1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Brasil fica de fora da disputa pelo Oscar de filme estrangeiro

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por JLM, 19 Jan 2011.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    duas conclusões: 1. ainda bem q brasil ficou fora, menos uma vergonha pra nós. 2. 9 dicas de filmes pra se ver nas próximas semanas, em especial o biutiful (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ), com o javier bardem, q acho q leva a estatueta em 2011.

     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Também... Olha a bomba que vão indicar =|
    Assustar-me-ia se ele tivesse chances reais
     
  3. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    e pensar q poderiam ter indicado o tropa de elite 2, né?
     
  4. Anica

    Anica Usuário

    né?

    ano após ano e parece que eles só dão bola fora com a escolha do filme para representar o brasil. mas esse oscar aí já tem dono, então poderiam mandar qualquer coisa que nem ia adiantar nada. esse ano é Biutiful ou Em um mundo melhor (embora ache q o Oscar quem leve seja o primeiro).
     
  5. Pips

    Pips Old School.

    O problema é mesmo quem indica. A comissão é uma piada.
     
  6. Anica

    Anica Usuário

    não teve coisa de voto popular esse ano?

    e quem está na comissão, pips^?
     
  7. Excluído044

    Excluído044 Banned

    Na boa. A única indicação brasileira merecida no Oscar envolve Central do Brasil.
     
  8. imported_Shiryu

    imported_Shiryu Yippie-ki-yay...

    Mas os caras tavam de sacanagem né? Indicar o filme do Lula é o fim da piada, já não basta ele ter sido realizado com aqueles patrocínios estatais com o único objetivo de autopromoção.
     
  9. Tayana

    Tayana Usuário

    POis é, tem muitos filmes bons brasileiros...
     
  10. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    né?

    E pior que deixaram o Tropa fora da lista prévia no um e no 2. Nem estava na lista pra ser votado
     
  11. Pips

    Pips Old School.

    Cássio Starling Carlos - crítico de cinema da folha
    Clélia Bessa - Produtora de cinema e Professora da PUC
    Elisa Tolomelli - produtora (entre outras coisas ela leva mérito por Cidade de Deus e Acquaria)
    Frederico Hermann Barbosa Maia (ASSESSOR DO MINISTRO DA CULTURA)
    Jean Claude Bernardet - crítico de cinema, um dos melhores do Brasil
    Leon Cakoff - outro crítico de cinema não tão bom quanto o Jean, mas respeitável
    Tata Amaral - cineasta bem mais ou menos
    Mariza Leão - produtora de filmes como Meu Nome Não É Johnny e De Pernas para o Ar (sim aquela beleza que estreou há poucas semanas)
    Roberto Farias - bom, ele dirigiu filmes do Roberto Carlos.

    O que eu quero dizer é que com esses grande produtores e críticos, eles só querem mesmo saber de uma megaprodução que possa ser vendida lá fora. Mesmo que Lula seja mundialmente conhecido, uma cinebiografia estrangeira não serve como candidato ao Oscar.

    Em outros anos quem estava na comissão - que é escolhida pelo MinC - era também Rubens Ewald Filho.
     
  12. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Quem se surpreendeu põe o dedo aqui! ¬¬
    Não assisti Biutiful, mas putz grila, deixar Lula, o filho de Francisco ter a chance de ganhar o cara que fez Amores Brutos, 21 gramas e Babel é o mesmo que querer que o Obama ganhe o Nobel da Paz no primeiro ano de governo. Tão confundindo Academia com TSE. =P
     
  13. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Posso estar falando abobrinha, mas acho que enquanto o cinema nacional ficar tentando ser o que ele não é (quero dizer, não, nós não somos Hollywood), vamos ficar na mesma, tentando emplacar onde não dão nos dão cartaz. Ganhar Oscar com cine pipocão é meio complicado, os americanos sabem fazer isso melhor que a gente. Se nossos cineastas tentassem chamar a atenção com coisas mais originais, autorais, vanguardistas, sei lá, se investissem em coisas além de faroeste urbano do século XXI, talvez a gente conseguisse ir mais longe. Mas tá, né.
     
  14. Pips

    Pips Old School.

    O cinema brasileiro Manu é bem feito, consegue fazer pipocas e filmes de "arte" (odeio essa definição). O problema é que todos são feitos através de leis de incentivo, ou seja, os escolhidos ou tem público garantido ou tem alguém de muito peso no elenco, na produção, direção, etc.

    E pensando por esse lado das leis de incentivo, diferente dos EUA, aqui o filme já chega PAGO aos cinemas - aqui a questão recursos, produção e distribuição é uma bagunça. Com o filme já pago quem se preocupa em distribuir? Quem quiser receber bilheteria (produtora) ou prêmios (produtores/diretores).

    Nem todos são vilões, mas cinema autoral aqui ainda perde espaço.
     
  15. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Pips, eu não acho problemático os filmes serem feitos por leis de incentivo, ao menos por enquanto. Patrocínio pra cinema no Brasil, fora a Petrobrás e a Globo, é muito difícil, o retorno pras empresas é meio duvidoso. Distribuição é realmente um atraso, o que é mais triste ainda se lembrarmos que nem 10% das cidades brasileiras têm sala de cinema, e as que têm, o ingresso custa 15 reais. A distribuição é ruim porque não há infraestrutura ou não há infraestrutura porque não há demanda da distribuição? Não sei. Na dúvida, o certo seria investir nos dois ao mesmo tempo.

    (Usar nome de peso nos créditos é algo muitíssimo comum na área, né? Ao menos por enquanto, acho válido também.)

    Além disso, acho que o cinema nacional é tão frágil e tem uma autoestima tão baixa que pode-se considerar satisfatório conseguir quitar salários e dívidas. Talvez falte ousadia, pretensão, gana. Não acredito que James Cameron se satisfizesse apenas em ter seu salário pago no fim do filme, nem uma Columbia da vida.

    Acho que já perdi o fio da meada do assunto, rs. De qualquer forma, talvez o mais correto fosse segurar um pouco o freio da produção e ir fundo na infraestrutura, ao menos criando mais salas de cinema e fazendo os custos serem menores pra popularizar o ingresso e incentivar o patrocínio. Aí sim seria hora de investir na produção, e o cinema autoral teria enfim seu espaço e possibilidades de caminhar com as próprias pernas. Ai, políticas, políticas...rs
     
  16. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Se quisermos um cinema nacional de qualidade, precisamos parar de exportar e supervalorizar o importado... E isso... Bem. É contra intere$$e$ capitali$ta$... O padrão de vida americano, o american way of life, é necessário para que nossas empresas continuem a enriquecer e segregar, para que nós continuemos desenvolvidos e paupérrimos: para que a classe dominante enriqueça e os pobres... É aquela música, né:

    "É que o de cima sobe e o de baixo desce
    BOM XIBOM XIBOMBOMBOM, BEM DE VIDA!"
     
  17. Pips

    Pips Old School.

    Todas as empresas que aparecem nos créditos tem os valores investidos deduzidos do IR.

    Há infraestrutura, não há interesse. Há distribuição, não há interesse (em grande parte).

    Isso é bem ilustrado se você pensar que Tropa de Elite 2 foi para todas as salas de cinema disponíveis no Brasil. O mesmo para Se Eu fosse você 2. É só fazer as contas de por que a distribuição desses são maiores que dos outros.

    As leias de incentivo deixam os produtores preguiçosos. Imagine que se há tantas empresas nos créditos iniciais do filme, por que diabos entrar com projeto na lei de incentivo? Do mesmo jeito as empresas que patrocinarem receberão o desconto no IR. Depois da retomada do cinema novo, a busca por investimentos não existe. Eles conseguem o patrocínio do estado e esperam vir os novos investidores.


    Errado, o cinema nacional não é frágil, não tem baixa autoestima. Quem tem isso é brasileiro que acha que todo o filme nacional é ruim. Voltando a parte da distribuição: se O céu de Suely fosse melhor distribuído teria conseguido mais prêmios e mais visibilidade para ser enviado como candidato ao Oscar na época do seu lançamento. Cinema, Aspirinas e Urubus foi um filme aclamado pela crítica e o que aconteceu com o filme? Nada. Se você tiver o canal Brasil talvez consiga assistir.

    Os diretores daqui ganham quase como os de fora. O salário base de um assistente de direção é de R$1.000,00 POR DIA de gravação. Imagine como ganha um diretor ou produtor? Cargos bem mais importantes.


    Se colocar freio na produção o cinema brasileiro pára e nunca crescerá como industria.

    Os ingressos são caros por causa da infraestrutura dos cinemas que agora tem de ser grandes, cheios de lugares e tem de pagar aluguel dentro de um shopping. Ingressos não diminuirão porque é caro trazer filme de fora. Se você notar existem promoções para o cinema nacional. Dois reais por ingresso, etc. Isso poderia ser feito todo dia se o público procurasse o cinema nacional, mas como não é procurado os ingressos ficam com o mesmo preço de produções estrangeiras para compensar o espaço ocupado.

    O cinema autoral tem espaço para ser produzido, mas não distribuído. Temos muitos filmes lançados por ano. Alguns são lançados no exterior antes de vir para cá. Quem sabe lá fora, se forem prestigiados, aqui dentro não recebem respeito?

    É a mesma coisa que discutimos no tópico sobre literatura brasileira. Quem lê ou deixa de ler, os gêneros, etc.
     
  18. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Aqui em Curitiba tem algumas salas dedicadas a cinema alternativo (como a Cinemateca, o cinema do shopping Novo Batel e uma das salas do Unibanco Arteplex no Shopping Crystal), mas toda vez que vou é a mesma história. Vazio. A não ser em um festival da Cinemateca que fizeram uma boa divulgação e ficou bem cheio....
     
  19. Eu já sabia que iríamos ficar fora da lista para o Oscar. "Lula - O filho do Brasil" foi uma péssima escolha.

    Reforço a idéia de que Tropa de Elite II seria uma opção mais sensata.

    Enfim... fica pro ano que vem.
     
  20. Társio

    Társio Usuário

    Eu chutaria que a idéia de indicar o filme do Lula foi apostar na popularidade da boa imagem do ex-presidente no exterior. O problema é q o filme do Lula acabou não dando certo nem para o público q procurava um dramalhão nem para o público q procurava um coisa mais política. E o pouco sucesso q fez foi por causa do acidente em que o diretor quase morreu.

    Não assisti Tropa de Elite 2, mas talvez fosse interessante indicá-lo mesmo sendo um retrato da violência e tudo mais. Mas acharia estranho uma sequência concorrendo ao prêmio. Nos EUA, acho q deveriam tirar o 2 do título.

    No fim das contas, o Brasil estando ou não no Oscar, é motivo para se comemorar. A nossa produção está se diversificando e aumentando. Não é la fora q os filmes brasileiros vão fazer sucesso. O público americano não assistiria. Eles fazem remakes no máximo.

    Já podemos falar de um cinema brasileiro. Agora, ainda é muito difícil para quem é fora da panela entrar. Ainda é muito caro e a maioria dos cineastas potenciais acabam desistindo, porque trabalhar em produtoras em geral é um saco, nem td mundo tem a chance de ir para a O2 filmes ou essas produtoras maiores.
     

Compartilhar