1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Vinci] [The Luminous Salamander]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vinci, 6 Jul 2002.

  1. Vinci

    Vinci Usuário

    [Vinci] [The Luminous Salamander]

    Cápitulo 1 : Encontrei a Salamandra

    Estava andando sonolentamente até minha cama, após de ficar um dia inteiro estudando magia dos astros, e do mundo das fadas,era um descanso merecido, estava precisando imediatamente de um... Fui lentamente até o quarto, com as pálpebras quase fechadas e notei que um brilho imenso, ofuscante, como um raio de luz que se expandia por todo o quarto , eu queria dormir , e nunca conseguiria nada além de fica cego com aquele brilho ofuscante que saia de debaixo da minha cama!
    Já estava com um pouco de dor de cabeça, e resolvi fechar os olhos , para tatear nos locais que estão debaixo da cama para ver de onde vinha o brilho que vinha debaixo da minha linda caminha... Fui tateando e achei várias coisas, jornal de ontem, minhas botas , um livro velho , um pergaminho que estava procurando ha dois anos , mais nada com um brilho forte, na verdade tudo estava empoeirado, e todos os materiais não tinham nenhuma razão para estarem propagando luz daquela maneira , até que achei um objeto de textura diferente, e quando aproximei do meu rosto para sentir o objeto (assim que identifiquei todos os objetos), notei que meu olho doía, e minhas pálpebras não protegiam todo o brilho que vinha do objeto, e sem aguentar mais sussurei lentamente:
    - Quem quer que seja, por favor pare com esse brilho!!!! Eu imploro!!!
    E o objeto ou qualquer coisa que seja (acho que era um animal, nenhum objeto conhecido meu tem aquela textura) pulou de minha mão e eu não vi mais a luz, então eu me senti aliviado, como se estivesse numa caverna em escuridão total , caminhando as cegas e visse finalmente a luz , mas ao contrário!
    Nunca estive tão feliz por ver novamente a escuridão, coisa que não gosto muito, então quando já estava prestando mais atenção, e não pensando no alívio notei que uma luz pequenina ainda brilhava em volta de uma... SALAMANDRA????
    Que raios uma salamandra está fazendo aqui????? Salamandras não brilham! A não ser que... Claro! Ela é uma salamandra da dimensão de Mana, ela brilha porque é do reino das fadas, por isso ela não parou de brilhar, lembro me até agora do trecho que fala sobre as salamandras luminosas que tinha no livro que li hoje mesmo, mesmo que fiquei uma tarde estudando ele eu poderia esquecer, era mais chato do que ouvir um conto velho na versão ecológica... Mas voltando ao assunto o trecho era assim:
    "As salamandras luminosas são na verdade uma espécie rara de fada, elas são altamente mágicas, e tem o poder natural de usarem o poder da luminosidade em qualquer intensidade, embora não possa tirar o brilho de volta de si mesma, pois como o nome mesmo diz são salamandras luminosas. São raras e misteriosas, e tem livros, embora escassos e atualmente perdidos, com poucos exemplares no mundo que descrevem quase que totalmente elas além dos outros seres da dimensão de Mana , que é o nome da força mágica primitiva além de nomear essa dimensão..."
    A salamandra não me parecia estranha, não haviam ilustração sobre elas no livro, mas eu sempre imaginava salamandras exatamente do jeito que esta era, embora nenhuma fosse luminosa... Forcei minha memória e consegui lembrar! Eu era amigo de uma salamandra luminosa quando era pequeno! E ela me disse que ia embora, tinha que lutar contra um grande vilão da dimensão dela...
    Então eu me aproximei da salamandra e disse:
    - Luna!?! É você???
    E ela veio até mim e disse:
    - Lembra de mim jovem Hahn? Eu continuo lutando desde que eu me despedi de você , e agora preciso de um favor seu...
    Respirei um pouco e perguntei:
    - O que?
    Ela falou:
    - O favor será longo Hahn... Quatro artefatos estão entre sua dimensão e a minha... , eles estavam me impedindo de vir até aqui , até que houve uma alinhação planetaria estranha , que desativou por pouco tempo, então não posso ficar muito aqui ... O favor é : você vai até o Império dos Gnomos, ou Halavan como é conhecido, e fale com o mago Fardius, ele te ajudará , então amigo Hahn , você irá até as quatro regiões elementais e destruirá a besta de cada elemento, e com ela destruída sumira também o artefato correspondente...
    E eu falei de um jeito animado:
    - O.K , eu posso perguntar pro mago diretor da escola de magia que eu estudo para ver se posso transformar isso numa desculpa, se eu conseguir eu ganho um novo título mágico...
    E ela disse:
    - Antes de vir te preparei um mapa Hahn, irá ajudar, agora preciso ir... E antes de tudo muito obrigado, você será considerado um herói entre meu povo!

    Comecei a observar o mapa, ele era detalhado, e atrás dele havia uma "seção informativa", com informações essenciais, mas Fardius, o elfo , assim como era conhecido devia saber muito mais do que estava escrito ali... Afinal as salamandras são raras e sábias, e se Luna dissera que era para procura-lo é porque ele é um grande perito no assunto...
    Tinha notado que as regiões elementais na verdade eram um pequeno arquipélago, composto por quatro ilhas elementais... Mas isso não era a única coisa estranha dali...Havia também um gigantesco rodamoinho de energia mágica (também chamada de mana), mas ninguém nunca ousou chegar perto, eu também não ousaria, a não ser que fosse preciso urgentemente!
    Coloquei o mapa na gaveta (nada de colocar mais nada embaixo da cama), e fui para o porão de minha casa, sonolentamente e quase acreditando que ia desmaiar de sono antes de chegar, mas eu fiz força e consegui ficar acordado até descer as escadas...
    O porão estava escuro, e o barulho de um respingo ecoava por todo ele, a fraca iluminação de minha vela deixava tudo ainda mais assustador, mas eu tive coragem, e andei um pouco até a estante, ele estava velha e empoeirada, mas estava de pé, ali na minha frente, tateei um pouco no escuro e com a ajuda da escassa iluminação da vela (agora sentindo falta do brilho da salamandra) achei o que procurava : uma bainha um pouco empoeirada e com teias de aranha, sacudi a bainha e coloquei-a do lado da cama, e tive meu merecido descanso!
    Passou o tempo e o dia chegou, notei rápido pois os raios de sol que atravessaram a janela batiam na bainha, que refletia um pouco com seu metal, e as teias e a poeira estavam mais visíveis, o que dava a impressão de terem aumentado drasticamente, embora continuassem mais ou menos como estavam de noite.
     
  2. V

    V Saloon Keeper

    Eu comentei, mas vc ignorou.
     
  3. Vinci

    Vinci Usuário

    Não ignorei V , neste texto eu estou fazendo melhor, procurando colocar mais informações em mais linhas...
    Ah, esqueci de responder, meus textos não tem nada a ver um com o outro...
     
  4. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Vinci, concentre-se na força. :wink:

    Falando sério, acho que sua imaginação deve ser fervilhante. Mas que isso atrapalha nós leitores, ah, isso atrapalha... Você postou um monte de coisas diferentes, mas não desenvolveu quase nenhuma (com exceção do Vinci, que também tá tudo embaralhado no clube dos Escritores... pena, né?). Isso deixa o leitor muito frustrado, com a sensação "mas afinal por que esse cara se deu ao trabalho de postar?"

    Vai com calma quando for escrever. O comentário de V no outro conto faz sentido. Não tem jeito de prender a atenção do leitor se o texto for muito "técnico" (no sentido de contar um monte de coisas por cima), ou se você não deixa um gancho interessante para continuar.
     

Compartilhar