1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Fácil

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por mrmadeirense, 29 Jun 2012.

  1. mrmadeirense

    mrmadeirense Usuário

    Fácil é imaginar o quão fácil a vida pode ser. Fechar os olhos e viajar, abri-los e encontrar a ancestral natureza radiando a nossa alma com a mais pura sinceridade.
    - O que vês é o que eu sou!

    Mas abrimos os olhos e deparamo-nos com uma população fustigada por defeitos, uma tribo morta por dentro, e que em cada inspiração mais morta fica. «Damo-nos conta que somos unicamente, ISTO!
    Eu próprio acredito que o mal não está na dita sociedade, mas sim em mim, em ti, e em todos eles.
    Todos os meus defeitos mergulham no mesmo tanque empestado, e ali, tornam-se maiores, mais intensos, e do pequeno tanque surge um mar de defeitos que forma o meu ser.
    Doente crónico, cuja cronicidade alimenta-se das minhas palavras e pensamentos. Não sei se busco uma cura, não sei se a minha missão é transformar o revolto mar escuro em calmas águas. Sinto que preciso de voar para o alto duma montanha, longe de tudo e de todos.

    O meu momento a sós chegou...

    Quero caminhar descalço nos desertos caminhos, quero sentir a extrema natureza invadir o meu corpo e a consumir-me por dentro, quero depender de mim mesmo e descobrir os meus limites.
    Simplesmente, quero apagar os meus defeitos para conseguir uma melhor sociedade.
    Prometo que quando o fizer, sentir-me-ei livre. Vou saltar de pedra em pedra, e cheirar tudo o que me circunde. Vou abraçar as suaves brisas e correr ao ritmo dos fortes ventos, mergulharei em todas as águas que se cruzem no meu caminho. Gritarei bem alto e forte para o mundo, e pela primeira vez não terei uma resposta.
    Sei que vou chorar todos os dias e que irei sorrir todas as horas. Vou falar bem alto, vou projectar um monólogo de sentimentos para os grandes e verdes vales, desertos. Vou contar-lhes toda a minha vida enquanto vivo as suas.
    Vejo três abelhas, sugam todo o pólen que encontram, dão origem a novos seres enquanto o fazem. Usam as flores com toda a delicadeza e elegância necessária, e as resplandecentes flores estão felizes. Sou capaz de sentir como as pequenas abelhas lhes acariciam as pétalas, enquanto lhes consomem. Conseguem encontrar a plenitude sem sabê-lo.
    Acho que agora, mais do que nunca, percebi que mudei, não sou o mesmo que era há cinco anos, mas também já deixei de ser o mesmo que começou a escrever.
    Eu consigo aceitar a mudança, mas... quem mais está disposto a fazê-lo?
    A criança que atira comida ao pássaro, que acaba na boca do pombo... O cão submisso que passeia ao lado do dono, o quase inexistente mosquito que passeia no meu braço enquanto escrevo. São momentos tão banais como cantar à chuva. Mas de tão banais rara a vez temos a oportunidade de vivê-los intensamente. Se tudo isto é uma banalidade, então quero, quero sentir a fusão dos quatro elementos ao mesmo tempo que os cheiro, oiço, vejo e retrato.
    Peço muito, não peço?
    Sim, mais um defeito, sou demasiado exigente!
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Genial! Se tem uma coisa que eu admiro bastante, são as linhas onde o eu-lírico conversa e debate sobre essas questões mundanas, que por si só já são perturbadoras. Outro ponto legal é a evolução de idéias e pensamentos conforme vamos lendo, meio que se equiparando a algum tipo de libertação, ou renovação de pensamentos.

    "«Damo-nos conta que somos unicamente, ISTO!"

    Infelizmente somos isto sim, esse triste contexto desalinhado. Vivo um momento da minha vida muito próximo disso, onde tenho me distanciado de várias coisas, e também tenho a necessidade de me sentir vivo, de olhar as coisas em volta e se ater aos detalhes.
     

Compartilhar