1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] [Alnümiel e Hanna][Itlhirien, um reino fracassado]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Alnümiel Förandi, 24 Nov 2004.

  1. [Alnümiel e Hanna][Itlhirien, um reino fracassado]

    Bom gente, essa é minha primeira história em capítulos, portanto, me corrijam no que for possível ok!?!

    -----------------------------------------------------------------------------------

    Capítulo 1 - A triste tarde de Soverian

    Soverian era a capital do reino de Itlhirien, lugar bonito, muito bonito por sinal, mas uma coisa que a maioria dos visitantes que passavam pela imponente cidade não percebiam, é que ela era apenas arquitetonicamente bonita, pois era um lugar onde a tristeza pairava sobre as cabeças dos moradores. Era em Soverian que morava o jovem Galdin, um jovem ambicioso o suficiente para querer ir mais longe que vender frutas no mercado da cidade. Ele era, aliás, acreditava ser descendente de uma linhagem muito antiga da nobreza do país e acreditava ainda que sua família havia sido destituída do poder. Em um sonho que tinha todas as noites, uma misteriosa figura insistia em repetir:
    - Galdin, o mesmo sangue que corre nas suas veias clama por socorro! Liberte-o Galdin, deixe que ele flua livremente e volte ao seu verdadeiro espaço, o trono real de Ithlirien!
    E esse estranho, o incentivava a acreditar em seu sonho, ele não fazia a mínima id''eia de como poderia libertar esse tal sangue, e muito menos de quem era o estranho que aparecia toda noite em seus sonhos. Mas um dia pela manhã resolveu agir.

    - Ah, não agüento mais esses malditos sonhos! Eu tenho que fazer alguma coisa, não durmo direito a mais de sete dias, já não como direito e agora também não vou dormir direito! Nem que a vaca tussa...
    Preciso sair em busca desse meu sangue que me implora liberdade. Depois das mortes de meus pais, nada mais me segura nesta cidade fedida.

    Galdin era realmente um rapaz persistente, depois das mortes dos pais por uma doença misteriosa, teve que aprender a se virar sozinho. E não foi roubando que ele sobreviveu, não, isso nunca. Ele tinha horror a ladrões. Galdin começou a trabalhar no mercado da cidade carregando mercadorias do estoque para as bancas e vice-versa. Isso tinha dado a ele um porte consideravelmente bom, era um rapaz forte e saudável na margem dos dezoito anos de idade. Aproveitando-se disso, achou que daria um bom escudeiro e resolveu realmente sair de Soverian em busca do que havia ouvido em sonho. E só havia um lugar onde realmente poderia encontrar algúem disposto a ajudá-lo, a Taverna da Galinha Manca.
    Ao chegar na taverna Galdin se sentou, e com as parcas moedas que tinha, pediu uma cerveja, ficou ali, pensando como faria pra conseguir algúem para segui-lo, já que seu ideal de busca era meio vago.
    _ Imagina se eu chego pra alguém e digo, preciso procurar pelo meu sangue, pode me ajudar? A resposta mais rápida seria um soco na cara e a fala risonha, pronto, precisa de mais alguma coisa? Tenho que arranjar outro meio de sair daqui. Ponderava ele empinando um pouco a cadeira.
    Enquanto pensava ouvia as conversas das mesas ao lado pra se distrair. Quando de repente ouviu um assunto que muito o interessava. Numa mesa próxima uns dois metros da sua, estavam sentados, dois homens, um anão e um ser deslumbrante, e ele sabia muito bem reconhecer aquelas feições, era uma elfa.
    - Mas onde encontraremos outro para nos seguir? Indagava o anão aos outros que permaneciam silenciosos e pensativos.
    Não podendo deixar escapar essa chance levantou-se da cadeira e foi até a mesa em disparada.
    Ao aproximar-se dela, ele disse aos que estavam assentados:
    - Acho que posso ajudar vocês!!!

    ---------------------------------------

    Nossa, eu achei que ficou um pouco ruim!!! Mas por favor opinem ok!?! :mrgreen:
     
  2. Óbvio que continua na próxima parte...
     
  3. Gostei! :D E amei o nome da taverna... :lol:
    Só acho que você poderia detalhar um pouco mais as coisas, as aparências das pessoas, os lugares... Pq às vezes pode passar a impressão de que as coisas estão acontecendo rápido demais. :wink:
    Mas está muito bom, continue.
     
  4. Hanna Elawnë

    Hanna Elawnë Usuário

    Oi gente!!! Esse pequeno recado antes de começar o novo capítulo é pra avisar que vou começar a escrever junto com o Alnümiel ok!!! Espero que gostem!!!
    ----------------------------------------------------------------
    Capitulo II - Em busca de um novo alvorecer

    - Ora! Mas o que é isso garoto insolente? Seus pais não lhe ensinaram que entrar na conversa dos outros sem ser chamado é falta de educação? Disse um dos dois homens visivelmente exaltado.
    - Posso ajuda-los a encontrar o que buscam! Disse Galdin ignorando a fala do homem.
    - Mas você nem sabe o que queremos encontrar, e se queremos encontrar alguma coisa!
    Galdin olhou para a direção de onde provinha a voz doce e melodiosa que havia penetrado em seus ouvidos. Era com certeza uma bela visão. Uma garota de cabelos prateados o fitava com seus olhos cor de mel. parecia que ela podia ver o mais profundo vale de sua alma.
    - Ouvi sua conversa, posso me juntar a vocês e ajuda-los no que precisarem! Disse Galdin meio abobado pela beleza da elfa.
    - O que você sabe fazer? Perguntou o anão.
    - Han... Carregar caixas... Isso serve?
    .........................................
    :eek: Este capitulo ainda não acabou, houve um contratempo :disgusti: e terei que parar, 8O depois eu continuo...
    :wink:
     
  5. Hanna Elawnë

    Hanna Elawnë Usuário

    Continuando...(finalmente)

    ...............................

    - Bom, você tem braços fortes...-disse o anão.

    -Mas não tem habilidades ou poderes!-falou a elfa com impaciência na voz.

    - Precisamos de alguem para nos ajudar! Temos que partir amanhã, antes do sol nascer. Não estamos em condições de dispensar ajuda.-ele continuou.

    Os homens pareceram concordar, porém a elfa ficou seria, aparentemente descontente.

    - Então esta resolvido, você virá conosco. Qual é o seu nome?

    -Galdin. de Itlhirien.

    -Sou Zermeg- se apresentou o anão- e esses são Dalphus e Welatus, são irmãos. E é claro, nossa bela Lízyn.

    Dalphus e Welatus eram altos, de porte forte o olhos azuis. Entretanto, Dalphus, que parecia mais novo tinha cabelos castanhos e cacheados, enquanto Welatus tinha cabelos negros e lisos que lhe caiam nos olhos. Ambos lhe cumprimentaram com um aceno de cabeça quando foram apresentados, a elfa porém, lhe deu um breve olhar, não disfarçando seu descontentamento.

    -Então. já que vai conosco, temos que lhe contar o objetivo da nossa missão.Fomos enviados por um mago que deseja que recuperemos um cristal que possui uma energia tão poderosa, que pode trazer prosperidade àqueles que a usarem devidamente ou um destino terrivel àqueles que a cobiçarem.-começou Zermeg.

    -Diz a lenda que este cristal esta num templo, que aparece todo ano, no solstício de verão, dia em que a Terra está mais próxima do sol. E se você reparar, o solstício é em sete dias. Esse templo se localiza na montanha mais alta de uma cordilheira, chamada Cordilheira de Gweritsen. O sol nos mostrará o caminho para encontra-lo.-continuou Dalphus.

    -Dizem também, que o templo possui um guardião. Não se sabe exatamente como ele é, mas por devemos tomar cuidado.-completou Welatus.

    -A cordilheira é distante, por isso devemos partir antes do amanhecer.-terminou Zermeg.

    Galdin ainda estava tentando absorver toda a informação que lhe foi passada, quando a elfa se levantou:

    -Então é melhor irmos dormir. Boa noite!- dissem Lízyn que permanera calada durante a fala dos outros e agora subia as escadas do bar-hospedaria em direção a seu quarto.

    -Ela tem razão, é melhor nos deitarmos, nossa caminhada será longa.

    E todos foram se deitar, ansiosos pelo dia seguinte.

    ................................................................................................

    Espero que tenham gostado :mrgreen: ; logo virá o proximo capítulo! Aguardem... :obiggraz:
     
  6. Ah, essa é minha amiga Hanna... que isso hein... :mrgreen:
     
  7. Hanna Elawnë

    Hanna Elawnë Usuário

    Pô gente! Comentem ae pra gente saber se vcs estão gostando e se a gente tem mudar alguma coisa! Escrevemos pra vcs, pra vcs criticarem o nosso trabalho, se vcs não opinam fica dificil saber se a gente deve continuar a historia.

    Contamos com a colaboraçào de vcs!

    Hanna e Alnümiel
     
  8. Skylink

    Skylink Squirrle!

    Às vezes? Eu tive a constante impressão de plift ploft plaft ploft durante o texto inteiro; acaba não dando nem tempo de se situar na história nem de entender quase nada ou conhecer a essência dos personagens... :eek:
     
  9. Masei®

    Masei® Usuário

    Hmmm... Realmente tá corrido demais o texto... Como já foi dito os ambientes e os personagens deveriam ser melhor explorados, e eu acho até que a própria personalidade de Galdin poderia ser mais bem trabalhada...

    Mas a idéia parece interessante... Isso do castelo aparecer por apenas sete dias e tal... Continuem, mas reparem nos erros de concordância e tentem dar mais vida à história...

    E leiam meus textos e opinem pelo amor da santa glória.... hahahhaa...
     

Compartilhar