1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Na Alemanha hospitais católicos se recusam a atender estuprada

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 19 Jan 2013.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Meisner deu a ordem para evitar medicação abortiva nas vítimas​

    Dois hospitais da região de Colônia (Alemanha) administrados pela fundação católica Cellites se recusaram a atender uma mulher que tinha sido estuprada, para não ter de recomendar a pílula do dia seguinte, que é combatida pela Igreja.

    A denúncia é do médico Irmgard Maiworm, de um centro publico de emergência, que no dia 15 de dezembro atendeu a mulher de 25 anos que estava desesperada por ter sido sedada e sofrido abuso sexual. Ele encaminhou a moça para fazer exames, mas os médicos dos hospitais não quiseram assumir o caso.

    indignou-se o médico.
    Maiworm afirmou que os hospitais estavam orientados por dom Joachim Meisner (foto), arcebispo de Colônia, a não realizar exames em vítimas de abuso sexual, para não ter de adotar medidas abortivas.

    A Arquidiocese de Colônia emitiu nota lamentando haver a “impressão” por parte da população de que os hospitais católicos deixaram de atender vítimas de abuso sexual. Afirmou que as mulheres continuam tendo “todo o tratamento necessário”.

    A Fundação Cellites comunicou que houve um "mal-entendido" e que tinha aberto um inquérito para apurar o caso. Maiworm disse à imprensa que foi informado por colegas de que outras pacientes foram recusadas pelos hospitais.

    A denúncia teve forte repercussão na Alemanha, que já se encontra abalada com os casos de padres pedófilos e o seu acobertamento pela hierarquia da Igreja.

    No começo deste mês, a Igreja desfez convênio com uma entidade independente, o Instituto de Criminologia da Baixa-Saxônia, que iria levantar todos os casos de abusos praticados por sacerdotes nas últimas décadas.

    A Igreja alegou ter havido quebra de confiança. A imprensa alemã publicou que o instituto estava se queixando da queima de documentos por dioceses.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Engraçado que é fácil falar dos outros... mas se fosse com eles, eu ia querer ver...

    Como homem não engravida, é fácil pra eles julgar dessa forma!!
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Alemanha velha de guerra (literalmente) decepcionando seriamente.

    .
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  4. FURIA Da Rossa

    FURIA Da Rossa Rank Configurável??

    Ora porra, de novo a tentativa de complicar uma situação que é simples...
    POR QUE a jovem moça tinha que recorrer exatamente ao hospital católico? Oras!
    Nenhum médico tem a obrigação de realizar um aborto, a não ser na China, onde a recusa dá pena privativa de liberdade. Até os 9 meses. Não nos países democráticos, em que existe uma figura jurídica que nem todos conhecem chamada "objeção de consciência". Na verdade, pelo menos no Brasil, todo médico, para receber o diploma de graduação, tem que prestar o Juramento de Hipócrates, ocasião em que jura jamais realizar um aborto:

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  5. Grimnir

    Grimnir Usuário

    então deveriam parar de fazer esse juramento, uma vez que a legislação permite o aborto em casos de risco de vida, estupro e anencefalia fetal. além disso, até parece que os graduandos prestam atenção em seus próprios juramentos.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Gente, não importa se o hospital é católico; está NA LEI a mulher ESTUPRADA poder tomar a pílula do dia seguinte - pílula essa que, sei que há controvérsias, mas está LONGE de ser abortiva!!!

    Eu NUNCA vi a igreja falar mal dos procedimentos de fertilização in vitro, onde são fecundados VÁRIOS óvulos para que a mulher tenha maiores chances de engravidar e o embrião de vingar. Não seriam vários abortos seguidos??

    E também nunca vi darem mais atenção a um óvulo que eles nem sabem se foi REALMENTE fecundado, com menos de 24h, do que a uma mulher que foi estuprada.

    Mesmo assim sou TOTALMENTE CONTRA O ABORTO, porém JAMAIS consideraria a PDS como método abortivo!!

    Católicos ou não católicos, a PDS é LEGAL - se vc nega um atendimento LEGAL a um paciente, desculpe, mas vc é omisso.
     
  7. FURIA Da Rossa

    FURIA Da Rossa Rank Configurável??

    Se prestam atenção ou não, isso vai da própria consciência deles, de cada um. E sim, a lei permite o aborto nos dois casos do art. 128 do Código Penal (agora 3, né :() mas isso segue outra regra: a lei penal permite o aborto naqueles casos. Mas a lei ético-disciplinar não. Significa que ele não será punido na forma da lei penal, mas será (porque deve ser) punido de acordo com as regras da ética médica.
     
  8. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Se ele der a PDS também?

    A PDS é aborto pra vocês?
     
  9. FURIA Da Rossa

    FURIA Da Rossa Rank Configurável??

    Opa opa, PDS é e não é abortiva. Depende do momento em que é tomada. Na verdade, Há algumas que são em duas cápsulas: uma para logo depois, e outra para algumas horas dali. Perguntando ao meu amigo médico, ele me disse que a primeira serve para ter o efeito de já impedir que o óvulo chegue ao espermatozoide. Neste caso, não seria abortiva. O problema é que a pilula é normalmente tomada por gente que horas atrás estava em estado de muita hype: carnaval, bebida, festa de arromba... então tomam a pilula só depois, quando acordam ou tão de ressaca. Aí sim, neste caso, ela pode ter efeito pós-concepção, então é abortiva :(

    Eu já vi a Igreja falar mal da fertilização in vitro. E sim, são vários abortos seguidos. Não sou contra o procedimento em si, mas sim pelo estado da técnica como se encontra hoje: requer o sacrifício de gente.

    Mulher que foi estuprada vs. óvulo-sem-certeza-de-ter-sido-fecundado: vigora o benefício da dúvida. Se aquilo pode ser uma pessoa, então você não atira. Se você tiver certeza que o ser que se move entre as folhas da mata é um cervo que lhe servirá de alimento, então *bang*! Agora diga para o caçador puxar o gatilho quando ele não sabe se é um animal ou uma pessoa escondida dentre os arbustos...

    E mesmo que a PDS seja legal (na Alemanha), ainda assim não significa que nasce para determinado hospital particular a obrigação de providenciar ESTE tratamento à paciente. Ela ainda está na liberdade de procurar outro. Eu, como dono do hospital, tenho a liberdade de não realizar procedimentos que depois me deixarão tão consternado quanto ela no pós-estupro. É a objeção de consciência. Ou você vai dizer que eu não tenho o direito de ficar tão mal quanto a estuprada se eu, com minhas mãos, realizar um aborto?
     
  10. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Pergunta: alguma clínica já foi punida/achincalhada/etc por fazer diversos abortos seriados apenas para que uma mulher infertil seja mamãe? Se a coisa é tão terrível assim, por que não incentivam essa mulher a adotar?

    Nunca vi em notícia de jornal nada parecido com "Médicos católicos pedem a excomunhão de outro médico que realizou fertilização in vitro". Sério, nunca vi.

    Só falam mal quando é uma mulher "tentando não engravidar" - até mesmo antes de ela engravidar, uma vez que até contra preservativo a Igreja é. Quando é contra uma mulher que "deseja ardentemente exercer a maternidade" mas não pode, seja por idade avançada para ser mãe, seja por infertilidade, aí ninguém fala muito.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar