• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Crise das Big Techs: confira o balanço das demissões até agora

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ


Crise das big techs: confira o balanço das demissões até agora

Imagem: Pexels/Reprodução

O Spotify anunciou nesta segunda-feira (23) que pretende demitir cerca de 600 funcionários, reduzindo em 6% o tamanho de sua equipe. Esta nova grande demissão se junta a muitas outras que vêm ocorrendo nas últimas semanas nas maiores empresas de tecnologia do mundo – as chamadas “Big Techs”.

De acordo com o site Layoffs.fyi, mais de 56 mil funcionários já foram demitidos de pelo menos 174 empresas de tecnologia. Até o momento, os maiores cortes de pessoal ocorreram na Amazon, com 18 mil demissões; Google, com 12 mil; Meta, com 11 mil, e Microsoft, com 10 mil.

As demissões vêm ocorrendo em empresas de diversos segmentos, como Booking (4,4 mil demissões), Philips (4 mil), Uber (3,7 mil), Airbnb (1,9 mil), entre muitas outras. Essas demissões em massa têm sido justificadas como uma necessidade das empresas de se tornarem mais “eficientes”, diante de um momento difícil para o setor.

A atual crise das Big Techs é um reflexo da pandemia da Covid. Em 2020, quando vários países adotaram medidas restritivas de distanciamento social para conter o vírus, as empresas de tecnologia viram nesse movimento uma oportunidade de crescimento.

Com mais gente estudando e trabalhando em casa, aumentava assim a dependência das pessoas pelo consumo de produtos e serviços de tecnologia. Isso fez com que as empresas contratassem e investissem significativamente em suas operações, apostando que os seus negócios continuariam a crescer mesmo após um cenário de pós-pandemia.

Porém, com a oferta da vacina e o retorno à normalidade, as pessoas voltaram a migrar do mundo virtual para o real, contrariando as projeções ambiciosas das empresas, guiadas por uma visão excessivamente otimista do futuro.
Além disso, com o aumento da inflação no último ano, o mercado de produtos eletrônicos foi fortemente impactado com a elevação da taxa de juros, o que vem afetando negativamente os balanços financeiros das empresas.

“Assumo total responsabilidade pelos movimentos que nos trouxeram até aqui hoje”, disse Daniel Ek, CEO do Spotify, em comunicado. Esta mesma “mea-culpa” tem sido repetida por vários outros CEOs, incluindo Mark Zuckerberg, durante o anúncio das demissões na Meta.

A última vez que uma crise com essa proporção afetou o setor de tecnologia foi no ano 2000, durante o estouro da bolha da internet. Na época, ocorria uma supervalorização das ações das empresas de tecnologia, motivada por uma especulação de forte crescimento no setor.

Porém, quando os investidores perceberam que as empresas não tinham previsão de gerar lucro no curto prazo, eles passaram a colocar os seus ativos à venda. O pânico generalizado desse fenômeno acabou gerando a quebradeira de centenas de empresas.

Apesar do alto nível de demissões, especialistas afirmam que este é um bom momento para procurar emprego. Segundo o noticiário CNBC, o desemprego nos EUA registrou uma taxa recorde de apenas 3,5%, e que a crise das Big Techs não reflete a realidade de outros setores.

O mesmo noticiário lembrou que a pandemia também gerou nos trabalhadores um forte desejo de procurar novas oportunidades de emprego, que ofereçam bons salários, maior flexibilidade, além de um melhor equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

 
Agora foi a vez da SAP, que cortou 3000 pessoas e se juntou à IBM, Philips, Cisco e MS no grupo das empresas "old style" da lista. O que mais assusta é que essa crise não está restrita a uma área específica, as empresas listadas no layoffs.fyi estão em tudo quando é lado. O_O

Notícia da AP:
Associated Press disse:
SAP to cut up to 3,000 jobs worldwide, mulls Qualtrics sale
2023-01-26 09:10:36 - Thu Jan 26 2023 06:10:36 GMT-0300 (Brasilia Standard Time)

BERLIN (AP) — SAP said Thursday that it is cutting up to 3,000 jobs worldwide, or about 2.5% of its workforce, after a sharp drop in profits at Europe’s biggest software company.

It comes amid a broader wave of job cuts in the technology industry, including mass layoffs at Google, Amazon, Microsoft and other tech giants in recent weeks.

SAP announced its cuts as the company said full-year profits fell 68% in 2022 compared to the previous year, to 1.71 billion euros ($1.87 billion).

“This was a difficult decision, and we are deeply aware of the personal impact of these changes,” the Germany-based company said in a statement. “We will provide colleagues the care and support they need during this challenging time.”

SAP said it is also exploring the sale of business software provider Qualtrics four years after it purchased the company.
Fonte: https://apnews.com/article/technolo...rope-germany-127dcd0a8badc46534fecc9e5a854a59 (mirror)
 
Algo que eu queria mais detalhes é sobre quais equipes estão sendo cortadas. Pelo que tenho acompanhado no marketing o corte não é linear - administrativo, vendas, marketing, atendimento ao usuário e outras não-técnicas tem sido majoritariamente eliminadas. Tecnologia e afins continuam não muito afetadas (mas com redução de novas vagas).
 
Demissões de hoje na GoDaddy (mirror) e no GitLab (mirror), 8% e 7%, respectivamente.


Vendo no geral, fica cada vez mais difícil aceitar que todas essas empresas contrataram excessivamente como alegam. Parece que estão apenas aproveitando o momento para demitir e dar a impressão de que estão "agindo proativamente" para acionistas e investidores.
 
Eu tenho a impressão de que várias empresas inflaram demais áreas não essenciais e fora do core do negócio e agora estão aproveitando pra enxugar essas áreas (marketing, vendas, sustentabilidade e afins) bem como eliminar os tranqueiras da TI

Mas vá saber. Setor de RH é bizonho.
 
Existe um ponto em comum em todas elas, que foi quando tiveram seus momentos de grande "boom" e aí no calor do momento positivo elas inflaram seus quadros, independente se eram áreas de maior ou menor relevância. Nessas horas elas só preocuparam em querer crescer aproveitando o bom momento favorável e depois "lá na frente" a gente vê o que fazer.

Só que esse "lá na frente" chegou e o momento pra uma grande readequação tornou-se inevitável.
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo