1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os 8 Odiados (The Hateful Eight, 2015)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Fëanor, 6 Nov 2015.

?

Qual sua nota para o filme?

  1. 10

    25,0%
  2. 9

    0 voto(s)
    0,0%
  3. 8

    25,0%
  4. 7

    50,0%
  5. 6

    0 voto(s)
    0,0%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    O oitavo filme de Quentin Tarantino se passa em Wyoming após a Guerra de Secessão, onde John "The Hangman" Ruth (Kurt Russell) escolta Daisy "The Prisoner" Domergue (Jennifer Leigh) para Red Rock, onde a mesma será julgada por assassinato. No caminho eles encontram outro caçador de recompensas, Major Marquis "The Bounty Hunter" Warren (Samuel L. Jackson), além de Chris "The Sheriff" Mannix (Walton Goggins). Uma nevasca os obriga a buscar abrigo em uma parada de carruagens, onde eles encontram mais quatro estranhos: Bob "The Mexican" (Demian Bichir), Oswaldo "The Little Man" Mobray (Tim Roth), Joe "The Cow Puncher" Gage (Michael Madsen), e o ex-general Sanford "The Confederate" Smithers (Bruce Dern). Através de decepções e traições, os oito logo descobrem que talvez eles não consigam chegar à Red Rock.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Trailer:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Ficha:
    Os 8 Odiados (The Hateful Eight)
    Diretor: Quentin Tarantino
    Roteiro: Quentin Tarantino
    Estrelas: Samuel L. Jackson, Kurt Russel, Jennifer Leigh, Tim Roth, Walton Goggins, Demian Bichir, Michael Madsen, Bruce Dern, Zoë Bell, Channing Tatum
    Estréia: 25/12/2015 (16/01/2016 no Brasil)
    IMDb:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. G.

    G. Ai, que preguiça!

    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Procurei umas três vezes pra ter certeza, pq também achei estranho :lol:

    E acho que também prefiro esse pôster aí.
     
  4. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Já pela abordagem retrô com clima de faroeste já fiquei curioso pra ver e por ser um filme do Tarantino mais ainda...
     
  5. *Alfirin*

    *Alfirin* Usuário

    Joe "The Cow Puncher" Gage... Já to adorando o personagem do Michael Madsen.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  6. Taefel

    Taefel Hobbit grande

    Qual o personagem do Channing Tatum? E sério, que que esse cara tem além da beleza? Não consigo gostar dele...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Um tal Jody, cujo papel na trama ainda é desconhecido:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  8. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Eu adoro filmes do Tarantino, e obviamente quero muito assistir o The Hateful 8. Só que, não sei porque... Tô com a sensação de que esse vai ser muito mais um Kill Bill Vol. 2, do que um Bastardos Inglórios, Pulp Fiction ou mesmo um Kill Bill Vol. 1... Não sei porque tenho essa sensação quando assisto aos trailers...
    --- Mensagem Dupla Unificada, 26 Nov 2015, Data da Mensagem Original: 26 Nov 2015 ---
    Aliás, sobre o plot desse filme, de tentar lucrar com a entrega de um "procurado", e livrá-lo do enforcamento no final... Serve pra lembrar como o Tarantino não consegue parar de fazer múltiplas homenagens constantes e infinitas ao The Good, The Bad and the Ugly:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  9. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Ai, que agora apareceu um webrip em hd e to doidão pra ver logo... Em um monte de lugar daqui já esta passando desde sexta, mas é tudo longe... Hj começou a passar num cinema perto mas por enquanto só dublado :mad: Quinta-feira que as sessões legendadas devem aparecer (a não ser animações, nesse cinema eles sempre acham um horário pra passar com o áudio original, pelo menos)...

    Edit: Pronto, acabou meu conflito: A imagem ta uma bosta, mó enganação. É um sinal! hehe esperarei até quinta :)
     
    Última edição: 5 Jan 2016
  10. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Muito legal. Gostei muito.
    No final das contas, achei um filme abaixo do Django, mas que me dá mais vontade de assistir mais vezes.
     
  11. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Como não tenho o menor problema/pudor/frescura com cópia dublada, não esperei, vi e gostei.

    Depois de Django, é bom ver que num intervalo de apenas 3 anos entre os dois filmes, o Tarantino pegou gosto pelo faroeste. Se emendar mais um novo lançamento em breve vou adorar.
     
  12. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Uma crítica que achei interessante reproduzir

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Cena de "Os Oito Odiados", do diretor Quentin Tarantino Divulgação

    O oitavo filme de Quentin Tarantino como diretor, "Os Oito Odiados", chega ao Brasil nesta quinta-feira (7) (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    depois de ter dividido a crítica em sua estreia nos Estados Unidos.

    No longa, que se passa alguns anos depois da Guerra Civil americana, um grupo de desconhecidos é obrigado a passar a noite em uma estalagem isolada durante uma nevasca. Entre os presentes estão os caçadores de recompensa Marquis Warren (Samuel L. Jackson) e John Ruth (Kurt Russell). Este último está transportando uma foragida da justiça, Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh), e logo desconfia que alguém no grupo está ali para libertá-la. A tensão logo sairá do controle para desembocar em uma situação bem tarantinesca.

    Apesar da premissa interessante, nem todo mundo continua fã incondicional do diretor de "Cães de Aluguel" e "Pulp Fiction" depois de assistir ao filme, e o longa alcançou uma média em torno de apenas 70% de aprovação em sites como o Metacritic e o Rotten Tomatoes, que reúnem e quantificam as avaliações dos críticos de cinema dos principais jornais e veículos do mundo.

    Na redação do UOL, não foi diferente: teve quem aplaudisse e quem torcesse o nariz para o longa. Na impossibilidade de chegar a um acordo, listamos quatro motivos para amar e quatro motivos para odiar "Os Oito Odiados". Sirva-se à vontade e deixe o seu veredito na área de comentários abaixo.
    4 motivos para amar "Os Oito Odiados"

    O elenco

    Se tem uma coisa que Tarantino sabe fazer como ninguém é escalar o seu time - um mix de velhos conhecidos da casa com atores consagrados, mas ligeiramente esquecidos. Nesse quesito, "Os Oito Odiados" é uma festa: tem Samuel L. Jackson em seu melhor papel em um filme de Tarantino desde "Pulp Fiction", tem Tim Roth e Michael Madsen emprestando o charme vintage de "Cães de Aluguel", tem Kurt Russell com credenciais que são a cara do diretor (astro de ação meio decadente, ex-talento mirim da Disney, anti-herói de filmes de John Carpenter, sósia de Elvis Presley em "3000 Milhas para o Inferno"...). Mas nada disso adiantaria não fosse o talento único de Tarantino para dirigir seu elenco, especialmente nos longos e intrincados diálogos que já se tornaram sua marca registrada.

    A trilha sonora

    Assim como bons olhos para escolher atores, Tarantino tem também uma sensibilidade ímpar para trabalhar as trilhas em seus filmes, garimpando e costurando pérolas da soul music, do pop radiofônico e das próprias trilhas de outros filmes antigos, fazendo-as servir ao clima que deseja dar à cena. Neste "Oito Odiados" ele passa a batuta para o compositor Ennio Morricone, que talvez você possa não conhecer de nome, mas certamente vai reconhecer "de ouvido" se já assistiu a um clássico de faroeste na vida. É essa música instrumental, ora sutil e minimalista, ora mais dinâmica e épica, que acompanha o público do começo ao fim do filme, ajudando a criar a atmosfera de suspense e ameaça à espreita que o roteiro - em que ninguém é exatamente o que parece ser - exige.

    O passado --e o futuro-- do cinema

    Não se engane pelo cenário e os personagens: há muito mais que uma homenagem aos filmes de faroeste de Sergio Leone e John Ford em "Os Oito Odiados". Como tudo no "metacinema" de Tarantino, há também citações a outros clássicos do cinema e da literatura, às histórias de mistério de Agatha Christie e do detetive Sherlock Holmes e a diretores como Alfred Hitchcock e Robert Altman. Sua paixão e dedicação pela história do cinema é tamanha que ele mandou praticamente "ressuscitar" um formato esquecido de negativo de cinema, o Ultra Panavision 70, para gravar e projetar o novo longa do jeito que imaginou. Se as salas de cinema não fecham as portas de uma vez por todas e se rendem a formatos bem mais cômodos - como as projeções digitais e serviços de "cinema em casa" como o Netflix -, é a caras como ele e Martin Scorsese que você deve agradecer.

    Porque parece "Cães de Aluguel"

    De uns tempos para cá, parece que releitura virou pecado. Primeiro, os fãs xiitas de "Star Wars" reclamando que o novo "O Despertar da Força" é cópia do original, "Uma Nova Esperança". Agora, bastaram as primeiras sessões de "Os Oito Odiados" para parte da crítica e do público desdenhar do filme como mais do mesmo: "Ele já fez isso em 'Cães de Aluguel'..." Bem, "Cães de Aluguel", de 1992, foi o primeiro longa de Tarantino e apontado pelo próprio como um de seus melhores trabalhos. Então por que, 24 anos depois, mais experiente e maduro, ele não pode revisitar algo que deu certo, mudar alguns ingredientes e servir numa nova embalagem? Sim, o filme usa o mesmo recurso de confinar personagens em uma sala enquanto um mistério vai sendo aos poucos revelado/desvendado, mas até aí podemos dizer o mesmo de "Festim Diabólico" (1948), de "12 Homens e uma Sentença" (1957), de "O Anjo Exterminador" (1962), de "Assassinato em Gosford Park" (2001) e até de "Jogos Mortais" (2004), ora bolas!

    4 motivos para odiar "Os Oito Odiados"


    Porque parece "Cães de Aluguel" --só que pior

    Você já sabe que "Os Oito Odiados" foi comparado a "Cães de Aluguel", um dos melhores filmes de Tarantino. Mas isso não é necessariamente bom. De fato, os melhores momentos do novo longa emergem da repetição da fórmula do primeiro filme do diretor: alguém não é exatamente quem diz ser e os personagens tentam não perder a cabeça enquanto especulam quem é o traidor, antes que tudo acabe em um inevitável banho de sangue. A repetição já dá indicações sobre como as coisas vão se desenrolar, tirando um pouco da graça, mas isso não seria um problema se a execução nos reservasse pequenas revelações e bons momentos. Só que as soluções dadas aqui pelo diretor não têm metade da elegância do filme de 1992.

    O didatismo excessivo

    Até chegar ao ápice, "Os Oito Odiados" é bem quadrado em seu formato, dividido em capítulos, e com diálogos didáticos, que apresentam ao espectador quase toda a história pregressa dos personagens principais, ou ao menos versões delas. Até aí, até que não incomoda tanto. Mas, quando o mistério está prestes a ser revelado, a ação é interrompida por uma explicação minuciosa de tudo que havia sido ocultado até o momento, em forma de flashback, com direito a narração do próprio Tarantino, para assegurar que o público não perca nada de importante. OK, sabemos que é uma referência a filmes de mistério no estilo Agatha Christie, mas faz pouco sentido revelar tudo antes mesmo do nosso Poirot ter descoberto a verdade.

    A misoginia

    Quando o filme começa, ficamos com a impressão de que Daisy (Jennifer Jason Leigh) será um dos pontos centrais da trama, já que ela é o motivo que leva quase todos os personagens à estalagem isolada onde se encontram. Mas, conforme a história avança, ela nunca assume uma posição ativa. É sempre objeto, principalmente da violência e desprezo dos outros personagens, prontos a arrastá-la para lá e para cá com uma corrente e espancá-la gratuitamente, transformando-a em um caricatural saco de pancadas --olho roxo, dentes quebrados, rosto coberto de sangue... Não ficamos sabendo nem mesmo quais os crimes terríveis cometidos por ela, que justificam o alto preço oferecido por sua cabeça, e até seu final será menos digno do que o dos outros personagens, embora logo fique claro que ninguém vai se dar bem ali.

    A violência pela violência

    Quando "Os Oito Odiados" termina, tem-se a impressão de que Tarantino tentou entregar um comentário sobre a bizarra colcha de retalhos que forma a sociedade norte-americana atual, as consequências da escravidão, o racismo e as ressonâncias que a Guerra Civil tem até hoje. Mas a crítica nunca toma uma forma coesa e todo seu potencial escapa pelos dedos do diretor quando o filme finalmente se torna o banho de sangue prometido desde o começo. No final, dissolvem-se as referências aos faroestes e filmes de mistério e tudo se resolve como em um terror B: com carnificina e sadismo, em um nível excessivo até para um filme de Tarantino. A premissa que sobra é: se você colocar um bando de pessoas perversas em um mesmo espaço, elas vão acabar se matando. O único mistério é como - e esse como não justifica as quase três horas de sangue e alguns diálogos espertos. Sobra um niilismo cansativo e autorreferente.
     
  13. Tisf

    Tisf Delivery Boy

    Eu li essa reportagem e não concordo com o lance do didatismo. Achei o flashback super importante e a narração dele deu um toque dos filmes de mistério, aliás como a própria reportagem fala. Então, wtf.

    Em todo caso, achei bom o filme. Uma das coisas que eu fico com o pé atrás nos filmes dele é esse lance do "cool", tudo tem que ser cool o tempo todo, e nesse filme isso ficou um pouco de lado. Por isso gostei mais do que achei que gostaria kkkk
     
  14. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Gostei demais da crítica do Pablo:

    A segunda parte do texto (a com spoilers) ele adaptou e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    Realmente acho que esse foi o filme mais simbólico do diretor, desses que você vai apanhar mais e mais coisas em repetidas vistas...

    Gostei demais (atuações excelentes, visuais de tirar o fôlego, trilha impecável do Morricone, mistério, clima tenso, sangue à baldes :lol: ) mas quero ver de novo e esperando que da próxima vez o filme pareça um pouquinho mais conciso.

    A atuação e a entrega toda da Jennifer Jason Leigh superou minhas expectativas, espero que dessa vez ela, finalmente, leve um oscar #hopeful
     
  15. LuizWsp

    LuizWsp A torch in the dark In Memoriam

    PUtz......... fui ver esse filme todo animado chego lá... dublado........... vou ter que ver outra vez.
     
  16. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    É o oitavo filme pq consideram Kill Bill como um filme só?

    1992 Reservoir Dogs
    1994 Pulp Fiction
    1997 Jackie Brown
    2003 Kill Bill vol 1
    2004 Kill Bill vol 2
    2007 Death Proof
    2009 Inglourious Basterds
    2012 Django Unchained
    2015 Hateful Eight
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  17. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Sim, mas engraçado que o próprio filme faz uma brincadeira com isso.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Na verdade, eram "The Hateful Nine", porque tinha um escondido debaixo da estalagem.
     
  18. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    10 com o cocheiro =P
     
    Última edição: 19 Jan 2016
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  19. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Mas o cocheiro não era "hateful". Era "joyful" u.u
    O pior que é mesmo. O poster do filme entrega quais são os 8, deixando o James Parks de fora:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  20. LuizWsp

    LuizWsp A torch in the dark In Memoriam

    Mas os créditos iniciais tem o nome do Channing Tatum, e por isso eu sabia que ele ainda ia aparecer, mesmo que eu tenha ido pro cinema sem ter lido ou visto absolutamente nada do filme.
     

Compartilhar