1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Garimpeiros Digitais (como ganhar dinheiro jogando)

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por BeorZenni, 2 Jun 2011.

  1. BeorZenni

    BeorZenni Usuário

    100 mil chineses ganham em média US$ 11 ao dia para jogar games por 12 horas seguidas, acumulando ouro virtual comprado com dinheiro real por ocidentais. Saiba como funciona esse comércio — e o que o Banco Mundial acha disso


    O meu avatar de elfo, de pele cinza e cabeleira branca, encontra Honand, um sacerdote gordo, careca e barbudo, em uma pousada da pacata aldeia de Dolanaar. Conversamos em inglês, e rapidamente ele repassa minha encomenda: 1.500 moedas de ouro, pelas quais paguei US$ 8, com cartão de crédito. O regulamento proíbe, mas não é difícil comprar ouro virtual no World of Warcraft (WoW) — com seus 12 milhões de usuários, é o jogo online mais popular do mundo. Ele é mais ou menos como um Second Life, só que povoado por elfos, anões, orcs e outros seres mágicos. Nesse mundo fantástico, moedas de ouro são usadas para comprar armas, armaduras, montarias. Quem pode, paga para obtê-las sem esforço — ou seja, sem perder horas acumulando pontos neste reino virtual. Parece um comércio irrelevante entre esforçados e preguiçosos, mas agora virou assunto para o Banco Mundial.

    A organização, que ajuda países na luta contra a miséria e determina a linha da pobreza no globo, publicou em abril um relatório de 58 páginas sobre a labuta dos guerreiros que coletam ouro virtual. De acordo com o documento, mais de 100 mil chineses pobres e sem escolaridade ganham a vida como jogadores profissionais de games online. Esse trabalho, chamado em inglês de gold farming (cultivo de ouro), não é tão divertido quanto um aficionado por jogos eletrônicos poderia imaginar. Os garimpeiros digitais passam mais de 12 horas por dia matando monstros que reaparecem no mesmo lugar, entre outras tarefas tediosas, para coletar dinheiro de mentira e vendê-lo por dólares de verdade a outros jogadores, em sua maioria de ricos países ocidentais. Basicamente, eles fazem o serviço sujo para que seus clientes possam se dedicar apenas à parte mais legal do jogo.

    Segundo o relatório do infoDev, programa do Banco Mundial com foco em inovações tecnológicas, o mercado de serviços terceirizados em jogos online movimentou US$ 3 bilhões em 2009. O gold farming é responsável por 75% desse valor. O resto está distribuído em serviços como o power leveling, quando um jogador paga para outro usar seu personagem, aumentar o nível dele num jogo e devolver mais tarde. "Um em cada quatro usuários gastam seu dinheiro em negócios desse tipo", afirma Vili Lehdonvirta, especialista em economia virtual da Universidade Aalto, na Finlândia, e autor do documento do infoDev. Estima-se que 121 milhões de pessoas estejam cadastradas atualmente nesses games. Só a companhia que criou o WoW, a americana Blizzard, movimentou US$ 1 bilhão em 2009 com o título, de acordo com um ranking da revista Forbes.


    Insira uma moeda

    Os primeiros negócios de games na rede começaram em 1997, com o jogo Ultima Online. Naquela época, surgiram vendedores solitários que criavam personagens poderosos e os vendiam no site americano de leilões eBay. "Em 2000, a China começou a entrar no negócio e expulsou os jogadores ‘profissionais’ ocidentais", diz Jared Psigoda, de 25 anos, um americano que se mudou para Beijing e entrou no negócio de escritórios de coleta de moedas virtuais. Apesar da pouca idade, Psigoda é um pioneiro da indústria. Aos 13 anos, vendeu um avatar por US$ 400 e logo percebeu que o ramo podia ser bastante lucrativo.

    Internet, mão de obra e máquinas baratas são os fatores que contribuíram para que a China liderasse esse mercado. Sem contar que os chineses adoram games. "Lá, mesmo sendo pobres, jovens são alfabetizados e têm acesso barato à rede em cybercafés", diz Ge Jin, americano descendente de chineses que dirigiu o documentário Gold Farmers (2006) sobre o assunto.

    O ganho dos coletores de ouro virtual chineses vai de US$ 0,6 a US$ 1,2 por hora — chega a ser menor que o salário mínimo da capital Beijing (US$ 1 a hora). O valor é baixo o suficiente para desencorajar a concorrência em outras partes do mundo. Temendo fiscalização (a legislação do país restringe a troca de moeda virtual por dinheiro desde 2009), várias gold farms foram criadas perto das fazendas de verdade, na zona rural. Em muitas delas, os trabalhadores dormem em alojamentos e ganham refeições. Para aguentar as longas jornadas de 12 horas, é comum as empresas permitirem que os funcionários fumem e consumam bebidas alcoólicas durante o expediente.

    Claro, há as exceções que pagam salários acima da média, fornecem acomodações limpas e exigem uma quantidade de horas razoável. Ainda assim, as consequências podem ser pesadas. Ao fazer o documentário, Ge Jin disse que conheceu jovens que perderam a habilidade de se adaptar a outros trabalhos por causa da obsessão pelos games. O vício é tão forte que eles continuam jogando depois que termina o turno. "Seria bom se as companhias protegessem seus funcionários e os ensinassem a desenvolver habilidades de comunicação. Eles precisam ter uma vida quando não estão na frente do computador."
     
  2. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Po.
    11 doletas por dia são pouco mais de 300 dolares por mês.
    Salariozinho mequetrefe.
    A não ser que ele seja um zumbi e trabalhe nas outras 12 horas ainda.
     
  3. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Não é tããão ruim, se considerar que o salário mínimo lá está entre 100 e 200 dólares, dependendo da região. Mas ainda é ruim.
     
  4. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Verdade. Estava pensando em termos de ser em torno de 1 salario minimo nosso.
    Pra pagar conta de luz e cabo, o cara deve morar num daqueles flats de 20 m2.

    Apesar que muitos aí são menores e devem morar com os pais ainda.
    Trabalho infantil.
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Mas nem na minha fase mais viciada em jogos chegaria a 12 horas seguidas. Se cheguei a metade disso quando tinha meus 8 a 12 anos foi muito.
     
  6. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    Já passei de 12 horas...

    Inclusive na epoca que trabalhei numa lan house(melhor emprego que já tive, hahahahahahaha)

    mas é foda mesmo passar mais de 12 horas jogando, a principio to fora...

    P.S.: Ja passei mais de 12 horas jogando WAR, hahahahahaha
    Rpg de mesa então, nem se fala...
     
  7. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Pois é, mas no caso deles o prazer de jogar virou obrigação. Visitar trocentas vezes o mesmo lugar e matar várias vezes o mesmo monstro, por exemplo, é muito chato
     
    Última edição: 2 Jun 2011
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    War acho que eu não cheguei a superar 12 horas, mas rpg passei com certeza :yep:
     
  9. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Eu já passei mais de 12 horas jogando Perfect World (MMORPG). Época em que eu estava de férias.

    Counter-Strike também, mas não seguidas. Só os corujões já eram umas 6 horas jogando direto.
     
  10. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Foda é jogar e literalmente esquecer a fome e o sono.

    É incrivel o que um jogo potencialmente viciante pode fazer.
     
  11. Maethor Erundur

    Maethor Erundur Mais chato que um

    O "farming" é tenso, tem vários deles que chegam a usar bots ou maphacks no WoW. Em Sholazar Basin era comun ver jogadores se movendo rapidamente por baixo da terra e minerando cada maldito nodo de saronite e titânio antes que tu conseguisse fazer qualquer coisa.

    Eu era um que em toda a oportunidade que eu tinha eu tirava screenshot e reportava o infeliz, esperando que fosse banido e tivesse pelo menos o trabalho de pagar uma nova conta e upar o personagem dele de volta pro 68.

    Eu sei que teve uma penitenciária na china que colocava os presos pra farmar gold em troca de tempo de pena reduzido até...
     
  12. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Isso é loucura. :rofl:

    Bot é o que mais se encontra, infelizmente. Muitos entram em dungeons e não tem nem como reportar. Eu sempre stunava para deixá-los morrer para os mobs.
     
  13. Maethor Erundur

    Maethor Erundur Mais chato que um

    dentro do WoW eu vi poucos, mais em Sholazar Basin no Wrath e em Twilight Highlands no Cataclysm.

    mas a grana que eles devem fazer deve valer a pena todo o trabalho de ficar comprando licensas e afins
     
  14. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Até que não chega a ser uma má idéia, hehe
     
  15. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Nas duas vezes que tentei me aventurar em MMORPG (Runealgumacoisa e UO) eu meio que me frustrava e parava porcausa de coisas assim.
    Eu nem tinha tempo de garimpar os metais ou colher madeira porque vinha uns caras com niveis altos e com 1 picaretada me acabava com a pedra.
     
  16. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Eu idem... tentei, tentei, mas vi que esse tal de MMORPG não é pra mim, ainda mais com esses "escravos" tesourando.
     
  17. Maethor Erundur

    Maethor Erundur Mais chato que um

    MMOS bons pra quem não gosta disso é WoW e Champions Online, dos que eu conheço. Eles não requerem que você faça craft de nada, apesar de ser útil. Nos novos jogos essa questão ja esta mais amenizada, mas nos antigos era complicado.
     

Compartilhar