1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Giacomo Leopardi: melancolia italiana!

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Fernando Giacon, 16 Ago 2008.

  1. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    [size=medium]Giacomo Leopardi[/size]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Um simples e breve resumo...
    Nascido em 1789 em Recanati na Itália, Giacomo é um dos maiores poetas líricos italianos, onde sua escrita revelava muita melancolia e pessimismo. Seu pai um Conde muito influente sempre teve total posse sobre ele, rígido, determinava que ele apenas vestisse trajes negros, pois achava que isso mostrava disciplina diante de todos.
    Contudo, o pai que tinha uma biblioteca com mais de vinte mil livros passou a desafiar o filho desde pequeno a traduzir, ganhar conhecimentos, e com isso aos dezesseis anos já escrevia como ninguém. Seus primeiros livros ditavam um patriotismo legível, mas também uma profunda melancolia, trazidas por uma doença chamada "cerebrospinal", que era degeneramente progressiva. Morreu em 1837, mas antes disso se tornou professor passando a escrever cada vez mais sobre a natureza, que para ele era malvada e pronta pra acabar com a humanidade.
    Por Fernando Giacon

    Uma poesia dele...
    L'infinito

    Sempre me foi cara esta erma colina
    e esta sebe, que por toda a parte
    do último horizonte o olhar exclui.
    Mas sentando e admirando, intermináveis
    espaços para lá dela e sobre-humanos
    silêncios, e profundíssima quietude
    eu no pensamento me finjo; onde por pouco
    o coração não me amedronta. E como o vento
    ouço sussurrar entre estas plantas, eu aquele
    infinito silêncio a essa voz
    vou comparando: e me sobrevém o eterno
    e as mortas estações e a presente
    e viva, e o som dela. Assim entre esta
    imensidão se afoga o pensamento meu;
    e o naufragar é-me doce nesse mar.
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Eu estava procurando algumas coisas sobre o poeta Giacomo, e encontrei uma página pra lá de especial com muitas coisas sobre sua vida, e infinitas poesias de sua autoria também, vale a pena conferir:

    Site Rede de Letras: http://www.estacio.br/rededeletras/numero4/allitalia/leopardi-2.asp
     

Compartilhar