1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [NeoDeSampa][O Sol nasce para poucos]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por NeoDeSampa, 3 Jun 2003.

  1. NeoDeSampa

    NeoDeSampa Usuário

    [NeoDeSampa][O Sol nasce para poucos]

    vamo ver se vcs gostam dessa
    o titulo tah tosko.mas tudo bem... me deem dicas par aum melhor
    __________________________________

    Faz-se luz em Paris. A neblina deixa o ar carregado e o dia cinza. A frente de Ângelo, nada se vê. Ele mesmo pouco via, um pouco de fumaça que saia de sua boca e a ponta de seu coturno.

    Chegando ao pé da ladeira ouve o barulho de água. Para na esquina a fim de se localizar. Pensa um pouco e ao olhar para o céu dá um longo suspiro. Parece em busca de algo, mas a única coisa que encontra é um sonho.

    Ângelo é despertado pelo badalar da Catedral, logo se põem a andar. Ouve o barulho dos trilhos e o girar da catraca, se pos a correr. Na catraca se atrapalha com o dinheiro, mas não espera o troco, corre para o ultimo vagão a procura de algo.

    Não vê ninguém. Sai correndo e entra no penúltimo vagão, procura desesperadamente, e nada. As portas se fecham fazendo com que Ângelo ande pelos vagões usando-se da passagem entre os vagões.
    Ângelo estava voltando para sua terra, para os altos montes de Nápoles, de onde saíra há pouco. Saíra de lá, pois era contra o fascismo, porém o medo de morrer ali, longe de seu chão, fazia-lhe doer à alma. Queria que fosse junto.

    Um relacionamento diferente, pois ali ocorrera o primeiro contato. Depois sem nada mencionar voltavam ali dia após dia em busca d’outro. Agora não mais, ela não estava ali, e ele partindo. Não devia ser uma partida, mas um refúgio para escapar do terror iminente. Soldados alemães invadiam a França naqueles dias e a Itália era o mais seguro.

    Chegara na estação terminal, era entrar no vagão e logo estaria em sua terra. Cada passo ecoava em sua mente, tudo parecia em câmera lenta. Ele ouvia as crianças ao fundo, o somo ecoava de dentro de si. A fumaça saia devagar de sua boca, os passos eram pesados. Mais um e estaria no vagão. O Barulho do metal, o apito do trem, teria mais alguns segundos. A outra perna toca o metal. Ele para imóvel.

    Uma onda de calor atravessa seu corpo. Ele gira o calcanhar e olha para traz, então a vê, ela da mais um passo, ele segura a porta, o trem solta sua fumaça então outro passo é dado. Estouram a catraca, soldados chegam um tiro é dado, a porta se fecha e o trem parte para a Itália.
     
  2. Kementari

    Kementari É só marca do fogão!

    Do kct master 8-)
    O titulo ta irado nao muda nao... ta bem ambiguo! Me amarrei! :dance:
    Catraca eh estaile! :D
     
  3. NeoDeSampa

    NeoDeSampa Usuário

    mudei o título...tava

    "A chegada dos "Z's" cruzados"
     
  4. ae vei ta muito loko kra... muito bem escrito o texto...e o titulo de O sol nasce para poucos ta bem da hr tb!
     

Compartilhar