1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ensaio e método para testar a solidão.

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Breno C., 7 Mar 2008.

  1. Breno C.

    Breno C. Usuário

    [align=center]Ensaio e método para testar a solidão.[/align]
    Que a solidão é uma das dores mais sentidas, nós já sabíamos. E sabemos também, que ela é capaz de enlouquecer o homem que atem como chaga. Pouco há de novo à falar sobre a solidão, mas mesmo assim ainda somos suas vítimas. Alguns de nós acaba por se enamorar da solidão e de suas amigas, desejando-as com o único objetivo de motivação para alcançar uma vida profissional, religiosa ou até mesmo afetiva, de melhor qualidade.
    Aonde se encontra o erro? Amar a solidão é errado só por causar dor em si? As pessoas que causam dor em si, são menos humanas do que as que causam dor em outros?
    Tendo em vista de que as perguntas necessitam de resposta, fui a caça de algo maior do que meras respostas filosóficas de índole duvidosa, que afirmam ser a solidão o maior de todos os erros da sociedade moderna.
    O método de pesquisa foi bem simples, admito. Tanto assim foi, que em um único gesto me prendi no alto de uma torre que, por sua vez ficava distante de qualquer civilização a quilômetros. Foi um gesto pensado, apesar de não aparentar. Fiz estoque de provisões que diziam durar mais de um ano, mesmo que no início eu não desejasse passar mais do que um mês em cárcere.
    O início foi o início. Doloroso como tende ser. Me perguntei diversas vezes o porque de tudo aquele sofrimento, e quando já não via outra pessoa além daquela no espelho, por mais de um mês, parei de pensar em que estava fora do meu casulo. Comecei a pensar que eram eles, os vocês, que viviam dentro e eu vivia fora, livre de tudo, sem regras e sem lei. Dentro da minha torre era o rei, eu fazia as leis, poderia amar, matar, livrar quem eu desejasse, mas não havia ninguém além de min.
    No final de um ano, quando as provisões acabaram, sai. Caminhei para fora, mas ainda achei que estava entrando e não saindo. Fiquei triste.
    Agora, enquanto escrevo, percebo que realmente não saia e sim entrava. Estava entrando no mundo real. Que é mais imaginário do que o mundo que criei em minha torre de solidão[/align]
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Breno, gostei muito do seu texto! A solidão é um tema tão significativo e tão pessoal que é difícil colocar em palavras... Talvez o amor à solidão também seja comodidade... Mas é inerte ao homem, como dono do seu destino, como ser que tem um eu... Que não pode entrar no outro e assim resolver todas as suas expectativas...

    É na solidão que a vida se move potecialmente, que planejamos nossas grandes escolhas, e descobrimos quem realmente somos...

    :) Obrigada pelo texto!
     
  3. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Mas bah, essa é das boas. Voltarei com mais tempo.
     
  4. Marco

    Marco may the force be with... wait

    E gostei muito do texto, achei muito interessante a reflexão que vc faz Breno. Quase uma jornada ao auto conhecimento. Pelo menos imagino que foi para você, pois dá pra ver que colocou muito de si mesmo nestas linhas.

    A única coisa que me incomodou foram alguns problemas de concordância e pontuação, que acho que vc tem que dar uma melhorada, mas o principal você já tem que é uma boa história e saber desenvolvê-la de maneira interessante. Parabéns!
     
  5. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Não, não foi comigo. Uma amiga se afastou de todos durante um tempo, depois me contou um pouco, achomelhor escrever.

    Os probrema com o portugues, são muito chato mermo :lol: ... er... agora, falando sério...esse texto é spo ensaio de algo maior e já corrigido, que, um dia, irei postar aqui.:hanhan:
     
  6. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Vc ve q assim Breno, falar em solidão para as pessoas
    eh como tocar numa ferida q não cicatriza..., eu mesmo jah tive
    momentos e cenas tristes com a solidão, ao mesmo tempo q aprendemos com ela, queremos ver ela bem distante da gente; as pessoas q dizem q a solidão ajuda, ajuda num instante, nas REFLEXÕES, depois jogue-a fora pois ela eh uma DOENÇA! =D
     
  7. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Ótimo texto Breno ^^
    às vezes, quando estamos cercados de mais gente, parece ser mais solitário...
     
  8. imported_Cabal

    imported_Cabal O Poeta Aprendiz

    "Me sinto tão só, que dizem que a solidão, até que me cai bem"

    Solidão é uma forma de desespero também, ela serve apenas por um curto perído, caso fique tempo demais ela mata, sozinha.
     
  9. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Mas bah! Consegui voltar.
    A solidão é bem relativa. Um mar de gente e me sinto, às vezes, mais só do que quando estou sozinha.
    O que eu gostaria de acrescentar, se você pretende explorar mais a idéia, caso ainda não estaja pronta, é que o receio da solidão vem de um medo estranho de estar consigo mesmo, ouvir a própria voz, saber talvez pela primeira vez o que quer, o que gosta, o que está em desacordo consigo.
    Conheço pessoas que são capazes de estar em qualquer lugar que não querem estar, para não estar só.
    Pergunto, wtf?
    Resposta: Tem um monte de louco dentro de mim, me questionando, me dizendo o que fazer, preciso me embebedar, me distrarir, para ter paz.

    Outra idéia sobre o texto, que achei importante divagar sobre: em nossa sociedade, uma pessoa que fica mais sozinha quer punir alguém, mesmo que a si próprio. Não me parece necessariamente uma verdade. Penso que vivemos de uma forma tão absurda que olhados do alto, bem poderíamos ser confundidos com um imenso formigueiro. Não acho que seja natural ao homem virer tão perto uns dos outros, talvez por isso, alguns que ainda raciocinam, reajam.
    Claro que nós, os habituados, temos nomes para isso, tipo... anti-sociais e outros palavrões.
     

Compartilhar