1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Fernando Sabino

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Katrina, 12 Jul 2010.

  1. Katrina

    Katrina Usuário

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Fernando Tavares Sabino, filho do procurador de partes e representante comercial Domingos Sabino, e de D. Odete Tavares Sabino, nasceu a 12 de outubro de 1923, Dia da Criança, em Belo Horizonte.

    Durante a adolescência, foi locutor de programa de rádio Pila No Ar e começou a colaborar regularmente com artigos, crônicas e contos em revistas da cidade, conquistando prêmios em concursos.

    No início da década de 1940, começou a cursar a Faculdade de Direito e ingressou no jornalismo como redator da Folha de Minas. O primeiro livro de contos, Os grilos não cantam mais, foi publicado em 1941, no Rio de Janeiro quando o autor tinha apenas dezoito anos, e sendo que alguns contos do livro foram escritor quando Fernando Sabino contava apenas quatorze anos.

    Tornou-se colaborador regular do jornal Correio da Manhã, onde conheceu Vinicius de Moraes, de quem se tornou amigo.

    Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1944. Depois de se formar em Direito na Faculdade Federal do Rio de Janeiro em 1946, viajou com Vinicius de Moraes aos Estados Unidos da América, onde morou por dois anos em Nova Iorque com sua primeira esposa Helena Sabino e a primogênita Eliana Sabino.

    O encontro marcado, uma de suas obras mais conhecidas, foi lançada em 1956, ganhando edições até no exterior, além de ser adaptada para o teatro. Sabino decidiu, então (1957), viver exclusivamente como escritor e jornalista. Iniciou uma produção diária de crônicas para o Jornal do Brasil, escrevendo mensalmente também para a revista Senhor.

    Em 1960, Fernando Sabino publicou o livro O homem nu, pela Editora do Autor, fundada por ele, Rubem Braga e Walter Acosta. Publicou, em 1962, A mulher do vizinho, que recebeu o Prêmio Fernando Chinaglia, do Pen Club do Brasil.

    Em 1966, fez a cobertura da Copa do Mundo de Futebol para o Jornal do Brasil. Fundou, em 1967, em conjunto com Rubem Braga, a Editora Sabiá, onde publicou livros de Vinicius de Moraes, Paulo Mendes Campos, Otto Lara Resende, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Clarice Lispector, entre outros.

    Publicou o em 1979, iniciado mais de trinta anos antes. A obra, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti, e acabaria sendo adaptada para o cinema, com direção de Oswaldo Caldeira, em 1989, e também para o teatro. Em julho de 1999, recebeu da Academia Brasileira de Letras o prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra.

    Em 1995, a Editora Ática relança a seleção, revista e aumentada, de A Vitória da Infância, com a qual Fernando Sabino reafirma sua determinação ao longo da vida inteira de preservar a criança dentro de si. Ou, como ele mesmo escreveu: "Quando eu era menino, os mais velhos perguntavam: o que você quer ser quando crescer? Hoje não perguntam mais. Se perguntassem, eu diria que quero ser menino".

    O autor faleceu dia 11 de outubro de 2004 na cidade do Rio de Janeiro. A seu pedido, seu epitáfio é o seguinte: "Aqui jaz Fernando Sabino, que nasceu homem e morreu menino".

    Em 2006, é lançada a 82ª edição de O encontro marcado.

    Bibliografia

    Prêmio

    Fontes:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    De sua vasta obra li apenas dois livros, O Grande Mentecapto e O Encontro Marcado, de ambos gostei muito e um fulgura entre os meus livros favoritos:

    O Grande Mentecapto

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Enfim, o livro narra as aventuras de desventuras de Geraldo Viramundo, ou poderia dizer o nosso Dom Quixote. Quando ainda moleque enfrentava maria-fumaças e depois quando adulto enfrentava regimes. São e louco ao mesmo tempo. O personagem é cativante e a descrição de suas aventuras inenarráveis é feita com maestria por Sabino. Não me canso de ler e reler este livro, onde os sentimentos sofrem picos de felicidades entremeados e fossos de tristeza.
     
  2. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]De minha parte posso dizer que não gostei de O Grande Mentecapto, achei um tanto sem sal. Faz bastante tempo que li, pode ser que eu tenha mudado minha opinião desde então, mas...[/align]
     
  3. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    "O Grande Mentecapto" foi um dos livro do Sabino que comecei e não consegui terminar.
    Mesma coisa que o Lucas. :(
     
  4. Thorondir

    Thorondir Usuário

    Meu mestre. Sem mais.

    Nunca li uma crônica que seja dele e falei "que ruim". Nunca.
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    li o encontro marcado este ano e ñ vi nada de mais. oq faz deste livro especial? por ele ser autobiográfico, por ter sido escrito usando a técnica fluxo de consciência, por retratar um momento da história de BH ou por mostrar as imbelicidades de uma geração etária/social q ñ cresceu direito a cada dia q passa desaparece mais?

    tirando a parte do fluxo de consciência, q me interessa eqto técnica mas q perde feio pro apanhador no campo de centeio, o restante apenas demonstra q o livro fez sucesso entre gente q ñ está mais entre a gente. e, inexoravelmente, vai acabar sendo abandonado ou estudado como referência em cursos só pelo seu mérito passado.

    mesmo assim, ainda quero ler outras obras dele para uma análise mais profunda.
     
  6. Thorondir

    Thorondir Usuário

    JLM, o último capítulo desse livro é demais, cara. O Velho Germano é um facho de luz.
     
  7. Marcileia

    Marcileia Usuário

    Li, ainda há pouco, O Encontro Marcado.
    Muito bom no início e meio, depois ele dá uma decaída e melhora novamente no final.
     
  8. imported_Barbie

    imported_Barbie Usuário

    Achei o mesmo, no todo é um livro bom, porém se arrasta.
     
  9. aces4r

    aces4r Usuário

    As crônica dele são recomendadíssimas.
     
  10. Cantona

    Cantona Tudo é História

    O Grande Mentecapto, O encontro marcado e O menino no espelho estão na minha lista dos melhores já lidos. O modo como ele trata o universo infantil, neste último, é de uma ternura comovente.

    Como cronista, ao lado de Rubem Braga, considero o que temos de melhor.

    Ontem, 12 de outubro, foi aniversário do Sabino. Nasceu no Dia das Crianças. E quase faleceu no mesmo dia, 81 anos depois. Como se o destino ratificasse sua paixão recorrente pela infância.

    Aqui jaz Fernando Sabino, nasceu homem, morreu menino.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A Thaís me mandou esse vídeo hoje. Foi a primeira vez que ouvi a voz do Sabino.
     
    Última edição por um moderador: 5 Out 2013
  11. Calib

    Calib Visitante

    Eu só li "O Encontro Marcado" e, na época, adorei do início ao fim. Isso faz uns dez anos.
    Cheguei a recomendar anos mais tarde à minha namorada, que o começou e, como vocês, achou "chato". Não entendo.
    Eu teria de reler para saber se ele continuaria entre os meus favoritos, firme e forte, mas até lá, deixo um lugarzinho especial no meu coração reservado para o livrinho. =D

    Curiosamente, apesar dessa ótima primeira impressão, nunca mais li nada do Sabino, defeito que pretendo sanar logo.
     
  12. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Vá de O Grande Mentecapto.

    Acho que é um dos livros que mais reli. E toda vez que termino tenho vontade de conhecer o interior de Minas de trem.
     
  13. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Encontro Marcado (O Projeto)

    “Traduzindo o gosto pela cultura e facilitando seu acesso, o Projeto “Encontro Marcado com Fernando Sabino” divulga a obra de um homem que escreveu belas páginas da literatura brasileira. O trabalho, coordenado pelo filho do escritor Bernardo Sabino, propaga através de várias ações culturais e educativas, o trabalho do escritor, cronista, cineasta e jornalista, dentre outras atividades, e leva para as novas gerações a cultura e sua ampla variedade.”
    “Com uma exposição idealizadora que busca despertar no público vo interesse pela arte, o projeto leva para as cidades contempladas particularidades do escritor como fatos biográficos e fotos, além, de literatura e mostra de filmes.”
    “Encontro Marcado com Fernando Sabino” já percorreu cidades de Minas Gerais e São Paulo e propiciou ao público o acesso gratuito à exposição da obra do escritor, com visitas monitoradas à mostra de filmes, palestras, bem como a doação do acervo literário para os municípios.”



    Fonte:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Um projeto bem interessante esse.A literatura interagindo de forma concreta com um público bem amplo e diversificado.
     
  14. Calib

    Calib Visitante

    Eu gosto do Sabino porque ele tem um estilo simples sem ser raso e escreve coisas bonitas sem ser piegas.
    Se o Paulo Coelho escrevesse como ele, eu leria Paulo Coelho.
     
  15. Diva

    Diva Usuário

    Eu só o li O Grande Mentecapto e O Bom Ladrão. Enfim, não são livros que me arrebataram. Dos escritores mineiros, Murilo Rubião é o meu favorito.
     
  16. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Essa vale ser compartilhada:

     
  17. Calib

    Calib Visitante

    Pena que explicar piada é coisa triste. Ficava melhor sem as três linhas finais.
    E vire-se quem não conhece o adágio latino. :rofl:
     
  18. gmourao

    gmourao Usuário

    Li O Menino no Espelho, na escola, e já não lembro de nada; só lembro que gostei. Li O Homem Nu, também, um bom tempo atrás, e também gostei. Na época lia bastante crônica.

    Este ano, li O Gato Sou Eu, que tem algumas crônicas ótimas, mas não sei, já não me caiu tão bem.
     
  19. Caulfield

    Caulfield Usuário

    Li O Encontro Marcado quando fazia 3º ano, pois era um dos paradidáticos cobrados no vestibular da Federal daqui..

    Apesar de ter lido por obrigação, o livro figurou por bastante tempo na minha lista de preferidos, até mesmo porque na época eu não tinha costume de ler muito.
    Tive uma ótima impressão dele, principalmente da fase em que retratava a fase de Boemia do protagonista, em que no meio das bebedeiras havia discussões filosóficas que eu achava bem interessantes.

    Muito tempo depois comprei uma coletânea de histórias dele da editora BestBolso, e gostei delas de um modo geral. Hoje eu não tenho vontade de ler mais obras dele, que não sejam crônicas, mas confesso ter vontade de reler O Encontro Marcado, até pra saber se eu sentiria o mesmo impacto da primeira vez..
     

Compartilhar