1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Éomer] A Flauta do Sátiro [L]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Éomer, 11 Jun 2013.

  1. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Era uma vez... Ele dirige pela estrada amarelada de suas lembranças. Está atrasado, mas elas o atraem. Contorna as esquinas, ronda as escolas. Esperando o sinal. O meio dia e o fim da tarde são seus horários favoritos. Ele sente o seu cheiro. O calor. Sentidos. Olhar fixo na presa. Para enxergá-las melhor. Fome e sede. Sua mãe diz que ele sempre foi o mais faminto de toda a ninhada. Desde pequeno. As primas, as coleguinhas e as filhas do vizinho. Ele as procura. Já é tarde e ela o espera. Espera para vê-lo passar.

    Desde a primeira vez que ela o viu sempre espera. Impaciente. Ele tem um meio sorriso que nunca se abre e um olhar que atravessa as mulheres. Faca quente na manteiga... Sua mãe sempre lhe diz que todos eles querem a mesma coisa. Ela também. Suas mãos enormes no volante, sulcadas de veias. Ela imagina. Uma descarga elétrica percorre seu corpo. No banho. Dedos molhados no chuveiro... Na cama antes de dormir. Tremor. Travesseiro apertado entre as pernas.

    Era uma vez... Ele as imagina deitadas na cama, barriga para baixo, pernas cruzadas no ar, palma da mão apoiando a cabeça, lápis na boca. Fazendo a lição de inglês. Drink me. Eat me. Ou então a lição de geometria. Olhos oblíquos e as pernas abertas em ângulo agudo.

    Ele vem de uma longa linhagem. Seu avô adorava caboclinhas de vestido de chita e pé no chão. Seu pai, estudantes de blusa branca e saia plissada. Hoje elas usam camiseta e jeans. Ele imagina. Toca para elas uma música nova. Elas vêm, atraídas pelo som. Dançam em ciranda. Rodopiando a sua volta. Moça bonita com quem você deseja se casar? De mãos dadas elas saltam. Os pés mal tocam o chão. Transparentes. Ninfas. Bonitas no começo da manhã. Belas ao meio dia. Perfeitas no começo da tarde. Depois a inevitável decadência. Mais cedo ou mais tarde.

    Quando ele chega já é hora delas irem embora. Ele as vê pelo retrovisor. Na estrada que só leva à frente. Quem sabe se elas pudessem ficar? Para sempre. Sempre sem nome. Sempre Alices. Mas ele está atrasado.
     

Compartilhar