1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Entrevista com Júlio Pimentel Pinto, Professor de História da USP

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Anica, 27 Mar 2011.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Saiu na
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    :

    Você já deve ter ouvido uma pessoa falar sobre a vida das mulheres mulçumanas com a propriedade de quem estudou ou vivenciou o assunto. Quando se questiona, porém, onde ela conseguiu tantas informações, diz que leu sobre o tema em um livro de literatura. É comum encontrar pessoas que leem um romance e depois tomam a história por verdadeira. Por mais que o escritor tenha feito uma pesquisa séria sobre um fato, essas informações não servem para recontar a história.

    “Mesmo que o ficcionista tenha feito uma pesquisa profunda e rigorosa sobre um tema, na hora em que constrói o texto da ficção o compromisso dele é outro. Não é com a realidade”, afirma o historiador Júlio Pimentel Pinto, professor da Universidade de São Paulo (USP). Não por acaso, surgem as confusões. “O leitor precisa estar preparado para perceber o que é real e o que é ficção. Não pode tomar tudo como se fosse verdade única”, diz Pimentel.

    Em entrevista à Gazeta do Povo, o historiador, que trabalha há 20 anos com a ficção, tenta apaziguar os ânimos. Mesmo porque, em suas aulas, Pimentel trabalha com romances policiais para mostrar aos estudantes que a ficção também pode ser uma fonte de estudo da historiografia, por ajudar a perceber como era a visão de mundo de um determinado tempo.

    O senhor é favorável a que as pessoas conheçam a história por meio da ficção?

    Lógico. A principal importância da leitura da ficção na história é dar uma percepção da experiência vivida em um tempo que a historiografia nem sempre oferece. Permite ampliar a capacidade de enxergarmos o que foi viver naquele momento de forma mais íntima.

    O que fazer para não misturar realidade e ficção?

    O problema não é ser ficção ou não, mas a disposição das pessoas em acreditar piamente no que leem. Você tem que ler com alguma criticidade, evitando generalizar ou supor que tudo o que está ali é verdade pura. Não existe verdade única. O papel do historiador é se aproximar dela e saber que nunca vai chegar totalmente lá. O passado muitas vezes é inacessível.

    Que obras da ficção retratam com eficiência o que os historiadores não conseguiram mostrar?

    Fazem cerca de 20 anos que a historiografia sobre o final do Império e o início da República começou a falar que a maioria da população brasileira dessa época não deu muita atenção ao acontecimento [Proclamação da República]. Isso foi comprovado pela historiografia recentemente, mas na época, no calor do momento, Machado de Assis já tratava disso, por exemplo, na obra Isaú e Jacó. Ele satirizou, bem antes dos historiadores, o desinteresse das pessoas pela Proclamação da República. Artur de Azevedo falou disso em um conto. Lima Barreto mostra essa questão em Bruzundangas. A historiografia demorou quase cem anos para discutir com profundidade o assunto e a ficção fez isso a quente, na época.

    O livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, não é outro exemplo importante?

    Sem dúvida. Mas é um caso muito peculiar porque, na primeira e na segunda parte do livro, Euclides se preocupa com estudos geológicos e questões étnicas. Ele era um ficcionista, mas antes de tudo um engenheiro. E a obra é híbrida: meio ficção, meio reportagem jornalística, afinal ele foi enviado para cobrir a Guerra de Canudos para o Estadão. A terceira parte, que é a narração da guerra, tem um certo painel fabuloso, mas também há muito rigor na descrição do que ocorreu em Belo Monte.

    O senhor afirma que o leitor deve se aproveitar da ficção para en­­tender como era a visão de mundo de uma certa sociedade. Livros como A mulher de trinta anos, de Bal­­zac, e Madame Bovary, de Flau­bert, ajudam a pensarmos o que as mulheres dessas épocas sentiam?

    É esse o sentido. Você não vai ler essas duas obras para tirar informações de um evento que se passou na época ou coisa que o valha. Mas vai encontrar ali essa espécie de diagnóstico de uma mulher que muda, de uma sociedade em movimento. Esses livros nos dão a percepção mais sensível da experiência histórica, que a própria história não pode oferecer.

    Madame Bovary pode ser uma fonte para entendermos as mudanças que ocorriam em Paris?

    Sim. A educação sentimental de Flaubert ocorreu em uma série de episódios que se passaram em 1848. Nessa época Paris estava conturbada, em meio a levantes. Várias das cenas são recriadas. Você vai confiar no que está ali? Não deve. Mas há algo perceptível na obra: a tensão que todos os personagens viviam. Essa é a sensibilidade histórica da ficção. Percebe-se com mais facilidade no romance do que em um livro de história que os parisienses viviam tensos. A cidade estava em polvorosa, cheia de barricadas e conflitos sociais. A ficção é capaz de expressar melhor, de forma mais sensível, o que foi a experiência histórica. A frieza da historiagrafia dificilmente conseguiria passar isso. Lendo o livro você analisa outro aspecto relevante: a importância dos romances baldios que circulavam na França naquele período e que eram a leitura base das moças burguesas. Uma vez li um comentário engraçado dizendo que Emma Bovary morreu de tanto ler romance ruim. É mais ou menos isso. Havia uma produção de romances baratos que circulavam em Paris. Por meio deles essas mulheres percebiam como suas vidas eram mesquinhas. Essa sensação de aprisionamento é o que vai corroendo Emma Bovary.

    A história é a construção da narrativa, estamos sempre desenredando essa história. Se o narrador da ficção faz isso, o historiador, de certa forma, também o faz?

    Essa é a grande semelhança entre história e ficção. Ambas são narrativas construídas a partir de outras narrativas, que também são uma representação. Quando usamos o documento histórico para escrever um livro, também construímos a narrativa em cima da narrativa. O ficcionista faz a mesma coisa, pega uma narrativa e a reinterpreta. Embora ambas sejam narrativas, historiador e ficcionista sejam intérpretes, o compromisso de um e de outro é diferente. É o compromisso que Arist­óteles já descreveu na Poética: o poeta é superior ao historiador, porque o historiador pensa o que foi e o poeta pensa o que poderia ter sido.

    Qual sua opinião sobre outros profissionais, como jornalistas, que se propõem a escrever livros de história?

    Não vejo nenhum problema. Há alguns casos, sobretudo nas biografias, a que os historiadores nunca se dedicaram, e os jornalistas acabaram fazendo trabalhos excelentes. Como alguns livros do Ruy Castro ou do Fernando Morais. O que os historiadores reclamam é que alguns livros não são tão rigorosos na pesquisa historiográfica. É verdade, mas é melhor termos um livro sem tanto rigor do que não existir livro algum sobre o assunto. Podem ser obras feitas por qualquer profissional. Historiador não é só aquele que tem curso superior de História, mas quem pesquisa e escreve sobre história. Os dois maiores historiadores brasileiros não são graduados na área, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior.
     

Compartilhar