1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Transformações

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Michael Corleone®, 14 Abr 2004.

  1. Bem, se não me engano isso já foi tema duma discussão sobre gordinhas aqui e pah....sobre boa forma e o pessoal reclamando da vida...e blablabla...

    Encontrei esse texto bem interessante vagando pela net, de autoria de um psicanalista.

    Quem tiver saco, pode ler....é bem interessante e acho que vai prender a atenção de vcs.Experimentem ao menos. :)


    TRANSFORMAÇÕES:


    O programador de computador Dennis Smith, de San Diego, Califórnia, quer virar um tigre. É isso mesmo! Ele quer literalmente se transformar num tigre. Ele já gastou R$ 350 mil em cirurgias plásticas e tatuagens. Dennis pintou o corpo todo de amarelo e mandou tatuar tiras negras imitando a pela de um tigre. Não satisfeito, quer implantar pêlos sobre o corpo. A transformação já dura 20 anos. Ele tem uma coleção de tapetes de pêlo de tigre e quer implantá-los no corpo. Vontade sobra, mas falta dinheiro: isso custaria outros R$ 350 mil e ele não ganha isso nem com um ano de trabalho. Dennis também limou os dentes para afiá-los como os do tigre. Usa unhas como se fossem garras, lentes de contato para brilhar no escuro. Os lábios foram puxados para cima, para que ele pareça sempre estar pronto para morder e Dennis implantou também bigodes de gato.



    "Alguns se vestem de mulher, outros de soldado. Eu sou tigre o tempo todo e amo isso" disse ele ao jornal inglês Daily Record, que publicou a história. Mas o que leva alguém a se comportar desta forma aberrante? Por que tantas pessoas se submetem a estes processos de transformação física de gosto duvidoso? Transformações similares, porém numa escala muito menor, são as das pessoas que se submetem diariamente a tratamentos estéticos, cirurgias plásticas, implante de próteses e torturas similares. Estes procedimentos nem sempre não são nem inócuos nem pouco dolorosos, mesmo assim, muita gente nem pestaneja antes de gastar fortunas neste ritual de metamorfose. Há também hormônios, exercícios físicos, perfurações para inserção de jóias corporais (piercings), tatuagens, implantes de cabelo, cauterização de pêlos, química de ponta aplicada à estética e tantas outras técnicas atuais para transformações da aparência. Como se explica este fenômeno?



    Desde a antiguidade o Ser Humano sempre interferiu, de forma maior ou menor, sobre sua própria aparência corporal. Estas alterações de forma variam desde roupas e ornamentos dos mais variados estilos, até verdadeiras mutilações com diversos propósitos. Um exemplo impressionante é a tribo dos "homens-avestruz" na África Central, onde os três dedos centrais dos pés são amputados juntamente com parte dos metatarsos, para que os pés adquiram a aparência dos das aves. Antropólogos chegaram a imaginar que se tratava de uma mutação genética, até que descobrissem que era um procedimento estético feito ao nascimento. Os índios "botocudos" brasileiros abrem um orifício no lábio inferior e o alargam progressivamente com discos de madeira até ostentarem com orgulho lábios que chegam a alcançar dez centímetros de diâmetro ou mais. Reis e rainhas egípcios chegavam a ter atrofias musculares graves, comprovadas hoje em dia pelo estudo de múmias da época, por não fazerem exercícios ou esforços físicos e por prezarem a aparência lânguida e esguia. Outro exemplo bem mais próximo e comum, é a tradição da circuncisão entre judeus e muçulmanos, onde o prepúcio do pênis é retirado de forma ritual para expor a glande. A brutal circuncisão feminina foi e ainda é praticada em certas regiões da África e do Oriente Médio, onde se extirpa o clitóris ou, por vezes, também os grandes e pequenos lábios da genitália externa feminina. No Japão medieval as mulheres desde crianças usavam sapatos de metal que impediam o crescimento dos pés, causando deformações com o intuito de manter os pés pequenos, característica estética muito apreciada naquela sociedade. Na Itália renascentista a castração (retirada de testículos) de meninos cantores, conhecidos como "castrati", era feita com freqüência, para que suas vozes claras e belas não fossem alteradas durante a puberdade. A história de um destes meninos cantores pode ser vista no filme "Farinelli". Tudo isto sem falar no milenar costume de se fazer a emasculação dos genitais masculinos de meninos (retirada completa de pênis, testículos e escroto) para se conseguirem os famosos eunucos que eram milhares na China, Índia, Oriente Médio e mesmo na Roma Antiga. Se pensarmos bem, o costume ocidental muitíssimo comum de mulheres usarem saltos altos nos sapatos (por vezes altíssimos), causando verdadeiras deformações na coluna, encurtamento de tendões e problemas ortopédicos, bem que poderia figurar aqui nesta lista, não?




    Um caso a se pensar detalhadamente é o fenômeno de transformação do famoso cantor norte-americano Michael Jackson. Timidamente ele iniciou seu processo com pequenas correções estéticas por cirurgia plástica, até que anunciou que faria uma série de intervenções estéticas para ter o rosto da cantora Diana Ross. Suas irmãs Latoya Jackson e Janet Jackson seguiram seu exemplo. Mais alguns anos se passaram e com eles vieram inúmeras outras cirurgias para corrigir problemas oriundos das primeiras, resultando numa total transformação das feições originais de Michael, que atualmente possui um rosto muitíssimo mais caucasiano, sem os traços "afro" que seriam característicos de seu grupo étnico. Finalmente, resultado de um tratamento para vitiligo (doença que cursa com despigmentação da pele), o cantor passou a ter uma tez extremamente branca, "descolorida" pelo uso de remédios. Quem observa uma foto dele quando criança e a compara com uma sua atual, dificilmente poderia supor de que se trata da mesma pessoa. Aqui mesmo no Brasil, a atriz Vera Fischer se submeteu a inúmeras cirurgias, implantações de próteses e procedimentos estéticos, praticamente "renascendo" de uma hora para outra, com décadas a menos na idade e muitos centímetros a mais nas curvas. Legiões de jovens rapazes em todo o mundo ocidental capitalista, passam horas diariamente nas academias de ginástica, seguem uma dieta absolutamente rígida hiperprotêica, hipercalórica e desprovida de gordura, usam dezenas de comprimidos de complementos alimentares por dia e aplicam-se hormônios anabolizantes extremamente nocivos à saúde. O resultado é uma imensa massa muscular, a perda da flexibilidade corporal, alterações por vezes graves na coluna, desbalanceamento completo do sistema endócrino que pode chegar à impotência sexual e destruição dos testículos, destruição hepática e renal irreversíveis e até mesmo a morte. Comparado a todos estes exemplos, por que nosso amigo californiano não pode querer virar tigre?



    A sociedade, seja ela qual for, não importa em que época ou em que lugar, sempre elegeu padrões estéticos estritos, que variam drasticamente de uma cultura para outra. O "status" social é dado por tais padrões estéticos. Como a aceitação pelo meio social é uma questão fundamental, até mesmo de sobrevivência para o Ser Humano, uma pessoa é capaz de qualquer coisa para adquirir estes padrões impostos pela sociedade. Alguém que está de acordo com estes ditames estéticos será aceito pelo grupo e terá sua auto-estima reforçada. Esta é a psicologia da "beleza". O fenômeno do "homem-tigre" apenas chama a nossa atenção por se tratar de uma pessoa que busca padrões conflitantes com os da estética vigente. A idéia aqui é a da individualização. O raciocínio é o seguinte: "eu necessito me diferenciar do meio em que estou inserido, para poder ter uma idéia de que existo, de que sou especial ou de alguma forma importante". O pior é que isto realmente funciona bem: Dennis de um programador de computadores absolutamente anônimo e comum, passou a ser notícia de jornais em todo o mundo e nós estamos aqui falando dele, não? No caso, a busca é pela "fama", pela "glória" e não pela "beleza". Os gregos antigos diziam houve uma vez em que os deuses precisaram escolher qual dentre todas as deusas era a mais bela. As três candidatas que se apresentaram foram Aphrodite (Vênus), que representa a Paixão e o Amor, Hera (Juno) que representa a Glória e a Fama e Atena (Minerva) que representa o Conhecimento e a Sabedoria. Neste mito, a vencedora do concurso de beleza "miss Olimpo" foi Aphrodite, que passou a ser a deusa da beleza. Mas cada um de nós deve na vida escolher entre estas três deusas, ou três objetivos de vida, se querem. Há os que se sacrificam pela beleza, há os que se sacrificam pela glória, mas eu, particularmente aconselho que se algum sacrifício deve ser feito, que seja pela sabedoria. De toda forma, os gregos antigos também diziam que qualquer virtude humana é mortal, como todos nós somos mortais. Apenas os deuses são eternos. O mais próximo que podemos chegar das virtudes de um deus é através das artes, pois elas, as obras de arte, são eternas e sobrevivem em muito aos seus atores, por vezes esquecidos pela História.



    O Ser Humano sempre teve uma verdadeira obsessão pela Beleza em todas as suas formas e, igualmente, pelo culto ao belo, onde quer que ele apareça. A beleza humana, a beleza do corpo, está aqui incluída, como não poderia deixar de ser. A questão não é essa, mas quais os padrões estéticos que definem a beleza e o belo e quais seriam os limites do razoável para esta busca pela beleza humana, principalmente em nossos dias.



    O "homem moderno" tem a "obrigação" de ser no mínimo jovem (ou ao menos jovial), alto, forte, másculo, com aparência mais que saudável e esportiva, potente (sexualmente e socialmente), bronzeado de sol (como prova de que tem tempo livre e se dedica ao lazer), bem sucedido (economicamente e socialmente), superficialmente culto (o excesso de cultura pode soar pedantismo ou arrogância) e elegante (como prova de seu sucesso econômico e psíquico). A "mulher moderna" tem a "obrigação" de ser jovem, ter seios fartos, cintura extremamente fina, absolutamente nenhum acúmulo de gordura subcutânea, ausência completa de sinais na pele (tais como rugas, "celulite", acne ou varizes), lábios carnudos, olhos marcantes e úmidos, musculatura rígida, sensualidade à flor da pele (sem no entanto escorregar para a sexualidade franca), habilidades manuais (principalmente no tocante trabalhos domésticos) e personalidade infantilizada (a docilidade é indispensável!). Na falta de qualquer uma destas características (tanto para homens, como para mulheres), o exagero das demais, pode levar a uma "compensação". Parece que estes são os paradigmas universalmente aceitos na atualidade... Caso alguém se coloque fora destas regras rígidas, terá que enfrentar a rejeição social. De onde surgiram estes parâmetros tão pouco naturais e tão difíceis de serem atingidos?



    Sabemos atualmente que tendemos a considerar "belo" tudo aquilo que se apresenta aos nossos sentidos como "simétrico", "harmônico" e de certa forma "completo" ou "perfeito". As formas cósmicas dos planetas e estrelas que descrevem suas trajetórias perfeitas e harmônicas pelos céus, nos inspirou a isto. Mesmo que saibamos também hoje que nem mesmo nos céus se encontram essa perfeição e essa harmonia e que, na realidade, o Cosmo (do Grego: "a ordem do mundo") se apresenta até certo ponto caótico e passível de inúmeras imperfeições. Órbitas elípticas, corpos astrais defectivos e errantes e colisões entre astros e até mesmo entre galáxias destruíram a idéia do Cosmo perfeito e a substituíram por um universo onde reina a insegurança. No entanto, em nosso Inconsciente Coletivo, a Beleza continua (e provavelmente sempre continuará) a ser simbolizada por estas perfeição e harmonia dos céus (donde "cosmética", por exemplo). Os deuses habitam os céus igualmente por representarem este princípio cósmico primordial. Na Terra, o que mais se aproxima desta idéia primordial de Beleza e que se nos apresenta como exemplo "perfeição" e "harmonia" é a Natureza. Porém, hoje percebemos claramente, com os desequilíbrios ecológicos e com a observação de catástrofes naturais imprevisíveis e aleatórias, que nem mesmo ela traz em si esta Beleza inabalável.




    Na evolução histórica dos conceitos estéticos nas artes, a busca pela Beleza foi gradativamente sendo substituída pela realidade "nua e crua", onde pululam assimetrias, sensações conflitantes, dissonâncias e aleatoriedade. Este processo chegou a tal ponto que atualmente não mais se tem a noção do que possa vir a ser o "artístico" e muito menos o "belo". O Realismo, o Modernismo, Desconstrutivismo, a Antropofagia, o Surrealismo, a estética "Punk", a estética "Gótica" e tantos outros movimentos, incumbiram-se de destroçar estes conceitos e deram lugar a um grande "nada" que nos coloca em constante cheque. Vivemos a era do "Pós-Tudo", onde tudo já foi feito, tudo já foi tentado e tudo já foi descartado. Mesmo no âmbito da religião e da Espiritualidade, tradicionalmente os últimos redutos inquestionáveis da idéia de "Beleza", ainda que abstrata, todos os paradigmas foram sistematicamente demolidos e o que resta hoje é uma profusão de doutrinas religiosas em constante conflito entre si e que nada mais provocam no Ser Humano do que angústia e tensão. Resumindo: o Ser Humano vive uma era sem sonhos, sem parâmetros e sem absolutamente nenhum referencial inquestionável de Beleza e de Espiritualidade, conceitos que sempre parecem ter andado lado a lado.



    Na falta de um deus para reverenciar, o Inconsciente imediatamente procura qualquer ídolo (do Grego: "imagem", "figura", "retrato") que o substitua, nem sempre de forma adequada e coerente. Este processo recebe o nome de "idolatria" (do Grego: o culto à imagem). Há aqueles que cultuam o dinheiro, o saber, o poder ou mesmo aqueles que se apegam de forma desesperada e fanática à figura de um astro "pop" ou de um "sex symbol" e até mesmo aqueles que procedem da mesma forma em relação uma religião qualquer que lhes passe por perto (e parece que nesse sentido, quanto mais radical a religião, melhor). No entanto, atualmente uma das formas mais comuns de idolatria que pode ser observada em nossa sociedade é o culto ao corpo e à beleza humana. Antigamente a beleza humana era algo que ou uma pessoa possuía como dádiva natural e temporária, ou simplesmente não a possuía. Como hoje temos inúmeras técnicas cosméticas à disposição, aparece a inédita tentação de se criar a beleza humana onde ela originalmente não existia, de se aprimorar uma beleza pré-existente ou de manter uma beleza que resista ao curso natural do tempo, resistindo bravamente à própria decadência. Esta busca pela Beleza tornou-se, portanto, idólatra e obsessiva, criando um trabalhar cosmético sem-fim, dispendioso e desprovido de propósito objetivo. A pura e simples beleza humana tornou-se, ao meu ver, uma qualidade em si, oca e sem embasamento. Procura-se o belo pelo belo, a qualquer preço, ainda que artificial e desprovido de paradigmas razoáveis. Nem mesmo a saúde é limite para este processo. A sociedade cultua aquele que é belo, a sociedade oferece oportunidade para quem se apresenta com beleza, a sociedade é condescendente frente à pura demonstração cosmética. Inúmeros ganhos secundários altamente questionáveis costumam coroar de sucesso qualquer mínima tentativa de se produzir beleza humana.



    É lógico que por trás disto há uma gigantesca mola propulsora, fruto de uma engrenagem social: o consumismo. Os mercados devem ser expandidos a qualquer preço. Cotas de vendas devem ser atingidas unicamente para serem superadas. Uma imensa indústria cosmética sobrevive do esforço ingênuo de muitos de criarem em si a beleza. Cremes de beleza, maquiagem, cirurgias plásticas, procedimentos cosmiátricos, medicações, academias de ginásticas, tratamentos corporais, a moda e até mesmo métodos fraudulentos que prometem uma beleza evidentemente irreal e mágica são sustentados por esta busca frenética. O que seria de todos estes mercados se de uma hora para outra as pessoas desistissem de procurar a beleza a qualquer preço? Bem, sempre vão vir aqueles que questionam: "mas qual é o problema de se querer a beleza humana, já que atualmente há todas estas técnicas à disposição? Será que deveríamos nos enfear e evitar a aparência bela?". Evidentemente não. O problema é o preço que se paga por tudo isso e a eterna necessidade de se manter (ou superar) o patamar de beleza atingido, sem jamais nos atentarmos para a inutilidade de tudo isso: todos morreremos, mais cedo ou mais tarde... É lógico que podemos lançar mão de um recurso cosmético aqui e outro ali, sem nos sentirmos absolutamente nada culpados por isso. Mas devemos ter sempre em mente os riscos que cada procedimento traz em si e a real necessidade destes mesmos procedimentos. Ora bolas: um corte de cabelo, cuidados higiênicos, certa dose de exercícios físicos e até mesmo algumas intervenções cirúrgicas ou cosmiátricas ajudam em muito (principalmente numa sociedade como a nossa) a manter um bom nível de auto-estima e de sentimento de aceitação social. Não vejo mal algum em a eles recorrermos de quando em vez.



    Mas, quando se fala do uso de fármacos para alcançar um objetivo estético, por exemplo, não se trata mais de algo assim tão inofensivo. Esteróides anabolizantes, hormônio do crescimento, hormônios sexuais (masculinos e femininos) e anorexígenos (remédios para tirar a fome) estão sendo largamente utilizados para fins absolutamente cosméticos, com resultados nefastos para a saúde, podendo muitas vezes acarretar até mesmo a morte. O uso indiscriminado de enzimas lipolíticas e toxinas com ação muscular, igualmente. Quando se fala em cirurgias plásticas desnecessárias, exageradas e arriscadas, as conseqüências podem ser ainda piores. Complicando este quadro, é muito comum que aconteça de uma pessoa perder seus parâmetros estéticos no meio deste processo, tendendo a extrapolar os limites de seu próprio corpo. Quem não conhece alguma jovenzinha desavisada que se vê obstinada pela idéia do emagrecimento e acaba sofrendo de anorexia nervosa e bulimia? Quem nunca viu aquele halterofilista que não consegue perceber que suas proporções corporais já atingiram o limite do ridículo e continua desesperadamente a recorrer a substâncias químicas para "crescer" ainda mais? Quem jamais cruzou aquela "perua" típica que não consegue mais mover nenhum de seus músculos faciais e tem os lábios exageradamente preenchidos com colágeno sintético? Por acaso não são divulgadas mortes e seqüelas graves decorrentes de procedimentos estéticos e plásticos? Hoje em dia, se um médico que trabalhe no ramo da estética se recusa a fazer um procedimento que entenda como inadequado ou exagerado, com certeza o paciente acabará achando outro que concorde com sua busca insana ou, pior, alguém não habilitado que o fará.



    No ano de 2002 gastou-se muito mais em pesquisas, na fabricação e no uso de drogas e artefatos cosméticos, tais como silicone e toxina botulínica, do que com o câncer ou com a AIDS, por exemplo. O gasto mundial com substâncias e métodos que auxiliem e prolonguem a ereção foi igualmente dispendioso neste ano. Qual o significado disto? Consumismo, puramente consumismo. Em que a Humanidade se beneficia com estes supostos "avanços" da ciência médica? Se formos somar aqui os gastos com moda, com atividades esportivas com fins estéticos e procedimentos corporais variados com este mesmo fim, chegaremos a números tão impressionantes quanto absurdos, quando comparados, por exemplo, aos gastos para solucionar a fome do mundo. Talvez alguém saiba me dizer sobre os gastos com a indústria bélica, com conseqüências muito mais terríveis do que os estéticos. No entanto, tenha sido ele qual for (e suponho que tenha sido igualmente elevado), um absurdo nunca justifica outro. Torno a perguntar: onde é que o consumismo pretende levar a humanidade? Ainda por luxo, encontram-se contradições absolutamente sem nexo no impulso consumista, como por exemplo o paradoxo do incentivo tanto à busca desenfreada pela beleza humana, quanto ao super ingestão de alimentos, na maioria das vezes gordurosos.



    Sabe-se que hoje aproximadamente um terço da Humanidade passa fome e vive em condições de pobreza absoluta. Sabe-se também que outro terço da Humanidade sofre por problemas gerados pela obesidade. Talvez (não sei), o terceiro terço restante busque a estética corporal... Isso jamais poderia deixar de ser considerado um absurdo por qualquer ser pensante! Qual seria a maneira de corrigir estes erros? Toda idolatria se cura com a tomada de consciência do processo e ao se encarar a verdadeira causa que nos levou a ela: a falta de deuses para serem cultuados. O Ser Humano necessita, como sempre necessitou e continuará a necessitar, de deuses, de religião e de formas variadas de simbolizar a Espiritualidade. A partir do momento em que a Beleza retornar ao seu lugar de origem, ou seja: às artes, ao Bem e à contemplação da Natureza, a verdadeira Espiritualidade ressurgirá e conseqüentemente a idolatria perderá todo seu pseudo-sentido. A resposta é esta, mas que se consiga atingir este nível de consciência de forma global é praticamente impossível, se não, muito improvável. Contra esta tomada de consciência e contra este ressurgimento da Espiritualidade genuína há as forças sociais estabelecidas pelo consumismo capitalista ("Marketing") que nos bombardeiam diariamente com inúmeras mensagens subliminares nos meios de comunicação ("média"), nos paradigmas aceitos pela opinião da maioria ("doxa"), enfim, pelo modus vivendi da sociedade ocidental. Algo necessita ser alterado neste modus vivendi para que a Humanidade consiga superar este impasse.


    Ufa.....e é o fim! :lol:
     
  2. Glorwendel

    Glorwendel Usuário

    Muito bom texto! :clap:
    Qual o nome do psicanalista autor? Cite as fontes. :P
     
  3. Deriel

    Deriel Administrador

  4. Lúthienlis

    Lúthienlis Usuário

    Muito bom o texto. Eu já vi esse cara-tigre no fantástico.

    Incrivel mesmo como se gasta mais com aparencia do que com pesquisas sobre cura do cancer, por exemplo, é que o mercado é mais promissor. Mas com certeza é culpa do capitalismo, onde as pessoas se tornam consumistas e muito preocupadas com a aparencia...até demais, chegando a extremos, como o caso do nosso amigo tigre...
     
  5. Simplesmente o maximo, parabenizo o autor deste forum, raras são as noticias com tamanha originalidade, poucas me causaram tanta aflição e estranheza... :tsc:
     
  6. 1- Eu quero saber qndo é que vc vai me ligar. :mrgreen:
    2- E tb gostaria de saber qndo vc vai ao menos responder minhas MP´s inconvenientes. :roll:
    3- E eu vi sua foto no encontrão do RJ escondendo o rosto com um copo de Coca, ahuahuahua. :lol: :mrgreen:

    ROX :obiggraz:


    Que bom que gostaram do texto. Eu não sou mto fã de ler essas bíblias mas a linha de raciocínio desse ai me prendeu.O cara "estuprou" esse conceito moderno do belo e de padrão social de beleza e tal.

    Lembrancinha de titio K' pra vcs . :) ;X
     
  7. Glorwendel

    Glorwendel Usuário

    1 - Odeio telefone. :)
    2 - Odeio responder MPs. :)
    3 - Era um copo de água. :)


    Nosso querido aniversariante Deriel já colocou as fontes. O tal Bernardo de Gregório é realmente um cara inteligente, concordei com cada palavra. :mrgreen:
     
  8. Só se for as minhas, pq as do Dirhil vc responde que eu perguntei pra ele, ahuahuahua. :mrgreen:

    Tá com medo de mim por acaso? Eu sou feio mas não babo qndo como.Isso já é um começo. :|

    Não vo ficar te pressionando que nem um chato não, c já é uma moça crescida.Mas eu realmente gostaria de falar contigo.Vc só aparece no icq qndo os planetas se alinham. :?

    Aproveitando pra fazer um SPAM : Quer tiver MSN ae pode me adicionar se quiser; acabei de instalar, é fantásticu seu Creyssu! :mrgreen:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ;XXXX
     
  9. Saranel Ishtar

    Saranel Ishtar Usuário

    Coisa de loko, já vi esse cara em um monte de programas de TV, ele é doidim! :mrgreen:

    Mas se está fazendo oq gosta, ótimo... de médico e de loko td mundo tem um poko! :D

    E esse negócio de loucuras pela aparência... normaulz... até q hj o povo dá mais atenção pra saúde... antigamente, na era dos espartilhos, as pobres coitadas se estrangulavam praticamente com akelas coisas.
     
  10. Lúthienlis

    Lúthienlis Usuário

    nao babo quando como é ótimo!!!!!!!!! :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol:
     

Compartilhar