1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Quo Vadis, Domini? (Henryk Sienkiewicz)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Wamba, 8 Jan 2008.

  1. Wamba

    Wamba Usuário

    Aonde vais, Senhor! Eis o título do melhor livro que já li. Trata-se de um clássico, prêmio nobel de literatura, escrito em 1895/6 salvo engano, do escritor polonês HENRYK SIENKIEWICZ, cuja história circunda os ares de ROMA antiga, tendo como principal foco a ascensão do cristianismo e queda do império; a loucura de Nero; a crença religiosa. Inclusive, ao meu modo de ver, até um personagem de índole brasileira foi retratado na obra: Chilon Chilonides.

    Alguém conhece esse primor?
    Em caso positivo, já encontrou algum livro assim, tão-bom?
     
  2. Carol

    Carol Visitante

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Hum... interessante! :think:

    Você sabe quanto custa o livro?
     
  3. Asca

    Asca Usuário

  4. Anna Cwen

    Anna Cwen Ourificada

    Re: Quo Vadis, Domini?

    o que vc quis dizer com um personagem deíndole brasileira? :eek:

    li este livro já fazem vários anos, gostei e leria de novo, mas também não chegaria a chamar de obra prima.
     
  5. Alanië

    Alanië Usuário

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Hum, eu já ouvi falar mas não do livro, de um filme com esse nome. Será que tem?

    Edit: Há, tem mesmo:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (IMDB). Mas nunca assisti tampouco.
     
  6. Wamba

    Wamba Usuário

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Olá Ana,

    Sobre o pobre Chilon Chilonides, se trata de uma personagem que tem aquele peculiar "jeitinho brasileiro", ao menos em minha opinião, eis que ele sempre consegue convencer, demonstrando uma falso porte intelectual/filosófico. Causa estranheza, segundo o que teu entendimento, o livro não gozar do status de "obra prima"; senão o é, qual seria para ti? Enfim, talvez, o exemplar que vc leu, seja uma edição adaptada, ou de péssima tradução. A minha edição é de 2003, editora Itatiaia, Belo Horizonte, e, asseguro, está um primor.

    Abraço.
     
  7. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Eu assisti esse filme. Um bom filme, mas nada de espetacular realmente. Apesar da figura do Nero estar bem construída e interpretada.

    Não sabia que era inspirado de um livro... deve valer a pena ler esse livro.
     
  8. Anna Cwen

    Anna Cwen Ourificada

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Wamba,
    Eu poderia lhe dizer vários livros que considero obras-primas, e você com certeza não concordaria comigo, já que isso é uma questão de gosto. Mas o mais importante aqui é dizer que eu li o livro, gostei, mas ele não chegou a me marcar, como espera-se que uma obra-prima marque.
    Se era uma edição resumida, não saberia dizer, mas pelo número de páginas que eu vi nas edições disponíveis no submarino (entre 150 e 200) eu acho que deve ter sido uma versão completa.

    Quanto ao Chilon Chilonides, sua descrição já respondeu minha dúvida. eu achei que você ia dizer isso. muito triste que as pessoas se deixem convencer de que esse estereótipo é um retrato do brasileiro. Tanto não é, que aí está ele retratado por um Polonês em um romance histórico passado em Roma.
     
  9. Wamba

    Wamba Usuário

    Re: Quo Vadis, Domini?


    Olá, novamente,

    Venho para te dizer que, o livro que tenho, é uma edição de 2003, editora Itatiaia, tem mais de 530 páginas, realmente muito bem escrito. Me marcou porque é um romance de idéias. Quanto a Chilon Chilonide, talvez não se lembre, mas, o mesmo, ao final se converteu e chegou a morrer de causa drástica, foi queimado, crucificado, enfim, apesar de se converter, ao cristianismo, defender os ideais, deixou te ser aquela figura pitoresta e continuou com uma única personalidade: a de vencedor. Quando me referi a um genuíno brasileiro, foi nesse sentido, apesar de sempre ter um "jeitinho", mesmo errado, ao final, consegue se adaptar, transformar-se e vencer. Chilon morreu acreditando e venceu todos os obstáculos. Pode, esse romance, ser escrito por um polonÊs, no séc XIX, mas retrata um brasileiro, Chilon poderia ser até mesmo governante, aqui no Brasil.


    Para mim é uma obra prima! Cito Petrônio (a personagem, que mais merece destaque, no campo das idéias, no livro):
    [FONT='Tahoma','sans-serif']“Não reveles nunca nos teus desejos tanta precipitação, e lembra-te de que um bom vinho deve ser bebido em lentas doses. Convém saberes, ainda, que se é agradável desejar, ainda mais agradável é ser desejado”. Petrônio – Henryk Sienkiewics, Quo Vadis, pg. 25 – Itatiaia: Belo Horizonte, tradução de J.K. Albergaria, 2003”.[/FONT]
    [FONT='Tahoma','sans-serif'][/FONT]
    [FONT='Tahoma','sans-serif']Saudações..[/FONT]
     
  10. Jango

    Jango Branca! Branca! Branca!

    Re: Quo Vadis, Domini?

    Já li o livro. Ele é bom, porém não o definiria como uma obra prima. O filme também tem suas qualidades. Entretanto Mikka Waltari seduz melhor com a mesma história em "O romano". Em certos pontos da narrativa o Sienkiewics da uma rateada e perde o ritmo. Recomendo pra quem puder que leia os dois livros.
     

Compartilhar