1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Boca do Inferno, Ana Miranda

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Zzeugma, 7 Jun 2011.

  1. Zzeugma

    Zzeugma Usuário

    Curti este livro. Um dos poucos “best-sellers” conceituados da literatura brasileira.

    Acho que parte do “vende bem” provém do fato dele ser um livro bastante adotado por escolas. Eu tenho o costume de procurar uma resenha pelo google antes de colocar minha opinião do livro (assim não me ferro sozinho, rs) e existe um monte de coisa, mas especialmente de caráter... er... “escolar”, com resumos da história, explicações a respeito de quem foram Gregório “Boca do Inferno” de Matos e o Padre “Os Sermões” Vieira. De certa forma, é um boa forma de dar um panorama do barroco brasileiro, tanto no cenário quanto nos autores.

    Não é um livro “difícil”. Como ficção histórica, tem uma qualidade que aprecio, uma qualidade também encontrável naquela série da HBO, Roma.
    Os personagens agem e atuam sem saber o que vai acontecer, há imprevisibilidade em suas ações. Afinal, enquanto se vive a história não sabe ONDE ela vai dar.

    Outra coisa bem legal são as pequenas descrições que ajudam a montar cenário, a recriar a realidade daquele tempo, gestos como o do Gordo a atirar cascas de banana d´ouro atrás de si (como se fosse um sujeito a jogar papelzinho de balas), as escravas a nanarem a criança, a indiferença com a qual TODOS são abertamente preconceituosos (contra judeus, escravos, mulheres)...

    Pelo pouco que busquei pela Internet, outra coisa legal é que a Ana usou partes e trechos das poesias do Gregório e dos sermões do Vieira, de forma decontextualizada, mas que fazem sentido na trama e na construção dos personagens.

    Mas pra gente, leitor comum e desencanado, a história funciona? Funciona muito bem.

    Tanto a descrição do período ajuda a transportar a gente pra um outro “mundo”(*), quanto a história, a briga entre dois grupos políticos, provoca tensão narrativa suficiente pra gente ser puxado até o fim. Você começa a ficar desesperado para saber como aquela coisa vai acabar e durante a leitura me vi várias vezes tentado a ler o final. O curioso é que o motivo da discórdia até é explicado, mas ele não parece tão importante quanto as consequências geradas... Parece algo vago, e de certa forma, interessa pouco, é quase um “McGuffin” (Objetivo importante para os personagens, mas obscuro para o espectador/leitor, citado pelo Hitchcock).

    A gente nunca lê um livro só, a gente sempre o está comparando com outras leituras, com o contexto que vive no momento, com sua própria vida... Posso estar eventualmente viajando, mas achei que o livro "conversava" com os anos de chumbo no Brasil, no qual dois "lados" se batiam e se matavam, sem que - necessariamente - se preocupassem com o país ou com o povo.

    Mas é só minha opinião.
     

Compartilhar