1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

E quando os cientistas erram?

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Lew Morias, 28 Nov 2010.

  1. Lew Morias

    Lew Morias Luck is highly overrated

    E quando os cientistas erram?

    Publicado em 22/11/2010


    'Nature' põe em debate os artigos retirados da revista, blogue se propõe a acompanhar mais de perto histórias similares e comunidade científica agradece.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O coreano Hwang Woo-suk proporcionou um dos casos mais famosos de retiradas de artigos científicos. Ele era considerado um dos precursores da pesquisa com células-tronco e clonagem até que, em 2005, descobriram suas – muitas – fraudes (foto: reprodução).

    Um
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    de duas semanas atrás traz à tona uma questão não muito debatida em periódicos científicos: o que fazer quando uma pesquisa já publicada é retirada do arquivo da revista?
    Em outras palavras, a revista quer discutir o que fazer quando um artigo é retracted – termo em inglês sem tradução consagrada para o português, que quer dizer algo como 'retirado' ou 'recolhido'.
    Os chefes de laboratório estariam perdendo a capacidade de controlar os possíveis erros cometidos por suas equipes
    Pois bem. A Nature resolveu tratar essa questão de modo franco. A motivação: o número de artigos 'retirados' da revista este ano é estranhamente maior do que do ano passado. Enquanto em 2009 apenas um artigo foi recolhido, em 2010 o número subiu para quatro.
    No editorial, a revista tenta identificar os motivos. Entre as principais hipóteses levantadas, a publicação alega que haveria hoje uma maior facilidade para se criar (mas também para se descobrir) imagens fraudulentas e que os chefes de laboratório estariam perdendo a capacidade de controlar os possíveis erros cometidos por equipes numerosas.
    Sobre este último item, a Nature adverte: "Qualquer laboratório com mais de dez pesquisadores tem de tomar medidas especiais para garantir que o pesquisador-chefe seja capaz de assegurar a qualidade do trabalho dos mais jovens".
    Em defesa da transparência, a Nature se comprometeu a avisar seus leitores com agilidade quando um artigo for retirado. E prometeu notificar também a imprensa, caso o artigo em questão tenha sido destacado no comunicado que a revista distribui semanalmente para jornalistas cadastrados.


    Novo blogue cobre o que, literalmente, sai

    Uma prova de que a comunidade científica está atenta para essa questão é o lançamento recente do blogue
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ('Observatório de retiradas' em tradução livre), no ar desde agosto. A iniciativa promete divulgar os artigos retirados, explicando o porquê das decisões e avaliando o posicionamento dos periódicos diante das saias-justas.
    O monitoramento das retiradas ajudaria na avaliação da qualidade do próprio periódico
    O portal foi criado pelos divulgadores de ciência
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , ambos com vasta experiência de trabalho em publicações do gênero.
    Os
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    que monitorar as retracitons pode ajudar na avaliação da seriedade da publicação como também, em alguns casos, proteger cientistas injustiçados (por terem sido fraudados, copiados etc.).
    Os criadores do Retraction Watch
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    porém redobraram a cobrança sobre a divulgação mais ampla dos casos de retirada. Mais olhos estão atentos.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ____________________________________________

    Apesar de não acompanhar a Nature, achei, pela comparação com o ano anterior, que houve muitos artigos retirados do periódico neste ano. Lembro-me do caso do coreano citado na notícia, houve um grande estardalhaço no ano em que descobriram as inúmeras fraudes em suas pesquisas.

    Achei bacana a atitude da Nature em trazer essa discussão sobre artigos "retracted" a tona. Mas a questão é: o que devia ser feito para erradicar a publicação de pesquisas fraudulentas? É necessário que os editores dos periódicos sejam mais cuidadosos ao avaliarem o que vai ser publicado? Os chefes de pesquisa devem ter um controle maior sobre o que está sendo feito no laboratório? Reduzir o número de pessoas em cada grupo é uma saída viável?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Hasgath

    Hasgath Usuário

    Otimo post. Acho uma grande iniciativa da Nature, mas tambem acho que estão tentando "tirar o deles da reta", sendo que parte da culpa e do sistema que analiza as possiveis publicações. Quanto a reduzir o número de publicações recolhidas, o assunto vai longe. Mesmo reduzindo as equipes, sua composição ainda pode conter um individuo fraudulento, e com a facilidade ja citada de realizarem-se falcificações aumentou muito, mas a identificação dos mesmos também, e sabendo-se disso, instalar uma metodologia diferente para analizar tais artigos é extremamente importante, cabe tambem instalar um sistema de maior refinamento para que a pesquisa seja publicada, realizando assim um maior numero de analises, e comprovações destas pesquisas perante a um grupo de especialistas cada vez mais rigido e seleto. Pois deve-se considerar que não estamos tratando de meros trabalhos universitarios, e sim, de grandes publicações científicas e de hambito mundial.
     
  3. Pim

    Pim God, I love how sexy I am!

    Lew, pesquisas fraudulentas estão por todas as partes, publicadas em revistas científicas ou não. Em geral seus resultados são manipulados para o benefício/lucro de um pequeno e seleto grupo, não pro da população.

    No meu caso ouço muito minha orientadora da monitoria falar sobre a indústria farmacêutica, que divulga resultados mentirosos em periódicos de destaque e tentam comprar os médicos pagando-lhes viagens e congressos. Ludíbrio e trapaça estão presentes em todas as épocas da existência do ser humano, e pensar em sua erradicação é utópico. O mais palpável é identificá-los e aprender a lidar com eles...

    Acho que cada um deve desenvolver o seu senso crítico, fundamentado em todos seus princípios éticos e morais, porque todos os outros, até que se prove o contrário, são corruptíveis.
     
  4. etienne

    etienne Usuário

    Esse ano cursei uma disciplina chamada Bioética, na qual o caso do coreano foi citado também. A bioética tem quatro principios a serem seguidos:Autonomia, Beneficiência, Não Maleficiência e Justiça, o que o Dr. Woo-Suk notoriamente não sabe. Também ignora que atualmente a ciência não trabalha apenas com Questões de Fato, ela envolve também Questões de Valor e deve estar atrelada a ética que rege esses valores humanos. A ciência não é infalível, mas é vergonhoso ser fraudulenta!
     
  5. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Eu sou meio contra a política da pesquisa voltada para publicações de papers e etc. E isso pode ser um dos fatores que impulsionem pessoas a ocultar/criar resultados significativos.
    Mas isso é outro papo.

    Eu gostei da atitude. O papel da revista é divulgar resultados importantes. Na descoberta de uma fraude, alertar os leitores.
    Acabo me preocupando pouco com as fraudes na ciencia porque cedo ou tarde elas aparecem. Tem sempre alguem, nem que seja aluno, querendo repetir/checar resultados.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  6. Lew Morias

    Lew Morias Luck is highly overrated

    Concordo com você, Pim.

    O problema é uma revista do porte e do alcance da Nature publicar esse tipo de pesquisa. Se não é possível erradicar as fraudes nas pesquisas, deve haver uma rigidez maior na seleção daquilo que é publicado. Conversar com diferentes especialistas, realizar o experimento novamente, revisar a demonstração apresentada...

    E o ponto que o Fusa comentou também é vital. Essa política de "publique ou pereça" também é um estímulo a publicação de resultados fraudulentos. A quantidade de artigos publicados torna-se mais importante do que a qualidade. Enfim, interesses econômicos, a exigência das agências de fomento de um número x de artigos publicado num ano, todos esses fatores contribuem para a realização e divulgação dessa "ciência marrom".
     
  7. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Como aconteceu quando as empresas de aspartame "fizeram" uma pesquisa que um outro tipo de adoçante (não sei o nome) causava câncer, para poderem lucrar em cima da venda "boicotada" por causa do risco de câncer.

    Aqui na UFRN tem muito disso, publicar papers, artigos etc para parecer que trabalham mesmo.
     
  8. Vela- o Rousoku

    Vela- o Rousoku Sirius Black

    Não sei se eu na época entendi errado, mas que eu lembre era o próprio aspartame que foi considerado cancerígeno, em contraste com os adoçantes à base de sacarina sódica.

    (Não prestei muita atenção pq não uso adoçante... se estiver invertido me perdoem. De qualquer forma o "outro tipo" é a sacarina.)

    Essa política gerou ditados populares aqui em santa catarina, do tipo "Publico, logo existo" e
    "Quem muito Lattes não morre".
     
  9. Anwel

    Anwel Nazgûl Cavaleiro

    Já ouvi coisas semelhantes aqui em SP.
    As universidades (pelo menos públicas) estão exigindo uma produtividade muito maior dos professores, algo que já levou à algumas discussões sobre até que ponto a educação é mais importante do que a publicação de artigos/livros para a universidade.

    É um problema muito sério e que é pouco abordado.
     
  10. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu não me lembro direito, mas tenho quase certeza (não 100%) que era a indústria de aspartame que tentou "provar" que o outro, acho que era sacarina mesmo, era cancerígeno, mas na verdade é o próprio aspartame que é cancerígeno.

    Muito legal e criativas essas frases.
     

Compartilhar