1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A última do Lula

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Excluído045, 24 Jul 2009.

  1. Excluído045

    Excluído045 Banned

    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Não concordo com nenhuma das duas posturas. Estou postanto a resposta só para mostrar que dois lados existe gente grossa, mais afim de criar caso do que realmente ter um diálogo contrutivo. E que dois lados dessa discussão existem podres sérios.

    Tem coisas do Presidente Lula que eu adimiro muito, tem outras com as quais eu não concordo em absoluto. O que eu não concordo nunca é com o tipo de grosseria desse tipo de carta aberta.

    Em tempo. Essa briga de tapinhas e pitis foi em 2006 :cool:
     
  3. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Não estou aqui recomeçando uma guerra de partidos, nem defendendo veementemente a linguagem bombástica (não é nada mais que isso) do Presidente do CREA, e sim voltando a um assunto antigo:

    -não creio na ingenuidade, no não saber de nada, da mula que nos governa

    -não admito ouvir o asno falar em ética e moral, pois se os tucanos não são santos, o curral esquerdóide não é tampouco feito de beatos

    -nem sou tendencioso ou maniqueísta, me perdoem os colegas valinoreanos, mas eu me revoltei demais com a presunção desse porco de barba arrotando frases de efeito e se comparando a grande líderes, já que a 'liderança' dele vem dos gritos sindicais

    -muito menos sou defensor dos ratos burgueses, sou sim socialista e me revolta ainda mais ver esta besta representando a esquerda no Brasil

    -Finalizando, corrupção sempre existiu no mundo. Esse foi apenas um desabafo. Ignore quem quiser, um post pra satisfazer meu ego e para impulsionar alguma discussão sobre a arrogância do dono de chiqueiros.
     
  4. Daisy_Lee82

    Daisy_Lee82 Humano, Demasiado

    Olha, independente dos textos aqui divulgados, só tenho a dizer que sinto vergonha em ser obrigatoriamente representada por uma pessoa como o Sr. Luis Inácio Lula da Siva...
    Não por ele ter uma origem humilde (longe disso)... mas por ter tido oportunidades na vida de se instruir, de buscar melhores qualificações para o cargo que possui e não ter se preocupado muito com isso, né?! Sim, cargo público, funcionário público, logo, deveria ser pelo menos qualificado para o tal...
    Nem entrarei nas questões éticas neste post... essas que rondeiam o senado e "cercanias"....
    Não acredito na máxima "cada povo merece o governante que possui", pois acredito que eu não mereça isso, não votei nesse cidadão, e acho que o próprio sistema político deva ser repensado, uma vez que o voto da maioria torna-se ditadura para os demais...
    Não estou aqui levantando qualquer bandeira ideológica... gostaria de manter isso claro...
     
  5. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Ha! Tá bom.
     
  6. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Talvez ele devesse ter citado: a maioria com certo senso crítico, pensamento maduro e com vergonha na cara, ou simplesmente gente não dominada por idoelogias, que são minoria no país.
     
  7. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Ou talvez: "a maioria que não participa de um debate social amplo e se alimenta de uma fonte única de informação". Mas nada me vale defender Lula, não tenho ideologia política-partidária nenhuma nem o carisma dele me cega, mas me parece que a insistência nessa aversão é mais pela imagem que ele passa, sem decoro e por vezes ignorante, e aí muita gente que se cobre de hipocrisia fica com vergonha de estar assim representado (ignorando que assim é o povo brasileiro em sua grande maioria), do que por sua posição ética ou sua competência administrativa. Eu vejo gente com brilho nos olhos cada vez que parece que Lula cometeu um ato corrupto, e franzir a boca para dados positivos do governo atual, é lógico demais que já há aí uma grande inimizade gratuita.
     
    Última edição: 27 Jul 2009
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 1
  8. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Concordo com você aqui. Por incrível que pareça já fui tachado de lulista quando apontei pontos fortes de seu governo.

    Com relação a esse tópico, não o levem a sério, não muito. Foi um momento e fúria. Já passou...
     
  9. Melian_ a maia

    Melian_ a maia Eu não sou um

     
    Última edição: 28 Jul 2009
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Eów Dernhelm

    Eów Dernhelm Amigável mesmo sendo um...

    Concordo pelnamente com o Eriadan. Não estou a defender o Lula nem a crucificá-lo. Mas parece até engraçado essa semana estava num bar conversando com algus amigos a respeito da política nacional e outras coisas mais distrativas. Quando falamos a respeito da política eu me atrevi a dar um palpite, algo que raramente acontece, por qeu eu odeio discutir com pessoas sobre pontos de vista politico/partidários; mas eu tenho pra mim que por durante muito tempo o Lula ter sido sempre a oposição; ter sido sempre o 1º a atirar a pedra em mtas pessoas; hoje ele paga por ter sido por vezes tão ávidamente descrente. Muito se fala da corrupção, dos mandos e desmandos dos políticos brasileiros.

    Mas não se houve falar no progresso que o país teve neste últimos 8 anos.

    Muito se fala em que ele acoberta os poderosos; mas é tão engraçado, é como se nunca antes o Brasil tivesse possuido políticos de má fé, que escondem a roubalheira e o mau caratismo debaixo dos panos, ou muitas vezes abertamente.

    Veja exemplo claro disso o Maluf...fez o que fez e ele ainda está no poder. E então quem é realmente pior?!

    Na minah opinião fica dificil descobrir.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  11. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu prometi a mim mesmo que só irei postar algo referente a esse ser absurdamente e infinitamente desprezível quando finalmente acabar o último dia do seu mandato, pois até lá muita merda deste governo ainda vai rolar, mas de qualquer maneira mesmo sendo uma discussão em cima de uma declaração do presidente do CREA que aconteceu há 3 anos atrás, acho válida. Valeu pelo tópico.
     
  12. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Talvez eu esteja sendo ingênuo, exagerado em considerar o enorme desenvolvimento econômico e social do Brasil efeito do crescimento da economia global antes da crise, conquistas sociais isoladas, empreendedorismo brasileiro, social-democracia implantada na vida social por empresas multinacionais (independente de suas intenções).

    Mas o que me revolta não é nem a corrupção, mas a forma como ela se desenrola.

    O chiqueiro de nome PT não rouba às escondidas, nem perverte os mecanismos burocráticos em um processo gradual, Trata-se de não um conspiração como crêem alguns, mas um enorme descaso com o povo brasileiro em que mamatas, caixa dois, mensalões são pouco comparados com a cultura desses ignorantes que sugam nossos peitos até secá-los e nãop escondem seu nojento desprezo por qualquer lei, ou finalidade das isntituições. Qualquer uma delas e todas, assim como seus mecanismos são usados pelo porco-rei e seus asseclas para engordarem às nossas custas. Não é só a democracia que se afronta, aliás, acho que ela nem se abala. O que sai ferido mortalemnte é nosso orgulho, nossa soberania, qualquer sentimento de amor ao país. O problema não é a corrupção mas a transformação de Brasília em um enorme puteiro.
     
  13. Melian_ a maia

    Melian_ a maia Eu não sou um

    O pior não é nada disso que comentamos aqui
    A ultima do Lula deveria ser aquele quase decreto que ele divulgou umas semanas atrás que faria uma lei ilimitando a quantidade de reeleição.
    Q q é? Andou muito com o Fidel e o Hugo Chavez e tá achando graça de ditadura???
    Vem ele com graça que vai tomar um tiro de fuzil na cabeça que nem o ultimo presidente que tentou ser ditador por aqui.
    Mas no fundo tenho que convir que ele é inteligente, ele foi nos lugares certos, nos paises mais pobres, nos estados mais pobres com aquela conversa de bolsa familia, fome zero e blá blá blá. Pobre é facil de enganar,já alguem que não depende de esmolas, não vai seder nem acreditar tão facil. Vejo na TV essas mulheres reclamando das escolas pq a escola exige uma camisetaque custa 10 reais por motivo de segurança p/iniformizar as crianças dizendo q o governo tem q dar, que é um absurdo! Cara eu fico louca com issso!!!! E é esse tipo de pessoas que vota no Lula, gente preguiçosa que faz filho e quer que o governo sustente, tomar o remédio ou usar o preservativo que dá no posto de graça ninguem quer né?
    Por vezes ele usou o bordão "burgues" contra o Covas e o Fernando Henrique (motivo o qual eu não entendo... só pq ambos estudaram em colégios tradicionais de São Paulo? O colégio sempre foi aberto p/ bolsistas, faz a prova e vai lá tbm oras! Eu já fiz,não passei pq tinha uns japas malditos competindo tbm), dois politicos os quais eu respeito muito!
    FHC sei q já teve suas tramóias (não sei se veridicas,mas apareceram umas histórias por aí) mas é graças a ele que esse país não foi p/ inferno antes. E o Covas foi um governador exemplar, e até hj nada sobre ele foi descoberto.

    PS: Desculpa discordar do colega aí em cima, mas eu acho que o Brasil cresceu por sí só, pq como já dizia Cazuza, o tempo não para, não é só pq temos um presidente omisso e cabeça dura por vezes que o país vai a falencia, nossa economia foi estável durante quase 8 anos da gestão anterior, acho que nossos empresários já estão escaldados de juros e inflações ,já sabem como lidar com mercado externo instavel.
     
    Última edição: 29 Jul 2009
  14. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Então, você não discordou de mim. Apenas não tinha certeza se podia afirmar algo assim. Concordamos nesse ponto então. A esquerda lulista como 'fábrica de vagabundos, sanguessugas, parasitas'
     
  15. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie


    Acho que estás falando de outro país na sua última frase. :think:

    :google:
     
  16. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Não, é do Brasil mesmo.
     
  17. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    Se alguém diz que a economia brasileira foi estável durante os 8 anos do governo FHC e que os juros são escaldantes agora em comparação aos juros daquela época... desculpe, mas acho que não é o mesmo país que estamos falando.

    E muito cuidado quando disser que os pobres elegeram e aprovam Lula. 73% da população brasileira não é miserável e nem existe bolsa-família para tantos. :wink:
     
  18. Thorin III

    Thorin III Usuário

    Não acho que nível de instrução deva ser considerado um argumento par criticar (e a maioria aqui, senão todos, o fez de maneira um tanto preconceituosa) o presidente, afinal tivemos muitos doutores na cadeira que não fizeram nada por merecer e desempenharam tal mal ou pior seu papel do que o atual o faz.Fernando Henrique, Fernando Collor, enfim.

    Inconpetência, tendencialismo, indecisão e indefinição, esses sim são argumentos válidos, mas ficar apertando a tecla e chamando-o de burro eu não considero como argumentação válida.Conheço pessoas pobres e muito sábias, e conheço pessoas ricas que não tem um pingo de sabedoria.

    Melian, acho que sua afirmação ficou um tanto quanto equivocada.Em pesquisa documentada, a maioria entrevistada reelegeria Lula para um terceiro mandato.

    Quero deixar claro que não tomei postura defensiva para o presidente, mas eu sou contra o preconceito como forma de debate e argumentação.
     
    Última edição: 5 Ago 2009
    • Gostei! Gostei! x 2
  19. Lyvio

    Lyvio Usuário

    É interessante essa discurção, mas covenhamos, os dados são importantes.

    Estava eu pesquisando na internet e rapidamente achei uma comparação entre ambos os governos, com dados oferecidos por: IBGE, IBGE/Pnad (Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar - desde 1994); ANEEL; Bovespa; CNI; CIESP; Ministérios Federais e Agências Reg.; SUS; CES/FGV; jornais FSP, O Globo e O Estado; Carta O Berro e Grupo Nacional Cidadania e Verdade.

    Podem procurara em cada um esses dados que vocês encontram vai dar um trabalhão mas são dados reais e que merecem ser analisados.

    Apesar de toda a corrupção que vem ocorrendo e sendo descoberta exatamente porque esse é o primeiro governo em que a polícia federal está trabalhando DE VERDADE e investigando inclusive membros do próprio governo algo que nenhum governo teria coragem de fazer. E apesar de tudo a aprovação de Lula ainda é 70% e como o lordpas já disse 70% da população não é pobre ou mizerável e muitas das familias pobres não recebem o bolsa famíla pois muitos prefeitos e governadores acabam desviando o dinheiro como já apareceu várias vezes na televisão.



    TEMA
    LULA (1° mandato)>>>>>>>>>>> Vem acima
    FHC (1° e 2°) (OITO ANOS) >>>>>>>> Vem abixo
    Número de policiais federais
    11 mil
    5 mil
    Operações da PF contra a corrupção, crime organizado, lavagem de dinheiro, etc...
    183
    20
    Prisões efetuadas
    2.971
    54
    Criação de empregos
    6 milhões(4 milhões com carteira assinada)
    700 mil
    Média anual de empregos gerados
    1,14 milhão
    87,5 mil
    Média mensal de empregos gerados
    95 mil
    87 mil (leia -se - 7,2 mil/mês)
    Taxa de desemprego nas regiões metropolitanas:
    8,3%
    11,7%
    Desemprego em SP
    16,9%
    19,0%
    Exportações (em dólares):
    118,3 bilhões
    60,4 bilhões
    Balança comercial (em dólares)
    103,3 bilhões
    - 8,4 bilhões
    Transações correntes (em dólares):
    30,1 bilhões
    - 186,2 bilhões
    Risco-país
    204
    2.400
    Inflação
    2,8%
    12,53%
    Dívida com o FMI (em dólares)
    dívida paga
    14,7 bilhões
    Dívida com o Clube de Paris (em dólares)
    dívida paga
    5 bilhões
    Dívida pública
    34,2%
    35,3%
    Dívida externa
    2,41%
    12,45%
    Investimento em desenvolvimento (em reais)
    47,1 bilhões
    38,2 bilhões
    Empréstimo para habitação (em reais)
    4,5 bilhões
    1,7 bilhões
    PIB
    2,6% ao ano (até 2005)
    2,3% ao ano
    Crescimento industrial
    3,77%
    O lucro líquido das grandes empresas com ações em Bolsa quase triplicou nos três anos e meio de governo de Luiz Inácio Lula da Silva em relação ao período da segunda gestão de Fernando Henrique Cardoso, de 1999 a 2002. Folha de S. Paulo (20/08/2006)
    1,94%
    Produção de bens duráveis
    11%
    2,4%
    Aumento na Produção de veículos
    2,4%
    1,8%
    Crédito para a agricultura familiar
    6,1%
    2,4%
    Crescimento real do salário mínimo
    25,3%
    Ganho real de 25,7% em três anos
    20,6%
    Valor do salário mínimo em dólares
    152
    55
    Poder de compra do salário mínimo em relação à cesta básica
    2,2 cestas básicas
    1,3 cesta básica
    Aumento do custo da cesta básica
    15,6%
    81,6%
    Índice de Desigualdade social
    0,559
    0,573
    Participação dos mais pobres na renda
    15,2%
    14,4%
    Número de pobres
    33,57%
    34,34%
    Número de miseráveis
    25,08%
    26,23%
    Transferência de renda (em reais)
    7,1 bilhões
    2,3 bilhões
    Média por família
    70 reais
    25 reais
    Atendidos pelo programa Saúde da Família
    43,4%
    30,4%
    Atendidos pelo programa Brasil Sorridente (atendimento odontológico)
    33,7%
    17,5%
    Mortalidade infantil indígena (por 1000 habitantes)
    21,6
    55,7
    Número de turistas que vêm ao Brasil
    4,6 milhões
    3,8 milhões
    Pró-jovem - estudo subsidiado
    93 mil (18 a 24 anos)
    * 100 reais por mês de subsídio a cada estudante
    Bolsa Família
    11,1 milhões de famílias
    * Educação e subsídio alimentar
    Incremento no acesso a água no semi-árido nordestino
    762 mil pessoas e 152 mil cisternas
    zero
    Distribuição de leite no semi-árido (sistema pequeno produtor)
    3,3 milhões de brasileiros
    zero
    Áreas ambientais preservadas
    incremento de 19,6 milhões de hectares (2003 a 2006)
    Do ano de 1500 até 2002: 40 milhões de hectares
    Apoio à agricultura familiar
    7,5 bilhões (safra 2005/2006)
    * O governo Lula investirá 10 bilhões na safra 2006/2007

    2,5 bilhões (último ano de governo)
    Compra de terras para Reforma Agrária
    2,7 bilhões (2003 a 2005)
    1,1 bilhão (1999 a 2002)
    Investimento do BNDES em micro e pequenas empresas
    14,99 bilhões
    8,3 bilhões
    Investimentos em alimentação escolar
    1 bilhão
    848 milhões
    Investimento anual em saúde básica
    1,5 bilhão
    155 milhões
    Equipes do Programa Saúde da Família
    21.609
    16.698
    População atendida pelo Prog. Saúde da Família
    70 milhões
    55 milhões
    Porcentagem da população atendida pelo Programa Saúde da Família
    39,7%
    31,9%
    Pacientes com HIV positivo atendidos pela rede pública de saúde
    151 mil
    119 mil
    Juros
    16%
    25%
    Bolsa de Valores BOVESPA
    35,2 mil pontos
    11,2 mil pontos
    Dívida externa
    165 BILHÕES
    210 BILHÕES
    Desemprego no país
    9,6%
    12,2%
    Dívida PIB
    51%
    57,5%
    Eletrificação Rural
    3 milhões de pessoas
    2,7 mil pessoas
    Livros gratuitos para ensino médio

    7 milhões
    zero
    Geração de Energia Elétrica
    1.567 empreendimentos em operação, gerando 95.744.495 kW de potência. Está prevista para os próximos anos uma adição de 26.967.987 kW na capacidade de geração do País, proveniente dos 65 empreendimentos atualmente em construção e mais 516 outorgadas.
    APAGÃO



    E para não dizer que o governo FHC é santo Algumas fraudes...

    1 - Conivência com a corrupção

    O governo do PSDB tem sido conivente com a corrupção. Um dos primeiros gestos de FHC ao assumir a Presidência, em 1995, foi extinguir, por decreto, a Comissão Especial de Investigação, instituída no governo Itamar Franco e composta por representantes da sociedade civil, que tinha como objetivo combater a corrupção. Em 2001, para impedir a instalação da CPI da Corrupção, FHC criou a Controladoria-Geral da União, órgão que se especializou em abafar denúncias.

    EXTINTA ATRAVES DO DECRETO 1376, DE 10 DE JANEIRO DE 1995.

    Podem pesquisar.

    2 - O escândalo do Sivam

    O contrato para execução do projeto Sivam foi marcado por escândalos. A empresa Esca, associada à norte-americana Raytheon, e responsável pelo gerenciamento do projeto, foi extinta por fraudes contra a Previdência. Denúncias de tráfico de influência derrubaram o embaixador Júlio César dos Santos e o ministro da Aeronáutica, Brigadeiro Mauro Gandra.

    3 - A farra do Proer

    O Proer demonstrou, já em 1996, como seriam as relações do governo FHC com o sistema financeiro. Para FHC, o custo do programa ao Tesouro Nacional foi de 1% do PIB. Para os ex-presidentes do BC, Gustavo Loyola e Gustavo Franco, atingiu 3% do PIB. Mas para economistas da Cepal, os gastos chegaram a 12,3% do PIB, ou R$ 111,3 bilhões, incluindo a recapitalização do Banco do Brasil, da CEF e o socorro aos bancos estaduais.

    4 - Caixa-dois de campanhas

    As campanhas de FHC em 1994 e em 1998 teriam se beneficiado de um esquema de caixa-dois. Em 1994, pelo menos R$ 5 milhões não apareceram na prestação de contas entregue ao TSE. Em 1998, teriam passado pela contabilidade paralela R$ 10,1 milhões.

    5 - Propina na privatização

    A privatização do sistema Telebrás e da Vale do Rio Doce foi marcada pela suspeição. Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-caixa de campanha de FHC e do senador José Serra e ex-diretor da Área Internacional do Banco do Brasil, é acusado de pedir propina de R$ 15 milhões para obter apoio dos fundos de pensão ao consórcio do empresário Benjamin Steinbruch, que levou a Vale, e de ter cobrado R$ 90 milhões para ajudar na montagem do consórcio Telemar.

    6 - A emenda da reeleição

    O instituto da reeleição foi obtido por FHC a preços altos. Gravações revelaram que os deputados Ronivon Santiago e João Maia, do PFL do Acre, ganharam R$ 200 mil para votar a favor do projeto. Os deputados foram expulsos do partido e renunciaram aos mandatos. Outros três deputados acusados de vender o voto, Chicão Brígido, Osmir Lima e Zila Bezerra, foram absolvidos pelo plenário da Câmara.

    7 - Grampos telefônicos

    Conversas gravadas de forma ilegal foram um capítulo à parte no governo FHC. Durante a privatização do sistema Telebrás, grampos no BNDES flagraram conversas de Luiz Carlos Mendonça de Barros, então ministro das Comunicações, e André Lara Resende, então presidente do BNDES, articulando o apoio da Previ para beneficiar o consórcio do banco Opportunity, que tinha como um dos donos o economista Pérsio Arida, amigo de Mendonça de Barros e de Lara Resende. Até FHC entrou na história, autorizando o uso de seu nome para pressionar o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    8 - TRT paulista

    A construção da sede do TRT paulista representou um desvio de R$ 169 milhões aos cofres públicos. A CPI do Judiciário contribuiu para levar o juiz Nicolau dos Santos Neto, ex-presidente do Tribunal, para a cadeia e para cassar o mandato do Senador Luiz Estevão (PMDB-DF), dois dos principais envolvidos no caso.

    9 - Os ralos do DNER

    O DNER foi o principal foco de corrupção no governo de FHC. Seu último avanço em matéria de tecnologia da propina atende pelo nome de precatórios. A manobra consiste em furar a fila para o pagamento desses títulos. Estima-se que os beneficiados pela fraude pagavam 25% do valor dos precatórios para a quadrilha que comandava o esquema. O órgão acabou sendo extinto pelo governo.

    10 - O "caladão"

    O Brasil calou no início de julho de 1999 quando o governo FHC implementou o novo sistema de Discagem Direta a Distância (DDD). Uma pane geral deixou os telefones mudos. As empresas que provocaram o caos no sistema haviam sido recém-privatizadas. O "caladão" provocou prejuízo aos consumidores, às empresas e ao próprio governo. Ficou tudo por isso mesmo.

    11 - Desvalorização do real

    FHC se reelegeu em 1998 com um discurso que pregava "ou eu ou o caos". Segurou a quase paridade entre o real e o dólar até passar o pleito. Vencida a eleição, teve de desvalorizar a moeda. Há indícios de vazamento de informações do Banco Central. O deputado Aloizio Mercadante, do PT, divulgou lista com o nome dos 24 bancos que lucraram muito com a mudança cambial e outros quatro que registraram movimentação especulativa suspeita às vésperas do anúncio das medidas.

    12 - O caso Marka/FonteCindam

    Durante a desvalorização do real, os bancos Marka e FonteCindam foram socorridos pelo Banco Central com R$ 1,6 bilhão. O pretexto é que a quebra desses bancos criaria risco sistêmico para a economia. Chico Lopes, ex-presidente do BC, e Salvatore Cacciola, ex-dono do Banco Marka, estiveram presos, ainda que por um pequeno lapso de tempo. Cacciola retornou à sua Itália natal, onde vive tranqüilo.

    13 - Base de Alcântara

    O governo FHC enfrenta resistências para aprovar o acordo de cooperação internacional que permite aos Estados Unidos usarem a Base de Lançamentos Espaciais de Alcântara (MA). Os termos do acordo são lesivos aos interesses nacionais. Exemplos: áreas de depósitos de material americano serão interditadas a autoridades brasileiras. O acesso brasileiro a novas tecnologias fica bloqueado e o acordo determina ainda com que países o Brasil pode se relacionar nessa área. Diante disso, o PT apresentou emendas ao tratado – todas acatadas na Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

    14 - Biopirataria oficial

    Antigamente, os exploradores levavam nosso ouro e pedras preciosas. Hoje, levam nosso patrimônio genético. O governo FHC teve de rever o contrato escandaloso assinado entre a Bioamazônia e a Novartis, que possibilitaria a coleta e transferência de 10 mil microorganismos diferentes e o envio de cepas para o exterior, por 4 milhões de dólares. Sem direito ao recebimento de royalties. Como um único fungo pode render bilhões de dólares aos laboratórios farmacêuticos, o contrato não fazia sentido. Apenas oficializava a biopirataria.

    15 - O fiasco dos 500 anos

    As festividades dos 500 anos de descobrimento do Brasil, sob coordenação do ex-ministro do Esporte e Turismo, Rafael Greca (PFL-PR), se transformaram num fiasco monumental. Índios e sem-terra apanharam da polícia quando tentaram entrar em Porto Seguro (BA), palco das comemorações. O filho do presidente, Paulo Henrique Cardoso, é um dos denunciados pelo Ministério Público de participação no episódio de superfaturamento da construção do estande brasileiro na Feira de Hannover, em 2000.

    16 - Eduardo Jorge, um personagem suspeito

    Eduardo Jorge Caldas, ex-secretário-geral da Presidência, é um dos personagens mais sombrios que freqüentou o Palácio do Planalto na era FHC. Suspeita-se que ele tenha se envolvido no esquema de liberação de verbas para o TRT paulista e em superfaturamento no Serpro, de montar o caixa-dois para a reeleição de FHC, de ter feito lobby para empresas de informática, e de manipular recursos dos fundos de pensão nas privatizações. Também teria tentado impedir a falência da Encol.

    17 - Drible na reforma tributária

    O PT participou de um acordo, do qual faziam parte todas as bancadas com representação no Congresso Nacional, em torno de uma reforma tributária destinada a tornar o sistema mais justo, progressivo e simples. A bancada petista apoiou o substitutivo do relator do projeto na Comissão Especial de Reforma Tributária, deputado Mussa Demes (PFL-PI). Mas o ministro da Fazenda, Pedro Malan, e o Palácio do Planalto impediram a tramitação.

    18 - Rombo transamazônico na Sudam

    O rombo causado pelo festival de fraudes transamazônicas na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, a Sudam, no período de 1994 a 1999, ultrapassa R$ 2 bilhões. As denúncias de desvios de recursos na Sudam levaram o ex-presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA) a renunciar ao mandato. Ao invés de acabar com a corrupção que imperava na Sudam e colocar os culpados na cadeia, o presidente Fernando Henrique Cardoso resolveu extinguir o órgão. O PT ajuizou ação de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal contra a providência do governo.

    19 - Os desvios na Sudene

    Foram apurados desvios de R$ 1,4 bilhão em 653 projetos da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste, a Sudene. A fraude consistia na emissão de notas fiscais frias para a comprovação de que os recursos recebidos do Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor) foram aplicados. Como no caso da Sudam, FHC decidiu extinguir o órgão. O PT também questionou a decisão no Supremo Tribunal Federal.

    20 - Calote no Fundef

    O governo FHC desrespeita a lei que criou o Fundef. Em 2002, o valor mínimo deveria ser de R$ 655,08 por aluno/ano de 1ª a 4ª séries e de R$ 688,67 por aluno/ano da 5ª a 8ª séries do ensino fundamental e da educação especial. Mas os valores estabelecidos ficaram abaixo: R$ 418,00 e R$ 438,90, respectivamente. O calote aos estados mais pobres soma R$ 11,1 bilhões desde 1998.

    21 - Abuso de MPs

    Enquanto senador, FHC combatia com veemência o abuso nas edições e reedições de Medidas Provisórias por parte José Sarney e Fernando Collor. Os dois juntos editaram e reeditaram 298 MPs. Como presidente, FHC cedeu à tentação autoritária. Editou e reeditou, em seus dois mandatos, 5.491medidas. O PT participou ativamente das negociações que resultaram na aprovação de emenda constitucional que limita o uso de MPs.

    22 - Acidentes na Petrobras

    Por problemas de gestão e falta de investimentos, a Petrobras protagonizou uma série de acidentes ambientais no governo FHC que viraram notícia no Brasil e no mundo. A estatal foi responsável pelos maiores desastres ambientais ocorridos no País nos últimos anos. Provocou, entre outros, um grande vazamento de óleo na Baía de Guanabara, no Rio, outro no Rio Iguaçu, no Paraná. Uma das maiores plataformas da empresa, a P-36, afundou na Bacia de Campos, causando a morte de 11 trabalhadores. A Petrobras também ganhou manchetes com os acidentes de trabalho em suas plataformas e refinarias que ceifaram a vida de centenas de empregados.

    23 - Apoio a Fujimori

    O presidente FHC apoiou o terceiro mandato consecutivo do corrupto ditador peruano Alberto Fujimori, um sujeito que nunca deu valor à democracia e que fugiu do País para não viver os restos de seus dias na cadeia. Não bastasse isso, concedeu a Fujimori a medalha da Ordem do Cruzeiro do Sul, o principal título honorário brasileiro. O Senado, numa atitude correta, acatou sugestão apresentada pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR) e cassou a homenagem.

    24 - Desmatamento na Amazônia

    Por meio de decretos e medidas provisórias, o governo FHC desmontou a legislação ambiental existente no País. As mudanças na legislação ambiental debilitaram a proteção às florestas e ao cerrado e fizeram crescer o desmatamento e a exploração descontrolada de madeiras na Amazônia. Houve aumento dos focos de queimadas. A Lei de Crimes Ambientais foi modificada para pior.

    25 – Os computadores do FUST

    A idéia de equipar todas as escolas públicas de ensino médio com 290 mil computadores se transformou numa grande negociata. Os recursos para a compra viriam do Fundo de Universalização das Telecomunicações, o Fust. Mas o governo ignorou a Lei de Licitações, a 8.666. Além disso, fez megacontrato com a Microsoft, que teria, com o Windows, o monopólio do sistema operacional das máquinas, quando há softwares que poderiam ser usados gratuitamente. A Justiça e o Tribunal de Contas da União suspenderam o edital de compra e a negociata está suspensa.

    26 - Arapongagem

    O governo FHC montou uma verdadeira rede de espionagem para vasculhar a vida de seus adversários e monitorar os passos dos movimentos sociais. Essa máquina de destruir reputações é constituída por ex-agentes do antigo SNI ou por empresas de fachada. Os arapongas tucanos sabiam da invasão dos sem-terra à propriedade do presidente em Buritis, em março deste ano, e o governo nada fez para evitar a operação. Eles foram responsáveis também pela espionagem contra Roseana Sarney.

    27 - O esquema do FAT

    A Fundação Teotônio Vilela, presidida pelo ex-presidente do PSDB, senador alagoano Teotônio Vilela, e que tinha como conselheiro o presidente FHC, foi acusada de envolvimento em desvios de R$ 4,5 milhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Descobriu-se que boa parte do dinheiro, que deveria ser usado para treinamento de 54 mil trabalhadores do Distrito Federal, sumiu. As fraudes no financiamento de programas de formação profissional ocorreram em 17 unidades da federação e estão sob investigação do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Ministério Público.

    28 - Mudanças na CLT

    A maioria governista na Câmara dos Deputados aprovou, contra o voto da bancada do PT, projeto que flexibiliza a CLT, ameaçando direitos consagrados dos trabalhadores, como férias, décimo terceiro e licença maternidade. O projeto esvazia o poder de negociação dos sindicatos. No Senado, o governo FHC não teve forças para levar adiante essa medida anti-social.

    29 - Obras irregulares

    Um levantamento do Tribunal de Contas da União, feito em 2001, indicou a existência de 121 obras federais com indícios de irregularidades graves. A maioria dessas obras pertence a órgãos como o extinto DNER, os ministérios da Integração Nacional e dos Transportes e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. Uma dessas obras, a hidrelétrica de Serra da Mesa, interior de Goiás, deveria ter custado 1,3 bilhão de dólares. Consumiu o dobro.

    30 - Explosão da dívida pública

    Quando FHC assumiu a Presidência da República, em janeiro de 1995, a dívida pública interna e externa somava R$ 153,4 bilhões. Entretanto, a política de juros altos de seu governo, que pratica as maiores taxas do planeta, elevou essa dívida para R$ 684,6 bilhões em abril de 2002, um aumento de 346%. Hoje, a dívida já equivale a preocupantes 54,5% do PIB.

    31 - Avanço da dengue

    A omissão do Ministério da Saúde é apontada como principal causa da epidemia de dengue no Rio de Janeiro. O ex-ministro José Serra demitiu seis mil mata-mosquitos contratados para eliminar focos do mosquito Aedes Aegypti. Em 2001, o Ministério da Saúde gastou R$ 81,3 milhões em propaganda e apenas R$ 3 milhões em campanhas educativas de combate à dengue. Resultado: de janeiro a maio de 2002, só o estado do Rio registrou 207.521 casos de dengue, levando 63 pessoas à morte.

    32 – Verbas do BNDES

    Além de vender o patrimônio público a preço de banana, o governo FHC, por meio do BNDES, destinou cerca de R$ 10 bilhões para socorrer empresas que assumiram o controle de ex-estatais privatizadas. Quem mais levou dinheiro do banco público que deveria financiar o desenvolvimento econômico e social do Brasil foram as teles e as empresas de distribuição, geração e transmissão de energia. Em uma das diversas operações, o BNDES injetou R$ 686,8 milhões na Telemar, assumindo 25% do controle acionário da empresa.

    33 - Crescimento pífio do PIB

    Na "Era FHC", a média anual de crescimento da economia brasileira estacionou em pífios 2%, incapaz de gerar os empregos que o País necessita e de impulsionar o setor produtivo. Um dos fatores responsáveis por essa quase estagnação é o elevado déficit em conta-corrente, de 23 bilhões de dólares no acumulado dos últimos 12 meses. Ou seja: devido ao baixo nível da poupança interna, para investir em seu desenvolvimento, o Brasil se tornou extremamente dependente de recursos externos, pelos quais paga cada vez mais caro.

    34 – Renúncias no Senado

    A disputa política entre o Senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e o Senador Jader Barbalho (PMDB-PA), em torno da presidência do Senado expôs publicamente as divergências da base de sustentação do governo. ACM renunciou ao mandato, sob a acusação de violar o painel eletrônico do Senado na votação que cassou o mandato do senador Luiz Estevão (PMDB-DF). Levou consigo seu cúmplice, o líder do governo, senador José Roberto Arruda (PSDB-DF). Jader Barbalho se elegeu presidente do Senado, com apoio ostensivo de José Serra e do PSDB, mas também acabou por renunciar ao mandato, para evitar a cassação. Pesavam contra ele denúncias de desvio de verbas da Sudam.

    35 - Racionamento de energia

    A imprevidência do governo FHC e das empresas do setor elétrico gerou o apagão. O povo se mobilizou para abreviar o racionamento de energia. Mesmo assim foi punido. Para compensar supostos prejuízos das empresas, o governo baixou Medida Provisória transferindo a conta do racionamento aos consumidores, que são obrigados a pagar duas novas tarifas em sua conta de luz. O pacote de ajuda às empresas soma R$ 22,5 bilhões.

    36 - Assalto ao bolso do consumidor

    FHC quer que o seu governo seja lembrado como aquele que deu proteção social ao povo brasileiro. Mas seu governo permitiu a elevação das tarifas públicas bem acima da inflação. Desde o início do plano real até agora, o preço das tarifas telefônicas foi reajustado acima de 580%. Os planos de saúde subiram 460%, o gás de cozinha 390%, os combustíveis 165%, a conta de luz 170% e a tarifa de água 135%. Neste período, a inflação acumulada ficou em 80%.

    37 – Explosão da violência

    O Brasil é um país cada vez mais violento. E as vítimas, na maioria dos casos, são os jovens. Na última década, o número de assassinatos de jovens de 15 a 24 anos subiu 48%. A Unesco coloca o País em terceiro lugar no ranking dos mais violentos, entre 60 nações pesquisadas. A taxa de homicídios por 100 mil habitantes, na população geral, cresceu 29%. Cerca de 45 mil pessoas são assassinadas anualmente. FHC pouco ou nada fez para dar mais segurança aos brasileiros.

    38 – A falácia da Reforma agrária

    O governo FHC apresentou ao Brasil e ao mundo números mentirosos sobre a reforma agrária. Na propaganda oficial, espalhou ter assentado 600 mil famílias durante oito anos de reinado. Os números estavam inflados. O governo considerou assentadas famílias que haviam apenas sido inscritas no programa. Alguns assentamentos só existiam no papel. Em vez de reparar a fraude, baixou decreto para oficializar o engodo.

    39 - Subserviência internacional

    A timidez marcou a política de comércio exterior do governo FHC. Num gesto unilateral, os Estados Unidos sobretaxaram o aço brasileiro. O governo do PSDB foi acanhado nos protestos e hesitou em recorrer à OMC. Por iniciativa do PT, a Câmara aprovou moção de repúdio às barreiras protecionistas. A subserviência é tanta que em visita aos EUA, no início deste ano, o ministro Celso Lafer foi obrigado a tirar os sapatos três vezes e se submeter a revistas feitas por seguranças de aeroportos.

    40 – Renda em queda e desemprego em alta

    Para o emprego e a renda do trabalhador, a Era FHC pode ser considerada perdida. O governo tucano fez o desemprego bater recordes no País. Na região metropolitana de São Paulo, o índice de desemprego chegou a 20,4% em abril, o que significa que 1,9 milhão de pessoas estão sem trabalhar. O governo FHC promoveu a precarização das condições de trabalho. O rendimento médio dos trabalhadores encolheu nos últimos três anos.

    41 - Relações perigosas

    Diga-me com quem andas e te direi quem és. Esse ditado revela um pouco as relações suspeitas do presidenciável tucano José Serra com três figuras que estiveram na berlinda nos últimos dias. O economista Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-caixa de campanha de Serra e de FHC, é acusado de exercer tráfico de influência quando era diretor do Banco do Brasil e de ter cobrado propina no processo de privatização. Ricardo Sérgio teria ajudado o empresário espanhol Gregório Marin Preciado a obter perdão de uma dívida de R$ 73 milhões junto ao Banco do Brasil. Preciado, casado com uma prima de Serra, foi doador de recursos para a campanha do senador paulista. Outra ligação perigosa é com Vladimir Antonio Rioli, ex-vice-presidente de operações do Banespa e ex-sócio de Serra em empresa de consultoria. Ele teria facilitado uma operação irregular realizada por Ricardo Sérgio para repatriar US$ 3 milhões depositados em bancos nas Ilhas Cayman - paraíso fiscal do Caribe.

    42 – Violação aos direitos humanos

    Massacres como o de Eldorado do Carajás, no sul do Pará, onde 19 sem-terra foram assassinados pela polícia militar do governo do PSDB em 1996, figuram nos relatórios da Anistia Internacional, que recentemente denunciou o governo FHC de violação aos direitos humanos. A Anistia critica a impunidade e denuncia que polícias e esquadrões da morte vinculados a forças de segurança cometeram numerosos homicídios de civis, inclusive crianças, durante o ano de 2001. A entidade afirma ainda que as práticas generalizadas e sistemáticas de tortura e maus-tratos prevalecem nas prisões.

    43 – Correção da tabela do IR

    Com fome de leão, o governo congelou por seis anos a tabela do Imposto de Renda. O congelamento aumentou a base de arrecadação do imposto, pois com a inflação acumulada, mesmo os que estavam isentos e não tiveram ganhos salariais, passaram a ser taxados. FHC só corrigiu a tabela em 17,5% depois de muita pressão da opinião pública e após aprovação de projeto pelo Congresso Nacional. Mesmo assim, após vetar o projeto e editar uma Medida Provisória que incorporava parte do que fora aprovado pelo Congresso, aproveitou a oportunidade e aumentou alíquotas de outros tributos.

    44 – Intervenção na Previ

    FHC aproveitou o dia de estréia do Brasil na Copa do Mundo de 2002 para decretar intervenção na Previ, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, com patrimônio de R$ 38 bilhões e participação em dezenas de empresas. Com este gesto, afastou seis diretores, inclusive os três eleitos democraticamente pelos funcionários do BB. O ato truculento ocorreu a pedido do banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunitty. Dias antes da intervenção, FHC recebeu Dantas no Palácio Alvorada. O banqueiro, que ameaçou divulgar dossiês comprometedores sobre o processo de privatização, trava queda-de-braço com a Previ para continuar dando as cartas na Brasil Telecom e outras empresas nas quais são sócios.

    45 – Barbeiragens do Banco Central

    O Banco Central – e não o crescimento de Lula nas pesquisas – tem sido o principal causador de turbulências no mercado financeiro. Ao antecipar de setembro para junho o ajuste nas regras dos fundos de investimento, que perderam R$ 2 bilhões, o BC deixou o mercado em polvorosa. Outro fator de instabilidade foi a decisão de rolar parte da dívida pública estimulando a venda de títulos LFTs de curto prazo e a compra desses mesmos papéis de longo prazo. Isto fez subir de R$ 17,2 bilhões para R$ 30,4 bilhões a concentração de vencimentos da dívida nos primeiros meses de 2003. O dólar e o risco Brasil dispararam. Combinado com os especuladores e o comando da campanha de José Serra, Armínio Fraga não vacilou em jogar a culpa no PT e nas eleições.

    Esses acima são dados fornecidos pelo próprio PT poderia ser considerados suspeitos, mas uma boa pesquisa na internet revela muitos deles em revistas e jornais de confiança como por exemplo Carta Capital.

    Detalhe, não sou PT, apenas acho justo mostrar a realidade para não cucificarem o governo de lula como se ele fosse o pior da história como muitos estão fazendo aqui.

    O governo teve muiota corrupção sim mas apesar disso devemos olhar as benfeitorias apesar de tudo.

    AGORA ISSO VAI PEGAR FOGO!:joy: kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Vamo lá gente postar!
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  20. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Ainda sim, não se justifica as tentativa do Governo em tentar salvar o pescoço do rei do Maranhão, o augustíssimo José Sarney (cuja a passagem pela presidência nos anos 80 ainda estão bem vivos na cabeça deste escriba). O maior erro que Lula cometeu foi ter feito alianças com partidos X, Y, W e agora tem de ficar de mãos atadas diante de tantos escândalos que ocorrem no Senado e na Câmara. Se, desde o princípio, o presidente não tivesse optado por formar a base com partidos díspares e sem expressão ou de ideologias que mudam como uma biruta a menor brisa, com certeza seus 2 mandatos entrariam para a História.
     

Compartilhar