1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L][Goba][O Vencedor]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Goba, 31 Dez 2005.

  1. Goba

    Goba luszt

    Ele transparece todo o sofrer em suas passadas. Sob luz escura de poucos postes acesos, de sapatos velhos, calça sofrida, uma camisa branca que já conheceu sangue e fogo e paletó mirrado e suado, tudo isso coberto por chapéu de pano, de chuva, de sol, de poesia. Tompe, tompe, tompe. Pé ante pé, lânguido, esbranquiçado, tompe, tompe. Como uma marreta a abrir caminho para o mar, entre arranha-céus.

    De nada lhe adiantam os fogos, os brindes e os sorrisos. Ele celebra o velho, e de certo não vai brindar para esse carrancudo senhorio. Tompe, tompe que vai do passado à nostalgia, sem perspectiva sólida de presente. Atravancado na praça da alegria, mais memória, mais fumaça de cigarro barato:

    - Aqui está o câncer. E o sexo, e a violência?

    Vê-se a fonte ligada, na praça de amores. A água sobe aos céus e lá pára, como que temendo aproximar-se d'ele, que vaga tão distante de onde vaga. Num espetáculo de fúria e berro, de pedidos e agonias, de desejo e perdão, ele chora tão tompe, tompe, ele quer a companhia ao menos da água. Ele se cansa do ar que o circunda de mal-gosto, ele quer ao menos a água onde ele possa molhar seus dedos torpes. Pensa:

    - E eu que costumava ser a violência...

    Ele cambaleia para trás, mas jogando-se para frente. No fim, ele fica no mesmo lugar de sempre, surrado, fechado, tão limitado para alguém com uma matemática tão imprecisa. Já desiste de lutar contra a água que não o quer e contra o ar que dele se afasta. Tira seu chapéu e o aperto contra o peito, amassa-o forte, forte. Amassado, ele chora uma única lágrima: mais uma lágrima, uma última lágrima. As águas se desfalecem de volta na fonte, felizes com o que vêem:

    - Não se preocupem em aplaudir - diz nosso anfitrião antes da queda. - Eu venci.
     
  2. Jujuba!

    Jujuba! Habitante de Othrya

    Genial! :D

    Adoro ser surpreendida no final do texto, quando vc pensa que o personagem é uma determinada coisa mas é outra - como os contos do Júlio Cortazar.

    Muito bom!
     
  3. Dwain

    Dwain Banned

    Realmente excelente, o texto com o toque inesperado, um conteudo interessante e muito bem escrito, parabens Goba!!
     

Compartilhar