1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Estadão & Maria Rita Kehl: #censura

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Lordpas, 9 Out 2010.

  1. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    Depois de excelente artigo publicado, Maria Rita Kehl foi demitida do Estadão.

    Segue o que ela falou ao blog Viomundo, de Luiz Carlos Azenha.

    Maria Rita Kehl: Os bastidores de sua demissão pelo Estadão

    por Conceição Lemes
    Maria Rita Kehl é psicanalista, ensaísta e cronista. Tem seis livros publicados. O mais recente, O Tempo e o Cão, foi lançado em 2009, pela Boitempo. Nele, aborda o significado da depressão como sintoma psíquico da sociedade contemporânea. Maria Rita é a ganhadora do Prêmio Jabuti 2010 na categoria Educação, Psicologia e Psicanálise com O Tempo e o Cão.
    Formada em psicologia pela USP, durante muitos anos se dedicou exclusivamente ao jornalismo cultural. Foi editora do Movimento, jornal que, ao lado do Opinião e d’O Pasquim, foi um dos mais importantes órgãos da imprensa alternativa durante o regime militar. Participou também da fundação do jornal Em Tempo e escreveu como freelancer para veículos, como Veja, Isto É e Folha de S. Paulo.
    Em 1979, Maria Rita decidiu fazer mestrado em psicologia social. Sua tese: O Papel da Rede Globo e das Novelas da Globo em Domesticar o Brasil Durante a Ditadura Militar.
    Em 1981, começou a atender pacientes — e nunca mais parou. Em 1997, doutorou-se em psicanálise pela PUC-SP com uma pesquisa que resultou no livro Deslocamentos do Feminino – A Mulher Freudiana na Passagem para a Modernidade (Imago, 1998).
    Nos últimos oito meses, manteve uma coluna quinzenal no Caderno 2, em O Estado de S. Paulo. Nessa quarta-feira, ela
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , publicado no último sábado (2), onde abordou a “desqualificação” dos votos dos pobres.
    Em entrevista na manhã de quinta-feira (7) a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , ela denunciou.
    – Fui demitida pelo jornal o Estado de S. Paulo pelo que consideraram um “delito” de opinião (…) Como é que um jornal que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?
    [Ricardo Gandour, diretor do Estadão, deu entrevista mais tarde ao Terra Magazine,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ]
    Em entrevista ao Viomundo, Maria Rita detalha os bastidores.

    Viomundo – Na terça-feira, começou a circular na internet boatos de sua demissão. Antes, em algum momento, você foi alertada sobre “problemas” com os seus textos?
    Maria Rita Kehl – Nunca. Foi o que eu argumentei com a editora do Caderno 2, que me convidou para escrever a coluna. Na verdade, ela me chamou para escrever sobre psicanálise. Argumentei que só sobre psicanálise conflitava com o meu consultório. De vez em quando, disse-lhe, poderia escrever sobre o tema, mas eu gostaria mesmo era de escrever sobre tudo, inclusive política, assunto que me interessa muito. Ela aceitou.

    Viomundo – Essa conversa foi…?
    Maria Rita Kehl – No final do ano passado, mas eu só comecei a escrever em fevereiro deste ano. Aí, fui escrevendo. Cada vez mais sobre política, pois ficando cada vez mais apaixonante. Eu já fui jornalista, tenho uma cabeça muito política também…
    Após cada artigo, eu sempre perguntava: “E, aí, tudo bem?” Ela: “Tudo bem”.
    Desta vez foi engraçado porque eu perguntei: “Tudo bem? Será que eles não vão pedir a minha cabeça?”. A resposta que veio: “Não vão, pode ficar tranqüila.” Eu fiquei. Imagino que a editora não iria me enganar…

    Viomundo – Quando soube dos “problemas” com os seus artigos?
    Maria Rita Kehl – Na terça [5 de outubro]. Recebi um telefonema muito constrangido de que a coisa tinha ficado muito feia…cartas de leitores estavam reclamando muito da minha presença no jornal… tinha gente do Conselho Editorial muito enfurecida… a situação estava muito difícil. Ela lembrou de que a ideia inicial era que eu escrevesse sobre psicanálise…
    “Bem, posso tentar escrever mais sobre psicanálise… Mas nunca mais escrever sobre política, isso não, isso eu não aceito”. Até porque o período em que o tema é mais polêmico é agora, depois relaxa…
    Ela disse que iria conversar novamente com o Gandour [Ricardo Gandour, diretor de conteúdo do Grupo Estadão], que eu não conheço pessoalmente.
    Aí, aconteceu uma coisa que eu não sei explicar, é um mistério. Mas acho que partiu de dentro do jornal, de alguém que ouviu essa conversa. Uma hora depois já tinha gente me ligando, para saber se eu tinha sido demitida.

    Viomundo – O que a leva a suspeitar de que alguém do Estadão tenha passado a informação adiante?
    Maria Rita Kehl — Foi um detalhe da nossa conversa [entre a editora e Maria Rita]. Só alguém de dentro do jornal, que tinha ouvido a editora conversar comigo, tinha a informação… Tanto que o boato foi de que eu “estava proibida de escrever sobre política, só poderia escrever sobre psicanálise”.

    Viomundo – Você pensou em divulgar?
    Maria Rita Kehl – Eu não tinha nenhum interesse em começar a divulgar, enquanto não tivesse a resposta. Eu não poderia criar um escândalo sem antes conhecê-la.
    Acredito que ficou para eles [direção do jornal] a impressão de que fui eu que fiz toda a movimentação na internet. Até quis tornar público. Não fiz. E não porque sou boazinha. É porque não tinha nenhum interesse em divulgar antes de ter a resposta final do jornal.
    Nessa quarta [6], depois da reunião que a editora teve com o Gandour, veio a resposta. Gandour disse que por conta da repercussão, a minha posição havia ficado insustentável, intolerável.

    Viomundo – A repercussão na rede da sua demissão foi apenas pretexto…
    Maria Rita Kehl – É, a coisa já não estava boa. E por ter tido muita repercussão, ficou, segundo o jornal, insustentável. É como se eu tivesse organizado uma passeata petista na frente da redação com bandeiras vermelhas, com ameaça de exigências.
    A minha demissão virou top10 do twitter. Eu não esperava. Fiquei atônita. Virou um acontecimento. A minha coluna era quinzenal… Eu não sou Jânio de Freitas nem nada…O fato é que virou um acontecimento na internet com muitas acusações contra o Estadão.

    Viomundo – O seu trabalho foi censurado, concorda?
    Maria Rita Kehl – A palavra censura não é boa. No meu conceito, censura seria você não pode escrever sobre isso ou aquilo, corta uma linha aqui, outra ali… O que o meu caso demonstrou é que o jornal não permite uma visão diferente da do jornal nas suas páginas. É isso. Essa é dita imprensa liberal.
    As grandes empresas que controlam a informação no país estão nas mãos de poucas famílias… Teoricamente seriam imparciais, dando voz ao outro lado, só que elas têm um posicionamento muito claro de que não são imparciais. Veja o meu caso. O meu artigo é assinado, não estou falando pelo jornal. Mas nem isso cabe.

    Viomundo – Na verdade, os grandes veículos se dizem imparciais, alardeiam isso para a sociedade, só que a prática é oposta…
    Maria Rita Kehl — Eu acho honesto que o jornal assuma uma posição. É pior dizer que é imparcial e dar a notícia só com um lado. Isso confunde muito mais o leitor.
    É pena que não tenha gente com dinheiro suficiente para apoiar outros candidatos. …Um grande jornal que apóie a Dilma, um grande jornal que apóie a Marina, um grande jornal que apóie o Plínio…
    Na verdade, todos os jornais estão apoiando o mesmo candidato. Esse é o problema da política brasileira, da burguesia brasileira, da concentração do dinheiro na sociedade brasileira… Os donos dos jornais são parciais, mesmo… Ninguém é imparcial. Mas, para que os leitores sejam adequadamente informados e se posicionem, é fundamental ter o outro lado. Infelizmente, o que os donos dos jornais revelam é que não cabe voz a outra posição, nem mesmo em artigos assinados. Que liberdade de expressão é esta?

    ----------------------------------


    :clap:


    Essa é a imprensa que diz estar sob censura.
     
  2. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Como outro exemplo, é fascinante como só fora de Minas Gerais é que o atual governo daqui tem podres. Não se houve falar nada contra Aécio, Anastasia ou qualquer outra pessoa de seu gabinete por aqui.

    Pena que o candidato da oposição esse ano era pior ainda.
     
  3. Deriel

    Deriel Administrador

    Eu não entendi muito bem. Não vi a censura. Todo jornal tem uma linha editorial, e vai demitir quem não se encaixa nela. É natural em qualquer trabalho. Qualquer.

    Censura é outra coisa, como a própria entrevistada diz.
     
  4. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    Não quiz dizer que ela sofreu censura, quiz dizer que essa é a imprensa que diz estar sob censura.

    e como a Maria Rita mesmo disse:

    Por Bob Fernandes


    A psicanalista Maria Rita Kehl foi demitida pelo Jornal O Estado de S. Paulo depois de ter escrito, no último sábado (2), artigo sobre a "desqualificação" dos votos dos pobres. O texto, intitulado "Dois pesos...", gerou grande repercussão na internet e mídias sociais nos últimos dias.
    Nesta quinta-feira (7), ela falou a Terra Magazine sobre as consequências do seu artigo:
    - Fui demitida pelo jornal o Estado de S. Paulo pelo que consideraram um "delito" de opinião (...) Como é que um jornal que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?
    Veja
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    "Dois pesos".

    Leia abaixo a entrevista.

    Terra Magazine - Maria Rita, você escreveu um artigo no jornal O Estado de S.Paulo que levou a uma grande polêmica, em especial na internet, nas mídias sociais nos últimos dias. Em resumo, sobre a desqualificação dos votos dos pobres. Ao que se diz, o artigo teria provocado conseqüências para você...
    Maria Rita Kehl -
    E provocou, sim...
    - Quais?
    - Fui demitida pelo jornal O Estado de S.Paulo pelo que consideraram um "delito" de opinião.
    - Quando?
    - Fui comunicada ontem (quarta-feira, 6).
    - E por qual motivo?
    - O argumento é que eles estavam examinando o comportamento, as reações ao que escrevi e escrevia, e que, por causa da repercussão (na internet), a situação se tornou intolerável, insustentável, não me lembro bem que expressão usaram.
    - Você chegou a argumentar algo?
    - Eu disse que a repercussão mostrava, revelava que, se tinha quem não gostasse do que escrevo, tinha também quem goste. Se tem leitores que são desfavoráveis, tem leitores que são a favor, o que é bom, saudável...
    - Que sentimento fica para você?
    - É tudo tão absurdo... A imprensa que reclama, que alega ter o governo intenções de censura, de autoritarismo...
    - Você concorda com essa tese?
    - Não, acho que o presidente Lula e seus ministros cometem um erro estratégico quando criticam, quando se queixam da imprensa, da mídia, um erro porque isso, nesse ambiente eleitoral pode soar autoritário, mas eu não conheço nenhuma medida, nenhuma ação concreta, nunca ouvi falar de nenhuma ação concreta para cercear a imprensa. Não me refiro a debates, frases soltas, falo em ação concreta, concretizada. Não conheço nenhuma, e, por outro lado...
    - ...Por outro lado...?
    - Por outro lado a imprensa que tem seus interesses econômicos, partidários, demite alguém, demite a mim, pelo que considera um "delito" de opinião. Acho absurdo, não concordo, que o dono do Maranhão (senador José Sarney) consiga impor a medida que impôs ao jornal O Estado de S.Paulo, mas como pode esse mesmo jornal demitir alguém apenas porque expôs uma opinião? Como é que um jornal que está, que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?
    - Você imagina que isso tenha algo a ver com as eleições?
    - Acho que sim. Isso se agravou com a eleição, pois, pelo que eles me alegaram agora, já havia descontentamento com minhas análises, minhas opiniões políticas.
     
  5. Deriel

    Deriel Administrador

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    O Estadão está sobre censura judicial sim, ele não pode publicar certas matérias por ordem judicial.
     
  6. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie


    Se tu se referes ao caso Sarney, que fique claro:

     
  7. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Concordo com quem diz que não é censura. Respeito a liberdade que os meios impressos têm para se administrar, mas é deplorável que os jornais brasileiros sigam este conceito para gerir qual conteúdo que é publicado neles mesmo.

    Uma pessoa que me parece ser séria, que entende de sua área e também tem credenciais para falar de outras das quais não é especialista, mas bem informada para tal.

    Preferem perder alguém assim, sacrificar em qualidade do jornal, porque a pessoa publicou um artigo sobre política dissonante em alguma página obscura do Caderno 2, onde as (poucas) pessoas (que leem) vão procurar por tudo, menos opinião política.

    Legal, é, o jornal é uma entidade de direito privado e tem o direito de impor as regras que quiser a seus funcionários. Mas é lamentável, provinciano, café-com-leite que ainda neste século tenhamos no Brasil esse modelo em que os jornalistas são meros peões, produtores de texto sobre aquilo que os editores impõem, estes últimos sendo praticamente autores dos jornais. Conheço mais de um que se decepcionou com a carreira jornalística porque eram cheios de ideias, mas não tinham qualquer espaço para fazê-las vingar.

    Deplorável também o é, por outro lado, que este processo contra o Sarney corra sigilosamente. Pese o risco de comoção popular equivocada e de uso político por parte da própria imprensa, eu pensava que, em situações de grande interesse social, o que é verdade absoluta em casos de corrupção política em nível federal, o processo devesse se tornar aberto, não? Até processos de disputa familiar podem tornar-se abertos se a jurisprudência tiver em convenção que, naquele caso específico, há interesse social.
     

Compartilhar