• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Detalhes e Curiosidades sobre os Trajes de The Rings of Power

Gandalf The Black

Mago Véio
Usuário Premium
Um dos aspectos mais poderosos e bem-sucedidos na 1ª temporada de The Rings of Power - RoP, inegavelmente, foi o figurino. Na primeira temporada do programa, vimos uma grande variedade de figurinos para cada raça, cada uma com suas peculiaridades e um estudo bem pensado por trás. Nos últimos dias, Kate Howley, a figurinista do espetáculo, falou sobre 11 detalhes e curiosidades sobre os figurinos de RoP, explicando como foram concebidos e todas as inspirações que levaram à criação das peças.

1254257-1-1024x682.jpg


Traje do naufrágio de Galadriel

“Fizemos cerca de 70 versões da roupa íntima de Galadriel que ela usava no barco. Tivemos que fazer vários testes na piscina, e o cloro tirou toda a cor dela, então voltamos e criamos outra versão. Também fizemos algumas versões diferentes com vários comprimentos, para obter os visuais subaquáticos corretos. No início, tínhamos feito todos os tipos de bordados à mão e pérolas na roupa, mas acabamos diminuindo um pouco para evitar que as revisões saíssem do controle. Você pode não perceber, mas esse trabalho repetido é comum em programas e filmes com muita ação. Tínhamos que ser espertos, para garantir que ficássemos no topo da linha do tempo para vários personagens.”

Os figurinos e o desenvolvimento dos personagens

“Uma grande parte do preenchimento das lacunas significava entender os personagens individuais e onde suas raças estavam em sua evolução. Em seguida, trabalhei de trás para frente para determinar como eles seriam na época. Os Anões estavam em sua idade de ouro, os Harfoots estavam tentando encontrar um lar e os Númenorianos estavam em uma época em que eram vistos como seres divinos. Os elfos não eram tão perfeitos nesta época como são quando os vemos 6.000 anos depois, na Terceira Era. Achei que havia uma oportunidade de contar aquela história do tempo com roupas que tinham uma certa idade”.

Inspirações históricas

“Eu me peguei usando muito pinturas como inspiração, porque Tolkien foi muito influenciado por artistas pré-rafaelitas, especialmente Sir Edward Coley Burne-Jones e William Morris. Tomei como referência algumas das pinturas simbolistas mais sombrias, bem como as mitologias nórdica e germânica, e a velha era inglesa com o Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda. O tema principal era retornar ao local de origem e criação – é como um arrebatamento. Continuamos tratando cada cena como uma pintura, para reunir elementos como figurino, cabelo e maquiagem, cenografia e adereços.”

Reinos de museus

“Todos os reinos têm sua própria cultura, mas estão unidos pelo tema geral da Segunda Era. Toda a equipe de produção visualizou os diferentes reinos e como eles se correspondiam, tendo um espaço enorme e dedicado que era como uma sala de museu para representar fisicamente o mundo que estávamos criando. Havia várias mesas com itens como paleta de cores, texturas, artefatos, arte conceitual e adereços para cada reino. A equipe de produção realizava nossas reuniões naquela sala, então sempre tínhamos em mente o quadro geral quando tomávamos decisões importantes. O espaço é sempre valioso em um set de produção, mas construir esta sala valeu totalmente a pena, porque todos puderam entrar e ver imediatamente o que estávamos tentando criar”.

Trabalhos artesanais

“Nossa equipe interna começou pequena, mas acabou crescendo à medida que a produção avançava. Tínhamos artistas especializados em armaduras, joias e rendas personalizadas, além de um departamento completo de calçados. Tínhamos até uma tecelã profissional, que tecia partes das fantasias dos Harfoots. Cada cultura trouxe uma nova disciplina. Roupas mais elaboradas para alguns personagens muitas vezes exigiam o apoio de muitos deles ao mesmo tempo.”

rpaz-s1-201111-rotben-00023-r2-rgb-jpg-1661861625-1024x682.jpg


Elfos e o meio ambiente

”Escolhemos muito tecido para os figurinos por causa de seu movimento - uma coisa é ele ficar bonito e outra é se mover lindamente na tela. Trabalhávamos principalmente com sedas e linhos fáceis de tingir e tínhamos um departamento de tingimento completo dedicado a obter as cores certas. Colorimos as capas élficas para combinar perfeitamente com o ambiente ao seu redor em cada cena, porque Tolkien as descreveu como uma espécie de camuflagem. A gente encontrava várias opções de materiais diferentes, depois tingia cada um deles, criando umas seis ou sete versões até acertar o desenho. Também usamos bordados para conseguir esse efeito de camuflagem. Por exemplo, o manto esmeralda de Galadriel foi bordado com costura folheada a ouro, para literalmente enraizá-la no chão da floresta em uma cena com centenas de folhas douradas pintadas à mão no chão.”

Beleza e funcionalidade

“Não podemos simplesmente fazer coisas bonitas com aço, embora eu realmente adorasse. Este show requer uma armadura articulada real, porque o trabalho de dublê é muito físico. Por exemplo, as cenas de Arondir são tão físicas que precisávamos criar armaduras que permitissem a atuação de Ismael Cruz Córdova. Alguém sempre vinha até mim dizendo: 'Kate, temos que ser sensatos nesta parte', e eu ficava em conflito, criando uma versão prática, mas também bonita.

Encolhimento dos anões

“Para os Anões, tínhamos que olhar os figurinos na proporção em que eles se desenvolviam, pois seus personagens apareceriam menores na tela. O departamento de perucas desempenhou um papel importante nessa colaboração. Tiramos fotos do traje e do cabelo e reduzimos a imagem para ver o que a silhueta geral faria quando reduzíssemos o tamanho de personagens como o príncipe Durin IV e a princesa Disa. Tínhamos que continuar jogando esse jogo de 'mini eu' para olhar cada traje objetivamente em relação a outros personagens e elementos do cenário.”

O poder da tecnologia

“A tecnologia de som é quase boa demais agora e capta tudo. Fizemos muitos testes de câmera nos figurinos para garantir que coisas como o som da seda fluindo ou o barulho das correntes não interferissem na produção. As câmeras digitais também veem tudo agora, então todas as marcas de tinta aparecem ou você percebe que algo não se encaixa exatamente como você deseja na câmera. Às vezes, mesmo os melhores planos não funcionam quando você começa a trabalhar com os elementos técnicos, mas trabalhar com a equipe para acertar é uma parte interessante da colaboração e do processo.”

Os showrunners e a capa vermelha

“Bronwyn é a curandeira de sua aldeia, então as roupas e capas que ela usava eram tipicamente feitas para combinar com a atmosfera ao seu redor. Quando estávamos criando a sequência de batalha, JD Payne e Patrick McKay realmente queriam que ela se destacasse, então pediram uma capa vermelha. Os curandeiros eram como as enfermeiras no campo de batalha, então essa capa vermelha ajudou a puxá-la para fora. A decisão foi tomada no set e no momento, e estávamos preparados para criar a capa a tempo para as filmagens. Às vezes, pedidos de showrunners como esse se encaixam perfeitamente, porque eles sabem para onde tudo está indo e quais elementos visuais podem ajudar a chegar lá.”

A Poesia de Tolkien

“A maior coisa que aprendi nesse processo foi confiar na poesia da obra de Tolkien. É isso que o torna tão diferente de outras franquias de fantasia. Por exemplo, ele descreve heróis cobertos de poeira de diamantes, e foi emocionante tentar coisas como adicionar centenas de strass à armadura élfica para tentar visualizar essas palavras. Eu realmente queria criar movimento e luz que refletissem seu texto como uma metáfora através dos figurinos. Então os incríveis efeitos visuais se seguiram, para criar um novo mundo.”

Fonte: Fellowship of Fans
Tradução: Google Tradutor
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo