1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cenas do Cinema - Parte 1 - Na Pré-estréia

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Artigos Valinor, 25 Jun 2005.

  1. Artigos Valinor

    Artigos Valinor Usuário

    Chego as dez pra meia-noite na Rodoviária, pra pegar o ônibus rumo ao São Paulo, onde verei a pré-estréia de mais uma parte da trilogia "O Senhor dos Anéis". Tudo que eu quero é ter uma viagem tranqüila e dormir, pra que no dia seguinte eu possa acompanhar às 3 horas de filme com atenção e plenitude do vigor. Arrumar o convite nem foi difícil. Bastou ligar prum amigo cujo pai é amigo do irmão da secretária do diretor de marketing da Warner, que só precisava ligar pro diretor de promoções, que lhe devia um favor, e esse por sua vez, reservaria com algum responsável de alguma comunidade tolkieniana um convite. Como vocês puderam perceber, um processo direto e não-burocrático.
    E cá estou eu, sentado num banquinho da rodoviária, quando me surge uma figura girando uma espadinha de plástico de He-man, gritando que se chama Aragorn... Francamente! Ainda nem saímos do Rio e já começou a boiolice? Pois não é que a criatura miserável não passou às 6 horas de viagem entre Rio e São Paulo recitando cada fala de Aragorn nos livros... E quando eu gritei um simples "Cala a p*** da boca!", ainda tomei uma espadada no nariz e ouvi um sermão sobre como se deve comportar na frente do herdeiro de Elendil... Por sorte nessa hora o fedor do Tietê já era forte. Isso era o sinal de que estávamos enfim chegando a Mordor... ops... São Paulo... o mais rapidamente possível peguei um táxi e fui pro Shopping onde haveria a pré-estréia, sem antes é claro comer uma média de pão com manteiga e café frio no caminho.
    Chegando no shopping, evitei ao máximo o contato com possíveis hordas de herdeiros de Reis antigos. Fui rapidamente no banheiro, onde pus a fantasia, item obrigatório pra entrar. Graças ao colete de um primo que é garçom de pizzaria, me tornei um hobbit e logo entrei na sala... O filme estava pra começar quando surge a segunda figura que eu teria que aturar... resolve se sentar exatamente na minha frente, um sujeito com 2 metros de altura. Fantasiado de Gandalf. Com um chapelão que ele simplesmente não tirou. Foram 3 longas horas de pedidos pra ele tira ro chapéu. Minha única referência com o filme eram os gritos das garotas, obviamente quando o Legolas fazia algum passo de balé fingindo que lutava. Só no fim do filme que ele pareceu ouvir. eu já tava esperando uma cajadada, lembrando do ataque do "Aragorn" do ônibus. Mas o que veio foi mais patético. Muitos reclamam do "exorcismo" do filme... Eu não sei quanto a quem tava vendo a minha situação, mas pessoalmente eu achei a cena do Theóden muito melhor que o momento em que o Gandalf de 2 metros e espinha na cara tentava tirar o Saruman de dentro de mim. Me lembrou os Melhores Momentos daqueles cultos que passam em um monte de canal da TV aberta.
    Mas pelo menos a tortura estava acabando. Eu só ia tirar uma água do joelho e partir rumo à rodoviária, pra voltar pra casa. Serviço feito no banheiro, era hora de ir embora... pelo menos era o que eu achava, pois na porta do banheiro se encontrava meu grande amigo, o Gandalf tupiniquim. Com olhar determinado ele ficou na frente da porta... os gritos de "YOU SHALL NOT PASS!!!" devem ter ecoado por todo o shopping, mas não era preciso tanto, pois dentro do banheiro, de três portinhas saíram eles: Aragorn, meu velho conhecido e espada do He-man; Legolas; um sujeito com cara de maconheiro que tinha um arco indígena, e pra minha sorte, nenhuma flecha; e Gimli, com um machado feito de cabo de espanador e ponta feita(ou seria mal-feita?) de papel laminado. Os 4 nerds partiram pro ataque. Eu teria passado horas levando golpes de arminhas de brinquedo, se não fosse pelos odores de um nerd gordão que chegou no banheiro, e conseguiu dispersar todo mundo. E foi a minha chance.
    Em 20 minutos eu estava na rodoviária, e pra minha sorte, nenhum nerd pra dividir o ônibus. Até o fim da tarde eu estaria em casa, e só me preocuparia com nerds semanas depois, quando chegasse à estréia, e eu fosse tentar ver o filme que um chapéu me impediu de ver.
     

Compartilhar