1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Veganismo!

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Mellime, 5 Fev 2018.

?

Em qual você se enquadra?

  1. Onívoro

    13 voto(s)
    72,2%
  2. Vegetariano (ovo/lacto)

    4 voto(s)
    22,2%
  3. Vegetariano estrito

    0 voto(s)
    0,0%
  4. Vegano (vegetariano estrito que defende animais)

    0 voto(s)
    0,0%
  5. Àsvezesvegetariano

    0 voto(s)
    0,0%
  6. Vegetariano Àsvezesvegano

    1 voto(s)
    5,6%
  7. Nem sei

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Mellime

    Mellime A little less lost

    Veganismo. Ou talvez Veganismos. Ou ainda: Veganize-se!

    Diferenças entre o vegetarianismo e o veganismo
    Anquanto o vegetarianismo pode ser adotado por razões diversas, como a questão ética, saúde e religião, o veganismo tem como cerne e foco principal a questão ética, de luta pela libertação e não exploração animal. Isso implica em uma atitude mais radical por parte do vegano ou vegan (como é chamado o adepto do veganismo) em relação ao vegetariano.

    O vegan não consomem nenhum produto de origem animal. Isso passa pela carne, pelo leite e seus derivados, ovos, mel, lã, etc. Eles também não consomem produtos que são testados em animais, como são a maioria dos remédios, xampus, sabonetes, maquiagens e cosméticos em geral. Por isso os vegans estão sempre atentos sobre as empresas que fazem testes em animais, para que possam boicotá-las e buscarem outras alternativas. O veganismo não é só uma opção alimentar, mas uma postura ética diante do sofrimento e da exploração em relação aos animais.
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Vamos falar sobre alimentação, exploração animal, afinal ovo é bom ou não é, frango e atum são essenciais pra maromba?

    Podemos também falar sobre o impacto ambiental do consumo de carne e derivados animais nessa bomba relógio que chamamos de planeta:

    Na América Latina, as fazendas de gado são a principal causa do corte de árvores e plantas nativas. O solo também acaba sendo prejudicado indiretamente com a retirada da vegetação e compactação da terra. Dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) estimam que seja gasto 16 vezes mais água para produzir 1 libra (o equivalente a 0,453 kg) de proteína de carne comparada à proteína vegetal. A água é utilizada na irrigação dos grãos para ração, dessedentação dos animais, higienização das instalações e retirada de dejetos.

    Cientistas americanos estimam que mais 500 milhões de toneladas de metano são liberadas a cada ano na criação de gado, e que a criação de outros ruminantes produzem aproximadamente 60 milhões de toneladas de metano em todo o mundo, o equivalente a 12% do total de todas as fontes de emissão.
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Vegetarianismo e Conservação Ambiental
    A pecuária representa uma das atividades humanas mais impactantes para o meio ambiente, consumindo grandes quantidades de água, grãos, combustíveis fósseis, pesticidas e drogas. Esta atividade é também a principal causa por trás da destruição das florestas tropicais e outras áreas naturais, além de grande responsável por outros impactos ambientais, como a extinção de espécies, erosão do solo, escassez e contaminação de águas, desertificação, poluição orgânica, efeito estufa etc.

    Na pecuária intensiva, o gado é criado em sistema de confinamento, sendo mantido por toda a vida em recintos apertados, com alta densidade populacional, vivendo sobre as próprias fezes. Devido à insalubridade a que estes animais estão sujeitos, é grande o risco de infecções. Por este motivo, estes animais recebem juntamente com a ração antibióticos e outras drogas, além de hormônios de crescimento (o que no Brasil é proibido, embora praticado). Neste sistema de criação, o gado é alimentado no cocho com ração à base de grãos como soja e milho. Mais de 80% do milho e da soja produzidos nos EUA são destinados à fabricação de rações e praticamente todas as exportações brasileiras destes produtos, para os EUA e Europa, destinam-se a este fim.

    Caso estes grãos fossem utilizados diretamente na alimentação de seres humanos, sua produção não necessitaria ser tão elevada e as áreas de terras cultivadas não necessitariam ser tão extensas, sobrando mais espaço para os ecossistemas naturais. Alimentar animais com grãos para depois comê-los é um uso ineficiente dos grãos, pois a conversão de proteínas vegetais em animais implica em custos. Os grãos são mais eficientemente utilizados quando consumidos diretamente por seres humanos.

    Uma determinada área capaz de sustentar um único indivíduo consumindo carne poderia sustentar entre 12 e 30 indivíduos consumindo alimentos vegetarianos diversos (para mais detalhes, leia o texto “Vegetarianismo e Combate à Fome”). Sob outro ponto de vista, para sustentar cada ser humano vegetariano é necessário entre 12 e 30 vezes menos terra do que para sustentar um indivíduo que baseie sua alimentação em carnes.


    Destruição de ecossistemas naturais

    A necessidade do aumento na produção de carne reflete-se na abertura de novos campos de cultivo em locais onde antes havia áreas naturais. A Amazônia é um ótimo exemplo disto. A cada ano são destruídos vários alqueires destas florestas. No entanto, ao contrário do que se pensa, as madeireiras, as rodovias e a ocupação desordenada desempenham apenas um papel secundário nesta destruição. A principal causa foi e continua sendo a remoção das florestas para dar lugar à cultura de soja que será utilizada para alimentar o gado de países desenvolvidos, ou para formar pastos que alimentarão o gado brasileiro.

    A maior parte do gado brasileiro é criada pelo sistema extensivo, onde os animais permanecem soltos no campo, ocupando vastas áreas. Neste sistema, considerado menos produtivo, cada cabeça de gado necessita de um hectare (10.000 m2) de terra para engordar. O Brasil possui o maior rebanho comercial do mundo (mais de 200 milhões de cabeças), que necessita de uma área de pastagem de, no minimo, 200 milhões de hectares para ser sustentado (o equivalente a um quarto do território nacional). Estas pastagens eram anteriormente áreas naturais (cerrados, Pantanal, florestas tropicais etc) que foram degradadas para a instalação de um sistema produtivo onde toda a terra é colocada nas mãos de poucos (formação de latifúndios), é empregada pouca mão-de-obra e a atividade necessita de constantes subsídios governamentais.

    Calcula-se que a cada segundo, uma área de floresta tropical equivalente ao tamanho de um campo de futebol é destruída no mundo para produzir 257 hamburguers. É isto o que as pessoas fazem quando consomem hamburguers de “boi verde”, consomem a floresta tropical, o cerrado, as pradarias, os campos e outros ecossistemas. Isto tem reflexos tanto locais quanto globais.


    Extinção de espécies

    Quando florestas são destruídas para formar pastos, ocorre a perda de biodiversidade: a maior parte dos animais e plantas nativos desaparecem do local, sendo substituídos por forrageiras invasoras e gado. A remoção da cobertura vegetal original transforma completamente o ambiente, tornando-o impróprio para sustentar a maior parte das espécies que antes ali viviam. Ainda, as raras espécies que se adaptam às novas condições tendem a ser eliminadas pelos fazendeiros, uma vez que entram em competição com o gado ou passam a predá-lo por falta de suas presas naturais. Há também várias zoonoses, como a raiva, o antraz, a toxoplasmose e a febre maculosa, que são transmitidas do gado para os animais silvestres e vice-versa, o que freqüentemente resulta na eliminação dos animais silvestres.


    Desertificação

    A remoção da cobertura vegetal original para formar pastos não apenas compromete a biodiversidade, como também interrompe o equilíbrio e a ciclagem natural de nutrientes. Por baixo da exuberante floresta tropical há uma tênue camada de folhiço, de cerca de 30 cm de profundidade, que representa a reserva de nutrientes daquele solo. Este folhiço se origina da queda de material vegetal das árvores, e sua retirada ou a retirada da cobertura vegetal compromete este equilíbrio.

    Quando uma floresta cede lugar ao pasto, expõe-se o solo arenoso, pobre e pouco produtivo que se encontrava abaixo. Um pasto verdejante pode a princípio ser formado nesta área, mas a menos que se utilizem contribuições externas, este pasto tende a enfraquecer quando submetido ao pastoreio sucessivo, dando lugar a pastagens de cada vez pior qualidade. De maneira geral, o produtor tende a abandonar estas áreas onde o pasto tornou-se tão pobre que não pode mais sustentar o gado. Assume-se que a floresta gradativamente retornará a estas áreas, mas algumas vezes o seu comprometimento é tal que ocorre exatamente o contrário – formam-se desertos.

    Locais no planeta onde a atividade de pastoreio é mais antiga são testemunhas de que o homem de fato transforma florestas em desertos. O superpastoreamento destrói toda a possibilidade de rebrotamento e crescimento vegetal. Além disso, quando o gado pisoteia massivamente o solo, este é compactado. Isto torna a absorção da água dificultada, além de possibilitar o arraste de material superficial pelo vento e pela água, resultando em processos erosivos. Com efeito, a formação das estepes semi-áridas da China e possivelmente do deserto do Sahara são resultado de séculos de pastoreamento de bois, ovelhas e carneiros nestas áreas que antes apresentavam perfil vegetal totalmente diverso.

    Ovelhas e cabras são capazes de transformar completamente uma paisagem em 3 a 7 anos. Em uma área cuja cobertura vegetal tenha sido removida e que tenha sofrido a ação do superpastoreamento, a temperatura tende a ser cerca de 4º C maior. Quando este aumento na temperatura deixa de ser caso isolado e torna-se generalizado, verificamos a ocorrência de aquecimento global, colapso de sistemas agrícolas, desastres naturais, morte de recifes de corais, propagação e surgimento de novas pragas agrícolas e salinização de corpos de água doce, entre outras conseqüências de alterações climáticas.

    De que forma o vegetarianismo auxilia na proteção das florestas e áreas naturais?
    Uma alimentação exclusivamente vegetariana é compatível com a manutenção de florestas e outras áreas naturais, por otimizar o processo produtivo e não demandar grandes quantidades de recursos. Supondo uma população mundial vegetariana, seria suficiente o cultivo de terras com reconhecida aptidão para a agricultura. Desta forma, não haveria demanda pela irrigação ou pela exploração de novas terras, ficando estas reservadas para os ecossistemas naturais.

    *Sérgio Greif
    Biólogo, Coordenador do Departamento de Meio Ambiente da Sociedade Vegetariana Brasileira, Mestre em Alimentos e Nutrição, Especialista em Nutrição Vegetariana
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Claro que a transição pode ser feita aos poucos e uma redução no consumo de carne e derivados animais já ajudaria bastante tanto a saúde pública quanto a saúde do Planeta (lembrando que até a SpaceX conseguir terraformar Marte não temos, literalmente, lugar nenhum pra fugir no espaço, e que um aumento de 2º na temperatura do planeta já seria devastador, e estamos nos encaminhando para uma elevação de 5º nos próximos 200 anos, então é sério o negócio) -

    Com moderação
    Felizmente, o mundo inteiro não precisa adotar o vegetarianismo ou veganismo para que possamos ter os benefícios sem os prejuízos.

    Em vez disso, é fundamental uma moderação na frequência com que se come carne e no tamanho das porções.

    Um estudo comprovou que se a Grã-Bretanha adotasse as recomendações alimentares da Organização Mundial de Saúde (OMS), suas emissões de gases de efeito estufa cairiam 17% - algo que poderia cair ainda outros 40% se os habitantes evitassem produtos de origem animal e alimentos processados.

    "São pequenas mudanças que os consumidores nem perceberiam. Não seria algo como ser vegetariano versus ser carnívoro", explica Jarvis.
    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Além da moderação temos a iniciativa segunda sem carne, defendida por ninguém menos que Paul McCartney
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Feito esse compêndio, vou falar agora do MEU veganismo e por que decidi adotá-lo.

    Primeiramente, para mim é fácil ser vegana. Minha mãe tinha que se virar nos 30 para me fazer beber nescau quando criança (sim, eu sempre detestei achocolatado com leite, apesar de amar brigadeiro e bolo de chocolate). Para me fazer comer carne, então, só com milagre. O frango tinha que vir disfarçado em um mar de maionese e farofa bem temperada, a carne tinha que ser moída e disfarçada com molhos e outros acompanhamentos. Senão eu realmente não queria saber.
    OK, eu gostava de um bacon ou calabresa na pizza, mas o presunto não me descia desde nunca.
    Eventualmente, depois de anos indo a churrascarias sem comer a carne, comecei a gostar de vazio - mas só daquela parte carbonizada que tinha gosto de queimadinho. Da carne ao ponto sempre tive pavor.
    Nos últimos anos desenvolvi uma paixão alucinada por restaurantes veganos - de repente encontrei a minha praia. Mas como eu sou das marombas, ainda tentava me forçar a comer omelete (e quase vomitava depois), e adorava queijos (me diz um único ser humano que não ama???), e de vez em quando, com um help do @Slicer, cozinhei carne moída algumas vezes (porque é a única que não precisa encostar para cozinhar - nunca consegui encostar num pedaço de carne crua).

    Feita a contextualização, sim, é fácil pra mim ser vegana.

    Foi um alívio tremendo não tentar mais me forçar a comer ovo ou carne. Foi também um grande alivio deixar de ''empurrar com a barriga'' uma responsabilidade que eu já sentia desde sempre com os demais seres vivos e com o planeta.

    Digo isso porque eu sei que a maioria das pessoas não se enquadra nessa descrição - a maioria genuinamente gosta de carne, ovo, leite e derivados, e não sente remorso em relação aos animais, afinal animais sempre se alimentaram de outros animais e essa é a vida, e quanto ao planeta, bom, uma hora alguém vai surgir com uma solução, afinal a ciência vem se desenvolvendo exponencialmente.

    O que eu não falei até agora foi o marco que me fez mudar de prática concretamente, e a razão é a seguinte: mesmo não gostando, eu acreditava que comer carne, ovo e leite eram necessários para minha saúde. Até que eu descobri que não apenas não eram, como são nocivos.

    Agora entra uma parte da minha argumentação que merece um disclaimer.

    Os assuntos sobre os quais vou falar agora não são pacíficos entre médicos e nutricionistas - na verdade, é objeto de embate ferrenho entre eles, e qualquer pessoa que fale o que vou falar agora pode se preparar para ser apedrejado.

    Então, caso queira continuar acreditando nas próprias convicções, beleza. Mas como aqui no fórum (em tese...) os participantes em geral leem mais, são mais bem informados e mais inteligentes, eu peço que refutem meus argumentos com dados, estudos, etc. com fontes sólidas e não financiadas pelo agronegócio.

    Os opositores da whole food plant-based diet costumam acusar seus defensores de cherry picking (filtro de informações para só ressaltar aquilo que convier). É claro que a mesma acusação também pode ser feita para o outro lado.

    Estou dizendo tudo isso para que os dados que eu vou postar a seguir sejam recebidos de forma crítica e consciente por todos.

    Então vamos ao que importa

    Eu já conhecia a obra do Dr Michael Greger há um tempo, mas nunca tinha parado para realmente ler e ir a fundo nisso até que o livro dele (com um título click bait bem agressivo) How not to die entrou em promoção na loja do kindle. Avisei meu marido, um natureba/saudável hardcore, e ambos passamos a ler o dito cujo.

    No final daquela semana ambos tínhamos nos convertido.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Qual é o diferencial deste livro frente ao resto?
    1. O autor não fica com nenhum lucro. Todas as vendas vão para o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    que basicamente dá toda a informação gratuitamente. Ele também tem um canal no youtube com toneladas de infomação
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    2. Tudo que ele fala, ABSOLUTAMENTE TUDO, vem diretamente de um estudo científico, e ele SEMPRE fala os prós e contras do estudo de forma realista - por exemplo, ele avisa quando o estudo não é ''randomized and double blinded'', por exemplo quando não dão os alimentos em pó para os participantes, então é óbvio que eles sabem que o que estão comendo não é um placebo e portanto podem dar resultados enviesados (biased).
    3. Ele investiga quem financia os estudos também.

    Já varri a internet atrás de denúncias de algum interesse do dr Greger - estaria ele sendo financiado pela whole foods? Pela indústria do brócolis, como ele mesmo adora brincar? Até agora não achei nada.

    Lembrando que o que o livro defende é uma alimentação integral baseada em plantas, o que significa que ele não está pregando o veganismo - tu pode seguir o livro e usar uma bolsa de couro sem dor na consciência. Por outro lado, um vegano que é vegano só pela causa animal pode comer oreos, mas quem segue a WFPBD (whole food plant based diet) deve evitar oreos porque eles fazem mal, simples assim.

    Vou anexar aqui algumas informações interessantes publicadas no nutrition facts:

    No matter where we live, how old we are, or what we look like, health researchers have discovered that 90% of risk for having a first heart attack can be attributed to nine modifiable risk factors. The nine factors that are threatening our lives include smoking, too much bad cholesterol, high blood pressure, diabetes, abdominal obesity, stress, a lack of daily fruit and vegetable consumption, as well as a lack of daily exercise.
    It was not appreciated until recently that the average blood cholesterol level in the United States, the so-called “normal” level, was actually abnormal, accelerating the blockages in our arteries, and putting a large fraction of the normal population at risk for our #1 killer. That’s cited as one of the reasons the cholesterol controversy lasted so long–an unwillingness to accept the notion that a very large fraction of our population actually has an unhealthily high cholesterol level. Normal cholesterol levels may be terminal cholesterol levels.
    The optimal cholesterol level, the optimal “bad cholesterol” LDL level, is 50 to 70. Accumulating data from multiple lines of evidence consistently demonstrate that that’s where a physiologically normal LDL level would be. That appears to be the threshold above which atherosclerosis and heart attacks develop.
    In the same way, the egg industry can design a study showing that adding eggs doesn’t make much of a difference, but make the same convenient omission. Imagine if you took a raging drunk, and had them take a shot of whiskey. In someone who’s hammered, it might not make much of a difference. But, to a teetotaler, a couple shots could have quite an effect. So, it’s like the alcohol industry with a group of drunks saying, “See, couple shots; no big deal.” But, that doesn’t mean it’s not better to be sober.

    Instead of going from high-risk to high-risk, better to go to low-risk, or no-risk.


    The American Egg Board is a promotional marketing board appointed by the U.S. government, whose “mission is to increase demand for egg and egg products on behalf of U.S. egg producers.” Now, if an individual egg company wants to run an ad campaign, they can say whatever they want. But, if an egg corporation wants to dip into the ten million dollars the American Egg Board sets aside for advertising, because the board is overseen by the federal government, corporations are not allowed to lie with those funds. What a concept! Which leads to quite revealing exchanges between the egg corporations that want to use that money, and the USDA—on what egg companies can and cannot say about eggs.

    Thanks to the Freedom of Information Act, I was able to get my hands on some of those emails. Of course, a lot of what I got looked like this: “Please note a number of items” about our “Salmonella Crisis…Module…any questions[?]” Or, even better, entire sheets of paper that literally just said this [“Please consider the environment before printing this email”]. That was the whole sheet of paper. Our tax dollars, hard at work.

    But check this out. This is some egg company trying to put out a brochure on “healthy snacking” for kids. But because of existing laws against false and misleading advertising, the head of USDA’s Poultry Research and Promotion program reminds them that “you can’t couch eggs [or] egg products as being ‘healthy’ or ‘nutritious.'” See, the words “[nutritious and healthy carry certain connotations” (you know, that a food is actually good for you). But, “because eggs have the amount of cholesterol they do” (plus all the saturated fat), the words healthy and nutritious “are problematic” when it comes to eggs. This is the USDA saying this! However, the USDA helpfully suggests, you can say eggs are “nutrient-dense.”

    Wait a second. Why can you say eggs are nutrient-dense, but not nutritious? Because there’s no legal definition of nutrient-dense. You can say Twinkies and Coca Cola are nutrient-dense, but legally, you can’t say something is nutritious unless it’s actually nutritious.

    So, for example, the egg industry wanted to run this ad calling eggs a “Nutritional POWERHOUSE [that] aids in weight [loss].” The USDA had to remind the industry you can’t “portray eggs as a diet food, because of the fat and cholesterol content.” In fact, “they have nearly twice the calories of anything that can be called low-calorie.”

    “‘Nutritional powerhouse’ can’t be used, either.” Fine, the industry said. They’ll “move…to PLAN B, and headline the ad “Egg-ceptional Nutrition.” Nope, because again, given the saturated fat and cholesterol, you can’t legally call eggs nutritious. So, the ad ended up: “Find true satisfaction.” And, instead of weight loss, they had to go with “Can reduce hunger.” USDA congratulated them on their “clever[ness].” Yes, a food that, when eaten, can reduce hunger—what a concept.

    You can’t even call eggs a food “relatively low in calories.” Can’t say “eggs are low in saturated fat”—they’re not. Can’t say they’re “relatively low in…fat.” Can’t even call them a rich source of protein—because they’re not.

    It’s illegal to advertise that eggs “pack a…nutritional wallop.” “Can’t [truthfully] say that.” Or, have a “high nutritional content.” You can’t say eggs are “nutritious” at all. Can’t say “nutritious;” cannot say eggs are “nutritious.” (Sometimes you have to tell the industry a few times.) Eggs have so much cholesterol, you can’t even say they “contribute nutritionally.” Can’t say eggs are “healthful,” certainly can’t say they’re “healthy.” Have you seen how much cholesterol there is in those things? Can’t say “healthy.” Can’t even say eggs “contribute healthful components.”

    Since you can’t say eggs are a “healthy…start to the day,” the USDA suggests “satisfying start.” Can’t call eggs a “healthful ingredient,” but you can call eggs a “recognizable ingredient.” Can’t truthfully say eggs are “good for you.” Can’t say they’re “good for you.” By law, the egg industry “need to steer clear of words like ‘healthy’ or…’nutritious.’”

    For a food to be labeled “healthy” under FDA rules, it has to be low in saturated fat. Eggs fail that test—and less than 90mg of cholesterol per serving. Even half an egg fails that criteria. For the same reason you can’t tout “an ice cream” for healthy bones, you can’t say eggs are healthy—because they exceed the limit for cholesterol.

    Egg corporations aren’t even allowed to say things like “Eggs are an important part of a well- balanced, healthy diet” on an egg carton, because it would be “considered misleading,” according to the USDA’s National Egg Supervisor—”since eggs contain significant amounts of fat and cholesterol,” and, therefore, contribute to the leading killer in the United States, heart disease.

    The industry can’t afford to tell the truth about eggs, or even the hens that lay them. The industry crams five to ten birds in cages the size of a file cabinet their whole lives, but when providing footage to the media, the American Egg Board instructs, “Do not show multiple birds in cages—they look too crowded and open us up to activist criticism.” In other words, do not show the truth.

    Not only is the industry barred from saying eggs are healthy; they can’t even refer to eggs as “safe.” “[A]ll references to safety must be removed,” because more than a hundred thousand Americans are salmonella-poisoned every year from eggs.

    The egg board response to this eggborne epidemic is that salmonella is “a naturally occurring bacteria.” The egg industry didn’t think that should necessarily be the key message, fearing, “It may be counterproductive by implying there is no avoiding Salmonella in eggs aside from avoiding eggs all together.”

    That’s why the American Egg Board can’t even mention anything but eggs cooked hard and dry. No “soft-boiled,” no “over easy,” no “sunny side up,” because of salmonella.

    The American Egg Board’s own research showed that “The sunny-side-up [cooking] method should be considered unsafe.” And, because of “avian influenza,” as well, not just salmonella. In light of bird flu viruses, eggs must be cooked “firm.” The “VP [of[ Marketing” for the Egg Board complained to the USDA, saying they’d, you know, “really like to not have to dictate that yolks are firm.”

    You know, what about some “Washington Post article” saying runny yolks may be safe for everyone, except “pregnant women, infants, the elderly [or] those with chronic disease”? Turns out that was a “misquote”—they can’t be considered safe for anyone.

    Instead of safe, you can call eggs “fresh,” the USDA Marketing Service helpfully suggests. But you can’t call eggs “safe,” you cannot say eggs are “safe to eat,” can’t say they’re “safe,” can’t even mention “safety,” can’t say they’re “healthful.” All “[r]eferences to healthfulness must be deleted,” as well.

    Wait a second. Eggs can’t really be called healthy? Eggs can’t even really be called safe? Says who? Says the United States Department of Agriculture.

    Tem muito mais...

    Aí depois ainda tem o argumento evolutivo, que o ser humano é onívoro pero no mucho, isto é, se era para comer carnes ou derivados animais, a proporção deveria ser ínfima comparado ao que a dieta ocidental prega hoje em dia.

    Isso sem falar na obsessão da proteína e na falta de alerta sobre o consumo de fibras.

    Ainda tem gente que não sabe que carnes processadas são reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde como cancerígenos, em especial do câncer colorretal - mas os próprios médicos (cujas universidades e eventos são bancados por coca cola, mcdonnalds e afins) disseram para não se preocupar, porque o risco só aumenta uns 17% - quase 1/5 de chance de câncer no reto é um risco aceitável?!?!??

    E o principal: se tu tiver um filho HOJE, tu vai levar ele pra comer algo que vai aumentar em 17% a chance dele de passar por uma das piores experiências que um ser humano pode ter? Estou vendo uma pessoa de 70 anos na minha família definhar numa maca exatamente com esse câncer, tendo tido que usar por anos a bolsa de colonoscopia.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Eu, particularmente, cheguei à conclusão de que as pessoas devem entrar em negação justamente por não conseguir lidar com sua própria culpa - se eu tivesse um filho de, digamos, 20 anos, para quem eu tivesse alimentado essas carnes (especialmente as processadas) desde pequeno, eu iria querer viver com esse pensamento de que eu aumentei em 1/5 a chance dele ter câncer e quase 100% a chance dele ter problemas cardíacos no futuro? O que é pior, encarar esses fatos e mudar, ou fazer de conta que estou certa e continuar como estava, encontrando alguma desculpa pra limpar minha barra?

    Tem muita evidência de muita coisa que deveria ser debatida. Mas ninguém quer falar nisso, a não ser uns poucos ativistas.

    Não é do interesse de ninguém. O povo prefere envelhecer sem saúde a parar de comer carne e leite e ovos.

    Lembrando que de nada adianta ser vegano e só comer bobagem.

    Muita gente só se livra do paladar infantil ao se tornar vegano e descobrir que as coisas têm sabor - que não seja o sabor dos quilos de sal, açúcar e gordura que os restaurantes colocam em tudo.

    Enfim, como qualquer veneno conveniente, eu ainda abro exceções para derivados animais - a carne cortei de vez. Minha fisolofia é de comer vegano sempre que possível, e quando não for possível, maneirar. Para o grosso da minha alimentação eu como saudável (basicamente vegetais frescos) e evito os pega ratões carésimos como "substitutos" vegetais (manteiga vegetal, leite vegetal, carne vegetal...) que além de caros são processados e portanto não muito saudáveis.

    Meu cardápio tem sido, basicamente:

    1. Café da manhã - começar o dia com uma tigela abarrotada de frutas (uns 5 tipos), muita aveia, farinha de linhaça, cacau 100%, canela e gengibre em pó, e algum tipo de castanha ou amendoim. Às vezes acho que chega a dar 1kg de comida. Não sei bem. Mas é parrudo. Daí pego a bicicleta, vou pro trabalho e quando der fome,
    2. Almoço - uma concha bem cheia de arroz integral, uma concha bem cheia de feijão sem porco, e tudo que tiver de vegetal não frito no buffet. Sobremesa: frutas.
    3. Lanche da tarde: o mesmo do café da manhã.
    4. Janta: quando possível, algo semelhante ao almoço, ou um suco verde com tudo que tiver de fruta e vegetal em casa, ou pipoca sem oleo, ou massa integral...

    Como podem ver, nada de outro mundo.

    Esse é o meu ''veganismo''. Não precisa ser radical pra fazer uma bela diferença para a própria saúde, para o planeta, e, pra quem se importa com isso, para os animais.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 5 Fev 2018, Data da Mensagem Original: 5 Fev 2018 ---
    E se alguém acha que médicos/nutricionistas não receitariam algo cancerígeno para os pacientes:


    Parece que há uma tendência para a direção do veganismo, mas, assim como a indústria do tabaco, as indústrias da carne, leite e ovos disseminam dúvidas. Elas não precisam dar certezas. Basta plantar a dúvida que as pessoas seguirão consumindo seus infartos e cânceres felizonas, como ainda tem gente fumando seus cânceres de pulmão todo santo dia mesmo com toda informação do mundo...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    transcrição:

    In 1954, the tobacco industry paid to publish the “Frank Statement to Cigarette Smokers” in hundreds of U.S. newspapers. It stated that the public’s health was the industry’s concern above all else and promised a variety of good faith changes. The “Frank Statement” was a charade, the first step in a concerted, half-century-long campaign to mislead Americans about the catastrophic effects of smoking, and to avoid public policy that might damage sales. What followed were decades of deceit and actions that cost millions of lives. In the hope that the food industry history will be written differently, these researchers highlight important lessons that can be learned from the tobacco experience.

    The processed food industries use tactics similar to those used by tobacco companies to undermine public health interventions. They do this by distorting research findings, co-opting policy makers and health professionals, and lobbying politicians and public officials. In his book about his fight with the tobacco industry, former FDA commissioner David Kessler recounted similar strong-arm tactics used by the meat industry to try to squash nutrition regulations.

    The Supreme Court’s Citizens United decision allowing corporations to spend unlimited amounts on political ads during election campaigns could make things even worse, by working against candidates who support public health positions.

    Another similarity between tobacco and food companies is the introduction and heavy marketing of “safer” or “healthier” products. When cigarette sales dropped due to health concerns, the industry introduced “safer” filtered cigarettes that gave health-conscious smokers an alternative to quitting, and sales shot back up. Ironically, the filters originally had asbestos in them.

    Less nicotine, less tar, and now with Reduced Carcinogens! And, how could anything be bad for you if it is 100% organic?

    Today, leaner pork or eggs with less cholesterol may be the food industry’s low-tar cigarettes. A KFC ad campaign depicted an African American family in which the father was told by the mother that “KFC has 0 grams of trans fat now.” The father, in the presence of children, shouts, “Yeah baby! Whoooo!!” and then begins eating the fried chicken by the bucketful.

    Or cereal companies touting all the whole grains in their cocoa puffs brownie crunch. Fruit Loops now provides fiber.

    A U.S. district judge overseeing a tobacco industry case put it well: “All too often in the choice between the physical health of consumers and the financial well-being of business, concealment is chosen over disclosure, sales over safety, and money over morality. Who are these persons who knowingly and secretly decide to put the buying public at risk solely for the purpose of making profits, and who believe that illness and death of consumers is an apparent cost of their own prosperity?” Above all, the experience of tobacco shows how powerful profits can be as a motivator, even at the cost of millions of lives and unspeakable suffering.

    To see any graphs, charts, graphics, images, and quotes to which Dr. Greger may be referring, watch the above video. This is just an approximation of the audio contributed by Katie Schloer.
     
    • Ótimo Ótimo x 7
  2. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Eu confesso (pera, topico errado?) que eu não me sinto muito inclinado a virar vegano não. Como eu disse em outro lugar, eu sou semi-vegetariano, no sentido de que sou quase vegetariano mas abro exceções pra alguns embutidos de vez em quando (tipo calabresa da pizza). Então virar vegetariano de verdade eu cogito bastante e está totalmente ao alcance da minha zona de conforto.
     
  3. Mellime

    Mellime A little less lost


    Vela, o que eu peço (a quem quiser me ouvir, pelo menos) é primeiro buscar informação, e decidir depois o quão longe tu consegue ir. Quem sabe ir atrás dos prós e contras de queijos? Tu prefere não saber com medo de acabar parando se souber? Também há a opção de limitar esse consumo, por exemplo, para os finais de semana. Isso exigiria uma readaptação para os outros dias - mas descobrir coisas novas e sair da caixa é bom, como tu mesmo prega. De quebra minha xará ia ficar contente.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  4. Mellime

    Mellime A little less lost

    Confesso que eu falei lá no confesso que ninguém iria querer falar sobre isso... Pediram pra eu fazer um tópico . Daí eu passo horas escrevendo o tópico bem detalhadinho sobre como cada um faz o que quer da sua vida e dou a minha visão (conforme estimulado lá no confesso) . Nao gosta basta não ler. Para isso temos aquele botão de ignorar o tópico :dance:
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  5. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    O que é "vegetariano estrito" @Mellime ?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Mellime

    Mellime A little less lost

    É quem não come carne nem derivados animais (se alimenta igual a um vegano, mas sem nenhum ativismo pró animais, então pode usar acessórios de couro, etc)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Parece que falta uma mensagem antes dessa, pq não entendi o contexto. Alguém criticou algo e depois deletou?
     
  8. Mellime

    Mellime A little less lost

    Alguém se ofendeu em outra rede social. Peço que se alguém tiver alguma crítica à minha visão conforme exposta aqui, ao meu texto ou ao assunto do tópico, que fale aqui ou ignore. É sobre o assunto do tópico, não é pessoal.

    Honestamente não vi motivo pra ofensa na forma como falei, até achei que ninguém ia se interessar pelo assunto, mas pediram lá no confesso e eu fiz - mas como pessoa que já sofreu com relacionamentos abusivos, eu entendo que quem está com a fala não é a melhor para julgar os efeitos do próprio discurso, e que quem tem que opinar sobre isso é o interlocutor .
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  9. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Em outro tópico eu comentei recentemente que quis experimentalmente me testar melhor, ver até aonde eu poderia chegar com uma dieta mais verde e menos animal possível, mas por enquanto só dá pra ficar no mínimo num meio-termo e se eu quiser evoluir, sinto que tem que ser gradual e não radical do dia pra noite como tentei fazer. Pelo menos aos poucos, graças a ter começado a frequentar alguns bons restaurantes indianos de culinária vegana, tenho certeza que essa evolução gradual vai continuar, pois sempre fui admirador da culinária desse povo e nada é tão bom como comer algo muito bem preparado e temperado e uma refeição vegana nessa situação não fica devendo em absolutamente nada a uma de base animal.

    Uma certeza que tenho é que pelo menos a noite já há vários anos, a minha dieta é totalmente 0% animal, a base de frutas e sucos. Nesse período me considero um autêntico "frugalista".
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  10. Nienna...

    Nienna... Worrier/Warrior

    Ai, adoro conversar sobre isso...

    Em março fazem 5 anos que comecei com o vegetarianismo. Minha transição pra ele não foi lá tão suave quanto a da Mellime, já que comia muita carne e não tinha uma dieta muito saudável (tá, comparando com o que outras pessoas da minha idade comiam era quase uma maravilha)... virei ovo-lacto de um dia pro outro e se não fosse tão teimosa aos 14 (não que eu ainda não seja) acho que no primeiro mês teria desistido, porque tiveram dois churrascos nele onde basicamente esqueceram de mim e ainda tive de escutar uma chuva de comentários desnecessários (não que eu ainda não escute). Passei 7 meses ovo-lacto, mas como não sacava quase nada de nutrição e não tinha incrementado minha dieta direito fiquei anêmica e minha mãe me forçou a reintroduzir peixe na minha alimentação... passei os próximos dois anos e meio alternando entre vegetariana e pescetariana, até que em 2016 bati o pé e descidi voltar completamente pro ovo-lacto na perspectiva de eventualmente passar para um veganismo ou vegetarianismo estrito.

    Atualmente como mais proteína animal do que gostaria e espero que agora que tenho um pouco mais de tempo consiga diminuir isso... depois de 5 anos falando na cabeça da minha mãe, na metade de janeiro ela resolveu parar de comer carne e meu irmão fez promessa (por alguma coisa louca, vai saber) de ficar ate o final de junho sem carne também, então pela primeira vez não vai mais entrar carne lá em casa e eu talvez consiga fazer a transição pro estrito sem minha mãe me matar e ter que ouvir 6383672 comentários completamente desnecessários ( meu primo agora é pescetariano, então não sou a única na família). É ver se essa mineirinha com ascendência italiana aqui consegue se livrar do vício em queijo...

    Além da alimentação, procuro fazer uso de produtos que não testem ou levem produtos animais. Vou super bem com os cosméticos ( até porque não uso maquiagem, então é só cabelo e pele), mas ainda estou procurando um creme de hidratação vegano que seja bom pro meu cabelo. Peco super quando o assunto é couro, porque (embora não compre nenhum artigo com fibras de origem animal há mais de um ano e meio e tudo que faz uso delas seja slow fashion ou artesanal) vários dos meus sapatos levam e eu amo coisinhas feitas com couro demais.

    Sei lá, to aqui aberta pra conversar sobre e trocar receitinhas, porque comida vegana é delicia demais... aliás: belorizontinos, pessoas visitando bh e futuramente moradores de São Paulo, não deixem de ir ao Las Chicas... a comida lá é fantástica e o espaço e a atmosfera são super delicinha. Tem um no Malleta e outro na Savassi ( Getúlio Vargas quase de frente à Kopenhagen)
     
    • Gostei! Gostei! x 3
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  11. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Onívoro é aquele que come de tudo mesmo ou é alguma categoria especial na novilíngua vegetariana? :dente:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  12. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Engraçado que esse semivegetarianismo é algo que faço desde uns 5 anos de idade, e nunca tive anemia. Eu realmente não sei de onde eu tomo ferro.



    No bom sentido, gente...





    Que eu saiba onívoro é como os humanos são normalmente classificados na biologia hoje (no sentido de comer de tudo mesmo). Vi estudos que nos tempos pré-históricos a humanidade era frugívora e se tornou onívora por escassez mesmo.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  13. Mellime

    Mellime A little less lost

    Eriadan, tem gente que acha que o certo é chamar de carnívoro quem come carne e todo o resto, mas o termo correto é onívoro. Na verdade carnívoro é um termo até meio ofensivo.
     
  14. Fabricio Souza

    Fabricio Souza kallisti

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 5
  15. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Quando me perguntam às vezes eu digo que sou "vegetarianívoro". Mas ninguém nunca entende a piada.
















    Vegetarianívoro = quem come vegetarianos...
     
    • LOL LOL x 6
  16. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Onívoro é o termo que se aprende nas aulas de biologia mesmo :P
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  17. Mellime

    Mellime A little less lost

    Sobre os principais nutrientes:

    ferro tem em muitos vegetais e tu consegue níveis muito bons numa dieta vegana bem variada. ênfase nas folhas verdes escuras e brócolis. quando em dúvida, aposta em um vegetal verde escuro que vai ser sucesso.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)




    leite não apenas não é uma fonte essencial de cálcio como aumenta chance de osteoporose. vegetais têm muito cálcio sem os riscos associados ao leite.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    B12 não dá em planta nem em animais. Os animais possuem flora intestinal (bactérias) que produz B12, ou porque os humanos dão suplementos para eles. A fonte natural que o ser humano sempre teve de B12 foi água não tratada, já que o solo está cheio de bactérias que produzem B12. Então a solução é simples: continuar com água tratada e suplementar B12.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  18. Fabricio Souza

    Fabricio Souza kallisti

    Na época do natal era sempre a mesma pergunta: "e as proteínas?"

    Meu início no veganismo foi um pouco mais fácil, pois sempre fui averso a leite puro e queijo, largar os derivados foi tranquilo.
    Pra quem mora em SP um bom atrativo e incentivo é visitar a região da zona cerealista, no centro da cidade, perto do mercadão. Se você gosta e tem tempo pra cozinhar é um achado, valores bem em conta. Da pra fazer aquelas adaptações de pratos veganos maravilhosas, com ingredientes encontrados nos armazéns da "zona".
    Apostem também nos sucos verdes (que são uma delícia :cheers:).
     
    • Ótimo Ótimo x 3
  19. Mellime

    Mellime A little less lost

    e as proteínaszzZzzzZZZZzZzZzZzz... :zzz:

    a dieta ocidental consome menos da metade do mínimo necessário de fibras e o dobro das proteínas

    The Protein Myth


    The Building Blocks of Life
    Protein is an important nutrient required for the building, maintenance, and repair of tissues in the body. Amino acids, the building blocks of protein, can be synthesized by the body or ingested from food. There are 20 different amino acids in the food we eat, but our body can only make 11 of them. The nine essential amino acids, which cannot be produced by the body, must be obtained from the diet.

    A variety of grains, legumes, and vegetables can provide all of the essential amino acids our bodies require. It was once thought that various plant foods had to be eaten together to get their full protein value, otherwise known as protein combining or protein complementing. We now know that intentional combining is not necessary to obtain all of the essential amino acids.1 As long as the diet contains a variety of grains, legumes, and vegetables, protein needs are easily met.



    Protein Requirements
    With the traditional Western diet, the average American consumes about double the protein her or his body needs. Additionally, the main sources of protein consumed tend to be animal products, which are also high in fat and saturated fat. Most individuals are surprised to learn that protein needs are actually much less than what they have been consuming. The Recommended Dietary Allowance (RDA) for protein for the average adult is 0.8 grams per kilogram of body weight.2 To find out your average individual need, simply perform the following calculation: Body weight (in pounds) x 0.36 = recommended protein intake (in grams)

    However, even this value has a large margin of safety, and the body’s true need may be lower for most people. Protein needs are increased for women who are pregnant or breastfeeding. In addition, needs are also higher for very active persons. As these groups require additional calories, increased protein needs can easily be met through larger intake of food consumed daily. An extra serving of legumes, tofu, meat substitutes, or other high protein sources can help meet needs that go beyond the current RDA.

    The Problems with High-Protein Diets
    High-protein diets for weight loss, disease prevention, and enhanced athletic performance have been greatly publicized over recent years. However, these diets are supported by little scientific research. Studies show that the healthiest diet is one that is high in carbohydrate, low in fat, and adequate in protein. Increased intake of whole grains, fruits, and vegetables is recommended for weight control and preventing diseases such as cancer3 and heart disease.4 High-carbohydrate, low-fat, moderate- protein diets are also recommended for optimal athletic performance.5 Contrary to the information on fad diets currently promoted by some popular books, a diet that is high in protein can actually contribute to disease and other health problems.

    • Osteoporosis. High protein intake is known to encourage urinary calcium losses. Plant-based diets, which provide adequate protein, can help protect against osteoporosis. Calcium-rich plant foods include leafy green vegetables, beans, and some nuts and seeds, as well as fortified fruit juices, cereals, and nondairy milks.
    • Cancer. Although fat is the dietary substance most often singled out for increasing one’s risk for cancer, animal protein also plays a role. Specifically, certain proteins present in meat, fish, and poultry, cooked at high temperatures, especially grilling and frying, have been found to produce compounds called heterocyclic amines. These substances have been linked to various cancers including those of the colon and breast.6-8
      Long-term high intake of meat, particularly red meat, is associated with significantly increased risk of colorectal cancer. The 2007 report of the World Cancer Research Fund and American Institute for Cancer Research, Food, Nutrition, and the Prevention of Cancer reported that, based on available evidence, diets high in red meat were considered probable contributors to colorectal cancer risk. In addition, high-protein diets are typically low in dietary fiber. Fiber appears to be protective against cancer.3 A diet rich in whole grains, fruits, and vegetables is important in decreasing cancer risk,3 not to mention adding more healthful sources of protein in the diet.
    • Impaired Kidney Function. When people eat too much protein, it releases nitrogen into the blood or is digested and metabolized. This places a strain on the kidneys, which must expel the waste through the urine. High-protein diets are associated with reduced kidney function. Over time, individuals who consume very large amounts of protein, particularly animal protein, risk permanent loss of kidney function. Harvard researchers reported that high-protein diets were associated with a significant decline in kidney function, based on observations in 1,624 women participating in the Nurses’ Health Study. The good news is that the damage was found only in those who already had reduced kidney function at the study’s outset. The bad news is that as many as one in four adults in the United States may already have reduced kidney function, suggesting that most people who have renal problems are unaware of that fact and do not realize that high-protein diets may put them at risk for further deterioration. The kidney-damaging effect was seen only with animal protein. Plant protein had no harmful effect.9
      The American Academy of Family Physicians notes that high animal-protein intake is in part responsible for the high prevalence of kidney stones in the United States and other developed countries and recommends protein restriction for the prevention of recurrent kidney stones.10
    • Heart Disease. Typical high-protein diets are extremely high in dietary cholesterol and saturated fat.
      The effect of such diets on blood cholesterol levels is a matter of ongoing research. However, such diets pose additional risks to the heart, including increased risk for heart problems immediately following a meal. Evidence indicates that meals high in saturated fat adversely affect the compliance of arteries, increasing the risk of heart attacks.11 Adequate protein can be consumed through a variety of plant products that are cholesterol-free and contain only small amounts of fat.
    • Weight-Loss Sabotage. Many individuals see almost immediate weight loss as a result of following a high-protein diet. In fact, the weight loss is not a result of consuming more protein, but by simply consuming fewer calories. Over the long run, consumption of this type of diet is not practical as it can result in the aforementioned health problems. As with any temporary diet, weight gain is often seen when previous eating habits are resumed. To achieve permanent weight loss while promoting optimal health, the best strategy involves lifestyle changes including a low-fat diet of grains, legumes, fruits, and vegetables combined with regular physical activity.
    Protein Checklist
    High-protein diets are unhealthful. However, adequate but not excess amounts of protein to maintain body tissues, including muscle, are still important and can be easily achieved on a plant-based diet. If you are uncertain about the adequacy of protein in your diet, take inventory. Although all protein needs are individual, the following guidelines can help you to meet, but not exceed, your needs.

    • Aim for five or more servings of grains each day. This may include 1⁄2 cup of hot cereal, 1 ounce of dry cereal, or one slice of bread. Each serving contains roughly 3 grams of protein.
    • Aim for three or more servings of vegetables each day. This may include 1 cup of raw vegetables, 1⁄2 cup of cooked vegetables, or 1⁄2 cup of vegetable juice. Each serving contains about 2 grams of protein.
    • Aim for 2 to 3 servings of legumes each day. This may include 1⁄2 cup of cooked beans, 4 ounces of tofu or tempeh, 8 ounces of soy milk, and 1 ounce of nuts. Protein content can vary significantly, particularly with soy and rice milks, so be sure to check labels. Each serving may contain about 4 grams to 10 grams of protein. Meat analogues and substitutes are also great sources of protein that can be added to your daily diet.
    Healthful Protein Sources (in grams)
    Black beans, boiled (1 cup) .................................15.2
    Broccoli (1 cup).......................................................4.6
    Bulgur, cooked (1 cup)...........................................5.6
    Chickpeas, boiled (1 cup) ....................................14.5
    Lentils, boiled (1 cup)...........................................17.9
    Peanut butter (2 tablespoons)................................8.0
    Quinoa, cooked (1 cup)........................................11.0
    Seitan* (4 ounces)..................................................24.0
    Spinach, boiled (1 cup)...........................................5.4
    Tempeh (1/2 cup)..................................................15.7
    Tofu, firm (1/2 cup)...............................................19.9
    Whole-wheat bread (one slice)..............................2.7




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    There has been a history of enthusiasm for protein in the nutrition world. A century ago, the protein recommendations were more than twice what we know them to be today. This enthusiasm peaked in the 1950s, with the United Nations identifying protein deficiency as a serious widespread global problem. There was a protein gap that needed to be filled. This was certainly convenient for the U.S. dairy industry, which could dump its postwar surplus of dried milk onto the third world, rather than having to just bury it. But this led to the great protein fiasco. There was a disease of malnutrition, called kwashiorkor, that was assumed to be caused by protein deficiency—famously discovered by Dr. Cicely Williams, who spent the latter part of her life debunking the very condition that she first described.

    Turns out there’s no real evidence of dietary protein deficiency. The actual cause remains obscure, but fecal transplant studies suggest changes in gut flora may be a causal factor. How could the field of nutrition get it so spectacularly wrong? A famous editorial about the profession started with these words: “The dispassionate objectivity of scientists is a myth. No scientist is simply involved in the single-minded pursuit of truth, he or she is also engaged in the passionate pursuit of research grants and professional success. Nutritionists may wish to attack malnutrition, but they also wish to earn their living in ways they find congenial.” This inevitably encourages researchers to “make a case” for the importance of their own portion of the field, and “their nutrient,” which was protein.

    Science eventually prevailed, though, and there was massive recalculation of human protein requirements in the 1970s, which “at the stroke of a pen” closed the “protein gap,” and destroyed the theory of the pandemic of “protein malnutrition.” Infant protein requirements went from a recommended 13% of daily calories, to 10%, 7%, then 5%. However, to this day, there are still those obsessing about protein. Those promoting Paleolithic diets, for example, try to make the case for protein from an evolutionary perspective.

    Okay, so what is the perfect food for human beings, the food that was fine-tuned just for us over millions of years to have the perfect amount of protein? Human breast milk. If high-quality protein was the “nutrient among nutrients,” helping us build our big brains over the last few million years, one would expect that importance to be resoundingly reflected in the composition of human breast milk—especially since infancy is the time of our most rapid growth.

    But this is patently not the case. Human breast milk is one the lowest-protein milks in the mammalian world. In fact, it may have the lowest protein concentration of any animal in the world—less than 1% protein by weight. This is one of the reasons why feeding straight cow’s milk to babies can be so dangerous. The protein content in human milk is described as extremely low, but it’s not low—it’s right exactly where it needs to be. That’s the natural, normal level for the human species.

    Adults require no more than 0.8 or 0.9 grams of protein per healthy kilogram of body weight per day. So, that’s like your ideal weight in pounds, multiplied by four, and then divided by ten. So, someone whose ideal weight is 100 pounds may require up to 40 grams of protein a day. On average, they probably only need about 30 grams a day, which is .66 grams per kilogram. But we say 0.8 or 0.9 because everyone’s different, and we want to capture most of the bell curve.

    People are more likely to suffer from protein excess than protein deficiency. The adverse effects associated with long-term high protein diets may include disorders of bone and calcium balance, disorders of kidney function, increased cancer risk, disorders of the liver, and worsening of coronary artery disease. Therefore, there is currently no reasonable scientific basis to recommend protein consumption above the current recommended daily allowance, due to its potential disease risks.

    To see any graphs, charts, graphics, images, and quotes to which Dr. Greger may be referring, watch the above video. This is just an approximation of the audio contributed by Katie Schloer.




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  20. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Uma vez vi um diálogo (internet) mais ou menos assim:

    - Cara vc é vegetariano?

    - Sim...

    - Mas vc sabe que vc precisa de proteína né? Não tem como viver sem a proteína da carne

    - É verdade. É impossível viver sem comer carne. É por isso que todos os vegetarianos estão mortos depois de no máximo um ano.

    - Da onde? Isso não é verdade! Vegetariano não morre por ser vegetariano!

    - Vc sabia. E ainda assim veio me encher o saco...
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • LOL LOL x 1

Compartilhar