que, segundo ela, não costumavam ser ouvidas. “Na Loja de Curitiba nos reunimos várias vezes com nossa liderança para discutir esses e outros problemas, mas não surtiu efeito”, afirma.

    Os principais problemas apontados na carta se referiam ao salário, considerado baixo demais pelos funcionários. Salário que, segundo Elisa, não correspondia com as exaustivas horas de trabalho e todas as exigências feitas aos funcionários. “Além disso, em nossa carteira de trabalho constava que ganhávamos por faturamento e, apesar de inúmeros pedidos, esse faturamento nunca nos foi mostrado. Tínhamos também problemas relacionados ao banco de horas. Muitas pessoas tinham muitas horas em haver, mas havia uma dificuldade grande para conseguir utilizá-las e os critérios nunca foram claros. Era um direito nosso, mas na hora de concretizar parecia que estávamos pedindo um favor¨, considera .

    Já desligada da loja, Elisa critica a relação entre o discurso e a realidade que encontrou na empresa. “A Livraria Cultura foi construída em cima de um discurso que valoriza o ‘poder transformador da informação e da cultura’ e destaca a transparência e moral com que conduzem suas relações comerciais e com seus colaboradores. No entanto, apesar da insistência da empresa em afirmar que seus colaboradores são valorizados, isso não condiz com a prática. Pode ser que isso tenha acontecido, e inúmeros funcionários mais antigos são testemunhas desse tempo, mas isso não acontece mais e o discurso não foi atualizado. No entanto, a imagem da empresa continua intacta”, comenta.

    Outros funcionários da loja de Curitiba, também incomodados com a situação, criaram uma
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    para manifestar seu descontentamento. Elisa acredita que compartilhar essas informações é uma questão de cidadania, na medida que faz o público consumidor conhecer de fato as empresas com as quais faz negócio.

    (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
     
  2. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Caralho, eu gosto da Livraria Cultura. Eu sempre compro meus livros e cds nas lojas. Tenho até o cartão de descontos. E agora, tinha que aparecer o banco Itaú e foder com tudo, a começar pelas demissões. Como pode? O banco já lucra horrores!
     
  3. Clara

    Clara O^O Usuário Premium

    Que pena. Que triste.

    A Livraria Cultura comprada por um banco!!! o_O

    Agora entendo os problemas que tive (pela primeira vez em anos!) com umas compras que fiz nos últimos dois meses.

    Vai virar uma saraiva da vida, talvez até pior, afinal, o que um banco entende de livros?
    O que os banqueiros entendem de cultura?
    A cultura de banqueiro é formada por lucro, pressão para atingir metas irreais, estimular funcionários bocós a acreditar que subir a qualquer preço é lindo.

    Estou com muita pena do funcionários da Cultura. :osigh:
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  4. Lobelia SB

    Lobelia SB His name was Robert Paulson

    Nossa... que triste.... a Cultura tinha um foco tão diferente das outras livrarias. Lá você encontrava de tudo e todos os tipos de pessoas. Os vendedores eram os mais "diferentes" da sociedade... era muito bacana. Agora.... vai virar uma saraiva chata da vida... :tongue:
     
  5. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    E eles só pensam em lucrar mais ainda.

    Uma pena.
     
  6. Calib

    Calib Visitante

    A Cultura vai virar mais uma "megastore" sem sal.... :osigh:
     
  7. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    "Vai virar"? A do Conjunto Nacional e a do Villa-Lobos tão 80% saraivadas - só faltam mais aparelhos eletrônicos. :osigh:
     
  8. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  9. Clara

    Clara O^O Usuário Premium

    Esses comunicados de empresas são sempre tão parecidos.
    (Recebo vários, quase todos os dias na empresa em que trabalho. :gotinha: )

    A coisa mais fácil do mundo é sustentar mentiras falando a verdade, ainda que parcialmente.

    E a maioria das pessoas pensa: "ah, então tá, não é nada disso! olha só, um comunicado oficial!"

    =/
     
  10. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Tem os dois lados da história né. Acho que a notícia sobre as demissões em massa já começa errada com esse negócio de que a livraria teria sido comprada pelo Itaú.
    Provavelmente a esse respeito eles não mentiriam no comunicado oficial, pois não é algo difícil de ser descoberto, e a imagem da livraria ficaria muito prejudicada caso estivessem mentindo.

    Sobre as demissões de fato, aí é outro ponto. É bonitinho a gente achar que as empresas não devem demitir funcionários, mas a realidade não é assim tão bonita. Mesmo uma empresa como a Cultura só vive de lucros, e às vezes é realmente necessário redimensionar o quadro funcional pra cortar custos. Melhor isso que a empresa falir e ir todo mundo pra rua.
     

Compartilhar