1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Papel Principal (Elizabeth Gage)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Litzhel, 16 Fev 2004.

  1. Litzhel

    Litzhel Delirium

    A história em si é uma história um tanto básica de livros do tipo. (Romance Policial) Mas, Elizabeth Gage conseguiu fazer, mesmo com esse tipo de história, um grande livro.

    Mostra o amor, a desilusão, a tristeza, a apatia, a crueldade, a dor. Só que tudo de uma forma bem forte.

    Eu não tenho muito o que descrever do livro para que possiveis pessoas possam ler, pediria apenas que esse livro fosse lido. Quem sabe assim criar uma discussão em torno dele.

    Vou deixar aqui um trecho do livro, que é uma das primeiras partes, um pedaço de uma carta.

    “Ah, se eu tivesse morrido ao nascer ou nem chegasse a existir, se essa pequena vida se formasse em seu corpo saudável! (...) Você reergueu-se das próprias cinzas, e eu quero me enterrar nas minhas.
    Pensei que aprendera leis tão imutáveis quanto a vida. Um coração aberto acabará partido. Mãos abertas não agarram nada além do ar. O chão sólido que pisamos é congelado mar de mentiras. Delas chegam as palavras, os beijos e as vozes. Aprendii, sobretudo - um pouco tarde demais - como as pessoas se enganam com o tempo. É o futuro que já se foi e está fora de nosso alcance. O passado nos aguarda e vem se aproximando, não importa o quanto lutemos para escapar. Matamos o futuro em nós mesmos. O passado nos matará oportunamente.
    Essa eram as minhas verdades. Mas agora, que conheci você, compreendo que tinham significado para mim, não para todos”

     

Compartilhar